sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Adoçante ou açúcar, o que é melhor para a saúde?

Da Redação

Frequentemente encontramos informações sobre os benefícios de diversos ingredientes, porém nem sempre elas consideram todas as questões levantadas pela comunidade acadêmica. Por isso, muitas vezes há a impressão de que um mesmo alimento transita entre o papel de herói e vilão. Isto é o que vem acontecendo com o açúcar e o edulcorante. Usados com a mesma finalidade (adoçar), são substâncias diferentes e erroneamente colocadas em comparação. 

A nutricionista Marcia Daskal, da Recomendo Assessoria em Nutrição, explica que a sacarose, mais conhecida como “açúcar de mesa”, é um carboidrato simples, composto por glicose e frutose, natural da cana-de-açúcar ou de outros vegetais (como a beterraba ou o coco), sendo responsável pelo fornecimento de energia. Já os adoçantes são variadas substâncias não-calóricas com maior poder de dulçor, produzidas a partir de fontes naturais ou artificiais. “De maneira geral, eles têm poder adoçante de 100 a 500 vezes maior do que o açúcar e, por isso, podem ser utilizados em menor quantidade. Possuem uma quantidade desprezível de calorias, enquanto o açúcar, como qualquer carboidrato, fornece quatro calorias por grama”, comenta a nutricionista.

Foto: Reprodução

Essas são razões para que o edulcorante seja considerado mais saudável por grande parte da população, pois não fornece calorias e adoça. Porém, isso não pode ser considerado como uma verdade absoluta. “Não há evidências científicas sobre a existência de características mais ou menos saudáveis de um ingrediente para o outro”, ressalta. “Também é necessário enfatizar que os adoçantes são utilizados em preparações que podem ter calorias de outros ingredientes. Isto é, ele não traz calorias adicionais, mas não tira as calorias de um suco, um bolo, um pudim ou um chocolate, por exemplo”, completa Marcia.

A substituição

Os edulcorantes são comumente utilizados na substituição da sacarose com o objetivo de reduzir o valor calórico dos alimentos e bebidas. No entanto, essa substituição não necessariamente garante uma redução de calorias, já que alguns produtos têm uma maior quantidade de gordura na formulação. Assim, algumas pessoas aumentam o consumo dos alimentos light e podem comer até mesmo mais calorias. No controle do peso, ambos podem ser utilizados, pois o importante é a alimentação como um todo.

Os profissionais da saúde costumam indicar o uso de edulcorantes para os diabéticos, já que os adoçantes não requerem insulina para sua absorção. Isto não quer dizer que diabéticos não possam consumir açúcar, desde que com orientação e acompanhamento de nutricionista e médico, a critério do profissional de saúde.

Em teoria, a atitude de dispensar bebidas e alimentos açucarados e substituir por versões com esses outros tipos de adoçantes não resolveria o problema relacionado ao balanço energético. “Nossa sociedade foi educada a pensar que engordamos apenas quando consumimos mais calorias e, inversamente, emagrecemos quando ingerimos menos alimentos. A questão é muito mais complexa e essa substituição não traz resultados imediatos. Junto com a alimentação, é necessário mudar o estilo de vida”, afirma o educador físico Marcio Atalla.

Atividade física

A relação do uso do açúcar e do adoçante para quem pratica atividades físicas também gera muitas dúvidas. O ideal é ter em mente que a combinação entre dieta equilibrada e atividade física regular é sempre a melhor base para se viver de forma saudável e evitar doenças.

Para quem se exercita regularmente, o consumo de açúcar ou adoçante também depende de um amplo contexto. Para um atleta, o consumo de açúcar pode ser necessário, dependendo do tipo, duração e intensidade da atividade física. “A recomendação é ingerir um carboidrato simples no pré-treino, pois vai dar energia para fazer os exercícios propostos. Sendo assim, uma fruta ou um pão com geleia são boas opções. Para depois da atividade, recomenda-se ingerir um carboidrato e uma proteína, sendo que a última ajudará na construção dos músculos. Não há uma regra certa, mas é essencial se alimentar antes e depois do treino”, comentou Marcio Atalla.

O cardiologista e nutrólogo do Instituto Dante Pazzanese, Dr. Daniel Magnoni, salienta ainda que, em média, 73% da população que consome açúcar e pratica atividade física está com o peso adequado. “Isto reforça o conceito errôneo de ‘vilanizar’ ingredientes, além de comprovar a possibilidade do uso de açúcar dentro de um estilo de vida balanceado”. 

Cultura

O consumo de ingredientes também passa por questões sociais e culturais, pois escolher o que se deve comer está aliado a diversos símbolos. Para o antropólogo Raul Lody, alimentar-se vai muito além de apenas saciar a fome. "Para o brasileiro, o açúcar é uma referência não só cultural, mas também emocional, visto que está presente no trajeto das relações sociais, como nascimento, aniversários, casamento e outras motivações. Sempre haverá um doce como um marco gastronômico nos diferentes momentos de sociabilidades”.

Além dessa questão, é fundamental entender que não existe um tipo de adoçante que seja mais ou menos saudável do que outro, ou ainda mais vantajoso que o açúcar. “As principais agências reguladoras de alimentos, como o FDA, aprovam o uso de seis adoçantes diferentes e ainda incentivam o uso de açúcar para aqueles que o preferem”, reforça Daniel Magnoni.

Portanto, a ausência de açúcar ou o uso constante do adoçante não torna a alimentação mais saudável, pois o que importa é a forma e a quantidade com que o ingrediente é consumido e de que maneira isso se encaixa no estilo de vida de cada pessoa – que não é definido por um ou alguns ingredientes consumidos isoladamente. Saúde e bem-estar dependem de um extenso conjunto de fatores, imprescindivelmente acompanhados e orientados por especialistas, caso a caso.  

Sobre a Campanha Doce Equilíbrio

A Campanha Doce Equilíbrio, é uma iniciativa da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) e tem como objetivo promover a informação sobre o equilíbrio na alimentação e estilo de vida.

Equalizando o debate sobre o açúcar como componente que pode e deve fazer parte de uma vida saudável, a campanha visa o bem-estar da sociedade.

Nas plataformas de blog, Facebook e Instagram, o público pode acompanhar e participar interativamente dos conteúdos relacionados ao universo do açúcar.



quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Prática de kung fu traz diversos benefícios

Por Vitor Lima

Equilíbrio, autoconfiança, qualidade de vida e longevidade. Esses são apenas alguns dos benefícios que os praticantes do kung fu garantem que a arte marcial lhes proporcionou. A história do kung fu é milenar e, portanto, difícil de ser contada. Existem várias versões sobre sua origem, mas, em geral, os registros históricos dão conta que a arte existe há mais de 2 mil anos e foi criada por monges chineses e indianos que, a princípio, criaram a técnica para se defenderem de animais. 

Luiz é ex-atleta e o proprietário do local | Foto: Hugo Silva

Atualmente, a prática é vista por muitos como apenas um esporte. Porém, adeptos do kung fu ressaltam que a prática da arte marcial envolve diversos outros conceitos e princípios de vida. 

Um dos principais símbolos da cultura chinesa, a arte resistiu aos anos e encantou os olhos do piauiense Luiz Leonardo de Sousa. Ainda na adolescência, Sousa tentou começar a praticar a modalidade, mas, como em sua região não havia locais especializados na arte, o piauiense começou a treinar karatê. Aos 18 anos, quando mudou-se para São Paulo, Sousa iniciou a prática do kung fu tradicional. Ele aperfeiçoou-se na arte e virou atleta. Durante sua trajetória, o piauiense acumulou diversas conquistas em campeonatos realizados na China. Entre elas, destaca-se o título de campeão mundial da modalidade. 

