terça-feira, 31 de julho de 2018

Luxo Hair Beauty tem atendimento exclusivo para noivas e noivos

Por Vivian Silva

O casamento é um sonho compartilhado por muitas pessoas.  Neste dia tão especial, além de curtir este momento, é importante relaxar e se prepara para a cerimônia.  Com isso, o “Dia da Noiva”, ou “Dia do Noivo”, surge como opção ideal antes do casamento. No salão Luxo Hair Beauty, em Santo André, há uma programação exclusiva para deixar este dia ainda mais agradável.


Espaço exclusivo para o atendimento da noiva (ou noivo)
no Luxo Hair Beauty | Foto: Divulgação 

A gerente do Luxo Hair Beauty, Amanda Aparecida de Assis Rabelo, - que comanda o local com o marido e hairstylist Thiago Maldonado - explica que a noiva (ou noivo) conta com um espaço exclusivo, onde tem diversos serviços que vão desde massagem relaxante a banho com sais (na banheira de hidromassagem). “É como se fosse um mini day spa”, sintetiza Amanda.

A gerente Amanda e o hairstylist Thiago comandam o local | Foto: divulgação  
Então, além dos preparativos com cabelo e maquiagem, a noiva sai pronta do salão para a cerimônia, após passar um dia relaxante, com direito a assessora, para auxiliá-la no que for preciso.

Noiva sai pronta do salão para o altar, após passar por um "mini day spa" | Foto: divulgação  
O serviço não se restringe apenas as mulheres. Segundo a gerente, os noivos também têm contratado o atendimento. “O que tem sido muito legal ultimamente é que eles têm fechado juntos, o ‘Dia da Noiva e do Noivo’. Então, eles se encontram para um chá da tarde, aí depois o noivo finaliza e ele vai primeiro para a cerimônia”, conta.

No local, é possível atender ainda as madrinhas e familiares dos noivos no mesmo dia. Amanda explica que a noiva pode optar se deseja ficar sozinha para se preparar ou se prefere dividir a sala com as madrinhas, por exemplo. Caso prefira a privacidade, há outro espaço destinado ao atendimento das demais pessoas.

Casamento na praia ou sítio

“Se ela vai casar no interior, ou na praia, a gente manda uma equipe até lá”, afirma Amanda. Com isso, não há motivos para desespero, basta relaxar e curtir este momento especial.

Além deste serviço exclusivo aos noivos, o salão conta com esmalteria, barbearia, maquiagem, podologia, design de sobrancelhas, micropigmentação, estética corporal/facial e bistrô, que serve refeições rápidas.

O Luxo Hair Beauty fica na Rua João Ribeiro, 317, no bairro Campestre, em Santo André. Tel.: 2325-2711. O horário de atendimento é de terça a sexta-feira, das 9h às 21h, sábado, das 9h às 19h.


Drogasil faz Blitz da Saúde em São Caetano do Sul

Da Redação

A unidade da Avenida Goiás da Drogasil, em São Caetano do Sul, receberá amanhã (1°) a Blitz da Saúde. Iniciativa da drogaria em parceria com a Medley, a blitz oferece diversos ambientes, dentro de um caminhão, no qual os participantes podem realizar, gratuitamente, avaliações de bioimpedância (avaliação de massa corporal), análise da pele, aulas rápidas de como cuidar e hidratar o rosto, além do procedimento correto para lavar as mãos.

Ação ocorre na Avenida Goiás, entre 10h e 19h | Foto: Divulgação
O objetivo da Blitz da Saúde é oferecer uma experiência diferenciada no processo de autoconhecimento sobre saúde do corpo e da pele, ajudando a identificar pontos de atenção para melhoria da qualidade de vida, ação totalmente sincronizada com o pensamento da Drogasil de cuidar das pessoas em todos os momentos da vida. Os participantes podem realizar quatro atividades no local:

Avaliação corporal (bioimpedância): medição de IMC, porcentagem de gordura e massa muscular e medição de umidade, oleosidade e elasticidade da pele;
Você sabe lavar as mãos?: clientes lavam e colocam as mãos sob luz UV, que mostra se a higienização foi feita  corretamente ou não;
Veja detalhes invisíveis: clientes conferem o antes e o depois de sua pele (com e sem protetor solar), e isso mostra a importância do uso do protetor solar;
Projeção 360º: passeio virtual, com óculos 3D, pela fábrica da Medley em Campinas, para conhecer o processo de fabricação dos medicamentos.

A unidade que receberá a ação, entre 10h e 19h, fica na Avenida Goiás, 776, Santa Paula, em São Caetano do Sul.


Studio Brú tem opções de tratamentos orgânicos para os cabelos

Por Vivian Silva

Os adeptos do consumo consciente podem anotar o endereço do Studio Brú, em Santo André, que abriu as portas ao público em março deste ano. No local, que conta com um clima intimista, pois fica num casarão decorado com muitas plantas, é possível cuidar das madeixas com produtos orgânicos.

Studio Brú tem clima intimista e natural | Foto: divulgação
Quem opta por esta linha de tratamento está isento de produtos compostos por agentes que podem ser nocivos à saúde como, por exemplo, os famosos parabenos (conservantes químicos) e sulfatos (utilizados para limpeza dos fios).  Além disso, os produtos orgânicos causam menos impacto ambiental, pois poluem menos o meio ambiente depois que os produtos vão, literalmente, para o ralo, entre outras questões envolvidas, como a produção sustentável.

Com expertise de anos no segmento, Esaly Brú comanda o local | Foto: divulgação  
A diretora do Studio Brú, Esaly Brú, há anos atua no segmento de cabelos e afirma que a “onda naturalista” é tendência: “O mundo está se  voltando mais para o natural, então os tratamentos orgânicos vêm ao encontro desse conceito”. Ela está sempre “antenada” ao conceito internacional, principalmente europeu, pois possui um irmão que atua no mesmo segmento e mora na Espanha.

No Studio Brú há diversas opções de tratamentos orgânicos para os cabelos | Foto: divulgação 
Especialista em luzes, Esaly ressalta ainda que para ter um cabelo bonito e saudável é imprescindível cuidar bem dos fios. Apesar de ainda trabalhar com produtos convencionais, ela garante que os produtos orgânicos ganham, cada vez mais, espaço no mercado.

Novidade
No Studio Brú – além dos cuidados com os cabelos – estão disponíveis serviços de manicure/pedicure, estética facial,  maquiagem e penteado. Além da locação de um espaço com cerca de 100 metros quadrados, anexo ao salão, no qual é possível realizar desde uma confraternização a um casamento mais intimista.

“A gente fornece também a equipe para fazer a festa, decorador, buffet... É um espaço que pode ser reservado usando ou não o salão”, explica a diretora.

O Studio Brú fica na Rua Haddock Lobo, 60, na Vila Bastos, em Santo André. O horário de funcionamento é de terça a sábado, das 9h às 19h. Tel.: 4994-7769.




Como tratar corpo e mente de forma integrada

Por Tobias Nold

A busca pela qualidade de vida tem feito muitas pessoas procurarem diferentes práticas e alternativas para melhorar a saúde e o bem estar. Nesse anseio, muitas já descobriram os benefícios da flutuação, uma prática que gera um relaxamento físico e mental profundo.

Flutuação gera relaxamento físico e mental profundo, segundo o fundador Tobias Nold | Foto: divulgação
Fora do país a flutuação está em outro momento, se consolidando como prática comum em spas e centros de flutuação. Nos EUA, por exemplo, já existem mais de 350 centros de flutuação. A pesquisa cientifica sobre os benefícios, também chamada de REST (restricted environmental stimulation therapy - tratamento de estimulação terapêutica restritiva) está evoluindo. Os resultados iniciais são promissores, mas ainda existe um longo caminho a ser percorrido.

