sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Hospital da Mulher recebe doações de frascos de vidro e leite humano

Da Redação

No Hospital da Mulher “Maria José dos Santos Stein”, em Santo André, diversos bebês diariamente dependem das doações de leite materno, pois muitas mães têm dificuldade para amamentar. Então, para estocar o leite doado, são necessários frascos de vidros com tampas de plástico, como os de maionese ou café solúvel. Com isso, o hospital aceita doações dos frascos e também do leite humano.

Os frascos são esterilizados e seguros, pois é resistente ao congelamento e descongelamento | Foto: Helber Aggio/PSA
Os frascos são esterilizados e seguros, pois é resistente ao congelamento e descongelamento. Esse processo evita que o leite não perca os seus nutrientes. Também não acumula cheiro e nem resíduos com o uso da tampa de plástico.

De acordo com a supervisora do Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital da Mulher, Luciene Barbosa dos Santos, os vidros doados são utilizados para coleta, armazenamento e pasteurização do leite humano doado.

“A doação de vidros pode salvar a vida de muitos bebês da UTI Neonatal. Para mantermos este trabalho é essencial a doação de leite materno e de potes de vidro com tampa plástica que garantem a conservação do leite humano”, explica.

Os frascos são utilizados na montagem de kits enviados às doadoras para que elas façam a doação do leite, assim como para realizar a pasteurização e armazenar o leite pasteurizado que servirá para as mães que têm dificuldade para amamentar ou para os bebês que estão na UTI.

Banco de leite
O Banco de Leite Humano do Hospital da Mulher atende de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. Para doar o leite, é preciso ligar no telefone 4478-5048 ou 4478-5027. É realizado um cadastro e agendada uma visita à casa da doadora para o recolhimento do leite. A mãe deverá retirar o excedente e armazená-lo segundo orientações da equipe do BLH.

Todo o leite doado passa por um processo de pasteurização. Também é submetido a controles de qualidade e distribuído aos bebês prematuros e outros bebês que são clinicamente impossibilitados de recebê-lo do seio materno. Há também serviços de orientação e tira-dúvidas sobre aleitamento materno.

O Banco de Leite recebeu em 2017 o certificado de credenciamento “padrão ouro” do Programa Iberoamericano de Banco de Leite Humano (IBERBLH). Trata-se de iniciativa cujo objetivo é garantir o funcionamento das unidades dentro de elevados padrões de qualidade previamente normatizados.

Doação de frascos 
Para doar frascos de vidro é possível agendar a retirada em domicílio por meio dos telefones 4478-5048 ou 4478-5027. A doação pode ser feita ainda pessoalmente no Hospital da Mulher, que fica na Rua América do Sul, 285 – Parque Novo Oratório.

Endometriose pode acometer o intestino

Da Redação

Bastante conhecida, principalmente entre as mulheres, a endometriose se caracteriza pela presença do endométrio (camada mais interna do útero, que descama durante a menstruação) em outras regiões do corpo, fora da cavidade uterina. Implantes de endométrio podem ser observados na cavidade pélvica, ovários, e, o que muitos não sabem é que esse tecido endometrial pode aderir também ao intestino e a apêndice cecal, provocando sintomas específicos.

 Os principais sintomas da endometriose intestinal são: dor abdominal intensa durante a menstruação, dor pélvica que melhora após evacuação e dor pélvica durante as relações sexuais | Foto: reprodução
A especialista em cirurgia do aparelho digestivo, cirurgia bariátrica e coloproctologia, Adriana Agnelli, ressalta que a endometriose intestinal é uma doença benigna e tem tratamento. " É uma complicação da endometriose profunda e obtemos o seu diagnóstico através de exames de imagem, como a ressonância magnética, a ultrassonografia pélvica transvaginal com preparo intestinal e outros exames específicos que podem ser indicados durante a avaliação individual. O diagnóstico preciso, no entanto, ocorre por meio da realização da videolaparoscopia, onde conseguimos avaliar a quantidade de implantes e a localização exata das lesões de endometriose".

De acordo com a médica, os principais sintomas da endometriose intestinal são: dor abdominal intensa durante a menstruação, dor pélvica que melhora após evacuação e dor pélvica durante as relações sexuais. A especialista ressalta que "algumas mulheres podem apresentar alguns desses sintomas ou todos, mas muitas vezes consideram ser normal do período menstrual, levando muitos anos para procurar um especialista e fazer o diagnóstico de endometriose profunda, com acometimento intestinal". E afirma que, em decorrência da endometriose no intestino, também podem ocorrer sangramento anal durante a menstruação, sensação de distensão abdominal e de evacuação incompleta.

Dentre as particularidades do tratamento da endometriose intestinal, a especialista reforça a importância do trabalho de uma equipe multidisciplinar, com ginecologista e cirurgião atuando juntos, com uma minuciosa avaliação pré-operatória, levando-se em conta as expectativas da paciente com a cirurgia. Vale lembrar que, apesar do tratamento cirúrgico ser o mais efetivo, a mulher deve realizar avaliações médicas periódicas para monitorar e prevenir a possível formação de novos focos da doença.

Para o tratamento da doença, quando a paciente apresenta sintomas ou quadro de infertilidade - a cirurgia é a melhor opção. "Muitas vezes, o tratamento cirúrgico se impõe e nosso objetivo é retirar todos os focos de endometriose, incluindo o tecido endometrial no intestino, aliviando ou mesmo abolindo os sintomas causados pela doença, evitando complicações futuras e devolvendo à mulher a sua fertilidade natural. Geralmente, nos focos intestinais utilizamos a ressecção segmentar do reto e/ou do cólon sigmoide por videolaparoscopia. Já para as lesões intestinais menores, a ressecção em disco, com a retirada somente da área acometida, é mais indicada", finaliza Adriana.

Especialista comenta os direitos do consumidor nas viagens de ônibus

Da Redação

Com a proximidade de feriados, como o Carnaval, a procura por viagens de ônibus aumenta e, infelizmente, as falhas nos serviços também. O professor de Direito do Consumidor da Universidade Presbiteriana Mackenzie de Campinas, Bruno Boris, comenta o tema e esclarece os direitos dos cidadãos.

Se a desistência da viagem for comunicada a empresa até três horas antes do embarque, o usuário pode escolher se quer ser ressarcido ou remarcar a viagem | Foto: Freepik
O serviço terrestre deve transportar com segurança os passageiros e suas respectivas bagagens. Desta forma, caso a bagagem venha a ser extraviada ou danificada durante o percurso, é de total responsabilidade do prestador de serviço indenizar o consumidor.

"Além do mais, a empresa deve cumprir os horários de partida e chegada, exceto em situações atípicas, como uma tempestade ou acidente na estrada que faça o veículo ficar parado na via", comenta Boris.

Se o problema for de ordem mecânica, ausência de motorista, falta de veículo no horário da partida, dentre outros, podem ser considerados motivos para indenizar o consumidor. "A empresa deve assegurar ao consumidor a chegada ao destino, ainda que contrate outra companhia para terminar a viagem. Além disso, é conveniente manter a higiene do veículo, de acordo com normas exigidas pelos órgãos regulamentares (Vigilância Sanitária e ANTT - Agência Nacional de Transportes Terrestres), especialmente quando há sanitários", aponta Boris.

Desistência
O passageiro de ônibus, assim como em qualquer outro meio de transporte, tem a prerrogativa de desistir do serviço. Segundo a ANTT, se a desistência for comunicada até três horas antes do embarque, o usuário pode escolher se quer ser ressarcido ou remarcar a viagem. "Se desistir após esse prazo, o bilhete continua válido por um ano, entretanto, o ressarcimento deixa de ser opção. O passageiro também não é obrigado a contratar o seguro no ato da aquisição da passagem, pois, de qualquer forma, a empresa é obrigada a indenizá-lo no caso de um acidente", finaliza o especialista.

Carnaval: saiba como se preparar para curtir a folia

Da Redação

O Carnaval está chegando! Época de músicas animadas, fantasias criativas, maquiagens coloridas e muito brilho. Mas, utilizar produtos de forma errada pode causar sérios danos à pele e, principalmente, à saúde, alerta a dermatologista Alessandra Romiti, Coordenadora do Departamento de Cosmiatria Dermatológica da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Use maquiagem e brilho de marcas confiáveis para evitar dermatite de contato e alergias | Foto: reprodução
"O mais importante em atividades na rua, durante o dia, é usar filtro solar. No caso das maquiagens e tintas, o ideal é utilizar produtos específicos para a pele, evitando alergias. Já para prevenir problemas nos pés, como bolhas, é recomendado escolher calçados confortáveis, evitando saltos, sandálias de tiras e sapatos novos”, afirma Alessandra.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) recomenda as dicas abaixo, para curtir a folia sem comprometer a saúde.

Proteção solar
Evite queimaduras solares! Use chapéu, óculos de sol e o filtro solar com FPS30, no mínimo, e reaplique a cada 2h porque o produto sai com o suor. Prefira o filtro solar físico (com cor) que tem maior aderência à pele ou apropriados para esporte, que têm durabilidade e resistência maior ao suor. Se possível, esteja de camisa para também proteger o corpo, principalmente os ombros. Além disso, tente se programar para acordar cedo e aproveitar até às 10h, fora do horário de pico do sol. Se preferir, deixe para curtir a folia depois das 16h.