Foto: Hugo Silva
Hoje, aos 43 anos, o ex-atleta comanda a academia Li Fei Lin, no Parque das Nações, em Santo André. “(A academia) foi fundada com o propósito de transmitir o verdadeiro kung fu tradicional, ou seja, transmitir de forma correta, com respeito e responsabilidade sem distinção de raça, cor, religião ou sexo. Nós acreditamos no que ensinamos”, sintetiza o proprietário do local.

A academia foi criada em 2002 e está no atual endereço desde 2009. Além do kung fu, o local – que é filiado junto a Federação Paulista de Kung Fu e a Confederação Brasileira de Kung Fu (CBKW) – oferece aulas de tai chi chuan, de dança circular e arte terapia (esta última modalidade voltada para idosos). Os alunos, além de participar de eventos nacionais e internacionais, podem receber aulas de reforço escolar, de língua chinesa e têm a possibilidade de fazer parte de programas de intercâmbio e turismo para a China. Constantemente, a academia também sedia palestras sobre saúde. 


Foto: Hugo Silva
O nome do local, aliás, é uma homenagem ao mestre de Sousa. “Nos meus treinamentos na China, na casa do meu mestre Li Fei Lin, ele sempre me transmite o que tem de melhor, não somente o marcial, mas principalmente o respeito pela vida e pelo próximo, e é dessa forma que transmitimos para todos os nossos alunos”, conta. 

Pan-Americano da modalidade

Entre 6 e 14 de setembro, ocorreu em São José, na Costa Rica, o campeonato Pan-Americano de Kung Fu Tradicional. Três atletas da academia representaram o Brasil na competição. O trio formado por Cynthia Sayuri, Nicoli Souza e Fátima Diniz regressou a Santo André com cinco medalhas na bagagem – duas de ouro, duas de prata e uma de bronze. 

Sousa comemora o resultado, mas faz questão de ressaltar os benefícios da modalidade. “O kung fu, é uma arte marcial completa, que além de proporcionar para o praticante corpo e mente saudável e forte, o prepara para a vida”, conclui. 

A academia Li Fei Lin fica na Rua Oratório, 1429, Parque das Nações, em Santo André. Tel.: 3439-9333 | Site: www.lifeilin.com.br.



Via Ciasca reúne gastronomia e degustação de vinhos

Por Vivian Silva

Os amantes de boa gastronomia e vinhos têm local certo no ABC, o Via Ciasca, localizado em São Caetano do Sul. Atualmente, no local há mais de mil rótulos de vinhos provenientes de 18 países, de acordo com os proprietários Rui Vincenzi, 53 anos, e Leandro Ciasca, 44 anos, conhecido como o “amigo do vinho”. Além disso, há diversos pratos assinados pelo chef Fernando Toledo. 

Local conta com vinhos de 18 países | Foto: Hugo Silva

“Além das constantes novidades no cardápio propostas pelo chef Fernando Toledo, agora começamos a trazer os vinhos da vinícola gaúcha Quinta Don Bonifácio, que são incríveis”, conta Ciasca. O local recebe também as bebidas da importadora Decanter e tem toda linha da vinícola gaúcha Pizzato. 

Aberto em junho de 2016, o Via Ciasca tem atraído clientes do ABC e também de São Paulo. O balanço deste primeiro ano, segundo o “amigo do vinho”, foi positivo. “Estamos muito contentes por conseguir abrir e manter um negócio que foi bem aceito pelo público, mesmo em um ano difícil como o de 2017, e esperamos aumentar nossos êxitos no ano vindouro”, finaliza o proprietário.

O Via Ciasca fica na Rua Martim Francisco, 563, em São Caetano do Sul. O horário de funcionamento é de terça e quarta-feira, das 10h às 22h, de quinta a sábado, das 10h às 0h, e de domingo, das 10h às 18h. Tel.: 4224-6734.



Giuseppe Verdi

*Por Armando Correa de Siqueira Neto

Era possível ouvir apenas os cascos dos cavalos que puxavam a carruagem na qual seguia um dos gênios musicais mais aclamados em vida, cujo sucesso lhe rendera fama, prestígio e fortuna, ninguém menos que Giuseppe Verdi seguia em direção ao último adeus naquela cidade que o inspirou a sonhar com a apresentação de suas óperas, Milão, notadamente no teatro Alla Scala - construído por desejo da imperatriz Maria Tereza da Áustria. A seu pedido, ninguém seguiu o cortejo madrugada adentro, o silêncio, em colossal contraste à vida musical que o acompanhou, fora testemunha daquela madrugada fria de 27 de janeiro de 1901, apesar dos incontáveis fãs a se esgueirar a meia distância, próximos às colunas e prédios das ruas encobertas pela névoa que participou de famoso desfecho.

De temperamento introvertido, Verdi, nascido em 10 de outubro de 1813, na pequena cidade italiana de Roncoli Verdi, na província de Parma, ganhou de seu pai uma espineta (instrumento de teclado e corda), após demonstrar que se interessava por música. Carlo Verdi (1785-1867), um homem simples e inteligente, viu em tal gesto a chance de estimular seu filho a ganhar o mundo e a encontrar a felicidade através da realização pessoal e profissional. Era um proprietário de osteria, um restaurante camponês, cuja mãe, Luigia Uttini (1787-1851) preparava os pratos para os clientes. Em pouco tempo o menino já tocava com maestria melodias que causavam orgulho aos pais. Iniciou seus estudos em escola próxima, mantendo um pé nas letras e nos números e outro nas partituras e nas composições. Aproximadamente com dez anos, já era o organista oficial da igreja de sua cidade, demonstrando o que o futuro lhe reservava.

Sem abrir espaço desnecessário a discussões sobre o destino, mas sem fugir ao seu intrincado mistério, Verdi iniciou amizade com Antonio Barezzi (1787-1867), um comerciante bem sucedido que lhe ajudou por incontáveis anos, e não apenas com fartas quantias de dinheiro, com as quais se formou em Milão, mas com zelosa adoração, qual um pai sempre preocupado com o seu bem-estar, estendendo-lhe igualmente afetos e carinhos capazes de sustentá-lo nos momentos áridos ao longo da vida. De tais “conspirações cósmicas” que unem as pessoas, levando-as a criar caminhos singulares, surgiu o romance, e o casamento com Margherita Barezzi (1814-1840), com quem teve dois filhos, falecidos precocemente, como ela própria, períodos de profunda tristeza na vida do compositor e maestro. Posteriormente, ele conheceu a soprano Giuseppina Strepponi (1815-1897), com quem conviveu durante quase quatro décadas.

Foram 28 óperas escritas com a típica profundidade exigida por Verdi, que repetia sobre a necessidade de refletir para compor. Óperas famosas como Rigoletto, La Traviata, Il Trovatore e Aida, dentre outras, atraíram o público por vezes aos muitos teatros, apesar de o maestro sempre ter o ‘Alla Scala’ em altíssima consideração desde muito cedo. Mas nem tudo foi um mar de rosas em sua extraordinária carreira, pois Verdi desejou nunca mais compor após ter sido fortemente vaiado em sua segunda ópera, ‘Um Giorno di Regno’, levando-o a sentir o gosto amargo do fracasso, ainda que temporário. Coincidentemente, suas músicas ganharam um vulto nacionalista, haja vista existir um intenso movimento de unificação italiano - Risorgimento -, encorajando o povo a lutar por tamanho objetivo, que culminou com a expulsão dos austríacos, e a posse de Vittorio Emanuelle (1820-1878) como líder do país.