Hoje o principal foco da ciência quando se fala na flutuação é sua aplicação contra estresse e ansiedade. Segundo a OMS, Organização Mundial da Saúde, a cidade de São Paulo é recordista em níveis de ansiedade. Conhecida como a doença do século a ansiedade pode aumentar o estresse das pessoas impactando assim o bem estar e a qualidade vida. Mais que a metade das pessoas que recebemos na Flutuar buscam aliviar o estresse e a ansiedade, e após três meses de funcionamento, estamos felizes em ver as pessoas retornando e também recomendando aos amigos, por que estão sentindo os benefícios da flutuação.

A prática é muito simples. Em uma sala privativa, a pessoa entra num tanque de flutuação composto por água com a termperatura rigorosamente controlada em  35,5 graus, a mesma temperatura média da nossa pele. É adicionado ainda grandes quantidades de sal Epsom, ou sal amargo, como é mais conhecido no Brasil. Essa alta concentração do sal possibilita a flutuação pela densidade elevada da água. O corpo flutua, reproduzindo a sensação de quem experimenta as águas do Mar Morto. Quimicamente falando, o sal amargo é rico em magnésio e dele que vem parte dos benefícios fisiológicos quando absorvido pela pele.

Os estímulos sensoriais são rigorosamente controlados. Sugere-se que a tampa do tanque seja fechada (mas existem meios termos para aqueles com claustrofobia), a fim de intensificar a experiência do flutuador. O uso de protetores auriculares também é recomendável a fim reduzir ao máximo estímulos sonoros. Pode-se ainda ficar na escuridão total ou, se preferir, recorrer às luzes de cromoterapia. O efeito esperado ao reduzir os estímulos sensoriais é que as sensações e sentidos se concentrem para o interior. A interocepção fica aguçada, a respiração e, às vezes, também o batimento cardíaco são os últimos 'barulhos' que restam no tanque. A mente vai se acalmando e os pensamentos ficam mais lineares. Algumas pessoas relatam estados meditativos profundos, outros descrevem viagens fascinantes ou sonhos lúcidos. Tem também aqueles que simplesmente adormecem flutuando na água quentinha. Cada pessoa tem a sua própria experiência no tanque.

A sessão, que dura 60 minutos no tanque, é uma boa forma de recuperar a energia e também melhorar a qualidade de sono. A prática ajuda na redução dos níveis de cortisol e alivia significativamente a tensão muscular. Após um longo dia de trabalho nada melhor que uma sessão e depois ir para casa dormir. Por essas razões a flutuação também vem sendo utilizada em casos de insônia e jet lag.

Atletas, esportistas e pessoas que pegam pesado nos treinos nas academias também tem sentido bons resultados. O alívio da tensão muscular é impressionante e todos que passam uma hora no tanque sentem um grande alivio na tensão e fadiga muscular.

Do ponto de vista da saúde, a flutuação tem sido utilizada de forma complementar no tratamento de dores crônicas relacionadas as juntas e articulações, dores de cabeça, enxaquecas e para melhorar o sentimento geral de bem estar. O alívio é sentido em apenas uma sessão, mas como não se trata de uma cura os sintomas podem voltar e a prática frequente pode ser uma alternativa.

A técnica também vem sendo utilizada por gestantes, porém pedimos que sempre que possível ela seja alinhada com o médico, antes. Além de reduzir dores musculares e inchaço nas pernas, a flutuação estimula a circulação. Na gestação ela pode ser realizada após a 12ª semana. No fim do período gestacional, quando a barriga cria vários desconfortos, é que a prática começa a trazer os maiores benefícios. As gestantes podem flutuar de bruços o que pode ser um grande alívio.

Pessoalmente os efeitos cognitivos sãos os que mais me fascinam. A flutuação tem sido uma excelente ferramenta para atingir com mais facilidade o estado de flow. A criatividade e capacidade de resolução de problemas se potencializam. A redução dos estímulos sensoriais resulta em uma mente com menos distrações e assim mais focada e presente.

Por esses e tantos outros motivos é que a prática tende a crescer cada vez mais. À medida que as pessoas vão descobrindo a flutuação e se valendo de seus benefícios, ela vai ganhando mais espaço e visibilidade. A pesquisa está acontecendo e os resultados apontam para sua eficácia. Aos poucos, flutuar vem se transformando em uma excelente alternativa para tratar e corpo e mente de forma completa e integrada. Na indústria da flutuação temos uma crença bem comum: se o mundo todo flutuasse teríamos uma população mais calma, pacífica e consciente.

*Tobias Nold é empresário e idealizador da Flutuar Float Center, primeiro centro de flutuação em São Paulo.


segunda-feira, 30 de julho de 2018

Famosas defendem amamentação em público

Da redação  

Na última quarta-feira (25), foi aprovada nos Estados Unidos uma lei que permite a amamentação pública em todos os 50 estados do país.  No Brasil, as mães podem amamentar seus filhos em locais públicos, apesar de muitas mulheres relatarem constrangimentos pelo ato.

Muitas famosas como, por exemplo, Ivete e Gisele defendem a amamentação em locais público | Fotos: Reprodução Instagram
Em defesa da amamentação pública, algumas mães famosas como a cantora Ivete Sangalo e a modelo Gisele Bündchen, por exemplo, já publicaram fotos mostrando esse momento tão especial da maternidade. Em 15 de julho, a modelo Mara Martin desfilou amamentando sua filha de cinco meses, durante o "Miami Swim Week", nos Estados Unidos. 

Modelo Mara Martin amamentou a filha durante desfile | Foto: Getty Images 
Vale lembrar que agosto é considerado o mês de conscientização sobre o aleitamento materno. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde instituíram a semana de 1 a 7 de agosto como a Semana Mundial da Amamentação. O objetivo é incentivar o aleitamento materno e a criação de bancos de leite, para melhorar a qualidade de vida das crianças.



Fertilização in vitro: congelamento de óvulos cresce no Brasil

Da redação

Dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apontam que o número de embriões humanos produzidos pelas técnicas de fertilização in vitro voltou a crescer em 2017, em relação ao ano anterior. Ao todo, foram registrados nas Clínicas de Reprodução Assistida 78.216 embriões congelados, um aumento de cerca de 17% da utilização dessa técnica no Brasil. As informações são referentes ao Relatório do Sistema Nacional de Produção de Embriões (SisEmbrio), que faz uma radiografia dos serviços de reprodução humana assistida no País.

A infertilidade é um problema que atinge pelo menos um em cada dez casais no mundo | Foto: Istock
Segundo a Anvisa, a região Sudeste é a responsável por 65% dos 78.216 embriões congelados, já a região Sul tem 13%, Nordeste 12%,  Centro-Oeste 8% e a Norte 2%.

Na 34ª Reunião Anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE), que aconteceu recentemente em Barcelona, foram revelados dados impressionantes sobre a reprodução assistida: desde julho de 1978, quando nasceu a menina Louise Brown, o primeiro bebê de proveta, já foram gerados mais de 8 milhões de crianças com o uso de técnicas de reprodução assistida. É uma área da medicina que não para de evoluir e as mais recentes pesquisas foram apresentadas no encontro, principalmente em relação à preservação da fertilidade tanto masculina quanto feminina. 

A infertilidade é um problema que atinge pelo menos um em cada dez casais no mundo, até 10 milhões de pessoas só no Brasil. De acordo com estimativas do ESHRE, atualmente, mais de meio milhão de crianças nascem por ano por meio de procedimentos como fertilização in vitro, inseminação artificial e transferência de embriões.

O ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana da Clínica MAE em São Paulo, Alfonso Massaguer, esteve no Congresso em Barcelona e destaca a relevância de alguns dos temas que foram apresentados. Um deles interessa especialmente às mulheres jovens que adiam uma gravidez para tratar doenças graves, como câncer, quando o risco de a mulher não conseguir engravidar é ainda maior.

