terça-feira, 17 de julho de 2018

Especialista aponta os benefícios do tempo frio para as atividades físicas

Da redação 

As baixas temperaturas estão sempre acompanhadas por duas tentações que são inimigas da saúde e da boa forma: a vontade de comer e a preguiça de se exercitar. Mas, quem tiver coragem de “sair da toca” não vai se arrepender, já que o frio traz uma série de benefícios para os resultados dos treinos, segundo o professor da Ecofit, primeira academia ecológica do Brasil, Daniel Campos.

Em baixas temperaturas há o aumento do gasto energético durante o treino | Foto: Freepik
“O clima frio pode ser um grande aliado nos efeitos da atividade física, pois o corpo tem um aumento na queima de calorias para que consiga manter a temperatura adequada para a prática de exercícios, o que auxilia o emagrecimento. Além disso, no frio o cansaço demora mais a aparecer, e a pessoa consegue treinar com mais intensidade”, explica Campos.

De acordo com o especialista, por mais que treinar no frio aumente o gasto energético, se tornando uma ótima opção para quem deseja queimar gordura, o ideal é fazer as atividades em um ambiente controlado, como o das academias. Isso porque o frio extremo traz riscos de lesão e pode gerar desconfortos respiratórios.

“Quando inspiramos ar gelado, ficamos mais propensos a pegar uma gripe ou resfriado. Em contrapartida, a atividade física ajuda a melhorar o sistema imunológico. Logo, ela não deve deixar de ser praticada, bastando apenas que se procure um ambiente com a temperatura controlada”, diz Campos.

Para o professor, o exercício em temperaturas extremas sempre requer cuidado. O calor, por exemplo, pode causar queda de pressão, cãibras e indisposição. No frio, atividades aeróbias, esportes coletivos, treinamento funcional e aulas de ginástica são boas opções para manter uma frequência cardíaca mais alta e a circulação nas extremidades menos prejudicada, distribuindo oxigênio e nutrientes pelo corpo todo.

“Nas baixas temperaturas, um bom aquecimento é ainda mais fundamental. Ele lubrifica as articulações e aumenta o fluxo sanguíneo nos músculos em movimento, diminuindo a rigidez e permitindo que eles se contraiam mais rápido e com mais força. Desta forma, há uma melhora na amplitude dos movimentos, o que diminui o risco de lesões”, explica o especialista.

Algumas dicas são importantes para o treino no inverno
No frio, é normal sentir menos sede, mas é fundamental não diminuir a hidratação, que ajuda o corpo a manter a sua temperatura e as suas funções fisiológicas.

Sobre a roupa, é importante manter-se aquecido, mas recomenda-se maneirar no casaco durante o exercício em ambiente interno. Hoje, é possível encontrar roupas que ajudam a manter o aquecimento e contribuem na absorção da transpiração, como camisetas, calças e shorts térmicos.

Pessoas que correm e treinam em ambientes externos, como ruas e praças, devem manter as
extremidades do corpo bem aquecidas.

“Cada pessoa se adapta de uma maneira diferente ao clima, por isso é sempre importante a atividade ser acompanhada por um profissional de educação física, preparado para ajudar nesta adaptação”, finaliza Campos.



Coceira: conheça as principais doenças que causam esse sintoma

Da redação

A maioria das pessoas, em algum momento da vida, sofreu com uma coceira incômoda, quando não insuportável, em alguma parte do corpo. Coceira na pele, dependendo da intensidade e evolução, pode comprometer de forma significativa a qualidade de vida dos pacientes. Por isso, a Sociedade Brasileira de Dermatologia listou (abaixo) as principais doenças da pele que podem dar coceira.

Coceira também pode ter causa psicológica | Foto: reprodução 
O prurido ou coceira na pele é um motivo de alerta principalmente quando persiste por mais de 6 semanas ou é recorrente. Mesmo quando tratada e, principalmente quando não aparecem lesões na pele, a coceira pode estar associada a doenças sistêmicas, precisando de diagnóstico e tratamento.

Normalmente, quando a coceira é aguda, pode ser decorrente de uma reação adversa por medicamento tomado nas últimas semanas ou ser causada por alguma substância irritante que entrou em contato com a pele (dermatite de contato). Pode ainda ser desencadeada por picadas de insetos, algumas vezes acompanhar viroses ou ainda ser causada por certas doenças dermatológicas específicas como a escabiose, dermatite seborreica, dermatite atópica, eczema e micoses.