Fantasias, maquiagens e purpurinas
Escolha uma fantasia leve e não exagere na maquiagem. Use maquiagem e brilho de marcas de confiança para evitar dermatite de contato e alergias.

Espumas, tintas e sprays
As espumas contêm substâncias tóxicas, tome cuidado, pois o contato com a pele pode causar reação alérgica. Já as pinturas podem ocasionar as dermatites de contato. Em relação aos sprays para colorir os cabelos, podem provocar ardência ou coceira depois da aplicação. Após usar algum desses produtos e desenvolver qualquer tipo de irritação, a recomendação é lavar a área afetada imediatamente e, em casos de piora, procurar um dermatologista associado à SBD.

Crianças
Evite fantasias com tecidos sintéticos, que esquentam e podem causar alergia, aproveite fantasias que tenham chapéus, principalmente os de aba larga e não deixe as crianças com roupas molhadas para não provocar micoses. Essas dicas também servem para os adultos.

Queimaduras na pele
Sempre que entrar em contato com frutas cítricas (limão, tangerina e caju), seja in natura, sucos ou picolés, lave muito bem a região com água e sabonete e aplique protetor solar na região antes da exposição solar para evitar queimaduras e manchas.

Pés
Proteja os pés de calosidades, traumas e risco de cortes. Use sapatos confortáveis, folgados ou tênis. Se tiver bolhas nos pés, o melhor é não estourar para não infeccionar, proteger com um curativo e usar um sapato que não provoque atrito na região.

Picada de inseto
Não se esqueça de passar o repelente! Ele deve ser aplicado por cima do filtro solar e das roupas. O produto deve ser reaplicado da mesma maneira.

Hidratação
Durante o verão e as festas de Carnaval é muito comum as pessoas começarem a suar mais. A desidratação é o principal sintoma do excesso de suor, então, é aconselhável beber muita água para não ficar desidratado.

IST
As Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) podem trazer uma série de danos à saúde. Por isso, não esqueça a camisinha para evitar doenças como Sífilis, HPV, HIV, Hepatites B e C.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Escritora carioca lança obra para falar sobre amor com jovens e criança

Da Redação

"Amar é um ato de coragem", já dizia Paulo Freire. E munida desta força vanguardista, a carioca Michelle Magalhães, 36 anos, fala sobre o amor no livro "O Rei Amoroso/The Loving King". Na publicação o amor é abordado de duas maneiras, o amor puro sem intenções, divino e incondicional, sem limites, e o amor humano, mais voltado às famílias, amigos e pessoas próximas. A obra tem ilustração de Talita Almeida e selo da editora Autografia.

A escritora Michelle aborda também o amor incondicional na obra | Foto: divulgação 
"O amor foi a chave para criação. E me sinto feliz por ser capaz de amar as pessoas ao meu redor com todo meu coração. E transmitir isso em formato de uma história leve me deixa muito realizada", explica a autora que é mãe dos jovens, Victor Hugo e Nikolas Hugo.

No decorrer das páginas, o leitor mergulhará na saga de um rei superpoderoso e sua batalha para proteger seus filhos ao longo dos séculos de um príncipe perverso. Para isso, dentro de cada um de seus filhos, o Rei Amoroso escondeu superpoderes por vários séculos para proteger seus amados de toda maldade que os cercava neste mundo.

Apostando na dupla aprendizado divertido, a obra possui ilustrações coloridas na versão em português e em inglês as cores ficam a cargo do leitor, o que torna didático e divertido. "Meu objetivo maior com o livro é auxiliar crianças e jovens a terem acesso ao amor sem críticas, julgamentos, opiniões pré-concebidas ou doutrinas, para que possam ter uma relação incrível com o Rei amoroso", finaliza escritora.

Transtorno do estresse pós-traumático pode durar anos

Da Redação

Segundo um relatório da Pesquisa sobre a Saúde Mental das Famílias Atingidas pelo rompimento da Barragem do Fundão em Mariana - MG (Prismma), que aconteceu em 2015, 12% da população adulta afetada pelo acontecimento preencheu critérios para o chamado Transtorno do Estresse Pós-Traumático (TEPT). A pesquisa, apresentada na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), apontou que 83% das crianças e adolescentes analisados ainda demonstraram sintomas do transtorno, após três anos do ocorrido.

Frio na barriga', taquicardia, sudorese e dificuldade para respirar são sinais comuns no transtorno do estresse pós-traumático | Foto: Freepik
A condição é explicada pelo psiquiatra da Clínica Maia, Ygor Czovny. "A pessoa vítima de transtorno do estresse pós-traumático  revive com muita frequência o momento do trauma e, com isso, o sistema nervoso central dispara uma sequência de estímulos e neurotransmissores, que faz com que ela sinta exatamente tudo como no momento do evento. 'Frio na barriga', taquicardia, sudorese e dificuldade para respirar são sinais comuns e podem ser um alerta", esclarece.

O sintomas do problema podem ser divididos em revivescência, com pesadelos e lembranças do evento traumático, involuntárias e recorrentes (flashbacks); distanciamento emocional: falta de interesse e afetividade; hiperexcitabilidade psíquica: fuga, episódios de pânico (coração acelerado, medo de morrer), alterações no sono, dificuldade de concentração, estado de alerta e até mesmo irritabilidade; sentimentos de impotência e incapacidade: desesperança em relação ao futuro, sensação de vazio.

"A doença pode, ainda, favorecer o desenvolvimento de outras síndromes, já que ela causa uma 'cascata' de sintomas, pelo fato de o corpo ficar extremamente acelerado e em alerta. Dessa maneira, a insônia, por exemplo, costuma ser um sintoma bem comum nesse cenário. Podem ocorrer também dores musculares e cefaleia", destaca o médico. E, de fato, mais da metade dos entrevistados no estudo em Mariana (52%) relatou problemas com o sono.

O especialista explica que, com esta condição, o corpo pode entender que precisa ficar acordado para ter o controle de tudo, há uma tensão muscular muito grande que dificulta o relaxamento. Por isso, verificar as funções da tireoide e a dosagem de hormônios no geral, como o hormônio cortisol (hormônio do estresse), faz parte do diagnóstico do TEPT.

O tratamento precisa ser efetivo e rápido, com medicações específicas que auxiliam na mudança do estado psíquico traumatizado. A abordagem da psicoterapia é também essencial. O acompanhamento deve ser contínuo, já que o transtorno do estresse pós-traumático pode se estabelecer por anos após o trauma.

"Muitas vezes, são prescritos, ainda, remédios para sintomas de ansiedade e algumas recomendações como atividades de respiração, meditação e relaxamento. A informação também é essencial, pois muitos podem estar sofrendo com os sintomas da doença sem saber que se trata de um transtorno. Brumadinho, por exemplo, é um evento que pode retratar isso com muitos detalhes. É fato que naquela região, infelizmente, inúmeras pessoas já estão ou abrirão quadros de TEPT. E, nesses casos, é preciso buscar ajuda o quanto antes de um médico psiquiatra, para que o profissional possa, junto com o suporte psicológico, auxiliar no melhor tratamento para o paciente", finaliza.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Alunos do Colégio Stocco escrevem cartas aos sobreviventes de Brumadinho

Por Vivian Silva

O rompimento da barragem da mineradora Vale, em Brumadinho, no dia 25 de janeiro, resultou em uma das maiores tragédias ambientais do mundo, nas últimas décadas, causada por rejeitos de mineração, além de causar diversas mortes (169 confirmadas – até o momento). Com a comoção nacional que este crime causou, os alunos do Colégio Stocco, em Santo André, escreveram na última semana cartas aos sobreviventes de Brumadinho, com o objetivo de transmitir mensagens de esperança e otimismo.

Alunos escreveram cerca de 350 cartas | Foto: divulgação 
As cartas serão enviadas esta semana pela equipe do Jornal Joca, pois o colégio aderiu à campanha do jornal, que solicitava que as pessoas enviassem mensagens de solidariedade aos sobreviventes e trabalhadores de Brumadinho. Porém, na campanha original as mensagens poderiam ser por e-mail ou WhatsApp, mas o colégio optou pelas cartas.

A coordenadora pedagógica do Stocco, Simone Zambeli, conta que esta tragédia também foi trabalhada em sala de aula de maneira interdisciplinar. “Esse ano, no colégio a gente vai trabalhar o tema ‘Cidadão Global’, então, (a tragédia) veio ao encontro de tudo”. Com isso, questões como compaixão e responsabilidade social também puderam ser abordadas com os alunos.

Sobre as cerca de 350 cartas escritas, Simone ressalta: “Foi bastante interessante, porque a gente fez desde a educação infantil, então, lá o pequenininho do 1º ano desenhou, o envelope foi todo colorido, nós conseguimos assim transmitir um sentimento, uma forma de ajudar, pela palavra ou mesmo pelo desenho”.

O Colégio Stocco recebe alunos desde a educação infantil até o ensino fundamental (9º ano). Todos participaram da ação.