As técnicas atualmente disponíveis para a preservação da fertilidade incluem supressão ovariana com GnRHa, estimulação ovariana e coleta de óvulos, criopreservação e transposição ovariana em casos de radiação do abdômen. Segundo a pesquisa divulgada em Barcelona, a estimulação ovariana para coleta de oócitos maduros é uma opção bem estabelecida para a preservação da fertilidade em mulheres em situação de risco e as chances de uma concepção posterior ao tratamento, usando esses oócitos criopreservados, dependem da idade mulher e do número de oócitos disponíveis.

Para  Massaguer, a preservação da fertilidade, em mulheres que desejam adiar a maternidade seja por fatores sociais ou por câncer, é algo que precisa ser feito para quem deseja engravidar. "É um ‘seguro’ para o futuro, que cada vez mais se torna mandatório e com melhores resultados", informa o ginecologista.

Outra pesquisa sobre a estimulação pelo hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) em mulheres com baixa reserva ovariana funcional (LFOR) confirma a origem adrenal de alguns hipo-androgenismo s (distúrbio endócrino comum entre mulheres em idade reprodutiva). A insuficiência na produção de andrógenos (hormônios produzidos nos testículos, como a testosterona) pela zona reticular supra-renal é uma característica de algumas mulheres com LFOR, contribuindo profundamente para o hipo-androgenismo. LFOR, seja devido à idade ou ao envelhecimento prematuro do ovário (POA), também chamado de insuficiência ovariana primária (oPOI), foi previamente associada ao hipoandrogenismo.

Segundo os pesquisadores, está ficando cada vez mais claro que as glândulas supra-renais, através do andrógeno diminuído na produção, pode inibir a função folicular, produzindo uma forma de função ovariana secundária. Segundo o ginecologista, a pesquisa mostra a influência da supra-renal no processo. "Como sempre, devemos ver a mulher como um todo e principalmente os hormônios. Em muitas, a reposição de outros hormônios, como aqueles da supra-renal, podem ajudar a termos melhores óvulos e gravidez", avalia o médico.

Outro tema debatido durante a reunião foi o "Fertility Fest", que tem como objetivo reunir artistas com especialistas em fertilidade para atingir três objetivos importantes - avançar na educação sobre fertilidade; aumentar a conversação pública sobre todos os aspectos da infertilidade e da ciência reprodutiva; e melhorar o cuidado emocional e o apoio a pessoas que lutam para conceber.

De acordo com Massaguer,  o "Fertility Fest" é uma grande iniciativa. "Criar cada vez mais acesso aos pacientes, com suas experiências, medos e dores. Além da própria arte, como meio de comunicação e expressão. A reprodução humana não é só ciência, e a ciência não é apenas números. É necessário humanizar tudo sempre, pois tratamos pessoas e não números", afirma o médico.

Outros temas em destaque no Congresso:

Ovário artificial
 A pesquisa desenvolvida por cientistas dinamarqueses pode ser um passo importante para tratar a infertilidade, na avaliação de especialistas que participaram do encontro. Na pesquisa, os cientistas projetaram um "esqueleto" no qual as células em estágio inicial podem se transformar em folículos ovarianos funcionais, pequenos sacos cheios de líquido com óvulos.

Cerca de 2% das mulheres em idade reprodutiva que têm câncer e passam por tratamento correm o risco de perder sua função ovariana - e, portanto, sua fertilidade. Hoje existem dois tipos de métodos para preservar a fertilidade da mulher que precisa se submeter a tratamentos agressivos. No primeiro método, os óvulos são retirados e, ao fim do tratamento do câncer, é realizada uma fertilização in vitro.

Já no segundo método, o tecido ovariano é retirado e, ao fim do procedimento, recolocado para que a mulher possa engravidar normalmente. Apesar de seguro para a maioria das pacientes, o segundo tratamento pode não ser eficaz para alguns tipos de câncer como, por exemplo, no caso de leucemia, pois a doença pode se instalar no tecido ovariano. Portanto, mesmo que o tecido tenha sido congelado antes do início do tratamento, a doença pode voltar mais tarde, quando o tecido for recolocado na mulher.

Com a descoberta do ovário artificial, a esperança dos pesquisadores é que qualquer célula cancerígena possa ser eliminada antes do tecido ovariano ser recolocado nas pacientes, dando a elas uma chance segura de engravidar naturalmente, sem desenvolver novamente a doença.

Consumo de frutos secos melhora a qualidade do esperma

A pesquisa realizada pela Universidade Rovira i Virgili (URV),  Tarragona (Espanha), revela que comer frutos secos diariamente melhora a quantidade e qualidade do esperma. De acordo com o estudo, o hábito de comer diariamente amêndoas, avelãs e nozes, melhora a qualidade e a quantidade do esperma e também a vitalidade e mobilidade, fatores que estão diretamente ligados à fertilidade masculina.



sexta-feira, 27 de julho de 2018

São Paulo tem espaço destinado à flutuação

Da redação

Uma sensação de profundo relaxamento e encontro consigo mesmo é a proposta da Flutuar Float Center, empresa localizada em Pinheiros destinada exclusivamente à prática da flutuação. Embora pouco conhecida no Brasil, a flutuação (ou floating, em inglês) já é bem popular nos Estados Unidos e também na Europa. Inúmeros estudos científicos apontam os benefícios da flutuação tanto para o corpo, quanto para a mente.

As capsulas têm água com sal Epsom, ou Sulfato de Magnésio, como é mais conhecido no Brasil  | Foto: divulgação 
A Flutuar é a realização de um sonho do alemão Tobias Nold, radicado no Brasil,  e de seus sócios. Em viagens a trabalho para os Estados Unidos, ele conheceu os benefícios da flutuação. “Eu fiquei encantado com tudo o que vi. Lá o mercado é bem consolidado, com mais de 450 centros de flutuação e diversos fabricantes de tanques e equipamentos relacionados”, revela. Animado com a ideia, reuniu mais 11 amigos para viabilizar o projeto por aqui. Em abril, foi inaugurada a primeira unidade da empresa.

O processo é bastante simples. O cliente toma uma ducha e veste roupa de banho. Em uma sala privativa, entra num tanque de flutuação de última geração, composto por água (a 35,5 graus, a mesma temperatura média da pele de nosso corpo) com sal Epsom, ou Sulfato de Magnésio, como é mais conhecido no Brasil. Essa alta concentração do sal possibilita a flutuação pela densidade elevada da água, além de apresentar muitos benefícios para saúde e o bem estar.

Então, os estímulos sensoriais são rigorosamente controlados e planejados para facilitar o relaxamento dos flutuadores. Com protetores auriculares, o cliente entra no tanque - que lembra muito uma banheira grande, mas com tampa. “As cápsulas são tão grandes quanto uma cama de casal ou o interior de um carro grande”, ressalta. Nos primeiros dez minutos, ouve uma música relaxante e depois passa 45 minutos numa escuridão total ou sob luzes de cromoterapia, de acordo com a sua escolha.

A água toca o corpo, que flutua o tempo todo, de forma muito suave e macia. “A sensação é de aconchego e total segurança, como se estivéssemos de volta ao ventre de nossas mães. Muitos de nossos clientes descrevem uma experiência intra uterina”, revela o fundador. Ali, alguns experimentam uma sensação de grande inspiração ou de profundo relaxamento, chegando a atingir um estado meditativo profundo. Nesse ambiente extremamente seguro e íntimo, a consciência corporal aumenta.

O silêncio é absoluto e ouve-se apenas os sons produzidos pelo seu próprio corpo. “Você ouve sua própria respiração e alguns escutam até a batida do coração, além de outras funções do corpo. Tudo isso flutuando, com sensação de gravidade zero, como se você estivesse no Mar Morto”, comenta Nold.

Nos minutos finais, a música volta para avisar que a sessão está chegando ao fim. O cliente é orientado a se movimentar vagarosamente. Há uma sensação de toque diferente na pele e nos cabelos.  A Flutuar oferece shampoo, condicionador, sabonete e toalhas para que o cliente não precise se preocupar com nada. Finalizada a experiência, é conduzido para tomar um chá feito com ervas plantadas no local.

