sexta-feira, 25 de maio de 2018

Livro ensina como a atenção plena pode combater a ansiedade e estresse

Da redação

Na obra A Revolução Mindfulness lançada este ano, a autora Sarah Silverton apresenta uma introdução à prática que tem mudado a vida de milhares de pessoas. Inspirado nas práticas meditativas do Oriente, o mindfulness, ou atenção plena, é uma ferramenta poderosa que nos ensina a viver conscientemente no momento presente, dominar os pensamentos negativos e deixar de reagir a tudo no piloto automático.

O livro é indicado para qualquer pessoa que deseje tirar a mente do modo involuntário | Imagem: Divulgação
"Quando estamos plenamente atentos, percebemos os detalhes de nossas experiências tal como elas são agora, sem julgá-las ou tentar mudá-las imediatamente", afirma Sarah.

Escrito a partir da experiência prática dos instrutores do Centro para a Investigação e a Prática da Atenção Plena da Faculdade de Psicologia da Universidade de Bangor, no Reino Unido, o programa apresentado neste livro vem sendo utilizado com sucesso em diversos países para o tratamento de doenças como estresse, ansiedade, depressão, dor e fadiga crônicas. Na obra, o leitor encontrará passo a passo de exercícios da técnica para lidar com todos estes problemas, além de instruções de como aplicá-la com crianças e em situações práticas do cotidiano em que se deseje obter mais calma, concentração e domínio das emoções.

Por isso, o livro é indicado para qualquer um que deseje tirar a mente do modo involuntário: a atenção plena tem o poder de nos sintonizar com o presente, diminuindo o vagar desenfreado por preocupações futuras e ruminações do passado, nos deixando ao mesmo tempo mais tranquilos e mais atentos, com uma real conexão com nossa existência.

Sobre a autora

Sarah Silverton é instrutora de meditação do Centro para a Investigação e a Prática da Atenção Plena da Faculdade de Psicologia da Universidade de Bangor. Terapeuta ocupacional, trabalha há décadas com portadores de transtornos psíquicos, deficiência física e doenças crônicas.



quinta-feira, 24 de maio de 2018

Propósito: como descobrir o seu?

*Por Lucas Fonseca

Muito tem se falado sobre propósito nos últimos anos. Parece que estamos vivendo uma busca insana por mais sentido em nossas vidas. Conteúdos sobre o assunto estão surgindo aos montes, mas sugiro uma reflexão mais profunda para algo tão sublime na vida de um ser humano.

Logicamente, dar um sentido mais profundo à nossa existência é muito importante. Do contrário, vivemos anos apenas cumprindo tarefas rotineiras, por obrigação e não por paixão. No passado, as pessoas achavam normal serem felizes após o expediente de trabalho. Daí vem o termo “happy hour”, como se a alegria só fosse possível fora da empresa.

Hoje, felizmente, já entendemos que a nossa vida é única. Não é claro o conceito de “vida pessoal” e “vida profissional”. Temos uma única vida e precisamos construir a nossa felicidade o tempo todo, não apenas em momentos específicos. Ao saber disso, muitos agora estão nessa busca incessante por sentido e significado.

E, por mais complexo que tudo isso possa parecer, pode ser mais simples do que se imagina. Minha proposta é, primeiramente, fazer uma auto análise. Quem eu sou? Como eu funciono? O que me agrada? O auto-conhecimento é, sem sobra de dúvida, a principal chave para essa descoberta. Se eu não me conhecer profundamente, provavelmente viverei no vazio, numa busca sem sentido algum.

Muitos definem como propósito inspirar ou impactar pessoas. Mas como posso fazer isso se eu não cuidar muito bem da minha própria vida? Se eu não for uma inspiração para mim mesmo, como poderei inspirar os outros. Nesse sentido, preciso olhar para dentro. O que eu gosto e o que não gosto? O que quero valorizar e o que eu ainda preciso desenvolver e melhorar?