Giuseppe Verdi ainda está vivo através de suas composições que tanto conseguem tocar a intimidade da alma, e que ainda são representadas nas ocasiões que os teatros encenam as óperas que fazem parte do que chamamos de cultura, elemento essencial ao desenvolvimento da nossa espécie, sobretudo por sua sofisticada capacidade de inspirar, elevar e transformar.

*Armando Correa de Siqueira Neto é psicólogo e mestre em liderança.




quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Fashion Day & Bazar ocorre na próxima semana

Da redação

O Fashion Day & Bazar é um coletivo de vendas do ABC, que reúne diversos produtos como, por exemplo, bijoux, acessórios e roupas. Na próxima quinta e sexta-feira (5 e 6), das 11h às 22h e das 11h às 18h, respectivamente, o evento   - idealizado pela empresária Luciana Grotti  - ocorre no Anexo Brasa (Rua Vicente de Carvalho, 197), em São Bernardo do Campo. 

Nesta edição, os visitantes contarão também com o serviço de food truck do "Cozinha dos Fundos", além do serviço de valet. Nesses dois dias também serão arrecadados brinquedos e roupas para doação às crianças da Casa de Timóteo. Confira abaixo os expositores já confirmados. 

Os expositores:
Cisi Calçados – acessórios, calçados e bolsas
Du Lacet - laços infantil/acessórios
Espaço Único - Cabelo & Cia 
Gallette - chocolate belga
Irmãs com Estilo - moda feminina
Iva Store - multimarcas feminina
LC Beachwear - moda praia
Le Nuage -  lingerie modeladoras
Lu Grotti - semijoias
Maison Capelli - estética
Mary Kay - cosméticos e maquiagem
Nino & Nina - moda infantil e teen
Rosana Perfumes - importados
Track & Field - moda fitness



Alameda 7 terá espaço de coworking e cardápios de diversos chefs

Da redação

Na próxima terça-feira (3), São Caetano do Sul ganha um espaço gastronômico, o Alameda 7,  que será comandado por diferentes chefs. O objetivo é levar ao público uma experiência diferenciada, com novas criações a cada visita. Além disso, o local comporta um espaço para coworking e uma cafeteria com grãos especiais.

Alameda 7 abre as portas ao público na próxima semana | Foto: Divulgação
A proposta foi idealizada pela publicitária e empresária Marcela Rodrigues, que está confiante com o potencial que o local tem. “Pesquisamos muito antes de definir a proposta final, e entendemos que o público da cidade não conta com um espaço versátil que reúne gastronomia, café e coworking. A cada dia, o menu será diferente, com um chef comandando a cozinha. Já no café, teremos uma chef fixa para atender os clientes no dia a dia”, antecipa. 

O espaço une elementos rústicos a modernidade. Com um teto retrátil, o salão pode receber os clientes a céu aberto ou fechado. A ideia da empresária ainda permite que sejam realizados eventos exclusivos à noite ou aos finais de semana, com reserva antecipada, e menus especiais.

Entre os chefs já confirmados estão Aline Chwist, que ficará responsável pelo espaço da cafeteria e Nathalia Crepaldi, da Pindorama Massas, que também assina o menu do coquetel de inauguração. Outros nomes como Ivone Nunes, Danilo Marques e Guga Rossi já apresentaram interesse em criar cardápios para algumas semanas no local.

“Nossos menus serão apresentados aos clientes em valores fechados, com entrada, prato principal e sobremesa. Além da possibilidade de ter um local em que você pode conhecer o melhor da gastronomia, já formulamos também uma carta de vinhos com rótulos que harmonizam com as diversas possibilidades que os chefs apresentarão”, conta Marcela.

O Alameda 7 fica na Alameda São Caetano, nº 7, em São Caetano do Sul. O horário de funcionamento do coworking é das 8h às 18h, e o serviço de restaurante funcionará até o último cliente.



terça-feira, 26 de setembro de 2017

Excesso de tecnologia pode desencadear traumas psicológicos

Da redação

Um dos maiores problemas "encobertos" de saúde mental da atualidade é o excesso de tempo gasto por crianças e adolescentes em frente aos celulares e tablets, em contato, muitas vezes, com supostos amigos e diversões de redes sociais. Ocorre que o hábito pode tornar-se uma adicção e, assim, comprometer a vida escolar, familiar e social desse público mais jovem.

A alta exposição às tecnologias virtuais tem potencial de levar a alterações neuroquímicas e à perda de massa cerebral, diz o psicólogo clínico e neurocientista, Julio Peres | Foto: reprodução
Mas, muitas vezes, os pais e responsáveis pelos menores tendem a ignorar o comportamento dos filhos, devido aos compromissos profissionais e agenda “cheia”. E não é raro que rotinas assim desencadeiem sintomas como isolamento, insônia, agressividade, apatia, depressão, entre outros.

O mergulho na cultura tecnológica e o excesso de informações, de forma contínua, podem ter um preço. A alta exposição às tecnologias virtuais tem potencial de levar a alterações neuroquímicas e à perda de massa cerebral, assim como à dificuldade de concentração em ações simples como ler um livro ou conversar com alguém.

Conhecido como “cérebro de pipoca”, o distúrbio é nada menos que o analfabetismo emocional – a dificuldade de uma pessoa em “ler” expressões faciais, emoções, e mesmo diferenciar manifestações na voz, olhar ou postura de alguém. Essa situação aumenta a vulnerabilidade de crianças e adolescentes ao trauma psicológico.

Profissionais de saúde, educadores e pesquisadores têm se dedicado a estudar o fenômeno. Um deles é o psicólogo clínico e neurocientista, Julio Peres, que defende o uso da psicoterapia para orientar jovens e núcleos familiares, promover o reequilíbrio da qualidade de vida e atividades que favorecem expressões neurofisiológicas saudáveis.

"Jovens vítimas do analfabetismo emocional são significativamente mais vulneráveis ao trauma. A interação com a máquina não substitui as relações interpessoais e afetivas que os seres humanos necessitam para o desenvolvimento sadio da personalidade", explica Peres.

                      

Conheça alimentos que aceleram o metabolismo

Da redação

Além da prática de exercícios físicos, alguns alimentos ajudam a acelerar o metabolismo e contribuem para a perda de peso. Os termogênicos, por exemplo, são capazes de elevar a temperatura do corpo, aumentar o processo metabólico e o gasto calórico do organismo durante a digestão, resultando em uma queima de calorias e gorduras muito mais rápida.

Laranja e limão diminuem a retenção de líquidos | Foto: reprodução
De acordo com a nutricionista e consultora da Superbom, Cyntia Maureen, esses alimentos ainda asseguram a saúde e funcionamento do corpo. “O metabolismo fornece a energia que o organismo precisa para realizar determinadas funções, como respiração, circulação sanguínea e regeneração das células. A caloria dos alimentos que consumimos é combinada com oxigênio para liberar o combustível que o sistema precisa para seu funcionamento”, explica a especialista.

Segundo Cyntia, para um resultado mais efetivo, o ideal é manter uma dieta regrada seguida de uma atividade física, sempre com acompanhamento de profissionais. A nutricionista lembra que o metabolismo é influenciado por diversos fatores. “A genética, idade, sexo, peso e altura induzem diretamente as transformações que ocorrem no interior do nosso corpo. Por isso, pode haver variação de perda de peso de uma pessoa para outra”, finaliza. 

Abaixo, a consultora lista cinco itens que auxiliam a acelerar o metabolismo. 