O público tem sido bastante variado. Muitos vão em busca da redução de dores crônicas, estresse, fadiga muscular, inflamações, artrite, artrose e enxaquecas. Outros querem melhorar a qualidade do sono, reforçar o sistema imunológico, ampliar a criatividade e o autoconhecimento. Médicos, fisioterapeutas e até psicólogos têm recomendado a flutuação como tratamento terapêutico complementar.

Já os efeitos da flutuação duram de dois a três dias e são cumulativos. O magnésio ajuda a reduzir os níveis de cortisol, o hormônio regulador do estresse e da ansiedade. A flutuação frequente vai ajudar as pessoas a criarem uma resistência ao estresse e ansiedade. Assim como na yoga ou meditação, é o treino que vai ampliando os benefícios.

A prática só não é recomendada para pessoas com doenças mentais graves, como esquizofrenia, ou doenças graves de pele. Pessoas com problemas na cervical podem recorrer a um travesseiro de apoio. Caso alguém não se sinta confortável durante a sessão, há um botão dentro do tanque para solicitar auxílio.

 Além de um grande diferencial em infraestrutura, a Flutuar investe muito na higiene do processo. A água é filtrada e tratada quatro vezes após cada sessão. O processo utiliza esterilização, ozônio e raios UV, que eliminam os microrganismos, e um filtro de partículas retira qualquer sólido que for até 100 vezes menor que  a espessura de um fio de cabelo. 




Agosto dourado estimula o aleitamento materno

Da redação

Agosto é considerado o mês de conscientização sobre o aleitamento materno. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde instituíram a semana de 1 a 7 de agosto como a Semana Mundial da Amamentação. O objetivo é incentivar o aleitamento materno e a criação de bancos de leite, para melhorar a qualidade de vida das crianças.

Meta global da OMS é que até 2025 50% dos bebês recebam o aleitamento materno até o sexto mês| Foto: divulgação  
Em todo o mundo, apenas 38% das crianças são amamentadas.  No Brasil, 41%. Segundo a OMS, a meta global a ser atingida até 2025 é de que pelo menos 50% dos bebês recebam o aleitamento materno até o sexto mês de vida. Um dos avanços, desde o ano passado, para alcançar esta meta foi a lei sancionada pelo Congresso Nacional, que institui o mês de agosto como o "Mês do Aleitamento Materno", que passa a ser chamado de "Agosto Dourado".

Segundo, oncologista do Hemomed Instituto de Oncologia e Hematologia, Hélio Pinczowsky,  maior centro privado do País na assistência oncológica, com 10 mil atendimentos por mês, estudo publicado sobre mulheres da comunidade europeia, sugere que parte do aumento da incidência de câncer de mama se deve a queda na amamentação.

"As evidências de associação da amamentação com proteção, em todas as idades, para o câncer de mama são bastante consistentes. Os pesquisadores também têm sugerido uma relação de redução da incidência de câncer de ovário e endométrio com a prática da amamentação devido a redução da exposição de níveis elevados hormonais que estão ausentes durante a amamentação", explica o oncologista.

O médico acrescenta que a amamentação reduz os tumores nos bebês por reduzir o risco de obesidade e, consequentemente, tumores relacionados a esta situação como câncer de endométrio, mama na pré e pós-menopausa, esôfago, cólon e pâncreas.  Além disso, o leite materno fortalece a imunidade, diminui os riscos de alergias e combate a anemia, sendo fator importante na diminuição da mortalidade infantil.

Outro item bem influente é o tempo que as mães amamentam os filhos. A cada cinco meses de amamentação, o risco de a mãe desenvolver câncer de mama diminui em 2%. Estudos demonstraram que quanto maior o tempo de duração da amamentação maior o fator de proteção que essa prática representa para a saúde da mulher, sendo que o tempo mínimo de amamentação acumulada seria de 12 meses.

Câncer de mama 
Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de mama é o tipo mais comum entre mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma, respondendo por 25% dos casos novos a cada ano.


quinta-feira, 26 de julho de 2018

Maternidade tardia: psicóloga avalia esta realidade

Da redação

Segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de mães com idades entre 30 e 34 anos aumentou de 14,4%, em 2001, para 18,3% em 2010. Se há 30 anos era incomum ver uma mulher tendo filhos depois dos 35, hoje a maternidade nessa faixa etária é uma realidade. Só em São Paulo, de acordo com dados da Fundação Seade, 35,4% das mães têm entre 30 e 39 anos.

Em São Paulo, 35,4% das mães têm entre 30 e 39 anos | Foto: reprodução  
Para a psicóloga Marina Simas de Lima, terapeuta de casal, família e cofundadora do Instituto do Casal, as razões que levam as mulheres a adiarem a maternidade são diversas e estão ligadas às mudanças sociais, econômicas e às conquistas das mulheres nas últimas décadas. Marina realizou sua tese de Mestrado no assunto, “Mulheres e Maternidade Tardia: Por que agora?”.

“Uma das questões envolvidas em adiar a maternidade é que, atualmente, a maioria das mulheres costuma dedicar mais energia para a vida acadêmica e profissional, com menos foco nos relacionamentos. Na ânsia de se firmar na profissão e ter alguma estabilidade financeira, acabam deixando de lado os planos de se casar e ter filhos para mais tarde”, conta Marina.

Hoje as mulheres experimentam e valorizam diferentes papéis. Como há diversas possibilidades, o que não acontecia há 40, 50 anos, surgem conflitos pelos quais nossas mães e avós não passaram, por exemplo.

Maternidade e vida profissional 
“O principal conflito da mulher hoje é ser levada a pensar que precisa fazer escolhas, pois existe a crença de que maternidade e a vida profissional não podem ser conciliadas. Ou ainda que a partir do momento que você é mãe, pode perder seu status profissional, emprego ou ter que deixar a vida profissional de lado para cuidar da criança”, conta Marina.

Para Marina, pode até não ser a tarefa mais fácil do mundo, mas é possível ter filhos e trabalhar sim. Certemente, uma rede de apoio como, por exemplo, uma babá, berçário e ajuda de familiares facilita a maternidade e vida profissional.

A psicóloga também explica que, talvez, seja necessário mudar de trabalho, reduzir a carga horária nos anos iniciais da criança e dividir as tarefas com o parceiro para vivenciar a maternidade. Apesar dos desafios, Marina comenta que estudos revelam que mulheres que trabalham e têm filhos sofrem menos de depressão do que mulheres sem filhos que estão fora do mercado de trabalho, por exemplo.

Relógio biológico
Outra questão importante da maternidade tardia é o relógio biológico da mulher, pois diferentemente dos homens, que podem ter filhos até o final da vida, a idade reprodutiva da mulher é restrita. A partir dos 35 anos, a taxa de fertilidade é reduzida drasticamente e isso impacta na chance de engravidar naturalmente.

“A idade é o principal fator de risco para a infertilidade, para problemas na gravidez, para abortos espontâneos, assim como para anomalias genéticas. Outro ponto é que apesar dos avanços da Reprodução Assistida, cada tentativa de fazer uma Fertilização in Vitro (FIV) pode custar, em média, de R$ 15 a 20 mil e a chance de dar certo aos 40 anos é de cerca de 20%", diz a psicóloga.

E vale dizer que quanto maior a idade, menor a probabilidade de a gestação acontecer, mesmo com os recursos da reprodução assistida, como o congelamento de óvulos ou de embriões.

Escolha consciente 
Para Marina, é preciso encorajar as mulheres a fazerem suas escolhas, de acordo com suas próprias decisões e valores e não baseadas em modismos ou em crenças pregadas pela sociedade. A maternidade deve ser uma escolha consciente. Para as mulheres que estão passando por este conflito, é possível usar a psicoterapia para ajudar a refletir sobre a questão.