Minha sugestão é começar fazendo uma lista dos seus talentos. No que eu sou bom de verdade? No que eu sou capaz de ser um exemplo aos demais? O que as pessoas reconhecem que eu faço bem? Não fique procurando talentos ultra valorizados. Apenas seja honesto com você e reconheça suas fortalezas. Tendo consciência sobre seus maiores dons, tudo ficará mais simples. Você não tentará ser o que não é, apenas para agradar.

Agora é hora de olhar para fora. Quais são os maiores problemas do mundo? Tente se colocar no lugar das pessoas que sofrem com os problemas que você identificou. Faça um exercício verdadeiro de empatia. Como você reagiria se estivesse dentro das situações que você identificou? Se for possível, faça isso na prática. Tente colher o máximo de informações possíveis sobre esses problemas, seus impactos e consequências.

Depois desse profundo mergulho em uma realidade diferente da sua, pegue a sua lista de talentos novamente e tente cruzar que você tem de melhor, com o que o mundo precisa. Tenho certeza que várias opções irão surgir. Certamente, você tem muitas habilidades das quais o mundo necessita. Basta ajustar o foco.

O mais interessante disso tudo é saber que, com um pouco de esforço e um olhar atento, você vai descobrir que é possível viver do seu propósito. Não ache que o seu propósito deve ser vivido apenas nas horas vagas porque você precisa trabalhar para se sustentar. É possível ganhar dinheiro ao mesmo tempo em que se realiza como ser humano. Tire o seu sustento do seu propósito. Não há nada de ilegal ou imoral nisso.

E, acima de tudo, saiba que esse processo deve fluir de forma natural e espontânea. Não se cobre em busca de um propósito, como se essa fosse a grande resposta da sua vida. Entenda que a felicidade está no caminho, na jornada, não necessariamente no destino. Quem define que só será feliz quando algo realizar, normalmente se decepciona quando alcança. A nossa busca incessante deve ser apenas pela nossa melhor versão, todos os dias.

*Lucas Fonseca é palestrante motivacional formado em administração de empresas com especialização em coaching. Fundador do Instituto Lucas Fonseca o palestrante criou a metodologia MAP - Mindset de Alta Permormance.




quarta-feira, 23 de maio de 2018

Alimentação e hábitos adequados evitam o refluxo gastroesofágico

Da redação

A alimentação adequada é fundamental para evitar que refluxo aconteça, de acordo com a nutricionista do Hospital Dom Alvarenga, Evelyn Teixeira. Ela comenta que as pessoas que sofrem com o problema devem aumentar a ingestão de fibras, apoiar bactérias saudáveis com alimentos ricos em probióticos, além da proteína de alta qualidade que também ajuda a proteger o trato digestivo.

Entre os sintomas do refluxo estão: azia, dor ao engolir e regurgitação | Foto: divulgação 
Queimação, azia, dor ao engolir, regurgitação e ardor na garganta e boca são os principais sintomas da doença do refluxo em adultos. Já nas crianças a doença pode causar sono agitado, vômitos constantes, dificuldade para mamar, irritação e choro excessivo, rouquidão – a laringe inflama devido à acidez do estômago - , dificuldade para ganhar peso e inflamações frequentes nos ouvidos.

Entre as orientações da nutricionista ela ressalta o hábito de comer mais vezes ao dia, porém em porções menores. "Quando for comer, evite alimentos pesados ou gordurosos e nunca faça isso com roupas apertadas demais. Além disso, como qualquer tabela nutricional, é mais viável comer em pequenas porções e com mais frequência do que o inverso", alerta Evelyn. Confira abaixo algumas dicas importantes para evitar o refluxo.

Cuidados essenciais:
Comer em menores quantidades a cada 2 ou 3 horas;
Aumentar o consumo de frutas e legumes;
Aumentar o consumo de produtos integrais, ricos em fibras;
Preferir carnes magras, peixes, leite e derivados desnatados;
Evitar beber líquidos durante as refeições;
Evitar comer de 2 a 3 horas antes de se deitar;
Evitar deitar ou fazer exercícios logo após as refeições.