Histórias em quadrinhos retratam o movimento feminista

Da Redação

As feministas desafiaram padrões, lutaram por direitos e revolucionaram a sociedade. Uma breve história do feminismo no contexto euro-americano, lançamento em quadrinhos da Editora Blucher, traça a evolução do feminismo na Europa e na América do Norte, desde a Antiguidade até os tempos atuais.

Obra é assinada pela pela ilustradora Patu e pela jornalista e cientista política Antje Schrupp | Foto: divulgação  
Assinado pela ilustradora Patu e pela jornalista e cientista política Antje Schrupp, a obra discute, por meio de quadrinhos e explicações afiadas, temas relevantes para a luta das mulheres, como direito ao voto, autonomia sobre o corpo e independência intelectual. Também destaca personalidades importantes para o movimento, como Simone de Beauvoir, Angela Davis, Olympe de Gouges e Audre Lorde.

Para as autoras, "quem quer entender as ideias feministas precisa sempre enxergá-las em seu contexto e não deve jamais exigir uma definição inequívoca. O feminismo existiu e existe em todo lugar do mundo, ele apenas parece diferente dependendo das circunstâncias".

O livro parte dos primórdios da tradição judaico-cristã, com os questionamentos de Maria Madalena; passa pela Idade Média, pela Idade Moderna, pelo Iluminismo, pelos movimentos organizados das mulheres a partir do século XIX, pela "segunda onda"; e chega ao feminismo queer e à "terceira onda feminista".

Nutricionista alerta para a importância do café da manhã

Da Redação

Realizar todas as refeições ao longo do dia é importante, mas o café da manhã é fundamental para iniciar as atividades do dia. A nutricionista Marcela Tardioli, consultora da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (ABIMAPI) explica que entre o intervalo da última refeição e a primeira do dia seguinte, há um longo período em jejum (possivelmente de 8 a 12 horas), por isso, a refeição é tão importante, para a saúde.

De acordo com a nutricionista Marcela Tardioli é essencial reabastecer o corpo ao acordar e repor energia para iniciar um dia produtivo | Foto: reprodução
"Durante o sono, nosso organismo continua gastando energia para manter suas funções básicas como respiração, funcionamento do coração e circulação. Sendo assim, é essencial reabastecer o corpo ao acordar e repor energia para iniciar um dia ativo e produtivo", afirma a especialista.

De acordo a Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição (SBAN), pessoas que não possuem o hábito de realizar essa refeição tendem a ingerir quantidades insuficientes de vitaminas, ácido fólico, cálcio, ferro e outros nutrientes essenciais para o corpo. Por isso, na hora de escolher o que comer no café da manhã, o ideal é ingerir um pouco de cada grupo alimentar, que são carboidratos, proteínas e gorduras com o objetivo de uma refeição equilibrada. "Uma fatia de pão de forma integral e uma fruta ou iogurte com algum cereal contêm fibras que ajudam a regular o intestino", explica Marcela.
Para quem optar por pular o café da manhã, a nutricionista alerta que essa ação obriga o organismo a utilizar fontes internas de energia e pode prejudicar a função cerebral cognitiva (interfere nas habilidades e na memória).

 "A pessoa poderá ter alguns sintomas como tonturas, dor de cabeça, além de ter mais fome e querer comer em outros horários, deixando o indivíduo mais propenso a ganhar peso. Lembrando que esses sintomas variam de acordo com a capacidade de cada indivíduo durante o período de jejum prolongado", destaca Marcela.

Esteticista fala sobre mitos e verdades da criolipólise

Da Redação

Quem deseja “enxugar” as gorduras indesejadas, além de investir em uma alimentação equilibrada e uma rotina de exercícios físicos, pode apostar no procedimento de criolipólise, de acordo com a esteticista e fundadora da EmagreSee, Christiane Perin. Para que não haja dúvidas sobre o método, ela esclarece a seguir alguns mitos e verdades.

A criolipólise é um tratamento que elimina a gordura localizada, por meio de baixas temperaturas |  Foto: divulgação 
1) Criolipólise emagrece?
Mito. "A criolipólise comum elimina a gordura localizada enxugando apenas medidas", conta Christiane. A criolipólise é um tratamento que elimina a gordura localizada, por meio de baixas temperaturas.

Na EmagreSee existe a Criolipólise Método 360°. "Na criolipólise comum, a paciente consegue eliminar, no máximo, 30% de gordura da área tratada. No método 360°, além de dobrar essa porcentagem, é possível sentir diferença na balança, já que o tratamento visa a associação da criolipólise com outros equipamentos", afirma.

2) A criolipólise pode ser feita em todas as partes do corpo?
Mito. A Criolipólise pode ser realizada nas principais partes do corpo em que se concentram as gordurinhas indesejadas, como flancos, abdômen, parte interna das coxas, joelhos, braços, costas e a papada. "Apesar de o procedimento poder ser aplicado em várias regiões, cabe destacar que não é indicado se há pouca gordura localizada", alerta Christiane.

3) É possível obter resultados rápidos?
Verdade. Na criolipólise comum é possível obter resultados em até 30 dias, além de uma redução de até 5 cm de circunferência abdominal. "No método 360° esse processo é ainda mais acelerado. Após 3 dias do congelamento da gordura já é possível notar diferença no corpo", afirma Christiane. Além disso, na Criolipólise 360° a circunferência abdominal cai em até 10 centímetros.

4) Grávidas não podem realizar o tratamento de criolipólise?
Verdade. Assim como diversos outros procedimentos, por questões de segurança as gestantes não podem fazer a Criolipólise. Mas segunda a fundadora da EmagreSee, após seis meses do parto elas já podem recorrer ao procedimento tranquilamente. Já em relação a amamentação, ao contrário do que muitos pensam, o tratamento não é contraindicado.

5) O tratamento dói ou causa queimaduras?
Mito. "Por não se tratar de um tratamento invasivo, a dor é quase nula. O que pode acontecer é um pequeno desconforto na hora que a máquina do congelamento suga a pele, mas é algo que passa rápido", aponta Christiane. De acordo com a profissional, o que pode ocorrer em alguns casos é uma vermelhidão na pele, mas é algo passageiro e que o paciente não precisa se preocupar.

Em relação as queimaduras, não há o que se preocupar. Para se evitar o congelamento da pele, uma manta embebida em material anticongelante é posicionada sobre a área a ser tratada. "Há um risco mínimo de a pele sair queimada, após o congelamento. Desde que os equipamentos sejam de alta qualidade e estejam dentro da garantia, não há com o que se preocupar", ressalta.

6) Apenas uma sessão de criolipólise resolve?
Mito. Normalmente para obter um resultado satisfatório em apenas uma sessão, a paciente precisa ser bem magrinha e ter apenas uma gordurinha localizada. Mas na maioria dos casos é necessário um número maior de sessões, pelo menos cinco sessões, geralmente.

7) É necessário repouso após o procedimento?
Mito. "Vida normal após o congelamento da gordura", destaca Christiane. Segundo a profissional, não há nenhuma atividade que não possa ser realizada após o procedimento. Muito pelo contrário, praticar exercícios físicos, por exemplo, ajuda aumentar o metabolismo e a queimar calorias mais rápido.

8) É preciso esperar um tempo para congelar uma mesma área do corpo?
Verdade. São necessários no mínimo 30 dias para congelar uma mesma área do corpo. "Esse tempo é necessário para que o organismo passe pelo processo inflamatório e se recupere". Mas caso a segunda sessão for realizada em outra parte do corpo, esse tempo de espera não é necessário.

9) Apenas um médico pode realizar o congelamento da gordura corporal?
Mito. De acordo com Christiane, dermatologistas, esteticistas, fisioterapeutas e biomédicos pode realizar o treinamento. "O que o paciente pode – e deve – exigir o diploma de formação do profissional. É uma forma de garantir que o profissional realmente está capacitado para aplicar o congelamento", conta.

Outra dica da profissional para não cair em cilada é observar a tabela de preços do local onde o tratamento será realizado. "Desconfie de valores muito abaixo do mercado". Também é preciso ficar atento nas certificações das máquinas de congelamento. "Mantas fora da validade ou de procedências não confiáveis podem causar graves queimaduras na pele", aconselha Perin.

10) É permitido fazer diversas sessões de criolipólise em uma única região?
Verdade. Desde que se respeite o intervalo de pelo menos 30 dias, após a primeira sessão, não há restrições de quantidade. "Porém é importante o paciente ter ciência que o tratamento tem a finalidade de reduzir medidas. Muitas pessoas optam por fazer várias vezes, pois desejam ver redução na balança. Mas apenas a criolipólise, de modo isolado, não ajudar a eliminar os quilos que julgamos excedentes", finaliza. Christiane.

Apae de São Paulo: dez sinais de alerta para se detectar o autismo

*Por André Luiz de Sousa, Cindy Mourão, Regina Viana Nojoza e Luciana Mello Di Benedetto

É provável que a maioria das pessoas nunca tenha ouvido falar tanto no Transtorno do Espectro Autista (TEA) quanto atualmente, mas ainda há dúvidas sobre o que realmente é, seus sintomas e as implicações para o indivíduo. O TEA é conhecido também de diferentes maneiras, como Transtorno Autístico (Autismo), Transtorno/Síndrome de Asperger, Transtorno Desintegrativo da Infância, Transtorno Global ou Invasivo do Desenvolvimento sem outra especificação e é considerado um dos Transtornos do Neurodesenvolvimento.