“A terapia de casal ou individual também colabora na construção de novos significados, a rever crenças, modelos e a questionar as prioridades e escolhas. Pode colaborar ainda na opção de congelamento de óvulos, de embrião ou na compra de esperma, se essa mulher quer ter um filho sozinha ou por uma questão de infertilidade do casal”, conclui Marina.



Vale do Sonho Hotel & Eventos é opção de passeio no Dia dos Pais

Da redação

Localizado a 80 km da capital paulista, em Guararema, o Vale do Sonho Hotel & Eventos preparou programação especial para as famílias que pretendem presentear os pais com um fim de semana agradável.

Na mesma acomodação dos pais, uma criança de até 10 anos é considerada como cortesia | Foto: divulgação 
O local oferece uma ampla área de lazer com piscinas climatizadas e em desnível, toboágua infantil, quadra poliesportiva, salão de jogos, playground, mini tirolesa, sauna a vapor e Wi-Fi gratuito.

Há ainda uma programação especial para aqueles que preferem programas mais tranquilos como, por exemplo, a pesca no rio Paraíba do Sul, torneios, gincanas, bailes, bingos e carreata aos pontos turísticos da cidade.

Guararema tem diversas atrações como o Parque do Pau D'alho, Parque da Ilha Grande, Igreja de Nossa Senhora da Escada - que possui a única imagem de São Longuinho no Brasil - e o Parque Municipal da Pedra Montada.

Quem se hospedar poderá aproveitar as promoções de descontos progressivos a partir de 3 diárias. Na mesma acomodação dos pais, uma criança de até 10 anos é considerada como cortesia. Há ainda a possibilidade do day use para grupos  (mínimo de 40 pessoas) em excursão.

Para mais informações ligue (11) 4693-1894 /  (11) 9.7147.9683 Whatsapp, ou acesse aqui o site do hotel.


Banda Rastapé faz show gratuito neste sábado no ABC

Da redação 

O segundo fim de semana do Arraiá do Golden Square Shopping, em São Bernardo do Campo,  terá muita música, gastronomia diversificada e atrações de lazer para toda a família, no estacionamento G6 do centro de compras (Avenida Kennedy, 700). Entre as atrações, destaque para a banda Rastapé, que se apresentará neste sábado (28), às 20h.

Show do Rastapé será às 20h | Foto: divulgação 
Quem abre a programação diariamente é o cantor Rafael Duaity, às 15h. Na sexta-feira (27), a festa continua com show da banda Long Beach que faz um tributo ao Charlie Brown Jr, às 18h, e, em seguida, o sertanejo toma conta do arraiá com apresentação da dupla D’Lucca & Gabriel.

Já no sábado (28), o Rastapé apresenta hits como Colo de Menina e Beijo Roubado.  O grupo de forro pé de serra, que  já vendeu 1 milhão de discos, surgiu em São Paulo, em 1999, formado inicialmente pelos músicos Jorge Filho (vocal), Chiquinho (cordas) e Seu Jorge (sanfona). Dois anos depois da formação, o grande sucesso Colo de Menina (composição de Jorge Filho) entrou para a trilha sonora da novela As Filhas da Mãe (2001), da Rede Globo, rendendo o título de música mais tocada do País, por três meses consecutivos.

O domingo, último dia de festa (29), será marcado pelo som eclético da banda Legião Urbana Cover e do grupo Ó do Forró, que promete colocar todo mundo para dançar.

Gastronomia 
Com atrações para toda a família, o Arraiá do Golden tem mais 20 barracas com comidas típicas, e restaurantes renomados que levaram seus cardápios para o evento de uma forma mais despojada. Os pequenos também podem se divertir nos brinquedos infláveis e na tirolesa.


quarta-feira, 25 de julho de 2018

Julho amarelo: mês de combate às hepatites virais

Da redação 

O Dia Mundial de combate às Hepatites Virais é lembrado em 28 de julho. As infecções por meio das hepatites B e C chegam a ser responsáveis por 1,34 milhões de mortes ao ano em todo mundo, conforme publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Ainda de acordo com a OMS, as infecções crônicas pelas mesmas hepatites citadas acima são responsáveis por 2/3 de todos os casos de câncer de fígado.

O diagnóstico da doença é feito por meio de exames de sangue, disponíveis no Sistema Único de  Saúde (SUS) | Imagem: divulgação 
Segundo o Boletim Epidemiológico, o surto de hepatite A, que ocorreu no estado de São Paulo, em 2017, totalizou 911 casos notificados, acometendo principalmente adultos, na faixa etária entre 20 e 34 anos (63%), e o sexo masculino (85%). O principal município atingido foi o de São Paulo, totalizando 694 casos notificados com aquisição provável por contato sexual desprotegido (44%), sendo a maior parte HSH (homens que fazem sexo com homens). A aquisição por água ou alimento contaminado ocorreu em 11% dos casos.

De acordo com o Boletim Epidemiológico das Hepatites Virais de 2017, publicado pelo Ministério da Saúde, os óbitos por hepatite C representam atualmente a maior causa de morte entre as hepatites virais. O número de óbitos entre 2000 e 2015 foi de 46.316. Evidenciam, também, que o número de óbitos devidos a essa etiologia vem aumentando ao longo dos anos, em todas as regiões.

Erradicação até 2030
O governo federal anunciou no início deste mês um plano para eliminação da hepatite C no Brasil até 2030. Este tipo é o mais letal entre as diferentes modalidades da doença, resultando em 75% das mortes por complicações relacionadas ao vírus. Entre as medidas, estão a ampliação da oferta de diagnósticos, a disponibilização de mais tratamentos no Sistema Único de Saúde e a sensibilização da sociedade sobre a importância de fazer o teste rápido.

Durante a cerimônia de lançamento do plano, a diretora do Departamento e Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, HIV/AIDS e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Adele Benzaken, afirmou: “Um primeiro passo é fazer uma busca ativa para chegar às pessoas que tiveram casos notificados, mas não foram tratadas”.

Diagnóstico
O diagnóstico da doença é feito por meio de exames de sangue. O teste é específico para cada vírus e detecta anticorpos característicos produzidos pelo organismo contra o vírus da hepatite. O diagnóstico também pode ser realizado pela técnica de biologia molecular que analisa o material genético. Conhecida por PCR, é bastante importante nas hepatites B e C, que podem causar doença crônica. No caso da hepatite C, por exemplo, o diagnóstico de hepatite crônica é confirmado ao se realizar o teste de PCR para o vírus C no sangue periférico.

Tipos de hepatite
A hepatite é uma inflamação do fígado, que pode estar relacionada ao consumo excessivo de drogas, álcool, medicamento, ou ser causada pelos próprios vírus das hepatites, denominados de vírus A, B e C, causadores da hepatite A, hepatite B e hepatite C, respectivamente.

A doença tem diferentes formas de apresentação. A hepatite pode ser tanto aguda, quanto crônica, com mais ou menos sintomas presentes. Dependendo do vírus que causa a doença, a hepatite viral pode evoluir com cura espontânea ou se tornar crônica. Quando se torna crônica, pode causar outras doenças como cirrose e câncer de fígado. A hepatite A aparece de forma aguda. Já a B pode apresentar um quadro agudo e depois tornar-se crônica. E a hepatite C normalmente cursa com uma infecção aguda sem sintomas e a sua descoberta, na maioria das vezes, ocorre na fase de hepatite crônica.

Os sintomas mais associados à hepatite aguda são cansaço, perda do apetite, náuseas, dor e desconforto abdominal, urina escura e fezes claras e também icterícia (olhos e peles amarelados).

Prevenção
A principal medida de prevenção das hepatites A e B é a vacina. A vacina contra a hepatite B faz parte do calendário vacinal do Programa Nacional de Imunizações, administrada para todas as crianças ao 0, 1 e 6 meses de idade. A vacina contra a hepatite A é recomendada pela Sociedade Brasileira de Pediatria para todas as crianças aos 12 e 18 meses de idade.