Água

Além hidratar o organismo e de possuir eletrólitos essenciais para o corpo, o consumo diário ajuda o sangue a transportar melhor o oxigênio para os músculos. Ela auxilia na quebra de gordura, essencial para a queima de camadas extras, que ajuda no controle do peso e, também, consumida em boa quantidade nos intervalos das refeições, contribui para o controle do apetite. Quando em falta, o corpo fica lento e, consequentemente, queima menos calorias.

Aveia
Rico em fibras, o ideal é consumir este alimento no café da manhã, já que mascara a fome por conta da sensação de saciedade que proporciona. A aveia facilita a absorção prolongada dos nutrientes e aumenta o tempo de digestão do corpo, o que diminui a vontade de consumir doces e controla a glicemia por conta da elevada quantidade de fibras que possui.

Legumes 
São fontes de fibras, antioxidantes e ricos em cálcio, proteínas, ferro, potássio e vitaminas A, B e C. O ideal é consumi-los abundantemente antes das refeições, por possuírem baixa caloria, conferindo, assim, maior saciedade e melhora na absorção de seus nutrientes.

Cereais integrais
Substituir alimentos de farinha branca por integrais aumenta o número de nutrientes ingeridos para o corpo. Os cereais integrais são fontes de fibras, ácido fólico, vitamina E, entre outros, auxiliam no emagrecimento e melhoram a movimentação intestinal.

Vitamina C
Alimentos como laranja e limão diminuem a retenção de líquidos. Já o brócolis, repolho e o pimentão, que também possuem grande quantidade dessas vitamina, ajudam no processo de queima de gordura.



Empresa lança projeto de educação sexual para jovens

Da redação

Para orientar os jovens sobre educação sexual, a DKT do Brasil, detentora das marcas Prudence e Andalan, lança este mês o projeto DKT Jovem. O objetivo desta iniciativa é oferecer informações sobre saúde sexual, prevenção às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) e métodos contraceptivos desde o início da vida sexual dos adolescentes.

Nos últimos anos, os números referentes ao contágio de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) entre adolescentes e jovens vêm aumentando, preocupando os órgãos públicos de saúde, Organizações não Governamentais (ONGs) que trabalham com saúde sexual e, também, a DKT do Brasil.

Em parceria com ONGs de todo o País, iniciativa privada e pública, a DKT do Brasil levará aos jovens materiais educativos, incentivando-os a participarem de atividades em grupo sobre temas relacionados à sexualidade, prevenção de gravidezes não planejadas e ISTs.  A iniciativa estimulará a realização de testagem sorológica e reforçará a importância do uso do preservativo em todas as relações sexuais.

As interações acontecerão em locais como, por exemplo, palestras, feiras, festas e ONGs, sempre que houver atividades com o público jovem. Nas escolas, o projeto vai capacitar os educadores para trabalharem os temas relacionados com o público-alvo. Posteriormente, os próprios alunos serão capacitados e passarão a atuar como multiplicadores da informação, levando o conhecimento para os demais colegas.

As ações estão em andamento junto às ONGs com as quais a DKT já mantém parceria, como a Barong (Sudeste), a Equipe Voluntária Brasil (Sul) e a Gestos (Nordeste).
  
Sobre a DKT
Fundada em 1989, por Philip D. Harvey, a DKT International é uma organização sem fins lucrativos especializada na implantação de programas de planejamento familiar e prevenção de DSTs e AIDS ao redor do mundo, contando com inúmeros projetos em 29 países.



O planeta é o que você come

*Por Liliane Rocha

Jargão comum em nossa sociedade quando pensamos em práticas alimentares nos diz que "você é o que você come", mas a realidade talvez seja ainda mais complexa e interdependente, mostrando que "o planeta é o que você come". Sim, o que comemos não é apenas uma reflexão individual, mas coletiva.

Abandonarei aqui o diálogo extremista, começando por revelar que não sou vegetariana. Embora, toda a minha vida tenha convivido com vegetarianos e por períodos da minha vida tenha abolido a carne vermelha, a realidade é que não há uma exclusão completa e total da proteína animal nas minhas refeições.
  
Acredito que por isso mesmo, tenha base para fazer essa reflexão, talvez de forma menos passional e mais pautada em dados e estudos. Também acho importante dizer que muito do que compartilharei aqui está disponível com mais conteúdo e profundidade no documentário Cowspiracy disponível no Netflix, o trocadilho do inglês sugere que vivemos em uma espécie de conspiração que não debate os impactos da agropecuária na vitalidade planetária. 

Primeiramente enfocarei o viés da sustentabilidade, estudos da Organização das Nações Unidas (ONU) comprovam que a prática da pecuária produz mais gazes de efeito estufa do que as emissões de todo o setor de transportes. Ou seja, a indústria bovina produz mais gases de efeito estufa do que carros, caminhões, ônibus e trens juntos. A ONU, junto com outras agências, sinaliza que a pecuária "é a maior fonte de degradação do meio ambiente da atualidade".

A reflexão também é fundamental quando pensamos na crise hídrica, um dos trechos do documentário sinaliza que 'para produzir um hambúrguer de 113 gramas são utilizados 2.498 litros de água. Isso significa que comer um hambúrguer equivale a tomar banho por dois meses inteiros'.

Se pensarmos a fundo nessas informações é impossível não sermos impactados. Quer dizer, se você deixou o carro em casa e anda de bicicleta, bem como toma banhos rápidos entre 10 e 15 minutos por dia, mas come carne vermelha cotidianamente, continua gerando impacto ambiental. E não pouco impacto, mas sim um impacto considerável.

Além disso, a ONU declarou a Década da Nutrição (2016 a 2025) atrelando ao tema fatores de saúde e ambiental. E algumas empresas já têm procurado a Gestão Kairós para viabilizar Programas de Alimentação Saudável que integrem os aspectos nutricionais, ambientais e sociais. Em uma destas empresas estamos avaliando, por exemplo, a quantidade de emissões e água da carne utilizada em eventos, ao mesmo tempo que nos propomos a sugerir que os eventos internos e externos adotem cardápios alimentares mais equilibrados.

Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável 2: 'Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável', também vincula alimentação e sustentabilidade.

Novamente reforço o que comentei no começo do texto. Não quero dizer com isso que todos devam parar de comer carne imediatamente. No entanto, a reflexão sobre os impactos das nossas ações para a sociedade e para o meio ambiente, vai realmente além do que gostamos de pensar ou refletir.

O prato que temos todo dia em nossa mesa pode agravar o quadro ambiental ou contribuir para a preservação do meio ambiente. Neste sentido, ficar um dia da semana sem carne ou equilibrar a dieta alimentar ao longo do mês, pode ser mais saudável não só para o organismo como também para a vida da Terra.

Durante o documentário, também foi impossível não refletir sobre os nossos hábitos alimentares ao longo da história. Quer dizer, será que continuamos comendo antes de forma muito semelhante aos nossos antepassados que não tinham tanta informação ou tecnologia?

Por fim, vale a reflexão sobre qual a importância de cada ser vivo. Quando me pego nessa linha argumentativa, quase sempre me lembro de pessoas que sinalizam que a cadeia alimentar é algo natural. Sim, é verdade. Há uma cadeia alimentar. Contudo, somente o ser humano é capaz de criar animais em isolamento, com maus tratos, hormônios e afins para assegurar uma grande quantidade, além disso, uma renda expressiva para um pequeno grupo de agropecuaristas.

Daí concluo, o que comemos é uma questão de sustentabilidade, de importância da vida (não somente do homo sapiens) e de politica. É, não há saída. O planeta é o que a gente come. E por mais difícil que seja mudar um hábito alimentar cultivado ao longo de toda a vida, que nos foi ensinado e que facilita processos de sociabilização, realmente esta é mais uma mudança que se faz necessária para hoje.