Os alimentos que devem ser evitados na dieta para refluxo são:
Gordura: frituras, carnes vermelhas, salsicha, linguiça e bacon, pois o excesso de gordura faz com que a comida fique mais tempo no estômago, aumentando a chance de refluxo;
Cafeína: café, chás e chocolate, pois estimulam o estômago, favorecendo o refluxo;
Bebidas alcoólicas: irritam o estômago e aumentam o refluxo;
Bebidas gaseificadas: refrigerantes e água com gás, pois aumentam a pressão dentro do estômago;
Pimenta: irrita o estômago e aumenta a acidez;
Carboidratos simples: farinha, macarrão e pão, pois diminuem a força do esfíncter que fecha a passagem entre o estômago e o esôfago.

Frutas cítricas
O consumo de frutas cítricas deve ser evitado (uva, abacaxi, laranja, limão etc.), a acidez dessas frutas pode aumentar o PH do suco gástrico do estômago.

Hábitos que precisam ser evitados

Adultos
 Uso de cigarro, a nicotina relaxa o músculo do esôfago, o que se torna um grande problema.
Consumo de chicletes e doces duros pode aumentar a quantidade de ar que entra no estômago, por isso, não são recomendados.
Comer e logo após deitar, não é um hábito saudável, esperar em torno de 2h após a refeição para se deitar.
Sobre uma noite de sono, o mais aconselhável é que se eleve a cabeceira da cama em 15 centímetros para uma melhor qualidade do sono e de preferência dormir do lado esquerdo, onde está o estômago, pode trazer alívios.
Uso de cintos e roupas apertados também deve ser evitados.

Crianças
Colocar o bebê na vertical após a mamada.
Deitar o bebê de barriga para cima com a cabeceira do berço levantada.
Evitar balançar o bebê após a mamada.
Evitar vestir roupas apertadas.
Para finalizar, a nutricionista do Hospital Dom Alvarenga reforça que a obesidade amplia as possibilidades da pessoa ter refluxo, por aumentar a pressão abdominal. "Toda condição que aumente a pressão abdominal, aumenta a possibilidade da ocorrência do refluxo do conteúdo do estômago para o esôfago".



terça-feira, 22 de maio de 2018

Sete práticas para te ajudar a lidar com as dificuldades do dia a dia e ainda gerenciar o estresse

*Por Braulio Lalau de Carvalho  

Nos últimos tempos, a nossa rotina de trabalho virou sinônimo de estresse. O trânsito pesado, o excesso de informações e compromissos drenam a nossa energia, nossa capacidade de ter empatia e de pensar de forma criativa. Alia-se a isso, o atual cenário de incertezas que só faz aumentar a nossa
ansiedade. E como se não bastasse, ainda há a cobrança cada vez maior para sermos produtivos sempre.

Por isso, é muito importante que você cuide da sua saúde mental diariamente, antes que o estresse te leve a sofrer de exaustão. Com algumas mudanças de atitudes e novos hábitos, é possível manter o cérebro produtivo e um comportamento resiliente mesmo diante das pressões.

Quer ajuda para começar? Reuni neste artigo sete práticas que você pode adotar para te ajudar a manter o estresse sob controle enquanto você lida com as dificuldades do dia a dia.

1. Tenha hábitos alimentares saudáveis

Os alimentos são o combustível para o corpo e também para o cérebro, de modo que o órgão precisa dos nutrientes adequados para funcionar em plena capacidade. Se você abastece o seu carro com combustível ruim, ele vai apresentar defeitos. A analogia vale para o nosso corpo e cérebro. Concordo que resistir àquele hambúrguer ou doce pode ser difícil, principalmente quando nos sentimos estressados. Mas tornar isso um hábito só vai agravar o problema.