Para a prevenção da hepatite C, que não tem vacina disponível, a recomendação é evitar o contato com sangue contaminado, como contato com seringas e agulhas usadas, não compartilhar escovas de dentes, lâminas, tesouras, ou instrumentos para tatuagem.



Quase 80% das queimaduras ocorrem em ambientes domésticos

Da redação

Uma das piores e mais doloridas lesões de pele é a queimadura, que pode colocar em risco a vida de qualquer pessoa, se não houver a atenção necessária durante seu tratamento. Mas o dado mais preocupante é que a maioria dos acidentes acontece em ambientes domésticos. De acordo com o cirurgião plástico e presidente da Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ), Luiz Philipe Molina Vana: “São 77% do total das ocorrências”.

Cerca de 40% dos acidentes que resultam em queimaduras ocorrem com crianças de até 10 anos de idade  | Foto: Thinkstock
O cirurgião ressalta ainda que cerca de 40% desses eventos afetam crianças de até 10 anos de idade e, geralmente, ocorrem na cozinha. Com isso, as regiões do corpo mais atingidas são os membros superiores, o tronco e a face.

A principal causa das queimaduras é o fogo em si, corresponde a 40%, especialmente pelo uso do álcool para faxina doméstica e como acendedor de churrasqueira. “As pessoas têm um hábito muito equivocado em relação à utilização do produto”, explica Vana.

Já as queimaduras podem ser classificadas em duas fases: a aguda, que ocorre logo após o evento, quando o paciente apresenta feridas abertas; e a de sequelas, na qual as lesões na pele já foram fechadas, mas deixam marcas e cicatrizes. Os tratamentos, de maneira geral, costumam ser prolongados uma vez que envolvem troca de curativos diária e, em muitos casos, até intervenção cirúrgica.

Segundo Vana, a profundidade e a extensão da lesão é que vão apontar qual é a gravidade e definir o tipo de terapia mais adequado. “As queimaduras não são iguais, por isso, é importante observar a combinação desses dois aspectos”.

Primeiros socorros e tratamentos
Assim que o acidente ocorre é preciso procurar um profissional de saúde o mais rápido possível. “A pessoa queimada deve lavar a área atingida com água abundante, cobrir com um tecido limpo, tirar relógios, anéis e outros acessórios e se dirigir imediatamente ao pronto-atendimento. É essencial que ela não aplique nada na pele, pois o uso de pomadas e outros tópicos semelhantes atrapalham o diagnóstico”, ressalta o cirurgião.

A queimadura mais profunda exige cuidado especial para que não haja complicações futuras. Nesse caso, o tipo mais comum de tratamento é o que pode ser chamado de suporte, onde são utilizados curativos que ajudam a impedir infecções e o enxerto de pele.

“Muitas unidades de saúde especializadas do Brasil já têm acesso a inovações avançadas de tratamento, como, por exemplo, curativos de alta tecnologia que ajudam e aceleram o fechamento da ferida e amenizam as cicatrizes”, diz Vana, ao ressaltar que toda queimadura pode se complicar, por isso a agilidade na busca por tratamento faz diferença. “A população precisa estar mais atenta aos perigos tanto no ambiente doméstico, quanto no profissional. As queimaduras geram sequelas estéticas e psicológicas, contribuindo para o bulliyng infantil e outros traumas”, conclui.

ConscientizaçãoPromover a conscientização é um dos motivos da união de sete organizações, entre sociedades médicas, como a SBQ, e de enfermagem e associação de pacientes, com apoio da ACELITY, na campanha O Tempo Não Cicatriza. Para feridas complexas, o tratamento é o melhor remédio no Brasil. A iniciativa espera informar a população sobre feridas complexas e seus riscos, levando as pessoas a procurarem um profissional da saúde que possa avaliar a utilização de tratamentos mais adequados. As opções terapêuticas variam de acordo com o tipo de lesão e com a região do corpo em que estão localizadas.

A campanha é promovida pelas sociedades brasileiras de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), de Queimaduras (SBQ), de Tratamento Avançado de Feridas (SOBRATAFE), a de Atendimento Interligado ao Traumatizado (SBAIT); de Estomaterapia (SOBEST) e a de Enfermagem em Dermatológica (SOBENDE), e a Associação Nacional de Atenção ao Diabetes (ANAD).

Atualmente, estão disponíveis no País soluções inovadoras como curativos avançados com propriedades antimicrobiana, antiodor, regenerativa ou hidratante, que contribuem para a cicatrização. Também existem tecnologias hospitalares e domiciliares, como o sistema de pressão negativa, que utiliza a pressão controlada e localizada sobre a lesão, por meio de um curativo de espuma coberto por uma película e ligado a um sistema de drenagem, as novas tecnologias aceleram o tempo de cicatrização de feridas.



terça-feira, 24 de julho de 2018

Síndrome do impostor: sete sinais do autoboicote

Da redação

Muita gente age, fala, pensa e não faz a menor ideia de que realiza todos os dias, várias vezes, faz um julgamento, no qual tem a função de réu e juiz, e o veredicto é “impostor”. Para estas pessoas, suas realizações, conquistas e feitos não são, necessariamente, tão dignas de respeito assim. Algumas se sentem indignas de serem bem-sucedidas, em qualquer área, conforme explica a psicóloga com especialização em psicodrama e master coach da SBCoaching,  Liamar Fernandes, que possui 43 anos de experiência em desenvolvimento humano.

Pessoas que sofrem com o problema passam a utilizar máscaras para serem aceitos | Foto: reprodução 
"Na psicologia esse comportamento, às vezes, aparece como Síndrome do Impostor, devido a um estudo realizado em 1978 pelas americanas Pauline Clance e Suzanne Imes. No entanto, posteriormente as próprias pesquisadoras o denominaram como uma experiência de impostor, visto que a maioria das pessoas passa por isso, em maior ou menor grau", conta Liamar.

 As exigências, por performance e resultados, são cada vez maiores e não só na esfera corporativa. Este é um dos fatores de origem deste comportamento, segundo a master coach Fernanda Chaud. "A maioria das pessoas que se dedica muito para carreira e para ter uma vida considerada bem-sucedida, não valoriza suas conquistas diárias. Elas passam a enxergar tudo como normal. Querem sempre mais e tornam-se insaciáveis pelo crescimento e reconhecimento externo".

Com isso, "nada é suficiente e a comparação com todos ao redor é um comportamento recorrente. O impostor acredita que seu valor está intimamente ligado à sua imagem e não ao que ele é. Ou seja, para ele, cargo, fama e posses são o que o tornam um alguém de verdade", complementa Liamar.
São pessoas que abrem mão do autoconhecimento e passam a utilizar máscaras para serem aceitas. Desta forma, tornam-se muito vulneráveis ao julgamento do outro, porque eles se julgam muito.

Para Liamar Fernandes uma forma eficaz de combater a experiência de impostor, é pensar sobre a forma como você emprega sua energia para realizar. Identificar o processo inteiro, desde a hora que decide fazer algo até o momento que o conclui.

"É importante valorizar pequenas conquistas, ou melhor, perceber estas conquistas. Compartilhar isso com o seu círculo social, interagir com as conquistas de pessoas deste círculo sem comparação. Simplesmente, celebrá-las. Ser grato pelo que você e os que você quer bem conquistam", afirma Liamar.

7 - Sinais de que você pode estar se boicotando

1. Não reconhece suas próprias conquistas;
2. Tem necessidade de falar muito sobre suas conquistas, para encontrar o senso de merecimento;
3. Não busca agradar-se ou comprar algo para si mesmo, por achar que não é merecedor;
4. Possui um altíssimo nível de comparação e senso de inferioridade;
5. Foca sempre no que está faltando e não no que já tem;
6. Não confia nas pessoas e, por isso, não constrói relacionamentos mais aprofundados por medo de descobrirem suas falhas e imperfeições;
7. Tem necessidade excessiva de controle e a falta dele gera sentimento de impotência.


segunda-feira, 23 de julho de 2018

Festa reúne empreendedoras

Da redação 


O Núcleo de Mulheres Empreendedoras (NME) da  AssociaçãoComercial e Industrial de Santo André (ACISA) promoveu na última quarta-feira (18) mais uma edição da sua tradicional Festa Julina -  Arraial das Empreendedoras. 