Apae tem avaliação para diagnosticar casos de TEA | Foto: reprodução 
Entre as organizações que oferecem avaliação diagnóstica para identificar casos de TEA está a Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de São Paulo, referência no tratamento de deficiência intelectual. Por meio do Ambulatório de Diagnóstico, profissionais investigam sinais característicos desta condição em crianças, jovens e adultos. Os atendimentos podem ser realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) ou por planos de saúde e consultas particulares.

No diagnóstico é detectado se o paciente possui características que envolvam prejuízos na interação social, na linguagem/comunicação, e se há padrões repetitivos de comportamento. A orientação é para que os pais, professores e/ou responsáveis procurem auxílio médico quando há os seguintes sinais:

1. Pouco contato visual: a criança não olha quando é chamada pelo nome ou não sustenta o olhar.

2. Não interagir com outras pessoas: não interage com outras pessoas, por meio de sorrisos, por exemplo.

3. Bebês que não fazem jogo de imitação: os bebês começam a imitar atitudes e comportamentos por volta dos seis a oito meses de vida, portanto, deve-se ficar atento quanto à ausência desse comportamento.

4. Não atender quando chamado pelo nome: a criança pode parecer desatenta, pois não atende quando é chamada pelo nome.

5. Dificuldade em atenção compartilhada: não demonstra interesse em brincadeiras coletivas e parece não entender a brincadeira.

6. Atraso na fala: criança acima de dois anos que não fala palavras ou frases.

7. Não usar a comunicação não-verbal: não usa as mãos para indicar algo que quer.

8. Comportamentos sensoriais incomuns: se incomoda com barulhos altos, por vezes colocando as mãos nos ouvidos diante de tais estímulos; não gosta do toque de outras pessoas, irritando-se com abraços e carinho.

9. Não brinca de faz de conta: não cria suas próprias histórias e não participa das brincadeiras dos colegas. Também não utiliza brinquedos para simbolizar personagens. Suas brincadeiras costumam ser solitárias e com partes de brinquedos, como a roda de um carrinho ou algum botão.

10. Movimentos estereotipados: apresenta movimentos incomuns, como chacoalhar as mãos, balançar-se para frente e para trás, correr de um lado para outro, pular ou girar sem motivos aparentes. Os movimentos podem se intensificar em momentos de felicidade, tristeza ou ansiedade.
Não há medicação para o TEA, mas há casos em que são necessárias medicações para controlar quadros associados ao autismo, como insônia, hiperatividade, impulsividade, irritabilidade, atitudes agressivas, falta de atenção, ansiedade, depressão, sintomas obsessivos, raiva e comportamentos repetitivos. Em alguns casos, o indivíduo desenvolve problemas psiquiátricos.

O tratamento do autismo baseia-se em estratégias como:
Treinamento dos pais: é a família que mais interage e estimula o comportamento das crianças, portanto, um tratamento eficaz depende do auxílio dos familiares e amigos.

Análise Aplicada do Comportamento (ABA): a Metodologia de Análise Aplicada do Comportamento (ABA – Applied Behavior Analysis) é um conjunto de procedimentos aplicados com o intuito de melhorar o comportamento socialmente adaptável e a aquisição de novas habilidades por meio de práticas intensas.

Tratamento e Educação para Crianças Autistas e Crianças com Déficits relacionados com a Comunicação (TEACCH): é um programa desenvolvido para educadores. Desenvolvido na Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill, e iniciado em 1972 por Eric Schopler, tem sido amplamente incorporado nos contextos educativos e contribuído para uma base concreta de intervenções do autismo. É também chamado de estrutura de ensino, pois de baseia na evidência e observação de que indivíduos com autismo compartilham um padrão de comportamento semelhante na maioria dos casos.

Psicoterapia em abordagem cognitivo-comportamental (TCC): a abordagem psicológica demonstra ter eficácia nos quadros de ansiedade, autoajuda e habilidades de vida diária.

Para a Apae de São Paulo, o diagnóstico precoce é fundamental para que o indivíduo possa receber o tratamento adequado e desenvolver uma vida produtiva e inclusiva, com chances de estudar e trabalhar. A Organização atua há 57 anos para promover assistência e desenvolver o potencial de seus pacientes, a fim de capacitá-los e incluí-los na sociedade.

*André Luiz de Sousa, Cindy Mourão, Regina Viana Nojoza e Luciana Mello Di Benedetto são  psicólogos/neuropsicólogos do Ambulatório de Diagnóstico da Apae de São Paulo

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Animais são motivos de atritos entre moradores de condomínios

Da Redação


São mais de 130 milhões de animais de estimação nos lares brasileiros, de acordo com dados mais recentes divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Porém, a convivência com eles nem sempre é tão fácil para alguns vizinhos, principalmente para quem mora em condomínios, de acordo com Roger Silva, diretor da Auxiliadora Predial, empresa de gestão condominial e negócios imobiliários.

Excesso de barulho envolvendo animais é uma das reclamações recorrentes em condomínios | Foto; Freepik
“Eles são a causa das reclamações mais comuns entre condôminos, geralmente por excesso de barulho e de sujeira ou por comportamento inadequado, que possam oferecer riscos aos demais moradores”, comenta Silva.

Na Constituição há jurisprudência que garante ao morador o direito de ter animal de estimação em casa. No entanto, é importante que as regras de permanência e convivência com os pets, que devem constar no regulamento interno do condomínio, sejam respeitadas.

O especialista diz que é nas assembleias entre os condôminos que devem ser estabelecidas as regras, o que pode e do que não pode em relação aos pets. “Precisa detalhar no regimento interno questões como a limitação de espaços permitidos aos bichos, cuidados em seu transporte, limpeza e bom comportamento do animal, além de incluir multas e outras sanções para casos de descumprimento de alguma regra”, recomenda Silva, que sugere, por exemplo, que moradores com pets que moram em andares mais baixos instalem redes de segurança nas janelas ou sacadas para evitar que eles escapem e circulem em locais proibidos.

Quando algum vizinho se sentir incomodado, o ideal é que ele converse diretamente com o dono do animal e que juntos tentem chegar a um acordo. “Uma conversa tranquila, explicando a situação e dando alguns exemplos. Caso não resolva, pode ser o caso de recorrer ao síndico”, recomenda o especialista.

Silva ressalta que é importante que haja bom senso entre as partes para resolver qualquer impasse. “Mas o síndico tem autoridade para, em casos de persistência, advertir o infrator e até mesmo aplicar as multas previstas no regimento interno, se houver reincidência”, conclui.  Casos de expulsão do animal só acontecem em situações extremas.

Por isso, é indispensável manter o regimento do condomínio atualizado, para o tutor ter consciência da sua responsabilidade em relação ao animal, assim, o bichinho não prejudicará a rotina dos demais moradores.

Terceirização da infância: uma reflexão, um alerta

Da Redação

Depois de 30 anos como professor, em várias áreas, ou seja, ensino fundamental, ensino médio, ensino superior, especializações, mestrado e doutorado e, ainda estar estudando - agora em uma área apaixonante que é o cérebro - arrisco escrever este artigo para promover uma reflexão e um alerta sobre a terceirização da infância.

Em O Inferno, de Dante Alighieri (primeira parte da obra Divina Comédia) há uma tragédia silenciosa, onde pais, tendo em vista a sua rotina de trabalho e o deslocamento de hora e horas, terceirizam a educação dos seus filhos, e como consequência terceirizam a infância. Não posso chamar de culpados, porém é preciso fazer um alerta, tendo em vista dados da Organização Mundial de Saúde, em que:

- Uma em cada cinco crianças tem transtornos de saúde mental;

- Registrou-se um aumento de 43% no Transtorno do Déficit da Atenção e da Hiperatividade (TDAH);

- 37% de casos de depressão em adolescentes;

- Aumento da taxa de suicídio em crianças de 10 a 14 anos.

O que vem acontecendo para termos esse cenário que faz com que acendamos uma luz de alerta: crianças e adolescentes estão sendo estimulados e superdimensionados com objetos materiais e privados de uma infância saudável. E qual a causa desse fenômeno mundial? Pais digitalmente distraídos com redes sociais, WhatsApp, aplicativos; e emocionalmente perturbados com uma estimulação sem fim. Ou seja, vemos verdadeiras armas tecnológicas, gratificações instantâneas e ausência de afetividade e amor.

A criança deve ser estimulada e a presença dos pais na sua infância ajudará a determinar a sua personalidade. Para isso, os pais devem impor limites nos usos de tecnologia, horas e tempo diários, oferecer um estilo de vida equilibrado, sempre levando em consideração o que elas precisam e não o que elas querem. Fornecer alimentos adequados e nutritivos e não a “comida lixo”, ou seja, embalada, modificada geneticamente, refrigerantes entre outros. Passar alguns momentos ao ar livre com a criança, fazendo caminhadas, observando aves, insetos, o ambiente natural, como um modelo de educação e ecologia a tornará mais segura de si e do meio por onde ela vive.