A ciência já provou que o que comemos interfere no nosso humor, produtividade, capacidade de concentração e de tomada de decisão. Portanto, se você quer minimizar os efeitos do estresse, escolha alimentos nutritivos que vão contribuir para que o seu cérebro funcione melhor.

2. Tire um break de tempos em tempos

Não deixe que o volume de trabalho e a pressão te consuma, aumentando o seu estresse. Lembre-se de tirar pequenas pausas durante o dia para hidratar ou tomar um café e se atualizar com os colegas. Essas pausas podem ser mais importantes do que você imagina.

O site e aplicativo Happify  dedicado a ajudar as pessoas a melhorar a saúde emocional e o bem-estar, por meio de atividades e jogos baseados em ciência, constatou com base em estudos que funcionários que tiraram uma pausa a cada 90 minutos apresentaram um aumento de 30% na concentração, de 50% na capacidade de pensar de forma criativa e de 46% nos níveis de saúde e bem-estar.

3. Saia para almoçar com os colegas

Comer sozinho(a) na mesa de trabalho pode fazer você acreditar que está ganhando tempo, mas na verdade, vai te deixar mais tenso(a) e menos produtivo(a). Este estudo comparou os efeitos emocionais e cognitivos de uma refeição feita com colegas, e outra, solitária, consumida no escritório.

Os resultados evidenciaram o efeito relaxante e de melhora do humor naqueles que almoçaram em companhia dos colegas no restaurante. Além disso, andar até o local da refeição vai aumentar a oxigenação no seu cérebro, o que contribui para fomentar novas ideias e aliviar o estresse. É uma forma simples de cuidar da sua saúde cerebral durante o expediente.

4. Priorize uma boa noite de sono todos os dias

Todas as outras práticas ajudam, no entanto, para manter o cérebro em seu melhor desempenho e stress free só existe um caminho: descanso. Portanto, busque dormir o suficiente para fazer você se sentir bem e procure alternativas para melhorar a qualidade do seu sono. Isso vai te tornar uma pessoa mais feliz e mais produtiva, com maior capacidade cognitiva e de empatia, entre outros benefícios.

A escritora, empresária e influencer Arianna Huffington nos convida a descobrir o poder do sono. Huffington publicou no ano passado o livro “The Sleep Revolution”, que está na lista dos bestsellers nos Estados Unidos. Vale conferir. 

5. Economize energia simplificando as suas escolhas 

Mark Zuckerberg, o criador do Facebook, usa o mesmo tipo de roupa todos os dias. Já Barack Obama tinha apenas duas opções: ternos nas cores cinza ou azul marinho. O motivo é simples. Eles não querem escolher. Ou melhor, eles simplificam as escolhas para, assim, preservar o poder de decisão para o que é realmente importante e estratégico.

Tomar muitas decisões, principalmente quando estamos estressados, nos deixa menos criativos e focados. Logo, considere ter escolhas mais minimalistas na sua vida. Isso não significa que você precisa usar a mesma roupa todos os dias, mas pode começar tendo uma rotina fixa pela manhã, por exemplo, ou escolhendo, na noite anterior, o que você vai vestir e comer no dia seguinte.

6. Converse com os colegas sobre suas dificuldades 

Não se estresse sem necessidade tentando resolver tudo sozinho(a). Diante de uma dificuldade, converse com um colega e peça ajuda. Você pode se surpreender ao ver como as pessoas querem apoiar umas às outras. Além de te dar outras perspectivas, a conversa aliviará a sua tensão e  contribuirá para estabelecer uma conexão mais significativa e de confiança com os colegas, o que é fundamental nesta nova cultura de colaboração em que vivemos.

Lembre-se ainda: pedir ajuda não é sinal de fraqueza. Ao contrário, mostra que você é uma pessoa humilde e sábia, o que é muito positivo no ambiente corporativo.