A coceira também pode ter causa psicológica e até psiquiátrica e, muitas vezes, piora com a ansiedade, com o calor e com exercícios.

Ressecamento da pele (xerose)
A xerose ou ressecamento da pele pode ser encontrada em qualquer parte do corpo, principalmente nas pernas, braços e mãos. Banhos quentes, demorados, com esponjas e com muito sabonete, o sol,  vento, frio, poluição e produtos químicos são os fatores externos mais conhecidos como causadores de xerose. A idade é outro fator que influencia o grau de ressecamento da pele. Assim, idosos, crianças e mulheres na menopausa tendem a ter a pele mais seca. Para evitar a xerose é preciso alguns cuidados, como tomar banhos mornos, sem esponjas e com pouco sabonete, usar filtros solares, utilizar hidratantes, evitar a exposição solar prolongada e usar luvas apropriadas durante a manipulação de produtos químicos.

Dermatite atópica
É um dos tipos mais comuns de alergia da pele. Não contagiosa, genética e crônica, se caracteriza por pele seca e coceira intensa. Geralmente ocorre em pessoas com história pessoal ou familiar de asma, rinite ou mesmo eczema atópico. Provoca lesões avermelhadas, descamativas, escoriadas e, muitas vezes, com crostas principalmente nas dobras do cotovelo, atrás dos joelhos e pescoço. A pele do paciente atópico funciona como uma barreira protetora inadequada e com isso, qualquer estímulo externo pode desencadear a coceira. O contato com materiais ásperos, exposição a poluição, ar condicionado, fumaça, poeira, fragrâncias ou corantes adicionados a loções ou sabonetes, detergentes e produtos de limpeza em geral, roupas de lã e de tecido sintético, baixa umidade do ar, frio intenso, calor e transpiração, infecções, estresse emocional e certos alimentos são fatores de risco para o desencadeamento da coceira. Fortalecer a barreira da pele usando hidratantes específicos para pele muito seca, protegendo do sol e evitando os fatores de risco, são a base do tratamento.

Sarna (escabiose)
É uma parasitose humana causada pelo ácaro Sarcoptes Scabiei. A fecundação do ácaro ocorre na superfície da pele. Após o macho morrer, a fêmea penetra na pele, cava um túnel por 30 dias e deposita os ovos. Quando eles eclodem, liberam larvas que voltam à superfície da pele para completar o ciclo. O contágio se dá pelo contato entre humanos, por contato direto com pessoa ou roupas e outros objetos contaminados. O principal sintoma é a coceira ou prurido, que é sentido principalmente à noite. As principais lesões na pele são os túneis e, nas suas extremidades, pequenas vesículas. As lesões aparecem geralmente entre os dedos das mãos, nas axilas, nos punhos, na palma da mão, auréolas e genitais. O tratamento é individualizado para cada paciente.

Líquen plano
Trata-se de uma doença inflamatória crônica que pode afetar as mucosas, pele, unhas e cabelo, acomete homens e, principalmente, mulheres de meia idade sendo raro em crianças. É uma doença recorrente e pruriginosa de causa desconhecida provavelmente mediada por mecanismos imunológicos, podendo estar associada a algumas doenças sistêmicas e mesmo a alguns medicamentos. O ato de coçar pode desencadear lesões novas, por isso é imperioso evitar sempre a coçadura.  A doença pode acometer só a pele, ou só a mucosa oral ou se apresentar em ambas localizações. O ressecamento da pele e o stress podem ser fatores de piora da coceira.

Urticária
A urticária é uma irritação da pele caracterizada por placas avermelhadas e/ou vergões que parecem picada de inseto que duram até 24h, desaparecem e depois retornam em outras áreas, deixando a sensação de que estão se movimentando pelo corpo. A doença gera coceira intensa e pode surgir em tamanhos e locais variados. A urticária pode ser crônica ou aguda. A aguda desaparece em pouco tempo, e, ao identificar os possíveis gatilhos – como uso de medicamentos ou alimentação – recomenda-se ao paciente que evite a exposição a tais agentes. Em determinados casos, o médico especialista pode solicitar exames de sangue e da pele para confirmar os fatores que desencadeiam a urticária aguda. O diagnóstico da classificação entre a aguda ou crônica é determinado pela duração, sendo a duração da crônica maior do que seis semanas. A urticária quando crônica normalmente é multifatorial e pode estar associada a doenças sistêmicas e doenças autoimunes.