*Liliane Rocha é fundadora e presidente da Gestão Kairós consultoria de sustentabilidade e diversidade. Autora do livro "Como ser um líder inclusivo". Palestrante, professora de pós-graduação e executiva com 13 anos de experiência em grandes empresas nacionais e multinacionais, além de mestranda em políticas públicas pela Fundação Getulio Vargas (FGV).



Hospital e Maternidade Brasil atinge a marca de 250 cirurgias robóticas

Da Redação

O Hospital e Maternidade Brasil, único na região do ABC que possui tecnologia para cirurgias por meio do robô, atinge a marca de 250 procedimentos realizados. O Programa de Cirurgia Robótica da Rede D’Or São Luiz chegou ao ABC em maio de 2016 e, em um pouco mais de um ano, já realizou 250 cirurgias nas áreas de urologia, ginecologia, cirurgia geral e onco-cirurgia. 

Para o diretor médico do Hospital e Maternidade Brasil, Cesar Torres, atingir essa marca mostra a competência e capacidade da unidade para a realização de procedimentos por meio de robôs. “Os pacientes perceberam o bom resultado de se investir em um parque tecnológico e em educação continuada dos cirurgiões e passaram a escolher mais essa modalidade”, explica. 

O sistema robótico possibilita aos pacientes alternativas positivas para o tratamento, de maior eficiência comparada com os métodos tradicionais, cortes menores, menos dor e desconforto no pós-operatório a diminuição da perda de sangue e hemorragias durante a cirurgia. 

A cirurgia robótica vem ganhando cada vez mais espaço e em muitos casos é preferência das equipes médicas, por isso o objetivo do Hospital e Maternidade Brasil é investir mais em tecnologia e no que há de mais moderno no mercado, sempre mantendo sua tradição e credibilidade.   



Especialista aponta os brinquedos mais indicados para crianças de até três anos

Da redação

Com a proximidade do Dia das Crianças, os pais iniciam a busca pelo presente ideal para os seus pequenos! É grande a oferta de artigos voltados para o público infantil, porém, é preciso ter atenção na hora da escolha e prestar atenção às indicações de faixa etária, qualidade e funcionalidade dos artigos à venda. O doutor em educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Roger Hansen, alerta que os pais devem ter atenção redobrada na hora de escolher brinquedos para os seus bebês.

"Aos três  meses, objetos como chocalhos, argolas, bacias e potes grandes são boas opções", diz Roger Hansen


"Hoje os aparelhos eletrônicos são vistos por parte dos pais como uma das melhores opções de entretenimento para os bebês. Isso é um grande equívoco! Entre outros riscos, o uso excessivo de aparelhos eletrônicos por crianças com idade inferior a três anos pode limitar o movimento e o desenvolvimento das capacidades, trazendo consequências na alfabetização e na estabilidade emocional,  sem falar em possíveis déficits de atenção", afirma o especialista.

Assim, os brinquedos são mais do que simples objetos para entreter os bebês, pois permitem que as crianças descubram o mundo, desenvolvam as capacidades cognitivas e a imaginação. 

Hansen é pesquisador da infância há mais de 10 anos, confira abaixo algumas indicações de brinquedos.

Idade: 0 a 1 ano
Brinquedos que estimulem os sentidos e promovam o desenvolvimento motor dos bebês são os mais indicados pelo educador Hansen. "Nos primeiros meses, evitem o uso excessivo dos famosos móbiles. Eles podem ser assustadores aos olhos de um bebê! Aos três  meses, objetos como chocalhos, argolas, bacias e potes grandes são boas opções. A partir dos seis meses, podemos oferecer mais brinquedos que as crianças gostam de manipular com as mãos, que despertem a atenção pelas texturas, sons e cores", orienta.

Idade: 1 a 3 anos 
Nesta faixa etária, os bebês começam a explorar brinquedos mais complexos e de forma mais elaborada. "É importante oferecer a eles objetos que possam ser disponibilizados em grandes quantidades, para que possam juntar peças, construir coisas, montar e desmontar estruturas. Não são necessários brinquedos caros, muitas vezes objetos simples e rústicos, de materiais variados, oferecem uma riqueza de aprendizado muito maior e despertam ainda mais o interesse genuíno da criança", indica Hansen.



segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Profissional andreense é homenageado no "Encontro Mundial de Chefs"

Da redação

O chef Melchior Neto - que comanda as cozinhas do Botequim Carioca, Bistrô 558 e 021 Pizzaria, todas de Santo André - foi homenageado pela melhor feijoada do Brasil no Encontro Mundial de Chefs: Compartilhando Conhecimento, que ocorreu em Guararema, neste último fim de semana (23 e 24). O evento foi idealizado pelo chef Luiz Farias, gerente nacional de serviços e atendimento ao cliente da Bunge Brasil.

Durante o evento, o chef Melchior Neto preparou sua tradicional feijoada | Foto: divulgação
Na ocasião, Melchior Neto preparou sua tradicional feijoada para os mais de mil participantes do evento. “Imagine a minha responsabilidade em agradar o paladar dos principais profissionais de gastronomia do mundo”, confessa o chef, que também ministrou uma aula prática, na qual ensinou como preparar caipirinhas -  o Botequim Carioca tem o título de melhor caipirinha do ABC, pela revista Comer & Beber da revista Veja São Paulo.

Sobre o Encontro Mundial de Chefs

A partir do desejo de doar um pouco de sua experiência em prol de uma gastronomia mais responsável e mais sustentável, Farias decidiu mobilizar vários chefs e profissionais da gastronomia mundial, para juntos promoverem o Encontro Mundial de Chefs.

Temas como o custo da alimentação ao planeta e sustentabilidade, por meio dos ingredientes foram debatidos durante os quatro dias do evento. Para Farias o encontro foi uma oportunidade de reunir profissionais e empresas, que partilham do desejo de uma gastronomia mais responsável e mais sustentável no futuro.



Oito problemas causados por excesso de exposição ao sol

*Por Victor Peixoto

O sol é fonte de vitamina D e durante toda história da humanidade tem sido usado, como um dos recursos, para tratar e prevenir diversas doenças, uma vez que ele aumenta a imunidade e ajuda na produção de hormônios importantes para o corpo humano. No entanto, a exposição excessiva à radiação solar pode, também, causar inúmeros problemas à saúde e efeitos graves à pele.

Dermatologista recomenda evitar a exposição solar das 10h às 16h | Foto: reprodução
1 – Queimaduras: quem já foi à praia e teve que tratar queimaduras de sol sabe do que estou falando. O excesso de exposição em horários de alta radiação podem causar queimaduras severas na pele, principalmente em crianças e em pessoas de pele muito clara. Prevenir e evitar os horários entre 10h e 16h é a melhor estratégia. Mas o uso de protetor solar e roupas com proteção UV são outras duas ferramentas disponíveis para se proteger.

2 - Envelhecimento precoce: quanto mais tomamos sol sem proteção, mais sofremos com o envelhecimento precoce da pele, conhecido também como fotoenvelhecimento. Entre os efeitos estão o aparecimento de rugas e manchas.

3 - Problemas de visão: muita luminosidade pode causar problemas de visão, como catarata e até câncer de pele nas pálpebras. Os problemas de visão associados a exposição ao sol são muitas vezes causados por queimadura da córnea. É importante tomar cuidado e para se proteger, use sempre óculos escuros com bons filtros de absorção de radiação UVA/UVB, e bonés para proteção dos olhos. Esses devem ser testados e garantidos como forma de bloqueio da radiação.

