terça-feira, 30 de abril de 2019

Vinhedo sedia "Festival do Japão" em maio

Redação

A tranquila e bucólica cidade de Vinhedo se transformará em um mini Japão, nos dias 11, 12, 18 a 19 de maio, com o 10º Festival do Japão, no Parque Municipal Jayme Ferragut (Avenida Apparecida Tellau Seraphim). O evento integra o calendário oficial da cidade e deve receber mais de 25 mil pessoas nos quatro dias do festival.

Vinhedo Plaza Hotel é opção de hospedagem, para quem vai curtir o "Festival do Japão" |  Foto: divulgação 

O Festival do Japão cresce ano a ano e hoje é um dos principais eventos não apenas de Vinhedo, mas de toda a região. Recebe milhares de visitantes de diversas cidades e ajuda a movimentar a economia local, sem contar que é um dos eventos mais aguardados do ano. O festival é uma realização da ACE Nikkey de Vinhedo, com apoio da prefeitura.

No festival haverá exposições, vendas de produtos, área gastronômica com diversos pratos da culinária japonesa, apresentações de taiko, cosplay, shows típicos e grupos folclóricos. O ingresso pode ser trocado por um quilo de alimento não perecível, que será doado às instituições de caridade locais.

Vinhedo Plaza Hotel é opção de hospedagem

Quem pretende curtir a festa e quer dar uma esticadinha na cidade, uma dica é hospedar-se no Vinhedo Plaza Hotel, que possui 85 apartamentos, todos equipados com cofre, tv a cabo, telefone, frigobar, aquecimento central, internet e ar condicionado, além de isolamento acústico.

Para o lazer, o empreendimento dispõe de três piscinas, infantil, adulto e uma adaptada para pessoas com necessidades especiais, sauna úmida, playground, brinquedoteca, quadra te tênis, quiosque para churrascos, além de bar de piscina, restaurante e quatro salas de eventos que chegam a comportar mais de 300 pessoas.

Estudante de Santo André vence fase regional de concurso internacional de redação

Da Redação

O vencedor regional da 48ª edição do Concurso Internacional de Redação de Cartas, promovido pela União Postal Universal (UPU) e realizado no Brasil pelos Correios, é Artur Longarini Neves, estudante de 13 anos, que cursa o 8º ano do Ensino Fundamental, no Colégio Pentágono, em Santo André (SP).

O aluno e a escola receberão certificado, além das premiações de R$ 2 mil e R$ 2,5 mil, respectivamente.

O tema deste ano foi "Escreva uma carta sobre o seu herói". O objetivo do Concurso Internacional de Redação de Cartas é melhorar a alfabetização por meio da arte epistolar. O concurso anual incentiva as crianças e adolescentes a expressarem sua criatividade e melhorar seus conhecimentos linguísticos.

Além de Artur, foram classificados, em segundo e terceiro lugares, respectivamente, Camila Velasco Rodon, 14 anos, do 9º ano do Ensino Fundamental, do Colégio Jean Piaget, de Santos (SP), e Camila Pedrosa da Cunha, 13 anos, do 8º ano do Ensino Fundamental, do Centro Educacional Objetivo Unidade Campestre, de Santo André (SP).

Os estudantes e as escolas representantes também receberão premiações.

O resultado nacional do concurso será divulgado no dia 2/5, no site dos Correios.

Colégio Singular tem feira de adoção de animais

Redação

Neste sábado (4), a partir das 9h, o Colégio Singular São Bernardo (Rua Itu, 201, Baeta Neves) promoverá uma Feira de Adoção Especial de Animais, por meio da Equipe Singulariana de Proteção Animal (ESPA).  A entrada é gratuita, aberta para a comunidade. 

Feira ocorre na Rua Itu, 201, Baeta Neves, em São Bernardo do Campo | Foto: divulgação 

Para adotar um animal é necessário ser maior de 18 anos, ter a concordância de toda a família e levar comprovante de endereço. Nesse dia, os interessados também receberão informações sobre guarda responsável, cartilhas explicativas e orientações jurídicas.