Dermatite de contato
A dermatite de contato é uma reação inflamatória na pele decorrente da exposição a um agente capaz de causar irritação ou alergia. Existem dois tipos de dermatite de contato: a irritativa, causada por substâncias ácidas ou alcalinas, como sabonetes; e a alérgica, que surge após repetidas exposições a um produto ou substância.

As lesões da pele acometem o local de contato com a pele, podendo se estender à distância, ou seja, fora do local de contato do problema, por exemplo, uma alergia a esmalte pode dar coceira nas pálpebras. As dermatites de contato podem ocorrer tanto no ambiente doméstico como nas atividades de lazer e no trabalho. O diagnóstico pode ser esclarecido pelo teste alérgico de contato. A partir da substância testada, pode ser sugerida a causa da dermatite de contato e iniciar o tratamento mais indicado para cada paciente.   

Caspa (dermatite seborreica)
É uma inflamação na pele que causa descamação, vermelhidão, oleosidade e coceira em algumas áreas onde a pele é oleosa ou gordurosa, como couro cabeludo, sobrancelhas, pálpebras, vincos do nariz, lábios, atrás das orelhas e tórax. Trata-se de uma doença de caráter crônico, com períodos de melhora e piora dos sintomas. Não é contagiosa, nem causada por falta de higiene. Ansiedade, baixa temperatura, situações de fadiga, consumo de álcool, medicamentos e deficiência de alguns nutrientes podem ser fatores de risco para o surgimento e manutenção das lesões. O tratamento precoce das crises é importante e pode envolver as seguintes medidas: lavagens mais frequentes para diminuir a oleosidade da pele, porém sem uso de substâncias irritantes, a utilização de xampus específicos e tentar evitar os fatores de piora descritos acima.

Piolho (pediculose)
Conhecida popularmente como piolho, mais comum em crianças, é uma doença parasitária causada por insetos sugadores de sangue que vivem e se reproduzem na superfície da pele e dos pelos. É importante a família saber que as crianças não devem ir de cabelo molhado para a escola, porque a umidade e a aglomeração de indivíduos favorecem a infestação do piolho. Portanto, o ideal é que os cabelos sejam lavados ao final do dia. As crianças de cabelos compridos devem ir à escola com os cabelos presos. É importante orientar os pequenos para não compartilharem objetos de uso pessoal como escovas de cabelo, pentes, arcos e bonés.

Prurido gravídico (na gravidez)
Durante a gravidez podem ocorrer dermatoses específicas da gestação que causam coceira intensa. Normalmente ocorre na primeira gravidez e no último trimestre. A mais frequente se manifesta com pápulas nas estrias abdominais poupando a região ao redor do umbigo.






segunda-feira, 16 de julho de 2018

Paisagem Festival ocorre em Vinhedo neste mês

Da redação

De 27 a 29 de julho, o Parque Municipal Jayme Ferragut, em Vinhedo (SP), sedia a 2ª edição da Paisagem Festival de Impressões, que reúne uma feira de exposição, trocas e vendas de produções gráficas e publicações independentes, com o objetivo de difundir a cultura da arte gráfica em escala internacional, por meio do intercâmbio de produções entre Brasil e Portugal.

Lançamento do livro será em 28 de julho | Imagem: divulgação 
Na programação do evento, destaque para o lançamento do livro "Ipoti - Amigos na Mata", escrito pela jornalista e arte-educadora Karime Ribeiro, com ilustração de Mel Nogueira Franco Corrêa, em 28 de julho. Na ocasião, das 14h às 15h, haverá contação de história com a atriz Lis Nasser, que também fará atividades lúdicas e educativas com as crianças.

A publicação, totalmente independente, pretende levar a reflexão sobre a inocência e o respeito que devemos ter pela natureza, pelos mais antigos e pela sabedoria da cultura indígena.

O Parque Municipal Jayme Ferragut fica na Estrada da Boiada, s/nº, em Vinhedo, interior de São Paulo.