Por fim, estar emocionalmente disponível para se conectar com as crianças e ensinar-lhes autorregulação e habilidades sociais. Isso com certeza vai melhorar a sua infância e ajudá-las a tornarem-se adultos muito melhores do que somos hoje.

*Rodrigo Berté é diretor da Escola Superior de Saúde, Biociência, Meio Ambiente e Humanidades do Centro Universitário Internacional Uninter, aluno de pós-doutorado em Neurociências e Doenças Degenerativas com o projeto Aprendizagem Significativa na Infância.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Direitos da pessoa com deficiência é tema de exposição

Da Redação

Até 28 de fevereiro, o Memorial da Inclusão recebe a mostra Virada Inclusiva: Direitos Humanos Para Quê? Que este ano retrata a Convenção Sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência. A exposição gratuita traz painéis interativos com jogos infantis e conteúdo acessível com temas sobre direitos básicos como: moradias, justiça, trabalho, participação, saúde, equidade, educação, saúde e segurança.

O Memorial da Inclusão fica na Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 564, portão 10, na Barra Funda | Foto: reprodução
A exposição pode ser visitada de segunda a sexta, das 10h às 18h e aos sábados, das 13h às 17h. O Memorial da Inclusão está localizado na sede da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, na Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 564, portão 10, na Barra Funda.

Inaugurado no dia 3 de dezembro de 2009, o Memorial da Inclusão tem o propósito de reunir em um só espaço fotografias, documentos, manuscritos, áudios, vídeos e referências aos principais personagens, às lutas e às várias iniciativas que incentivaram as conquistas e melhores oportunidades às pessoas com deficiências.

Esportistas diabéticos precisam de atenção especial

Da Redação

Portadores de diabetes podem e devem fazer exercícios físicos, pois a prática colabora para estimular importante proteína (GLUT-4), que carrega a glicose que está sobrando no sangue para dentro da célula. Com isso, a pressão arterial, peso e taxas de colesterol ficam mais controlados, o que ajuda a saúde, segundo o endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP), Marcio Krakauer.

É fundamental que qualquer atleta monitore a glicemia | Foto: Freepik
"Mas todo diabético precisa de cuidados específicos. Quando o atleta é de alto rendimento, como um jogador de futebol profissional, por exemplo, toda a equipe que o acompanha precisa estar atenta aos sintomas de hipoglicemia e hiperglicemia e, principalmente, aos métodos adequados para socorrer esse atleta", alerta Krakauer.

O esportista deverá seguir um cardápio diferenciado, com treinos dirigidos especialmente a ele. O monitoramento constante da glicose é fundamental e o conhecimento das necessidades do próprio organismo também é importante.

"Esses atletas precisam se conhecer muito bem acima de tudo e entender como seu corpo e glicemia reagem ao estresse, ao exercício intenso, à competição e alimentação", pontua Krakauer. Tontura, tremores, visão turva, fome, irritabilidade e suor excessivo são os sintomas mais comuns da hipoglicemia.

Para os atletas profissionais diabéticos, é fundamental que as monitorizações sejam feitas constantemente, antes, durante e depois das atividades, seja com caneta ou até sensores que medem a glicose continuadamente e podem eventualmente ser usados durante a partida ou competição.

"Caso o atleta venha a ter alguma complicação como retinopatia, por exemplo, não se deve recomendar esforços intensos. Alterações cardiológicas derivadas do diabetes também merecem atenção", alerta o médico.

É fundamental que qualquer atleta monitore a glicemia e conheça bem os medicamentos que utiliza, tenha controle sobre a alimentação e conheça o próprio corpo e como ele lida com desafios, estresse, tensão. Assim, será possível conviver com a doença e a prática de qualquer esporte.


Carnaval: ortopedista explica como aliviar a dor nos pés e nas pernas

Da Redação

Faltam poucas semanas para o Carnaval, mas alguns blocos já agitam o fim de semana de quem é folião de carteirinha. Com o calendário cheio de eventos é difícil sair ileso daquela dorzinha incômoda depois de tanta agitação e horas em pé. Segundo o ortopedista Mauricio Marteleto, especialista em coluna e membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, é possível evitar a dor nos pés, se o folião optar por calçados confortáveis, tênis ou outro sapato acolchoado.

Ortopedista Marteleto comenta que calçado com cano alto é uma boa opção para evitar torções | Foto: reprodução
"As rasteirinhas não são boa opção por conta do risco de pisões que podem causar pequenas fraturas e também porque o solado totalmente horizontal sobrecarrega a lombar. Calçados com cano alto também são boas opções para evitar torções", orienta o especialista. 

O alongamento também pode ser um grande aliado para evitar contraturas musculares e tendinites por esforços repetitivos. "Se possível, faça um breve alongamento dos membros inferiores antes e depois da folia. Ele vai ajudar a evitar lesões musculares. Também é valido manter os membros inferiores elevados durante pelo menos uma hora", sugere o ortopedista.

Mas, se nenhum desses cuidados evitar aquela dor de fadiga muscular, nos primeiros três dias pode ser aplicado gelo sobre a área dolorida e em seguida compressas mornas. Entretanto, o especialista alerta: "Os casos mais graves que apresentem inchaço e perda da mobilidade devem ser avaliados por um ortopedista. A consulta médica precoce pode excluir as lesões mais graves que exijam imobilização e/ou cirurgia, evitando sequelas permanentes", finaliza Marteleto. 

Atrium Shopping tem show cover dos Rolling Stones

Da Redação

A banda cover Rockinstones se apresentará no Atrium Shopping (Praça de Alimentação), em Santo André, neste sábado (23), às 19h. O grupo recria um show típico dos Rolling Stones, com figurinos e instrumentos semelhantes, além de uma incrível performance.

Show da Rockinstones está marcado às 19h | Foto: Marina Dias/Mood Foto Arte
Com cerca de 400 apresentações no currículo, a Rockinstones tem mais de sete anos de estrada. Já a lendária banda Rolling Stones vendeu mais de 240 milhões de álbuns ao longo da carreira,  iniciada nos anos 1960. A banda de rock britânica realizou, em 2018, uma das mais lucrativas turnês do planeta e já se prepara para cair na estrada em 2019.

No repertório do show cover estão hits memoráveis como (I Can't Get No) Satisfaction, Sympathy for the Devil, Angie, Start Me Up, It’s Only Rock n’ Roll, Gimme Shelter e Brown Sugar.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Cerca de 75% das pessoas que fazem cirurgia bariátrica são mulheres

Da Redação

Apesar de o índice de obesidade ser semelhante entre mulheres (19,6%) e homens (18,1%), de acordo com o último relatório do Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) do Ministério da Saúde, o número de mulheres que procuram por cirurgia bariátrica no Brasil é muito maior. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), dos 105.642 procedimentos realizados, em 2017, no País, 75% foram em mulheres.

Bariátrica é indicada a pacientes com IMC de 35 a 40, com doenças causadas pela obesidade, ou IMC superior a 40 | Foto: Freepik
Para o cirurgião bariátrico Admar Concon Filho, membro titular da SBCBM, que já realizou cerca de 4 mil cirurgias bariátricas, o índice de mulheres que o procuram para fazer o procedimento é ainda maior que a média nacional. “Cerca de 80% dos nossos pacientes de cirurgia bariátrica são mulheres. O que nós percebemos, no dia a dia, é que as mulheres, além de se preocuparem mais com sua saúde, também são mais corajosas na hora de fazer a cirurgia”, comenta.

O cirurgião ressalta, no entanto, que os problemas causados pela obesidade são os mesmos em homens e mulheres. “A obesidade é uma doença grave e está relacionada a muitas outras doenças, como diabetes tipo 2, hipertensão, colesterol, triglicérides, com alto risco cardiovascular”, explica. “Portanto, ela não só prejudica a qualidade de vida do paciente como também reduz sua expectativa de vida”, complementa Concon Filho.

Mas, de acordo com o cirurgião, não é qualquer pessoa obesa que pode ser submetida a uma cirurgia bariátrica. “Nós seguimos um protocolo internacional para a indicação deste procedimento. O paciente precisa ter IMC (Índice de Massa Corpórea) acima de 40 ou IMC de 35 a 40, mas, neste caso, com doenças causadas pela obesidade. Além disso, precisa comprovar que já tentou, por pelo menos dois anos, emagrecer com outros tipos de tratamento. Fora isso, é necessário o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar, formada pelo cirurgião, nutricionista, endocrinologista e psicólogo, entre outros”, diz.

De acordo com a SBCBM, o Brasil tem 4,9 milhões de pessoas com indicação para a cirurgia bariátrica. Deste total, 1,07 milhão estão no Estado de São Paulo.  Uma pessoa é considerada obesa quando seu IMC é superior a 30. No Brasil, há 39,2 milhões de pessoas nessa situação. Em 2006, eram 21,5 milhões. Portanto, em 10 anos, o número de obesos cresceu 60%. Já o sobrepeso (acima de IMC 25) atinge 111,7 milhões de pessoas.

A obesidade é uma doença multifatorial, com impactos clínicos, sociais e econômicos. Estima-se que de 2% a 7% de todos os gastos com saúde são destinados à prevenção ou tratamento da obesidade. No Brasil, ela chega a custar 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB). 