Além de todo trabalho de conscientização, o evento ainda contará com outras atividades como oficinas e narração de histórias, venda de camisetas personalizadas da ESPA, roupas e camas para pets. Também serão aceitas doações de ração para ONGs e protetores de animais cadastrados.

As artérias entupidas das pernas afetam mais os homens

Redação 

A doença arterial periférica dos membros inferiores, pode ser entendida como obstrução das artérias dos membros inferiores, atinge 10% a 25% da população, preferencialmente masculina, fumantes, com distúrbios do colesterol, vida sedentária, hipertensos ou diabéticos e, especialmente, pessoas a partir dos 55 anos. Ocorre de modo geral quando placas de gordura se acumulam na parede das artérias, que levam sangue para as pernas, causando o estreitamento da passagem do sangue ou obstrução completa.

“O diagnóstico se baseia na história, avaliação do membro isquêmico e exames como o ultrassom Doppler, tomografia, ressonância ou arteriografia digital”, explica o  especialista em Angiorradiologia, Airton Mota Moreira

Os sintomas mais comuns incluem dor muscular de perna, coxa ou quadril, com prejuízo da caminhada (perna que trava) que é aliviado com o repouso. Em quadros mais graves, com pior circulação, a dor torna-se continua e podem surgir feridas. Nestes casos, pode haver necessidade de amputação.

Para diagnosticar o problema há diversos exames, conforme comenta o médico especialista em Angiorradiologia, Airton Mota Moreira, do  Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa (CRIEP). “O diagnóstico se baseia na história, avaliação do membro isquêmico e exames como o ultrassom Doppler, tomografia, ressonância ou arteriografia digital”, afirma.

O tratamento será conforme o grau de isquemia, por meio do uso de medicamentos e exercícios, para casos leves. Em alguns casos, haverá necessidade de Angioplastia percutânea ou cirurgia para reconstituir a chegada de sangue. A angioplastia é tratamento minimamente invasivo realizado por meio da dilatação dos estreitamentos arteriais utilizando cateteres-balões ou implante de stents. O acesso poderá ser feito a partir de uma artéria periférica, com auxílio de raios x.

“Normalmente utilizamos anestesia local, e o paciente fica na unidade hospitalar por pelo menos 24 horas para controle clínico. Utilizando técnicas modernas como estas, se diagnosticada a tempo, podemos evitar e tratar a isquemia descompensada dos membros, com mínimo risco de complicações, se comparado à cirurgia convencional, assim como evitar amputações desnecessárias”, finaliza Moreira.

Transpiração excessiva tem tratamento

Redação

Em torno de 3% da população mundial sofre com o suor excessivo ou hiperidrose, segundo dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). A instituição também revela que entre as pessoas que possuem a doença, 40% convivem com o problema sem buscar por nenhum tipo de tratamento.

A hiperidrose pode acometer com maior frequência as áreas das axilas, pés, mãos e rosto, mas pode se fazer presente em qualquer outra parte do corpo | Foto: reprodução

Produzido pelas glândulas sudoríparas da pele, o suor tem a função de manter a temperatura do corpo, que deve ficar em torno de 36 graus Celsius. A quantidade de transpiração produzida e liberada por um ser humano pode variar de acordo com a idade, sexo e habitat. O suor pode ser provocado por ambientes quentes, atividades físicas, doenças, distúrbios emocionais e dentre outros. Sendo inodoro ao ser eliminado, o suor somente pode provocar mau cheiro quando é mantido na pele por muito tempo e, assim, torna a área propicia ao surgimento e aglomeração de bactérias.

Sendo um componente importante para a saúde do nosso corpo, o suor é uma manifestação comum do organismo para se manter em equilíbrio. De acordo com a dermatologista e membro SBD, Teresa Noviello, a sudorese excessiva pode acometer com maior frequência as áreas das axilas, pés, mãos e rosto, mas pode se fazer presente em qualquer outra parte do corpo.