7. Pratique a atenção plena 

Inúmeros estudos já comprovaram a eficiência da prática de mindfulness, ou atenção plena, no gerenciamento do estresse cotidiano. A técnica de meditação, que ensina você a focar completamente a sua atenção no momento presente, vai te ajudar a ter uma mente mais calma e mais preparada para lidar com decisões difíceis.

Várias empresas já oferecem aulas de meditação para os seus funcionários. Mas você pode começar usando aplicativos como o Calm e o Headspace para te guiar nesta experiência.

Espero que alguma destas práticas seja útil para você. Caso já pratique alguma delas ou outra, compartilhe a sua experiência nos comentários.

*Braulio Lalau de Carvalho é CEO da Orbitall, empresa do Grupo Stefanini.



segunda-feira, 21 de maio de 2018

Lojas promovem evento sobre empoderamento feminino no ABC

Da redação

Neste sábado (26), a Casa das Três Meninas e a loja de cosméticos veganos The Body Shop realizarão o painel "Toda Beleza Importa", no Shopping ABC (Av. Pereira Barreto, 42, Vila Gilda), em Santo André. Segundo os organizadores, o acontecimento busca promover a ideia da beleza feminina “de dentro para fora”, sem barreiras e padrões.

A partir das 14h, haverá um lounge localizado entre as duas lojas, que ficam frente a frente no segundo andar do shopping, onde acontecerão atividades ao longo do dia, como customização de Melissas com a orientação da artista plástica Tallih Oliveira, autorizada pela Melissa, bate papo sobre imagem e autoestima com a consultora de imagem Carol Coêlho e um tira-dúvidas sobre saúde da pele com as dermatologistas Priscila Reis e Ana Paula Wosniak.

Também serão sorteados, durante o período do evento, kits das marcas mediante qualquer valor em compra em ambas as lojas e, além disso, suas vitrines virarão um grande mural de post its feito da opinião das próprias mulheres que passarem pelo lounge com a temática "o que é beleza para você?", o que, segundo a organização do evento, é uma oportunidade para estimular o apoio entre as mulheres e o empoderamento feminino.



sexta-feira, 18 de maio de 2018

Atividade física é um meio para sair das limitações e chegar nas potencialidades

Por Bárbara Schausteck de Almeida

Os Jogos Paralímpicos têm colocado em evidência, nas últimas décadas, o esporte para pessoas com deficiência. Desde 1988, eles são realizados na mesma sede, poucas semanas após os Jogos Olímpicos. Esses eventos trazem visibilidade às potencialidades de pessoas que tendem a ser subjugadas em outros contextos sociais, devido a suas limitações físicas. Em um histórico recente, as comparações de rendimento esportivo de Jogos Olímpicos e Paralímpicos se tornaram comuns. A participação do corredor Oscar Pistorius, com próteses nas duas pernas, na equipe de revezamento da África do Sul no atletismo nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012, foi um marco para a história do esporte – tanto olímpico como Paralímpico.

Embora os Jogos Paralímpicos sirvam como vitrine para grandes demonstrações, a prática de atividade física e esporte por pessoas com deficiência tem propósitos que vão além do desempenho atlético. Há indícios históricos que algumas atividades hoje consideradas modalidades esportivas serviam para fins terapêuticos há milhares de anos. Atualmente, para além dos benefícios físicos, a possibilidade de criar relacionamentos e interações sociais, a melhoria na autoestima e na confiança, são incentivos extra para a participação nessas atividades.

Entre as pessoas com deficiência, existem diversos tipos e graus, demonstrando que cada caso precisa de uma avaliação específica. Nesse sentido, há um número crescente de profissionais e instituições que se especializam no trabalho com esse público. Atividades esportivas podem proporcionar o sentimento de pertencimento a um grupo e o prazer da prática, além de desenvolver habilidades específicas nas modalidades e capacidades físicas que auxiliam na qualidade de vida. Atividades físicas personalizadas podem melhorar o atendimento das necessidades específicas, como alongamento e fortalecimento, no caso de deficiências físicas, especialmente em graus maiores de comprometimento. Nesses casos, elas complementam as atividades fisioterápicas, que visam a reabilitação e a redução dos impactos dos comprometimentos.