Como proteger a pele e o cabelo do tempo seco

Da Redação

Os dias de chuva estão cada vez mais escassos neste inverno, que promete ser um dos que mais sofrerá com a estiagem, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A falta de umidade é um fator que causa muitos danos ao corpo humano, mas quando se trata de pele e de cabelo os  estragos podem ser ainda maiores, por serem partes que mantêm contato direto com o meio externo.
“A combinação entre tempo frio e seco faz com que a quantidade dos tecidos cutâneos diminua, provocando perda em suas capacidades funcionais, alterando a composição do manto hidrolipídico”, explica Dr. Marcelo Schulman, farmacêutico e presidente da Vita Derm.

Imagem: Divulgação
Essa camada de gordura que existe na superfície da pele tem a função de proteger o organismo de infecções, ou seja, se a pele ficar ressecada ela torna-se mais  sensível a qualquer agressão do meio, além de diminuir a transpiração e a hidratação natural da pele que vêm das glândulas sebáceas. Outro ponto negativo são os banhos quentes e demorados que  também ressecam a pele.

Os cabelos sofrem neste período, segundo o especialista o ar seco provoca o aparecimento da eletricidade estática nos fios, pois os cabelos ficam ressecados, frágeis, e com frizz, sem falar no couro cabeludo que pode ficar mais oleoso e apresentar caspa.

A boa notícia é que existem produtos certos para prevenir e corrigir os efeitos do clima seco e frio, como hidratantes faciais e corporais que podem ser aplicados após o banho aproveitando a dilatação dos poros, o que facilita a absorção dos agentes umectantes. Uma boa opção são os produtos hipoalergênicos e dermatologicamente testados  produzidos pela Vita Derm.

Intensive Complex Vita C - uso facial diurno com alto poder hidratante, antioxidante e dermoprotetor, com filtros fotoestáveis, perfeita associação do ácido hialurônico com silício orgânico, vitamina C em nanocápsulas.

Creme Revitalizante com DMAE  uso noturno - melhora a aparência da pele flácida, minimiza os sinais de envelhecimento e possui efeito tensor. A associação dos oligoelementos da pérola com o DMAE melhora a hidratação e o contorno do rosto, deixando a pele com aparência rejuvenescida.

Elixir Ultra-Filler Facial 5D Noturno, possui fórmula avançada com Ácido Hialurônico, Osilift e Nanoresveratrol que agem no estímulo da ancoragem facial, redefinindo e harmozinando o contorno do rosto.

Creme Ultra Hidratante Corporal - para nutrir, hidratar e recuperar a pele ressecada. Fácil de aplicar, deixa a pele sedosa, macia e saudável, revitalizando a pele, com óleos protetores de Macadâmia e Melaleuca. Indicado também para a pele madura, sensível e ressecada.

O cabelo e o couro cabeludo também merecem cuidados especiais, como máscaras de hidratação, shampoo e condicionador ricos em ativos naturais  formulados a base de Óleo de Argan, protegendo a fibra contra as agressões externas, como poluição, vento, umidade , além de eliminar o frizz. Elaborados com Óleo de Argan, Seriseal, Keratrix 3d, Filtro Solar Quaternizado.

Outra boa dica está na alimentação rica em nutrientes importantes e na ingestão de água para manter o organismo hidratado. Vale investir na saúde, mais bem-estar e beleza garantindo a prevenção dos efeitos nocivos do clima frio e seco.



Bienal do Livro ocorre em agosto

Da Redação

Entre os dias 3 e 12 de agosto, os amantes da literatura têm compromisso marcado: a 25a edição da Bienal Internacional do Livro de São Paulo, realizada pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), que ocorre no Pavilhão de Exposições do Anhembi. Este ano, haverá mais atividades culturais em relação à última edição e espaços inéditos.

Última edição reuniu 684 mil visitantes | Foto: Divulgação
Com a proposta de trazer uma comunicação integrada, o evento tem o slogan: "Venha Fazer esse Download de Conhecimento", que tem como proposta destacar o protagonismo do livro em meio à nova percepção dos brasileiros diante do turbilhão de estímulos e canais de acesso aos conteúdos que a tecnologia hoje propicia. A ideia é mostrar que, apesar dessas mudanças culturais no País, o livro, em seus diversos formatos, é o agente essencial do processo de conexão entre o conhecimento e o universo digital no qual vivemos.

O presidente da Câmara Brasileira do Livro, Luís Antonio Torelli, ressalta a importância do evento. “A Bienal Internacional do Livro de São Paulo continua despertando grande interesse dos players do mercado editorial e dos leitores. Por isso, o evento é um ponto de encontro para negócios, cultura, educação, diversão e novas experiências”, afirma.