“Na maioria das situações, as pessoas com esta condição sempre estão com as mãos e pés molhados e gelados, e ainda podem sofrer com o aparecimento de manchas e mal cheiro nas roupas, algo que destrói a autoconfiança e a autoestima. Além de causar um grande incomodo estético, a condição também pode atrapalhar as relações sociais e profissionais”, explica.

A hiperidrose pode surgir em consequência de quadros de hipertireoidismo, obesidade, menopausa, distúrbios psiquiátricos, ansiedade e nervosismo, ou mesmo pela existência de um histórico familiar com o problema. “O início dos sintomas do distúrbio pode ocorrer na infância, adolescência ou idade adulta. Geralmente, a hiperidrose não influi na ocorrência de outras doenças e está mais associada a tendências íntimas e circunstâncias inquietantes e de estresse”, esclarece.

Teresa aponta que antes de optar pela realização de qualquer tratamento, o paciente deve procurar por um médico, pois, somente ele poderá identificar e recomendar os cuidados e procedimentos adequados para o controle de cada caso. “Em episódios menos intensos da hiperidrose e que se concentram nas axilas, o uso de desodorantes, antitranspirantes e antiperspirantes pode ser uma boa opção”, aconselha.

Já para situações mais graves e que atingem outras partes do corpo existem outras alternativas de tratamentos como os cirúrgicos (simpatectomia), não-cirúrgicos e o uso de medicamentos por via oral. “Um método muito usado por nós dermatologistas é a aplicação de Botox, de tempos em tempos, nos locais afetados. É um tratamento temporário, mas que perdura por um bom tempo”, indica.

segunda-feira, 29 de abril de 2019

Summit Vale do Sonho Hotel & Eventos é opção para celebrar o Dia das Mães

Redação

No Dia das Mães, o Summit Vale do Sonho Hotel & Eventos, em Guararema tem pacotes especiais para comemorar a data. Localizado a cerca de 80 quilômetros de São Paulo, os viajantes contam com localização privilegiada, além de ótima estrutura do hotel.

Summit Vale do Sonho Hotel & Eventos está localizado em Guararema | Foto: divulgação

As acomodações são equipadas com WiFi, banheiro privativo, frigobar, TV e ar condicionado – os chalés possuem sala e varanda com rede. Há também instalações especiais para quem possui alguma necessidade especial ou mobilidade reduzida equipadas com todo conforto.

Já a estrutura de lazer tem piscinas climatizadas para adultos e infantil, cascata, toboágua, sala de jogos e TV, quadra poliesportiva, playground, mini tirolesa, sauna e uma linda vista para o rio Paraíba do Sul.

A programação do hotel para a data foi preparada para agradar toda família e inclui: brinde para as mães, monitoria para recreação infantil e almoço especial de domingo.

E para quem quiser passear na região há diversas atrações como a Ilha do Pau D'alho, Igreja de Nossa Senhora da Escada – que possui a única imagem de São Longuinho no Brasil - o Parque Municipal da Pedra Montada, além do Centro Artesanal, passeio de Maria Fumaça, Orquidário e alambiques artesanais. Tudo isso sem contar o ambiente de interior e tranquilidade, que tornam a cidade uma  opção para passar bons momentos com a família.

Para o Dia das Mães, o Summit Vale do Sonho Hotel & Eventos tem pacotes especiais. Mais informações e reservas pelo site www.valedosonho.tur.br, (11)4693-1894 ou pelo WhatsApp (11) 97147-9683.

Salão de Arte Luiz Sacilotto recebe mais de 40 trabalhos

Redação

A 47º edição do Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto foi aberta na última quinta-feira (25), no Salão de Exposições do Paço Municipal, em Santo André. Interessados podem visitar gratuitamente a mostra até 13 de julho.

Mostra fica em cartaz até 13 de julho | Foto: Alex Cavanha/PSA

Este ano, o salão traz 42 trabalhos, produzidos por 21 artistas selecionados. São pinturas, desenhos, ilustrações, intervenções e instalações, entre outros, criados por diferentes meios e técnicas, incluindo digitais e analógicas, linguagens híbridas e processos colaborativos, além do uso de variados suportes, temas e abordagens.