O especialista comenta ainda que há estimativas que apenas 2% das pessoas com indicação de cirurgia sejam de fato operadas, por vários motivos: falta de acesso, falta de informações e até por medo. “Hoje a cirurgia bariátrica é muito segura. Os riscos são equivalentes à retirada da vesícula ou a uma cesárea. A obesidade oferece muitos mais riscos que a cirurgia ao paciente”, finaliza o médico.




Impurezas no organismo podem causar diversos malefícios

Da Redação

Nos últimos anos, a palavra "detox" se tornou muito comum e até virou moda entre blogueiras e celebridades que compartilham suas rotinas na internet e receitas de suco “detox”. A preocupação com o excesso de toxinas é importante, pois segundo a médica Louise Soares, que atua com terapia ortomolecular e quântica, uma das consequências do excesso dessas toxinas no corpo das pessoas é a obesidade. 

Levar um estilo de vida mais saudável pode amenizar todo o bombardeio tóxico ao qual estamos vulneráveis, comenta a especialista Louise  Soares
"Às vezes parece que a pessoa engordou, porque essas toxinas ficam retidas nas células de gordura. Então é como se a camada adiposa fosse um sistema de proteção para o corpo", explica.
Ainda segundo Louise, existem vários órgãos que são capazes de auxiliar na limpeza do corpo, principalmente intestino e fígado. Mas, ao mesmo tempo, esses órgãos podem ficar sobrecarregados fazendo com que o organismo reaja de outras formas. Alguns sintomas, como secreção nasal, pigarro matinal, língua esbranquiçada, pele e/ou cabelos oleosos e alergias são sinais de que a capacidade do corpo de se desintoxicar está prejudicada.

"Assim, vão surgindo sintomas e doenças como retenção de líquido, má digestão, alterações do sono, alterações emocionais ou desequilíbrio hormonal, tudo isso causado por essa qualidade de vida tóxica", afirma Louise.

A alimentação saudável e a ajuda de profissionais são importantes no processo de eliminação de toxinas armazenadas pelo organismo no dia a dia. O convívio com essas substâncias maléficas ao organismo começa já ao nascer. Segundo pesquisas, muitas dessas toxinas estão presentes no cordão umbilical de uma criança recém-nascida. Toda essa "sujeira" continua atrapalhando a fisiologia das pessoas no decorrer dos anos, condenando-as a alterações metabólicas, hormonais e até mesmo mentais, dificultando a manutenção da saúde. 

Essas substâncias podem ser encontradas em poluentes, aditivos alimentares, fármacos, metais tóxicos, produtos de higiene pessoal e até mesmo cosméticos, podendo levar a doenças crônicas com o passar dos anos. 

Como melhorar 
O ideal para quem busca essa desintoxicação é procurar um profissional para analisar mais especificamente o estado de saúde e de intoxicação, planejando um tratamento de reparação biológica para restaurar o equilíbrio fisiológico. Com isso, o paciente ganha mais disposição e vitalidade.
Porém, é possível começar o trabalho "detox" em casa. Louise explica que levar um estilo de vida mais saudável pode amenizar todo esse bombardeio tóxico ao qual estamos vulneráveis. 

"O básico é a realização de atividades físicas, ter uma alimentação saudável com alta ingestão de fibras – que estão presentes nos vegetais, nas frutas, na chia e na aveia sem glúten - e também focar no consumo de substâncias fitoquímicas, que são substâncias antioxidantes e que estão presentes também nos vegetais", completa Louise.

Golden Square Shopping tem feira voltada às noivas

Da Redação

A Feira Momento Noiva começa nesta sexta-feira (15) e vai até domingo (17) no Golden Square Shopping (Avenida Kennedy, 700), em São Bernardo do Campo.  No local estarão reunidos os principais fornecedores do segmento de casamento.

Evento reunirá mais de 30 empresas do segmento de casamentos | Foto: divulgação 
O público poderá conferir o serviço de mais de 30 empresas, com opções de buffet, bar, decoração, presentes, fotografia, vídeo, música, orquestra, celebrantes, doces e bolo, além, é claro, de vestidos e acessórios para a noiva brilhar no altar e trajes para daminhas, pajens e noivo.

Na Feira, os visitantes terão oportunidade de conhecer as novidades e negociar diretamente com os fornecedores, com condições e descontos exclusivos. A entrada é gratuita. Interessados podem acessar o portal do shopping e realizar o pré-cadastro.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Carnaval: nutricionista orienta como curtir a folia com disposição

Da Redação

Muitas pessoas já estão se preparando para curtir os quatro dias de folia do Carnaval, seja nos blocos de rua, nos sambódromos ou no frevo, por todo o Brasil. No entanto, para aproveitar a festança é necessário pensar muito além da fantasia. Para manter o pique no Carnaval, é importante pensar na alimentação e no consumo de bebidas. Confira algumas dicas da nutricionista do Espaço Volpi, Gabriela Forte, para o antes, durante e depois dos dias de folia.

A água neutraliza a concentração de álcool na corrente sanguínea, então, beba o dobro de água durante a folia | Foto: reprodução
1 - Procure consumir vegetais, legumes e frutas
Eles possuem uma excelente concentração de vitaminas, minerais, fibras e água essenciais para o organismo, principalmente para os dias de folia. No entanto, fique atento quanto a procedência desses alimentos e sua forma de preparo, pois precisam da higienização correta para evitar contaminações.

2 - Carboidratos são bem-vindos
Antes de sair para curtir o carnaval, aposte nos carboidratos e também em frutas de alto teor hídrico. Alimentos como mandioca, batata doce, pães integrais, banana, manga, melancia, mamão, melão e aveia são boas pedidas para auxiliar na liberação de energia gradativa durante a diversão.

3 - Passe longe das frituras e alimentos gordurosos
Os alimentos gordurosos e as frituras são opções que exigem uma carga de trabalho maior para o sistema digestivo, incluindo o fígado. Com essa sobrecarga de trabalho em conjunto com o desgaste do organismo, além do consumo da bebida alcoólica, é natural que o folião apresente náuseas, enxaquecas ou um estímulo elevado no trânsito intestinal.

4 - Consuma o dobro de água
A água neutraliza a concentração de álcool na corrente sanguínea e minimiza os impactos negativos que a bebida traz em conjunto com a desidratação. O ideal é consumir o dobro de água em relação ao consumo de bebidas alcoólicas.

5 - Pós-folia
Cansaço, excesso de folia, excesso de bebidas alcoólicas e o pouco sono fazem o organismo viver uma situação estressante que eleva o cortisol, hormônio inflamatório que afeta a retenção hídrica, facilitando o acúmulo de gordura corporal e afetando também o sono, a disposição e o rendimento.

Por isso, o consumo de verduras, legumes e frutas auxiliará na maior concentração de fitoquímicos e antioxidantes importantes para os processos de "limpeza do organismo", além da ingestão de água. Chás naturais como cavalinha, gengibre com canela em pau, hibisco, salsinha e dente de leão auxiliam também neste processo.

O caminho da simplicidade

*Por Leonardo Torres

Todos temos um grau de acumulador. Essa patologia, quando radical, é muito importante e deve sempre ser acompanhada de tratamentos. Mas nós Ocidentais somos, seja em maior ou menor grau, um pouco acumuladores.

A nossa forma de pensar, viver e agir no mundo vem dos povos do deserto, povos que lidavam com constante escassez. Imagine-se em um deserto todos os dias do ano, durante vários anos, buscando água, morrendo de fome, passando pelo frio da noite e pelo calor intenso do dia. Os povos do deserto, guerreiros, conviviam com uma gigante necessidade.

Mesmo depois do deserto, o Ocidente viveu duas grandes Guerras, que também nos colocaram em condições de escassez e de extrema necessidade. O Ocidente viu sua sociedade retornar ao deserto, só que desta vez, um deserto de escombros, destruição e falta de suprimentos. Não é à toa que os nossos familiares mais antigos têm uma tendência maior em estocar comida.

Atualmente, o próprio Capitalismo, a partir do pensamento de Max Weber e Walter Benjamin, utiliza esse sentimento de escassez e de necessidade que foi gerado há séculos. Esse sentimento nos impulsiona a cada vez mais acumular. E não importa se é dinheiro, roupas, crushes, fotos, drogas, curtidas nas redes sociais, etc.. Em um sentido mais amplo, a humanidade inteira faz isso com o planeta Terra, usurpando todos seus recursos.

Na verdade, nós precisamos acumular para tentar tapar o buraco que nós sentimos em nossa alma. Esse buraco é tanto uma herança milenar dos povos do deserto, quanto nossos complexos e frustrações do cotidiano e de nossa história de vida. Ele é filo e ontogenético.

Há esperança? Muitas pessoas estão tentando fazer o caminho inverso, buscando uma maneira de viver mais simples. Os depoimentos apontam que esta nova forma de viver é libertadora. Mujica é um desses exemplos, entrando e saindo da presidência com seu fusquinha.

A liberdade que se experimenta ao tomar essa atitude de vida é porque, no fundo, não somos nós que temos coisas, são as coisas que nos tem.