Na perspectiva da inclusão, mais do que um discurso, ainda há muito a ser feito. Podemos reconhecer que as pessoas têm diferentes níveis de habilidades, independentemente de qualquer condição pontual ou crônica. Ainda assim, é comum identificar a exclusão de pessoas com deficiência na escola ou no lazer, assim como ocorre com aqueles menos habilidosos, menos velozes ou menos ágeis. Por isso, a inclusão precisa estar presente na formação, nas reflexões e na prática dos profissionais, invertendo a perspectiva da deficiência para considerar as diferentes habilidades e potencialidades existentes entre os seres humanos.

* Bárbara Schausteck de Almeida é professora da Licenciatura e Bacharelado em Educação Física do Centro Universitário Internacional Uninter.


Conflito entre vizinhos em grupo de Whatsapp pode render processo

Da redação

Não é novidade que vários métodos de comunicação surgiram para ajudar no diálogo entre todos que moram em um mesmo conjunto habitacional, exemplo disso são os grupos de WhatsApp. Apesar de ser um método rápido e eficaz, existem cuidados que devem ser tomados antes mesmo do grupo ser criado, para evitar situações drásticas como um processo judicial.

Aplicativo MyCond - desenvolvido por Ana Rita - auxília na gestão condominial | Foto: divulgação
Para a advogada Lessiene Maria Caponi, especialista em direito imobiliário, existem regras que devem ser respeitadas não apenas na criação, mas principalmente na forma de utilizar a ferramenta. Ela lembra ainda que é importante convocar uma assembleia extraordinária para apresentar a proposta de criação do grupo e submeter o assunto à votação.

"Situações que sejam de interesse da comunidade condominial, quando não previstas no Código Civil, Convenção ou Regimento Interno, devem ser deliberadas em Assembleias", explicou Caponi, ressaltando que a falta de cuidado no uso do grupo de WhastApp pode gerar processos judiciais como ações de reparação por danos morais, calúnia e difamação.

A especialista destacou ainda que a criação do grupo de Whatsapp revela dados pessoais que podem futuramente ser usados de forma indevida e lembrou um caso recente. "Uma condômina decidiu expor uma vizinha a uma situação vexatória informando que a mesma costumava sair todas as quintas, sextas e sábados sempre retornando durante a madrugada fazendo barulho. Situação que foi parar na delegacia".

Moradora de um condomínio de Salvador, localizado no Rio Vermelho, Júlia Moraes conta que não teve uma boa experiência online. "Respeito e acho necessário o uso da tecnologia para comunicação, mas não indico o WhatsApp. No pouco tempo que fiquei em um grupo, só vi conflitos e exposições", disse a enfermeira, que revelou já ter tido a vida exposta para os vizinhos.

Em um mundo onde o convívio entre os vizinhos é cada vez mais cheio de possibilidades, a comunicação interna precisa ser direta, assertiva e certeira. Por isso, o aplicativo MyCond chegou ao mercado como ferramenta de auxílio na gestão condominial. Através dele, síndicos e condôminos podem se comunicar, sem ruídos e com privacidade. E a resposta é imediata. As muitas ferramentas do app podem resolver desde questões complicadas às mais práticas, que vão de prestações de contas até liberação da entrada de visitas.

"Com o aplicativo é possível consultar em tempo real as reservas, ocorrências, demandas e diversos outros serviços do condomínio", exemplificou a desenvolvedora Ana Rita Oliveira, que enxergou na tecnologia a solução para quem precisa otimizar tarefas.



Livro ensina como a atenção plena pode combater a ansiedade e estresse

Da redação Na obra A Revolução Mindfulness  lançada este ano, a autora Sarah Silverton apresenta uma introdução à prática que tem mudado a...