4 – Acne: para os que já possuem a pele oleosa, ou para os adolescentes que tem maior tendência a acne, o sol causa irritações na pele que faz com que ela produza mais sebo. Somado a isso, a sudorese pelo calor em ambientes propícios para o crescimento de bactérias são a equação perfeito para acne. Para evitar a produção de sebo e dê preferência a produtos que sejam oil free.

5 - Alergia ao sol: Aproximadamente 5 a 10% da população apresenta alergia ao sol. Essas se manifestam na pele por vermelhidão, coceira, erupção cutânea (na forma de urticária) e fotossensibilidade. Se você tem essa condição, evite ao máximo se expor ao sol sem o uso de roupas com proteção UV. É possível solicitar ao seu dermatologistas medicamentos que ajudem com o controle da alergia, mas nada melhor do que uma camada de roupas que garantem o bloqueio da radiação.

6 – Melasmas: são manchas de cor marrom causadas pela exposição excessiva e prolongada ao sol durante toda a vida. Diferente das queimaduras que causam vermelhidão e danos imediatos, os melasmas surgem com longos anos de exposição. Geralmente aparecem nas mãos, braços e rosto. Para evitar, use sempre protetor solar e bonés fabricados com tecido de proteção UV.

7 – Queratose:  a queratose se caracteriza por feridas ásperas e pequenas que nunca saram e normalmente aparecem após a exposição ao sol. É importante evitar e tratar imediatamente essas feriadas. A chance de uma queratose virar câncer de pele é de cerca de 20%.

8 - Câncer de pele: certamente essa é a consequência mais terrível e perigosa da exposição ao sol, porém não é tão temida como deveria ser. O câncer de pele atinge a derme e pode se dividir em carcinona basocelular, espinocelular e melanoma, sendo esta última uma das doenças mais letais. No Brasil o câncer de pele é o mais frequente, correspondente a 30% de todos os tumores malignos registrados. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), são cerca de 176 mil novos casos por ano no País. Entre as principais causas estão justamente a exposição excessiva à esse tipo de radiação. A melhor maneira de prevenir é evitar o sol nos horários mais fortes, das 10h às 16h, a partir das 9h no Nordeste, e sempre usar protetor solar. Outra alternativa muito eficaz é o uso de roupas e assessórios com proteção UV. 

Capazes de absorver até 95% dos raios solares, esses produtos ainda atendem a diferentes gostos e estilos. Muito além das opções praia e esportiva, atualmente, é possível encontrar roupas e acessórios que podem ser usados no dia a dia, sem abrir mão do gosto pela moda.

*Victor Peixoto é médico dermatologista e consultor da Litonaneus.



sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Deficiência do crescimento da criança: causas e curas

Da redação

Desde o período intrauterino até ser atingida a altura final, existe um padrão de normalidade de ganho de comprimento ou estatura. Esse padrão é evidenciado pela velocidade de crescimento (ganho em centímetro por ano). As causas de crescimento deficiente são inúmeras, podendo ser de início pré-natal ou pós-natal, explica o endocrinologista e diretor da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP), Sonir Antonini. 

Muitas vezes resolvendo a causa, o crescimento normal retorna | Foto: Getty Images 
"Alteração do crescimento é quando esse ritmo é alterado, para menos ou para mais. Uma criança ou adolescente com redução de crescimento poderá ter baixa estatura (abaixo do mínimo considerado normal para a idade). Eventualmente, o diagnóstico pode ser feito antes de se instalar a baixa estatura. Por outro lado, uma criança ou adolescente que cresça muito mais que o esperado para a idade poderá ter alta estatura", explica Antonini. 

Assim, um bebê pode nascer muito pequeno e não normalizar o crescimento nos primeiros anos. Desnutrição grave ou doenças sistêmicas importantes (renal, cardíaca, digestória) podem se manifestar com deficiência de crescimento. Síndromes ou doenças genéticas frequentemente causam problemas no crescimento. Deficiências dos hormônios da tireoide e/ou do hormônio do crescimento também causam crescimento deficiente. Essas alterações hormonais podem ser congênitas ou adquiridas ao longo da infância.

"Diretamente podem não existir sintomas de crescimento deficiente. Ele geralmente é notado pelo pediatra durante as consultas de rotina da criança (puericultura) e/ou pelos pais, parentes ou professores que percebem que a criança está ficando progressivamente menor que amigos ou colegas da mesma idade. Outra situação comum é os pais perceberem que as roupas da criança não estão 'ficando pequenas', como é habitual. Eventualmente, a doença que causa o crescimento deficiente pode apresentar outros sintomas ou sinais clínicos", alerta o endocrinologista.

O tratamento depende da causa. Muitas vezes resolvendo a causa, o crescimento normal retorna. Por exemplo, se a criança tem hipotireoidismo, o tratamento com hormônio tireoidiano normaliza o crescimento. Em algumas situações mais raras, no caso de deficiência de hormônio do crescimento ou de condições específicas, o tratamento com injeções de hormônio do crescimento está indicado e é eficaz.



Estratégias que ajudam crianças com TDAH na escola

Da redação

O canto dos pássaros, o bate-papo dos colegas, o barulho do relógio... tudo é motivo para distrair uma criança com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na sala de aula. Assim, a neuropsicopedagoga e parceira da NeuroKinder, Viviani Zumpano, afirma que é preciso muita paciência, criatividade e conhecimentos sobre o TDAH, para ensinar crianças que apresentam o transtorno. 

"Estudantes com TDAH costumam ter notas baixas e, muitas vezes, são repreendidos e punidos, o que pode levar à baixa autoestima e aversão à escola. O professor precisa entender que o aluno tem potencial para aprender, mas os métodos precisam ser adaptados para o funcionamento de quem tem TDAH.", afirma.

Para a especialista, o princípio básico para ensinar crianças com TDAH começa a partir de três pontos: acomodação, instrução e intervenção. "O primeiro diz respeito ao que o professor pode fazer para facilitar a aprendizagem. O segundo é sobre os métodos que o professor usa para ensinar e o terceiro são os meios de reduzir os comportamentos que perturbam a concentração e distraem os outros alunos. Mas, é sempre bom lembrar que a atitude positiva do educador é crucial", diz Viviani.

Para entender melhor, ela lista dez itens que podem ajudar os professores a extrair o potencial de crianças e adolescentes com TDAH:

1. Lugar estratégico: Acomode o aluno longe de distrações (como  janelas/portas). Escolha lugares perto de outros alunos que possam dar bons exemplos e até ajudá-lo. O lugar também deve ser próximo da mesa do professor.

2. Informações claras: Seja sempre muito claro sobre as tarefas, tanto as de sala de aula quanto as lições de casa. Dê prazos e estabeleça regras.

3.  Abuse de recursos: Use gráficos, planilhas, imagens, listas e cores diferentes para ensinar as matérias.

4. Por partes: Como a concentração e atenção são afetadas no TDAH, procure dividir as atividades em blocos. Procure passar uma instrução por vez, de preferência fazendo contato visual.  

5. Combine sinais com o aluno: Crie sinais para se comunicar com o aluno sobre os comportamentos esperados, pro exemplo, prestar atenção na matéria, fazer a tarefa proposta, etc. Pode ser um sinal com a mão, um toque no ombro, etc. Se precisar chamar a atenção, faça isso em particular, jamais na frente dos outros alunos. Caso o comportamento não esteja afetando os outros alunos, procure ignorar.

6. Adequação das avaliações: Se for possível, dê provas e testes desmembrados e com poucas questões. Evite questões com mais de um item. Alunos com TDAH tendem a responder somente o primeiro item. Além disso, o ideal é que esses alunos tenham pelo menos 50% de tempo a mais para fazer as provas. Substituir as provas por trabalhos também pode ser uma opção.