Esse caminho, o da simplicidade, pode ainda auxiliar na preservação do planeta. Se nós não formos mais conscientes ao utilizar os recursos naturais, nós, no fim, transformaremos tudo em um grande deserto.

*Leonardo Torres, 28 anos, é palestrante, professor e doutorando de Comunicação e Cultura. 

Passear com o cachorro no verão requer cuidados extras

Da Redação

Passear com o cachorro auxilia a saúde física e mental dele, mesmo que não seja um trajeto muito longo. Mas em dias quentes,  principalmente, no verão, é importante tomar alguns cuidados para garantir, por exemplo, que eles não queimem as patinhas durante o trajeto. A veterinária da DogHero, Amanda Peres, separou algumas dicas importantes nesse sentido.

Prefira passear na grama com os cachorros, pois é mais confortável para os animais | Foto: Freepik
Quando o cachorro não têm uma rotina de atividades, eles podem tornar-se ansiosos e possivelmente ter comportamentos destrutivos. "Cachorros são animais que precisam interagir com o mundo e isso é algo que eles só conseguem quando saem do quintal espaçoso ou do ambiente doméstico: é preciso ir à rua", afirma Amanda. Abaixo a veterinária lista as principais orientações:

Horários: faço o passeio quando a temperatura não está tão alta e a incidência do sol é menor. Vale lembrar que muitas vezes, mesmo em dias nublados, o chão fica com a temperatura alta, devido à presença do mormaço, que queima tanto quanto o sol. Preferencialmente, saia com os cães antes das 10h e após as 17h. Assim, você evita que eles fiquem muito cansados, ofegantes e que queimem as patinhas.

Rotina: é importante adaptar, mas manter a frequência de passeios do cachorro mesmo no verão. Caso falte disposição ou tempo para passear com o cãozinho, vale chamar um passeado.

Atenção à temperatura do chão: faça o teste com o seu pé descalço ou com a palma da sua mão. Se você não aguentar o contato por mais do que dez segundos, é provável que seu cãozinho também não aguente. Nesse caso, não saia com o cachorro e escolha outro horário para o passeio.

Opte pela grama: a grama é bem mais fresca que o asfalto e causará mais conforto ao passeio do cachorro, evitando possíveis queimaduras nas patinhas (além de ser mais divertida para ele).

De olho no trajeto: durante todo o passeio temos que ficar atentos a qualquer movimento que o cachorro faça. Mesmo que o trajeto já seja conhecido por ambas as partes, o cachorro pode se machucar com algum objeto cortante e ferir os coxins (as famosas "almofadinhas" que ficam na sola da pata dos cães). Ele também pode acabar ingerindo algum corpo estranho ou resto de lixo da rua, ou até mesmo acabar se machucando caso se aproxime de locais (portões) em que haja pets que não aceitem a presença de outros animais. Para evitar isso, basta manter a guia curta e sempre firme.

Hidratação: não se esqueça de levar água fresca para o oferecer ao cãozinho durante o passeio. Mesmo que ele não aparenta estar com sede, ofereça água e estimule a ingestão dela para trazer mais conforto ao cachorro e evitar que ele passe mal com o calor.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Cirurgião plástico aponta cirurgia íntima como tendência no mercado

Da Redação

O cirurgião plástico Luiz Haroldo Pereira, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, com 41 anos de carreira e pioneiro da lipoaspiração no Brasil, aponta que as cirurgias plásticas em 2019 seguirão uma tendência cada vez mais voltada à beleza natural, sem exageros. Além disso, as cirurgias íntimas estão em alta e mostram que as mulheres estão se sentindo mais seguras e confiáveis, para aceitar uma mudança íntima quando necessária.

Cirurgião Luiz Haroldo Pereira destaca ainda a beleza natural como tendência | Foto: divulgação 
"As cirurgias íntimas estão muito difundidas no momento. Elas consistem em dois tipos de procedimentos: enxerto de gordura nos grandes lábios, complementando com labioplastia, que é a retirada do excesso de pequenos lábios genitais", explica Pereira.

O cirurgião ressalta ainda que é também um dever do profissional de saúde, melhorar deformidades estéticas, mas sem excessos, pois cada paciente tem um desejo, mas o médico precisa saber dizer “não”, quando o pedido da paciente for um absurdo.
 
Além disso, Pereira comenta que hoje é comum atender pacientes jovens que não querem envelhecer e, antigamente, eram os velhos que queriam voltar a ser jovens. 

Entre as novidades do momento, o cirurgião destaca o MD codes. "Com os preenchimentos tipo ácido hialurônico ou enxerto de gordura, que consiste em fazermos uma pequena lipoaspiração e reaproveitar esta gordura para preenchimentos faciais, o que está sendo chamado de MD codes, que na verdade é um nome de fantasia. E, cada vez mais, nos congressos, discutimos procedimentos não radicais, mas com resultados imediatos", finaliza.

A estreita relação entre o estresse e doenças de pele

*Por José Jabur da Cunha 

Nossa saúde física e nosso bem-estar emocional estão intimamente ligados. Não é de surpreender que as dificuldades de se viver com problemas na pele possam prejudicar o nosso estado de espírito. Mas o que é menos compreendido é que o estresse e a ansiedade podem se manifestar na pele e podem agravar uma condição já existente.

"Não há um teste específico para comprovar, no indivíduo, que a doença de pele está relacionada ao estresse. A resposta vai surgir a partir do estreitamento da relação médico-paciente", comenta Cunha 

Não se pode afirmar que o estresse seja exatamente causador de doenças de pele. O processo saúde-doença é muito frequentemente multifatorial, ou seja, tem como base mais de uma causa. Mas realmente existem pessoas que têm uma condição genética favorável ao desenvolvimento de algumas doenças de pele. E nas pessoas que têm essa predisposição genética, o fator estresse pode atuar como um gatilho para o surgimento da doença. Estresse e pele estão muito conectados. Naqueles indivíduos, por exemplo, portadores de doenças crônicas de pele, o quadro acaba piorando em períodos de estresse. Isso é muito comum.

Algumas doenças de pele muito relacionadas ao estresse são a psoríase, vitiligo, dermatite atópica, queda de cabelo, urticária e acne, entre outras. Todas essas doenças podem manifestar-se de forma leve, mas também de forma bastante intensa. De modo geral, essas doenças não têm “gravidade”, uma vez que não colocam o paciente em risco. No entanto, diversos estudos têm demonstrado que elas estão associadas a intenso impacto psicossocial, além de grande comprometimento da qualidade de vida. Quando em crianças e adolescentes, estas doenças de pele também estão associadas a comprometimento do desenvolvimento psicológico e social.

A reação na pele a um estresse psicossocial é certamente muito complexa, mas é sabido que se trata de vias bidirecionais entre os sistemas nervoso, endócrino e imunológico. O estresse é capaz de provocar alterações nestes sistemas que podem culminar com o aparecimento, agravamento ou recorrência de lesões na pele. Não há um teste específico para comprovar, no indivíduo, que a doença de pele está relacionada ao estresse. A resposta vai surgir a partir do estreitamento da relação médico-paciente e da melhor compreensão, por parte do paciente, sobre a própria doença e a maneira como ele reage a eventos estressantes. Mas, geralmente, os casos graves e crônicos têm uma estreita relação com o estresse psicossocial. Isso porque doenças crônicas de pele levam basicamente a duas situações. Uma delas é que o paciente muitas vezes apresenta sintomas persistentes como prurido, ardência, descamações, feridas, de maneira constante e por anos a fio. A outra é que doenças de pele são estigmatizantes e levam a muitas dificuldades sociais, além de sintomas como depressão e ansiedade.

Existem vários estudos que comprovam que pessoas que vivem com lesões de pele potencialmente visíveis apresentam ansiedade social, que geralmente é acompanhada de uma redução da qualidade de vida. Esta condição acaba por gerar estresse e piorar o quadro cutâneo. É muito importante intervir nestes casos para quebrar este círculo vicioso e proporcionar qualidade de vida aos pacientes.
É fundamental que esses pacientes procurem auxílio médico com dermatologistas acostumados ao tratamento de doenças de pele. Atualmente, existem diversos tratamentos que podem trazer enormes benefícios. Definitivamente, este é um campo que avançou muito nos últimos anos. É importante também que o dermatologista tenha consciência do fator psicossocial associado às doenças de pele, que acabam tendo um papel agravante e indissociável.

Algumas medidas podem ser tomadas para atuar no fator “estresse” associado às doenças de pele, trazendo melhoras ao paciente.

Meditação – Para as pessoas que vivem com doenças da pele, trazer o foco para o presente, por meio do treinamento da meditação, pode ser muito benéfico para uma gama de sintomas psicológicos e físicos. Esta abordagem tem o potencial de reduzir a preocupação focada nos sintomas e na doença;

Inversão do hábito – Muitas condições podem levar as pessoas a desenvolver comportamentos repetitivos prejudiciais, como arranhões ou “cutucadas” de pele. A reversão de hábitos é fundamental;

Relacionamentos – Manter boas relações em sociedade é fundamental para nossas vidas. Viver com uma condição de pele às vezes pode dificultar a formação de novos relacionamentos. É essencial o apoio para ajudar a construir a confiança e superar a ansiedade social.