As visitas poderão ser feitas de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h. O acesso ao Salão de Exposições é feito pelo saguão do Teatro Municipal, que fica na Praça IV Centenário, s/nº, Centro.


Veterinária fala sobre alimentação natural para animais

Redação

Garantir que um cão ou gato se alimente bem é uma das principais preocupações para quem tem um pet. Uma dieta equilibrada e rica em nutrientes evita uma série de doenças. Na hora de escolher o alimento as opções são muitas. Uma das opções é a alimentação natural para pets. Por ser um assunto relativamente novo, a veterinária Livia Romeiro, do Vet Quality Centro Veterinário 24h, esclarece algumas dúvidas.

Quem optar em mudar o cardápio de um animal, deve consultar médicos veterinários especializados em nutrição | Foto: Freepik

Qual é a base da alimentação de um animal?
Cães e gatos são fisiologicamente carnívoros. Por isso, a alimentação deve ser preparada com a composição adequada de proteína animal. Os cachorros são descendentes de lobos e seu código genético é muito próximo aos amigos da alcateia.

Os gatos são carnívoros estritos e necessitam de mais proteínas do que os humanos. A menor quantidade de dentes molares e pré-molares em comparação com os cães, estômago reduzido e intestino curto não combinam com excesso de fibras e carboidratos.

O que é alimentação natural para pets?
É uma alternativa de dieta balanceada, criada com ingredientes naturais cozidos e congelados. Mas isso não significa  poder oferecer para um pet o mesmo alimento que um ser humano come. A ideia de que os animais devem comer os restos do jantar está longe de ser saudável e segura.

Alimentação natural ou ração?
A alimentação natural foi, durante muito tempo, a única forma pela qual os pets se alimentavam. Quando eles passaram a fazer parte da família, comiam basicamente os restos de comida para humanos.

As rações industrializadas existem no mercado brasileiro há mais ou menos 50 anos. Elas são preparadas por meio de uma fórmula que contabiliza os nutrientes básicos que não podem faltar na dieta dos animais.

A diferença entre ambas é que os alimentos naturais são mais frescos e não possuem aditivos químicos, corantes ou estabilizantes. Além disso, as rações são compostas com uma quantidade maior de carboidratos em relação às proteínas e gorduras.

Quais são os nutrientes necessários para um animal?
Uma dieta equilibrada deve conter proteínas, gorduras de boa qualidade, carboidratos, fibras, vitaminas, minerais e água.  Também são necessários suplementos minerais para manter a porcentagem dos nutrientes que os pets precisam. Probióticos e pré-bióticos também devem ser adicionados. Eles mantêm o equilíbrio da flora intestinal.

Os ingredientes utilizados na alimentação natural para animais são os mesmos da alimentação para humanos. Mas, o preparo deve ser completamente diferente. Temperos, alho e cebola podem causar uma séria intoxicação.

Alguns alimentos da lista do que pode ser oferecido aos pets são:

Carnes- carne bovina, frango, carne suína, peru, cordeiro e coelho.

Vegetais- cenoura, abóbora, mandioquinha, batata, batata-doce, inhame, vagem, brócolis, chuchu abobrinha.

Suplementação nutricional – a suplementação vai depender da espécie, estado fisiológico, idade, sexo, condições em que vivem e que tipos de atividades praticam.

É possível escolher entre os três tipos de alimentação natural para pets: cozida, crua com ossos ou crua sem ossos.

A dieta crua com ossos contém carnes, ossos e vísceras cruz. A sem ossos é feita com carnes e vísceras cruas com vegetais e carboidratos cozidos. A dieta cozida é preparada com carnes, vísceras, vegetais e carboidratos cozidos.

É importante ficar atento ao uso de carboidratos. Como a proteína tem um custo alto, muitas pessoas acham que uma grande quantidade de carboidrato irá compensar. Mas isso é um erro que pode levar a problemas de obesidade e diabete.