 Parte do NME e convidados | Foto: Marli Popolin/MP
Segundo as organizadoras, Suzana Katekaru e Cláudia Freitas, o evento reuniu cerca de 40 participantes e foi uma forma de confraternização entre as integrantes e suas convidadas.





Obesidade afeta a saúde do fígado de crianças

Da redação 

Um novo estudo, publicado no Journal of Pediatrics, é o primeiro a mostrar que o ganho de peso pode ter um impacto negativo na saúde do fígado em crianças, a partir dos oito anos de idade. O estudo descobriu que a circunferência da cintura maior, aos três anos, aumenta a probabilidade de que, aos oito anos, as crianças tenham marcadores para doença hepática gordurosa não alcoólica.

Circunferência da cintura maior, aos três anos, aumenta a probabilidade de desenvolver doença hepática, futuramente  | Foto: Freepik
O pediatra e homeopata Moises Chencinski (CRM-SP 36.349) comenta este fato: "Com o aumento da obesidade infantil, estamos vendo mais crianças com doença hepática gordurosa não alcoólica em nossa prática de controle de peso pediátrico. Muitos pais sabem que a obesidade pode levar ao diabetes tipo 2 e outras condições metabólicas, mas há muito menos consciência de que mesmo em crianças pequenas, ela pode levar à doença hepática grave”.

A doença hepática gordurosa não alcoólica ocorre quando muita gordura se acumula no fígado e provoca inflamação, causando danos. A condição afeta cerca de 80 milhões de pessoas nos Estados Unidos e é a patologia hepática crônica mais comum em crianças e adolescentes. "A doença geralmente não apresenta sintomas. A progressão da doença hepática gordurosa não alcoólica pode levar à cirrose do fígado e, em alguns casos, ao câncer de fígado", diz Chencinski.

Estudos anteriores se concentraram na doença do fígado gorduroso em adolescentes e em adultos jovens. No presente estudo, os pesquisadores procuraram por fatores de risco para o fígado gorduroso em crianças menores.

Foram medidos os níveis sanguíneos de uma enzima hepática chamada Alanina transaminase (ALT). A ALT elevada é um marcador de dano hepático e pode ocorrer em indivíduos com doença hepática gordurosa não alcoólica e outras condições que afetam o fígado.

Aos oitos anos, 23% das crianças do estudo tinham níveis elevados de ALT. Crianças com uma circunferência de cintura maior (uma medida da obesidade abdominal) aos três anos, e aquelas com maiores ganhos nas medidas de obesidade, entre as idades de três e oito anos, foram mais propensas a ter níveis elevados de ALT. Aproximadamente 35% das crianças de oito anos com obesidade apresentaram níveis elevados de ALT versus 20%  daquelas com peso normal.

"Alguns médicos medem os níveis de ALT em crianças em risco, a partir dos dez anos de idade, mas as descobertas ressaltam a importância de agir mais cedo para evitar o ganho excessivo de peso e subsequente inflamação do fígado", defende o pediatra.

Atualmente, a melhor maneira de crianças e adultos combaterem a doença do fígado gorduroso é não engordar acima dos limites esperados, perder peso, se isso acontecer, comer menos alimentos processados e fazer exercícios regularmente.




Cirurgião plástico fala sobre os procedimentos seguros para os glúteos

Da redação

A busca para cirurgias de glúteos com prótese ou gordura aumentou em cerca de 500% nos últimos anos, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Para o cirurgião plástico Francisco  Alionis  Neto,  da  capital paulista, o aumento do glúteo com prótese e ou gordura ganham, cada vez mais, adeptos no mundo.

Tamanho do implante é determinado pelo bom senso entre paciente e médico | Foto: reprodução
“No caso da prótese, ela é inserida no meio do músculo através de um pequeno corte feito na parte central das nádegas, região conhecida como suco interglúteo - divisão entre os dois lados do bumbum. E, geralmente, é utilizada a anestesia geral para a realização do procedimento”, explica Alionis  Neto.

Nessa cirurgia é possível modelar os glúteos, assim como acontece com  as  próteses  mamárias, quem  determina  o  tamanho  do  implante  é  o  bom senso entre o paciente e o médico. Para isso são avaliadas as medidas,  peso,  estrutura  óssea  e  altura.

Outra opção é a lipoenxertia. De recuperação bem mais simples, a técnica retira a gordura de determinadas regiões do próprio corpo para preencher os glúteos. “Depois de ser retirada, essa gordura é então preparada e colocada em seringas e injetada nas regiões desejadas e carrega a grande vantagem de que, como é uma substância retirada do próprio paciente, as chances de rejeição são praticamente nulas”, comenta o médico.

A combinação de ambos os procedimentos ganha espaço (prótese glúten, associada a lipoaspiração e liopoenxertia), por haver o benefício do aumento de volume conseguido com a prótese, associado ao refinamento e naturalidade do resultado obtido com enxerto de gordura.

O cirurgião plástico alerta ainda que qualquer q tipo de intervenção deve sempre ser feita sempre em ambiente hospitalar, com um cirurgião plástico membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

“Como quaisquer outros procedimentos, os pós-operatórios das cirurgias requerem o  uso  de cinta, analgésicos e antibióticos, além de repouso. É preciso ter cuidado na hora de caminhar  e  de  se  sentar  e,  só  depois  da  avaliação  médica,  é  possível  voltar  a  se exercitar  normalmente  para  garantir o bumbum dos sonhos e o melhor – feita de maneira segura e responsável”, finaliza Alionis Neto.




sexta-feira, 20 de julho de 2018

Noivas e debutantes são temas de workshop gratuito neste domingo

Da redação 

Com a finalidade de apresentar as novidades do setor e espaços disponíveis para locação, o Clube Atlético Aramaçan, em Santo André, sedia a 7ª edição do Workshop de Noivas e Debutantes, neste domingo (22), das 14h às 19h.

Na ocasião, público poderá conferir novidades do setor | Foto: divulgação
O evento é gratuito, aberto para associados e não associados do Clube e já está confirmada a presença de várias empresas dos mais variados segmentos, como aluguel de roupas, maquiagem, decoração, buffet, som, filmagem e foto, gráfica e mestre de cerimônia.

Com 88 anos de história e considerado como um dos mais antigos da região do ABC, o Clube Atlético Aramaçan está localizado na Rua São Pedro, 345, Vila América, em Santo André. Para mais informações sobre o evento ligue (11) 4972-8200 ramal 8266.


É possível amenizar os sintomas da Síndrome do Intestino Irritável

Da redação

Sintomas como dor abdominal frequente, inchaço, intestino preso, náuseas, diarreia e estufamento não são normais e devem ser investigados. A SII – Síndrome do Intestino Irritável traz grandes dificuldades no dia a dia e a Dieta Não-Fermentativa, que consiste em restringir alimentos ricos em carboidratos de alta fermentação é o melhor caminho para amenizar os sintomas.

O nutricionista inglês Nick Trott esteve em São Paulo, durante a 9ª edição da Gluten Free Brasil | Foto: divulgação
As diferentes abordagens de diagnóstico e tratamento para a SII foram exploradas pelo nutricionista inglês Nick Trott, na palestra “O tratamento Low-FODMAP na Síndrome do Intestino Irritável: procedimentos, métodos e atualizações”, durante a 9ª edição da Gluten Free Brasil, realizada no último final de semana (14 e 15), em São Paulo. Segundo ele, o melhor caminho encontrado pelos especialistas é prescrever uma dieta que reduza a fermentação intestinal e, assim, evitar a distensão intestinal e os seus efeitos.