7. Reforço positivo: Quando o aluno completar uma tarefa/lição proposta elogie pontualmente. O reforço positivo é fundamental para quem tem TDAH.

8. Organização: Ajude o aluno a organizar os materiais das aulas, separando as matérias em pastas/cadernos diferentes.

9. Exponha-o somente no momento certo: Evite fazer 'chamada oral' com esse aluno quando ele não está prestando atenção, pois ter que responder uma questão publicamente pode deixá-lo nervoso.  

10. Relação com os pais: Mantenha um canal de comunicação diário com os pais. O acompanhamento do TDAH envolve pais, educadores e profissionais de saúde. Todos precisam se unir para ajudar o aluno em todos os aspectos.

Além disso, a especialista ressalta que, em muitos casos, o ensino precisará ser individualizado para que o aluno consiga vencer suas dificuldades e desenvolver o potencial.



terça-feira, 19 de setembro de 2017

Médico explica diferenças entre métodos de emagrecimento

Da redação

De acordo com o Ministério da Saúde, um em cada cinco brasileiros é obeso e mais da metade da população tem excesso de peso. A obesidade tornou-se a doença adquirida que mais preocupa os pesquisadores no mundo, se tornando uma questão de saúde pública. Ainda segundo o órgão, nos últimos 10 anos, a obesidade no Brasil aumentou em 60%, passando de 11,8% em 2006 para 18,9% em 2016. O médico especialista em gastroenterologia, cirurgia e endoscopia, Mauro Jácome, explica a diferença entre eficazes tratamentos para emagrecer.

Independentemente do método de emagrecimento, paciente deve passar por uma reeducação alimentar | Foto: Divulgação
Risco para uma série de doenças como doenças cardiovasculares e ortopédicas, diabetes, aumento da incidência de tumores, entre outras, a obesidade reduz drasticamente a expectativa de vida. Devido a isto, é fundamental buscar uma vida mais saudável. Há pessoas já tentaram as mais diversas dietas para emagrecer, com resultados frustrados. Entretanto, quando a perda de peso é urgente, há métodos que podem auxiliar o processo, que deve, também, passar por uma reeducação de hábitos. 

Cirurgia bariátrica: Invasiva, requer anestesia geral e cortes. Ela é recomendada para obesos mórbidos, com IMC igual ou superior a 40 ou pessoas com IMC superior a 35 que possui doenças associadas geradas pela obesidade. A cirurgia demora cerca de 2 horas e o paciente fica internado por cerca de quatro dias. O repouso varia de duas semanas a um mês. Proporcionalmente, é como transformar um recipiente de um litro em uma xícara de café. Deve ser a última opção para quem precisa emagrecer. Perspectiva de perda de peso: cerca de 25% a 35%.

Balão intragástrico: O balão é indicado para quem tem IMC entre 27 e 32,7, quem não obteve resultado com outros procedimentos, quem tem problemas associados ao excesso de peso como colesterol alto, doenças ortopédicas, diabetes, entre outros. Ele também pode ser colocado em pessoas com IMC entre 32 e 50 que não desejam realizar cirurgia bariátrica e com IMC acima de 50 apenas quando elas estão em fase pré-operatória de redução e precisam perder um pouco de peso antes do procedimento. O procedimento dura cerca de 30 minutos, sem repouso e os efeitos colaterais leves em relação à bariátrica. Perspectiva de perda de peso: cerca de 20% a 30%.

Gastroplastia endoscópica: procedimento intermediário entre a bariátrica e o balão, a gastroplastia também se trata de um procedimento cirúrgico, entretanto, por ser realizado por endoscopia oral, é menos invasivo. Vulgarmente falando, é como se desse uma ‘bainha’ em uma extremidade do estômago através de endoscopia. Apesar de mais simples, o método exige anestesia e deve ser realizado somente em ambiente hospitalar. Como resultado, o paciente passa a ter um reservatório gástrico entre 50% e 60% menor e, desta maneira, reduz sua alimentação diária, promovendo o emagrecimento. O paciente recebe alta no mesmo dia e retoma as atividades em uma semana. Obesos leves e moderados (graus I e II), com índice de massa corporal (IM C) de 30, podem realizar o procedimento. Perspectiva de perda de peso: cerca de 25 a 35%.

Remédios para emagrecer: Quando prescritos por profissionais habilitados, tornam-se uma ferramenta no combate à obesidade se associados à mudança de hábitos alimentares e à introdução ou o aumento de atividades físicas. Na opinião do médico funciona apenas como um gatilho para auxiliar o paciente a começar a perda de peso, não sendo recomendado o uso constante e sem prescrição. Perspectiva de perda de peso: cerca de 15 a 20%.



sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Relacionamentos sociais são mais importantes para a felicidade do que o dinheiro, dizem especialistas

Da redação

Recentemente, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou dados da Sondagem do Bem-Estar mostrando que quanto mais alta a renda do brasileiro, maior a posição no ranking da satisfação com a vida. Entretanto, as pesquisas internacionais que estudam a felicidade mostram que o dinheiro só traz felicidade, quando tira as pessoas da pobreza extrema para a classe média. Deste ponto em diante, o dinheiro tem pouca relação com a felicidade e com o nível de satisfação com a vida.

Nos últimos anos, diversos pesquisadores têm se preocupado em desvendar as relações entre felicidade e saúde mental. Segundo o psicólogo Ed Diener, que passou os últimos 30 anos estudando a felicidade, quanto mais a pessoa se liga aos valores e bens materiais, à aparência física e ao status, menor será seu índice de felicidade.

Renda X felicidade
De acordo com a psicóloga, neuropsicóloga e cofundadora da Estar Saúde Mental, Carolina Marques, em países como Estados Unidos e Inglaterra, por exemplo, na medida em que a renda aumentou, os níveis de felicidade diminuíram. Apesar de o dinheiro ser um meio para satisfazer as necessidades básicas, a busca por uma renda maior pode minar a felicidade e a satisfação com a vida.

“Notamos que mesmo com o aumento da renda, a felicidade não cresce na mesma proporção. Pelo contrário, hoje a depressão já é a segunda causa de afastamento do trabalho, o número de suicídios entre os jovens aumentou, as crianças estão apresentando precocemente transtornos psiquiátricos e o estresse já atinge 70% da população economicamente ativa no Brasil”, diz Carolina.

As chaves para a felicidade
Os estudos sobre a felicidade ao longo dos anos têm apontado diversos fatores para aumentar a felicidade e o nível de satisfação com a vida. Porém, dois são considerados a base por serem mais duradouros que os demais: vínculos sociais fortes e ter um propósito para se dedicar. Mas, para Carolina, ao contrário, estamos vivendo um empobrecimento das relações sociais muito preocupante, e este pode ser um fator diretamente ligado à queda dos níveis da felicidade.  


 A Receita da felicidade
Segundo o geneticista David Lykken, da Universidade de Minnesota (EUA), 50% de satisfação com a vida é genética. Mas estudos posteriores ao de Lykken mostraram que mesmo que os genes não ajudem, a felicidade pode ser cultivada e foi assim que surgiu a chamada psicologia positiva.

“Mesmo que a pessoa tenha uma predisposição genética para a tristeza ou para a negatividade, é possível treinar o cérebro para ser feliz e satisfeito com a vida. Além de estabelecer vínculos afetivos fortes com amigos e familiares, podemos colocar em prática outros comportamentos que podem nos ajudar a alcançar a felicidade”, explica Carolina.