*José Jabur da Cunha é dermatologista da Altacasa Clínica Médica, na capital paulista, e Chefe do Setor de Dermatologia da Santa Casa de São Paulo.

Música nórdica e medieval marca apresentação de Olam Ein Sof

Da Redação

Com repertório composto por músicas nórdicas e temas medievais da Europa Latina, o duo Olam Ein Sof - com a presença da atriz e cantora norueguesa, Ingvild Deila – se apresentará na Taverna Medieval, em São Paulo, neste domingo (17), a partir das 15h30.

Show da dupla Olam Ein Sof, junto com a cantora Ingvild Deila, está marcado para às  16h | Foto: divulgação  
Ingvild é conhecida pelo público brasileiro pela atuação em algumas produções de cinema, como o papel da Princesa Leia em Rogue One e  breve participação em Vingadores: A Era de Ultron. A apresentação repetirá o encontro realizado em outubro de 2018, durante evento temático no interior de São Paulo.

O duo Olam Ein Sof surgiu em 2001 com influência da música antiga, folk, mitologia celta e universo cósmico. O portfólio já inclui quatro CDs autorais, um CD de cantigas medievais  e 1 DVD, além de shows pelo Brasil, Colômbia, Chile, Portugal, Espanha, Itália e Alemanha. No momento, os músicos exploram em colaboração com Ingvild canções medievais e folclóricas em antigas línguas européias. 

A Taverna Medieval fica na Rua Gandavo, 456, na Vila Mariana.  Tel.: 4114-2816.

Dermatologista fala sobre aplicação de ácido hialurônico e botox em jovens

Da Redação

O dermatologista Gustavo Limongi, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, afirma que aumentou o movimento de jovens em seu consultório, nos últimos meses. O principal objetivo é a prevenção. Acredita-se que este aumento esteja associado à busca cada vez mais cedo por procedimentos estéticos, como laser, toxina botulínica e preenchimento.

A toxina botulínica pode ser aplicada, a partir dos 20 anos, como uma forma de prevenção | Foto: divulgação 
"Mulheres e homens estão interessados em tratamentos que não só melhoram a aparência no curto prazo, mas previnem o envelhecimento. Ou seja, eles estão investindo em cuidados hoje para evitar uma pele flácida e ruguinhas indesejadas daqui a cinco, dez anos", afirma o médico.

É uma tendência diferente de anos atrás. Hoje há mais informação e tecnologia, o que facilita a busca por tratamentos antes mesmo de aparecer os primeiros sinais de envelhecimento.  "Enquanto as gerações mais velhas estão preocupadas com a correção de danos, as pessoas na faixa dos 20 e 30 anos estão à frente descobrindo os cuidados necessários para preservar a qualidade da sua pele e evitar linhas indesejadas".

A toxina botulínica pode ser aplicada, a partir dos 20 anos, como uma forma de prevenção, especialmente em quem tem pele mais clara que tende a envelhecer mais cedo. Existem Skinboosters, por exemplo, indicados para jovens com pele e lábios ressecados.

"Na clínica, uso o Volite, ácido hialurônico de alto e baixo pesos moleculares que hidrata a pele profundamente. O preenchimento com ácido hialurônico, por sua vez, recomendo para cicatrizes de acne ou para uma harmonização facial suave. Em casa, é importante o uso tópico de antioxidantes, como as vitaminas C e E, para inibir a cascata de envelhecimento. E, por último, não esquecer da proteção solar", finaliza.

O último Censo da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) mostrou que a procura por procedimentos estéticos não cirúrgicos aumentou 390% entre 2014 e 2016. Já as cirurgias com fins estéticos subiram apenas 8%. 

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Safári é tema de atração infantil no Shopping ABC

Da Redação

O clima de Safári invade o Shopping ABC, em Santo André, até 10 de março com um circuito de aventuras para o público infantil. A atração ocorre diariamente, das 12h às 20h.

A atração dura 30 minutos e tem capacidade para até 20 crianças | Foto: divulgação
Logo na entrada, as crianças recebem um colete e um chapéu para se transformarem em verdadeiros aventureiros. No início do trajeto, passam pela "ponte do rio que cai", depois se deparam com duas paredes de escalada, uma mais leve e outra mais radical e logo encontram um escorregador que leva a um mergulho direto na piscina de bolinhas.

Os corajosos enfrentam ainda a "ponte dos jacarés". Logo depois, os aventureiros precisam percorrer um túnel escuro cheio de "macacos" que roubam chapéus e outros pertences de quem passa por lá. E quando todos pensam que a aventura chega ao fim, antes de voltar para casa, as crianças encontram a "caverna dos leões", de onde só saem se passarem engatinhando sem chamar a atenção do rei da selva.

Os grandes aventureiros saem premiados depois de viverem essa aventura no Safári. A atração dura 30 minutos e tem capacidade para até 20 crianças, de dois a 12 anos.

Combate ao câncer: prevenção ainda é o melhor remédio

Da Redação

Embora a palavra câncer ainda seja um tabu para um grande número de pessoas, os especialistas são unânimes em afirmar que a identificação precoce da doença aumenta consideravelmente as chances de cura. Por isso, a União Internacional para o Controle do Câncer (UICC), com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS), marcou 4 de fevereiro como o Dia Mundial de Combate ao Câncer, com o objetivo de conscientizar e educar a população sobre a prevenção, que pode evitar milhões de mortes anualmente. O mês também é conhecido pela cor laranja para alertar sobre a leucemia.

Fevereiro laranja alerta para a conscientização sobre a leucemia | Imagem: reprodução 
A tendência global ainda é de crescimento no número de casos de câncer, o que aumenta a importância de iniciativas como essas. De acordo com a OMS, uma a cada seis pessoas morrem no mundo em razão da doença e cerca de 18 milhões desenvolvem o câncer a cada ano, a maioria em países de baixa e média renda. A expectativa é que o número chegue a 21 milhões de pessoas, em 2030.

No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) aponta que 1/3 dos casos de câncer está relacionado ao estilo de vida: tabagismo, consumo de álcool, sedentarismo, obesidade e exposição excessiva ao sol. Entre os cânceres com maior incidência entre os homens estão os de próstata, de traqueia, de brônquio e de pulmão, seguido de cólon e reto. Já entre as mulheres, os mais frequentes são os de mama, de cólon e reto e de colo do útero.


O coordenador da área de Cirurgia Oncológica do Grupo Leforte e presidente da Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC), Ricardo Antune, ressalta a necessidade da prevenção. "É importante destacar o impacto da educação e a prevenção junto a todos os tipos de cânceres, pois já está comprovada a redução de pelo menos 30% da incidência e mortalidade quando as ações são efetivas no sentido de prevenir ", afirma.


Alimentação saudável e a prática de atividades físicas, como caminhar, já são um bom começo, pois contribuem para evitar um fator de risco importante para o câncer: a obesidade.  Aliado a estas práticas, é preciso dar atenção aos exames preventivos de acordo com a faixa etária ou identificação de alguma alteração na saúde ou no corpo, como um pequeno nódulo.

Fevereiro laranja

A cor laranja simboliza a conscientização de combate à leucemia, uma doença que começa na medula óssea, onde o sangue é produzido, e está entre os dez tipos que mais atingem a população brasileira.

Geralmente, de origem desconhecida, a leucemia possui mais de 12 tipos sendo que os quatro mais comuns são:

• Leucemia linfoide crônica (LMC): Raramente afeta crianças. A maioria das pessoas diagnosticadas com esse tipo da doença tem mais de 55 anos. Se desenvolve de forma lenta.
• Leucemia mieloide crônica (LMA):  Atinge principalmente adultos
• Leucemia linfoide aguda (LLA): Mais comum em crianças pequenas, mas também ocorre em adultos. Avança rapidamente
• Leucemia mieloide aguda (LMA): A incidência aumenta com o aumento da idade. Ocorre em crianças e adultos e avança rapidamente.

O médico-chefe do setor de Transplantes de Medula Ossea do Hospital Leforte, Rodrigo Santucci, comenta que entre os sintomas estão: cansaço, dores nos ossos e nas articulações, febres que podem vir acompanhadas de suores noturnos, perda de peso, aparecimento de manchas roxas ou avermelhadas na pele, palpitações e sensações incômodas na região abdominal, sangramento nas gengivas e no nariz, e inchaço no pescoço.

"Estes indicativos iniciais podem ser confundidos com outras doenças, principalmente quando falamos de crianças. Por isso, a importância desta data de alerta para reforçar a investigação de alterações na saúde e também nos resultados de exames de sangue de rotina", comenta Santucci.

O especialista reforça as chances de cura por meio de tratamentos avançados como os anticorpos monoclonais –proteínas usadas pelo sistema imunológico para identificar e neutralizar corpos estranhos, como células tumorais –, tratamentos quimioterápicos ou o mais conhecido que é o transplante de medula óssea. Neste caso, a doação pode vir de um parente compatível ou de uma pessoa que fez um cadastro no hemocentro, cujo dados vão para o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME).



Hospital da Mulher recebe doações de frascos de vidro e leite humano

Da Redação No Hospital da Mulher “Maria José dos Santos Stein ”, em Santo André, diversos bebês diariamente dependem das doações de leite ...