Nutricionista especializado na área de gastroenterologia e premiado como um dos profissionais do ano em doença celíaca do Reino Unido em 2016, Trott é reconhecido como estudioso na educação e orientação de celíacos e de demais quadros relacionados à sensibilidade ao glúten e à Síndrome do Intestino Irritável. Confira abaixo os principais desdobramentos sobre a síndrome:

Geralmente as pessoas confundem a Síndrome do Intestino Irritável com a doença delíaca, porque elas têm sintomas semelhantes. O que difere um do outro?
A doença celíaca é uma doença autoimune, causada por uma resposta imune inadequada ao glúten. Seu diagnóstico requer exames de sangue específicos e uma biópsia do intestino delgado. Atualmente, o único tratamento é a adoção de uma dieta isenta de glúten.  Já a Síndrome do Intestino Irritável é uma desordem crônica do intestino, que se caracteriza pela presença da dor abdominal, distensão e mudança no hábito intestinal, como constipação, diarréia ou ambos. O diagnóstico da Síndrome do Intestino irritável pode ser estabelecido com base nos sintomas, na exclusão de outras doenças do intestino e com a aplicação da dieta específica e seus resultados. A boa notícia é que há uma ampla variedade de abordagens médicas, psicológicas e dietéticas para tratá-la – que pode ser adaptada individualmente para cada paciente.

Qual a relação do estresse com a Síndrome do Intestino Irritável? Ele pode ser considerado uma das causas?
Não temos comprovado que ele pode ser uma das causas da Síndrome do Intestino Irritável, mas certamente pode contribuir para o aumento dos sintomas. Isso se relaciona com a forma como o intestino e o cérebro se comunicam. Um ponto que sabemos é que as mudanças do estilo de vida ajudam as pessoas com SII a gerenciar seu nível de estresse (como a yoga e atividade física), melhorando assim o controle dos sintomas.

Como a doença celíaca, a Síndrome do Intestino Irritável acomete mais mulheres?
A incidência da SII acontece até três vezes mais em mulheres do que em homens, embora a diferença percentual varia globalmente. As razões para esta diferença na taxa de diagnóstico entre os sexos ainda não é bem compreendido, pois está mais relacionado ao fato das mulheres procurarem mais diagnósticos e tratamentos. Também existem diferenças nos sintomas da Síndrome do Intestino Irritável vivida por homens e mulheres.

A dieta não-fermentativa pode ser considerada altamente restritiva por conta dos alimentos que devem ser limitados na alimentação? De que maneira é possível levar uma vida equilibrada, tendo as exclusões que devem ser feitas?
Pessoas e pacientes podem ter diversos benefícios ao adotar uma dieta com alimentos de baixa fermentação, mas não devem adotar esse tipo de dieta por conta própria ou instruídos por uma abordagem encontrada na internet, por exemplo. A dieta não-fermentativa deve ser realizada em três fases distintas, a ser feita por um profissional de saúde, como o nutricionista. Primeiramente, a restrição inicial é seguida de uma reintrodução monitorada de alimentos, para avaliar a tolerância individual. A última fase é uma dieta modificada e personalizada para determinado paciente com base nos resultados de reintrodução. Vale ressaltar que a dieta deve ser seguida por um período de tempo específico e que não deve ser adotada por quem não tem indicação.

Adotar a dieta não-fermentativa apresenta uma melhoria nos sintomas da Síndrome do Intestino Irritável em que porcentagem?
Estudos de curto prazo, com grupos de controle acompanhados por dois ou três meses, demonstram uma taxa de melhoria de 50 a 70%. Nos últimos dez anos, as abordagens dietéticas tornaram-se uma importante metodologia para o tratamento de pessoas com Síndrome do Intestino Irritável.

Como você avalia os estudos que temos atualmente sobre a Dieta Não-Fermentativa em pacientes com a Síndrome do Intestino Irritável?
Há uma série de estudos validados, que trazem a análise de sintomas e da qualidade de vida dos pacientes da SII, que se tornaram ferramentas muito utilizadas na determinação da eficácia desta abordagem.


quinta-feira, 19 de julho de 2018

Sinusite não é tudo igual

Da redação


A sinusite é uma doença muito comum e facilmente confundida com outra que sempre aparece, principalmente no inverno, a rinite. Segundo a otorrinolaringologista Cleonice Hirata, do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, a diferença entre elas está basicamente nas áreas que o processo inflamatório atinge. Na rinite a inflamação afeta a mucosa nasal - o envolvimento da cavidade nasal - já nas sinusites o processo inflamatório atinge também os seios da face. Além disso, as causas da sinusite podem ser viral, bacteriana, alérgica ou fúngica.

 As causas da sinusite podem ser viral, bacteriana, alérgica ou fúngica | Foto: reprodução
Pessoas com alterações anatômicas como desvio de septo, portadores de rinite alérgica ou com quadros de imunodeficiências primárias ou secundárias e, até mesmo, quadros odontológicos crônicos, são mais propensas a desenvolver sinusite.

A sinusite pode ser classificada em aguda, recorrente e crônica. Os sintomas mais frequentes são tosse, dor localizada na fronte, nos olhos e na face, que pode se acentuar ao baixar a cabeça. A sinusite crônica é composta por quadros que persistem até por meses e podem estar relacionados a alterações anatômicas, processos odontogênicos e processos alérgicos. 

"É importante estar atento às mudanças climáticas. Os fatores externos também podem aumentar as chances de desenvolver sinusite. No inverno, quando o tempo está mais seco e aumentam os quadros de gripe, e infecções de vias aéreas mais frequentes, pode desencadear os quadros de sinusite. Manter-se hidratado e estar em dia com o calendário de vacinação, são atitudes que podem ajudar a evitar as crises." alerta a especialista. 

A boa notícia é que as sinusites agudas, de etiologia viral, que compreendem a maioria dos casos, tem cura. As sinusites crônicas, que são mais raras, podem ter cura, a partir da identificação da causa. Diante disso, deve-se avaliar o melhor tratamento para eliminá-la. Um desvio de septo, por exemplo, pode ser corrigido com uma cirurgia.


Tatuadora Clari Benatti vem a São Paulo neste mês

Da redação

A tatuadora Clari Benatti sintetiza experiências, momentos ou até mesmo histórias de uma vida inteira em um único desenho. Ela ressignifica lembranças ao tatuar desenhos exclusivos e personalizados, a partir das experiências de vida de cada pessoa. Cada desenho é criado do zero, a mão, pela artista antes de ser eternizado no corpo humano. A artista estará em São Paulo, de 24 a 28 de julho.

Tatuadora fundou o  Ateliê Studio BenArtti, no Rio de Janeiro | Foto: divulgação
Dona de um estilo artístico minimalista, a designer e tatuadora de 36 anos representa a cidade do Rio no coletivo As Tattooistas - rede formada por mulheres tatuadoras de todo o Brasil, que desenvolvem um trabalho artístico genuinamente autoral.

Antes de mergulhar de cabeça na carreira de tatuadora, Clari acumulou uma expertise de 10 anos como designer nas áreas de moda, eventos e publicidade. Ser tatuadora era um desejo antigo, pois diferente do design gráfico, é uma profissão que a permite imprimir sua identidade artística sem interferências externas.

Atualmente é sócia-fundadora do Ateliê Studio BenArtti, espaço localizado no coração do tradicional bairro de Botafogo, Zona Sul do Rio de Janeiro. Para entrar em contato ou obter mais informações sobre o seu trabalho clique aqui e acesse o Instagram.



Clube Aramaçan sedia evento gratuito voltado às noivas e debutantes

Da Redação Para quem está prestes a casar ou completar 15 anos, o Clube Atlético Aramaçan, em Santo André, sedia neste domingo (25) o Enco...