Na última edição em São Paulo, em 2016, a Bienal reuniu 684 mil visitantes, 380 autores e 1300 horas de programação.

A Bienal do Livro ocorre no Pavilhão de Exposições do Anhembi, que fica na Avenida Olavo Fontoura, 1.209, em Santana/SP. Site: www.bienaldolivrosp.com.br.



Ansiedade está presente em 50% das mulheres com endometriose, aponta pesquisa

Da redação

Pesquisa realizada pelo ginecologista Edvaldo Cavalcante, em parceria com o Grupo de Apoio às Portadoras de Endometriose e Infertilidade (Gapendi), detectou que 50% das mais de 3 mil mulheres que responderam ao estudo foram diagnosticadas com o transtorno da ansiedade generalizada. Outras 34% receberam o diagnóstico de depressão e 50% de estresse. Os dados foram divulgados recentemente.

Estudo apontou também que 34% das mulheres com endometriose receberam o diagnóstico de depressão | Foto: Freepik 
A pesquisa corroborou dados de vários estudos internacionais feitos ao longo dos anos, que mostraram que a endometriose pode levar ao desenvolvimento de transtornos psiquiátricos, como ansiedade e depressão, por exemplo. Segundo Cavalcante, a cronicidade da endometriose é o principal fator de risco para os transtornos mentais, juntamente com a dor pélvica crônica e a infertilidade.

“Uma doença crônica, como a endometriose requer diversos cuidados com a saúde e causa preocupações que podem elevar o nível do estresse. A tensão já começa na busca pelo diagnóstico, que pode levar em média oito anos aqui no Brasil, de acordo com nossa pesquisa, sendo a média mundial sete anos. Passar por vários médicos pode ser desgastante, principalmente quando as queixas são desvalorizadas e há dificuldade em confirmar as suspeitas”, diz o médico.

Impacto do diagnóstico
Um momento que é de grande importância é o do diagnóstico, pois pode aumentar o estresse e a ansiedade. “Ao receber a notícia, a mulher se dá conta que tem uma doença incurável, que pode afetar diversos aspectos da sua vida, como o trabalho, os estudos, a vida social, o relacionamento e, para algumas, o sonho de ser mãe, por exemplo”, comenta a coordenadora do Gapendi, Marília Gabriela.

“A notícia deve ser dada com muito zelo por parte do médico e é interessante que a mulher seja aconselhada a procurar ajuda psicoterápica para lidar com o impacto inicial do diagnóstico”, afirma o ginecologista. Entretanto, isso não é uma realidade no Brasil. A pesquisa mostrou que apenas 24% das entrevistadas foram orientadas a procurar um psicólogo/terapia e só 13% seguiram a recomendação. 

Histórico de transtornos psiquiátricos 
Os estudos também mostram que não são todas as mulheres com endometriose que irão desenvolver transtornos psiquiátricos por conta da doença. Existem fatores protetores e fatores de risco envolvidos na ansiedade e na depressão.

"Há mulheres com histórico familiar destas doenças ou que já tinham o diagnóstico anteriormente ao da endometriose. Mulheres com histórico prévio de baixa autoestima e problemas com a imagem corporal também podem ter um risco maior quando o assunto é ansiedade”, diz Cavalcante.

Por outro lado, mulheres sem histórico familiar ou pessoal de ansiedade ou de depressão e que têm uma boa autoestima, assim como aquelas com relacionamentos afetivos estáveis podem estar mais protegidas, segundo os estudos. As pesquisas sugerem que, nestes casos, há maior facilidade em ressignificar o diagnóstico e reorganizar a vida para conviver com a doença.

Dor é o principal fator de risco
De todos os achados sobre o impacto da endometriose na saúde mental, o mais importante, segundo os estudos, é a gravidade da dor pélvica crônica. “Segundo a nossa pesquisa, 91% das brasileiras com endometriose sentem dor em algum momento, sendo que 34% delas sofrem durante 15 dias no mês, entre a ovulação e a menstruação. Certamente, conviver com a dor de forma crônica é o aspecto mais difícil de lidar na endometriose”, comenta Marília.

Estratégias
Veja agora algumas dicas que podem prevenir quadros de ansiedade e depressão, assim como podem ajudar a gerenciar o estresse e a lidar melhor com a endometriose:

Procure ajuda: O aconselhamento de um terapeuta/psicólogo é fundamental no momento do diagnóstico e depois também.