Dicas para ser mais feliz:

1. Pratique a gratidão: A gratidão aumenta nosso grau de satisfação com a vida, nos mantêm positivos e com a autoestima elevada. Isso porque ativa o sistema de recompensa do cérebro e desencadeia uma “explosão” de neurotransmissores capazes de proporcionar sensação de bem-estar, prazer e tranquilidade. É um verdadeiro antídoto contra as emoções negativas.

2. Seja bondoso e altruísta: Um estudo feito pela Universidade de Stanford (EUA) mostrou que pessoas que ajudam ao próximo são mais felizes, especialmente se não contarem a ninguém e não esperarem nada em troca. Isso porque o altruísmo promove o desenvolvimento do senso de significado para a vida e ativa o sistema de recompensa do cérebro.

3. Faça  massagem: A massagem é capaz de reduzir em até 31% os níveis de cortisol, segundo um estudo do Instituto de Pesquisas do Toque da Universidade de Miami (EUA). A massagem aumenta os níveis da serotonina e da dopamina, hormônios relacionados ao prazer e bem-estar.

4. Respiração: Vivemos na era do instantâneo, do imediato e isso gera consequências no funcionamento do organismo. Uma técnica importante para acalmar o corpo e voltar ao normal depois de um evento estressante é praticar a respiração diafragmática, que ajuda a diminuir os níveis de cortisol restaurando o equilíbrio do corpo e da mente.

5. Medite: Uma pesquisa da Universidade da Califórnia (UCLA), em 2009, constatou que a meditação aumenta a capacidade de cultivar emoções positivas, manter-se equilibrado, reduzir o nível de estresse e estimular o bom funcionamento do sistema imunológico. Também influencia nos neurotransmissores responsáveis pela sensação de prazer e bem-estar.

6. Encontre seus pontos fortes e expresse-os: Podemos desperdiçar muito tempo tentando consertar nossas fraquezas e isso é ruim para o nível de satisfação com a vida. Em vez disso, procure identificar quais são seus pontos fortes e suas melhores competências. A partir daí, procure sempre colocá-las em prática.

7. Ache seu propósito: Já dizia Nietzsche: quem tem um “porquê” para viver pode lidar com qualquer “como”. A sensação de contribuir para algo importante traz significado para a vida

“Acredito que a discussão sobre a felicidade é muito importante. Essa pesquisa da FGV nos faz lembrar que o dinheiro é importante, porém, a felicidade é um fenômeno predominantemente subjetivo, estando subordinada mais a traços de temperamento e postura perante a vida do que à  renda. Temos outros pontos mais relevantes que precisamos prestar atenção se realmente desejamos ser felizes e satisfeitos com a vida. Como vimos nas pesquisas globais sobre o assunto, a felicidade não está nos bens materiais, e sim nas relações sociais e nos pequenos detalhes do nosso dia a dia. Cabe a nós despertarmos a tempo e dar valor ao que realmente importa”, conclui Carolina.




Auto Shopping Global comemora aniversário com Orquestra Sinfônica e Festival Gourmet

Da Redação

Neste fim de semana (16 e 17), o Auto Shopping Global será palco para duas grandes atrações inéditas no espaço: Festival gastronômico e também a apresentação da Orquestra Sinfônica de Santo André.

O Festival, denominado 1º Rolê Gourmet FESTIVAL, acontecerá em ambos os dias à partir das 12h. De acordo com André Moreno Vargas, diretor administrativo do Global, os visitantes terão 14 opções entre Food Trucks e Food Bikes, além de um Beer Truck patrocinado pela cervejaria Madalena. “Hambúrgueres, pratos, petiscos e deliciosos doces farão a alegria de toda a família que poderá vir ao espaço almoçar, jantar ou até mesmo para um happy hour”, diz. André complementa que terá ainda música ao vivo, espaço kids e estrutura para receber os pets.

Foto: Arquivo

Luciana Bonfim, organizadora do evento selecionou um cardápio exclusivo e bem variado para agradar todos os paladares. “Teremos hambúrguer de Wagyu, o famoso Kobe Beef, considerada a carne bovina mais nobre. Entre os doces, destacam-se o Glass Cake e o Sweet Gateu”, explica Luciana.

Já a Orquestra Sinfônica de Santo André se apresentará somente no domingo à partir das 11h no espaço interno do Shopping sob a batuta do Maestro Abel Rocha. “É a primeira vez que teremos um concerto no Global. Estamos muito orgulhosos e felizes em poder proporcionar uma atração cultural tão rica ao munícipe de Santo André gratuitamente. O aniversário é nosso, mas quem ganha certamente são as pessoas que fazem esta cidade acontecer”, complementa o diretor.

O repertório será bem amplo e eclético, com canções como: George Bizet “Carmen”, John Williams “Suíte Star Wars” e Johann Strauss “Tritsch-Tratsch Polka”. Grandes clássicos nacionais, como: “O Guarani” e “Adoniran Barbosa” prometem encantar e emocionar o público.

O espaço tem capacidade para 300 pessoas sentadas e os lugares não serão reservados. Os organizadores recomendam chegar com antecedência para garantir seu lugar e melhor acomodação.


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Mudar é a opção saudável

*Por Ana Paula Bedin

Mudar a maneira como as pessoas pensam a alimentação. Esse é o principal benefício do recente estudo  Prospective Urban and Rural Epidemiological Study (PURE), publicado na última semana pelo The Lancet, um dos mais renomados periódicos científicos do mundo. O artigo sugere que as recomendações atuais para limitar a ingestão de gordura total para menos de 30% das calorias e ingestão de gordura saturada para menos de 10% das calorias estão equivocadas. Em outras palavras, o estudo põe em cheque a gordura como causa principal de doenças cardiovasculares e aumento da mortalidade.

Nutricionista Ana Paula aposta na tendência low carb | Foto: Divulgação


Os pesquisadores da Universidade McMaster e da Hamilton Health Sciences, ambas no Canadá, acompanharam a alimentação de 135.000 pessoas em 18 países por mais de 7 anos. Os resultados apontaram que a ingestão de gorduras não foi associada a doenças cardiovasculares, infarto do miocárdio ou mortalidade por doenças cardiovasculares, enquanto a gordura saturada teve associação inversa com AVC. 

De forma bem simplista, as estatísticas da pesquisa mostram que o consumo moderado de gorduras, equivalente a 35% das calorias diárias, incluindo a tão temida gordura saturada, está associado a uma longevidade maior. Os cientistas sugerem na pesquisa que os carboidratos – quando consumidos de forma excessiva - seriam os verdadeiros vilões da morte por doenças cardiovasculares. 

O que o PURE traz de inovador na verdade é o fato de que precisamos rever nossas diretrizes. Urgentemente! Rever a distribuição de macronutrientes (carboidratos, proteínas e gorduras) na dieta, perder o medo da gordura natural dos alimentos e passar a rever produtos industrializados refinados ou integrais vendidos como opções saudáveis. 

Trata-se de uma mudança de paradigmas. De fato, estamos comendo mal, mas mais do que isso, estamos fazendo opções erradas. A tendência low carb é uma maneira de alimentar-se com comida de verdade, sem aditivos, açúcares, farinhas ou gordura trans, com sabor de vida longa, com equilíbrio de nutrientes. É um retorno à cozinha e às nossas origens.

*Ana Paula é nutricionista, especialista em nutrição preventiva e dietas low carb



Clube Aramaçan sedia evento gratuito voltado às noivas e debutantes

Da Redação Para quem está prestes a casar ou completar 15 anos, o Clube Atlético Aramaçan, em Santo André, sedia neste domingo (25) o Enco...