Cuide da alimentação: Há estudos que mostram que a alimentação ajuda muito no tratamento e no controle da dor. Procure um nutricionista para ajudar neste quesito.

Pratique atividade física: Além de ajudar a controlar o peso, que pode aumentar por conta do tratamento da endometriose, a atividade física libera substâncias que levam ao prazer e ao bem-estar, diminuem o estresse e ajudam a controlar a ansiedade.

Controle a dor: Converse com seu médico. O principal objetivo do tratamento é controlar a dor e isso é possível, seja por meio de cirurgia ou de medicamentos.

Gerencie o estresse: encontre uma atividade que você goste de fazer, tenha momentos de lazer, pratique meditação ou qualquer hobby que ajude você a controlar a ansiedade o estresse.

Compartilhe sua história: Compartilhar sentimentos, angústias, história pessoal ou dúvidas com outras mulheres que têm endometriose pode ser muito bom. Além do Gapendi, há vários outros grupos espalhados pelo Brasil.



Vacinação é fundamental para diminuir casos de sarampo e gripe

Da redação

Com o aumento do número de sarampo confirmado pelo Ministério da Saúde, e a investigação de mais de 2 mil casos, o alerta em relação a uma epidemia da doença está aceso. Isso reforça a importância da imunização. Principalmente no inverno, quando o risco de grande incidência de outras doenças crônicas como asma, bronquite, rinite e sinusite é extremamente grande.

Na rede pública é possível tomar a vacina Trivalente que cobre as duas cepas de influenza A (H1N1 H3N2) | Foto: Reprodução
De acordo com dados do Ministério da Saúde a meta é imunizar 95% das crianças contra o sarampo, mas até agora cerca de 70,7% deste público-alvo foi imunizado deixando os especialistas em  alerta.

A gripe é a doença mais comum da estação e se caracteriza pela infecção no sistema respiratório. O que diferencia a gripe das outras viroses respiratórias é o fato dela ter um grupo diferente de vírus, e o influenza é o mais conhecido. Esse tipo de vírus atinge o pulmão e costuma sofrer mutações a cada ano, podendo ficar mais ou menos agressivo para as pessoas.

Segundo a pediatra Renata Scatena, diretora da Casa Crescer, clínica que reúne várias especialidades para atendimento infantil, a vacina da gripe precisa ser reformulada anualmente. "Por conta dessas modificações do vírus Influenza, a vacina precisa ser reformulada, com base na maior prevalência da circulação viral do ano anterior. Com isso, para evitar a doença, é fundamental que as pessoas tomem uma nova dose da vacina anualmente", afirma.

Recentemente, um surto de gripe se espalhou pelo mundo. Nos Estados Unidos, a doença atingiu praticamente todos os estados no início do inverno passado, com um total de 47 mil casos confirmados, e 20 crianças mortas, a maioria delas não estava imunizada. 

No Brasil, o estado de Goiás foi o mais atingido com 44 casos confirmados e três mortes. Na rede pública é possível tomar a vacina Trivalente que cobre as duas cepas de influenza A (H1N1 H3N2) e uma cepa do Influenza B. Nas clínicas de vacinação, está disponível a vacina Tetravalente que cobre as duas cepas de influenza A (H1N1 H3N2) e duas cepas de influenza B. 

 "A vacina da gripe é extremamente segura, não tem nenhuma contraindicação. Ela pode ser administrada junto com outras vacinas do calendário de vacinação, no mesmo dia, e é um mito falar que a vacina da gripe deixa a pessoa com a doença. Ela é composta por vírus inativado, ou seja, partículas virais incapazes de causarem a doença", explica a pediatra.

A médica orienta que as grávidas devem procurar o obstetra que está cuidando da gestação para que ele dê o tratamento específico. Já as crianças, se estiverem doentes, devem evitar locais fechados, como creches e berçários, e ficar em casa, em repouso. 


"A gripe deve ser tratada com antitérmico e hidratação, a criança deve higienizar as mãos com álcool em gel, e fazer a lavagem nasal com soro fisiológico pelo menos duas vezes por dia. É fundamental evitar os locais fechados, por causa do risco de propagação do vírus", conclui Renata.



Especialista aponta os benefícios do tempo frio para as atividades físicas

Da redação  As baixas temperaturas estão sempre acompanhadas por duas tentações que são inimigas da saúde e da boa forma: a vontade de com...