Qual é quantidade certa de cada ingrediente?
A composição nutricional da comida natural para cachorro deve ser prescrita e assistida pelo médico veterinário nutricionista. Ele vai propor uma dieta de acordo com as características e necessidades nutricionais do pet.

É muito importante que, se você está pensando em oferecer alimentos naturais para um pet, buscar orientação especializada. O animal vai precisar de um tempo de adaptação e isso também é levado em conta na hora do preparo das porções.

Se a pessoa tiver mais de um bicho de estimação, pode ser que a mesma comida não sirva para todos. Tudo vai depender da predisposição genética, se tem doenças crônicas e, principalmente, se é gato ou cachorro.

Assim como ocorre com as rações, os alimentos naturais preparados para cães não devem ser consumidos por gatos. O contrário também não.

Como mudar a alimentação de um pet?
A transição não deve ser feita repentinamente. É necessário preparar o paladar e a fisiologia do animal, para que não haja problemas como diarreia, falta de vitaminas ou anemia.

O processo é menos complicado para os cães, que conseguem se adaptar em até duas semanas. Já os gatos podem levar meses para conseguir entrar em uma rotina alimentar sem ração.

É fundamental é respeitar o gosto e a saúde do animal, se ele estiver apresentando sintomas físicos de rejeição, sinais de desnutrição, ou se ele simplesmente não gostar da textura da comida, consulte o veterinário.

Não existe uma idade certa para a mudança de alimentação. No início, como o organismo precisa de um tempo para se adaptar, o animal pode ter sintomas de desintoxicação, como coceiras, fezes amolecidas, hálito forte e odor corporal.

A comida do animal pode ser preparada pelo dono?
O preparo da comida requer tempo e habilidades. Veja algumas dicas:

Cozinhe cada ingrediente separadamente e pese após o cozimento;
Cozinhe no vapor para preservar os nutrientes;
Não adicione sal, óleo ou ervas sem a autorização do médico veterinário;
Esse tipo de rotina é trabalhoso, mas há no mercado opções de alimentação congelada. No entanto, fique atento às normas de inspeção estadual e federal e tenha a garantia de que está em boas condições de conservação.

Para quem optar em mudar o cardápio de um animal, deve consultar médicos veterinários especializados em nutrição.

Simplificando e desmistificando o Ayurveda

*Ricardo Balsimelli
 
Há cinco mil anos, não se conheciam os elementos que hoje constituem a tabela periódica. Imersos e observadores, os estudiosos da época perceberam que tudo era formado pelos elementos básicos da natureza, considerando-os fundamentais em tudo que compõe o planeta - terra, água, fogo, ar e espaço (ausência de matéria, vácuo). Eles se encontram misturados em diferentes proporções, tendo em sua estrutura as mesmas características dos elementos da natureza que os constituem.

As bases do Ayurveda são os cinco elementos da natureza | Foto: Reprodução

Para a ciência moderna, tudo que existe é formado pelos 118 elementos químicos da tabela periódica, como hidrogênio, oxigênio, carbono etc. Unidos, eles formam diferentes moléculas com estruturas e características específicas. Ao longo de anos de estudos, esses elementos foram isolados, sintetizados e manipulados de modo a serem usados na agricultura, nos remédios, na indústria, na medicina, entre outros. Ao investigar nosso corpo, a ciência descobriu também que o nosso metabolismo depende do trabalho das enzimas (grupos de substâncias orgânicas de natureza que têm funções catalisadoras, catalisando reações químicas que, sem a sua presença, dificilmente aconteceriam). Se fizermos um comparativo com o Ayurveda, não necessariamente temos fogo no corpo, mas o fogo (Ayurveda; natureza) é uma forma de representação da enzima (Ciência Moderna; elementos químicos).

Dessa forma, podemos trazer o Ayurveda para a nossa realidade e para o nosso dia-a-dia de uma maneira muito simples e fácil de se entender. Nas próximas linhas, explicarei como os antigos estudiosos chamavam de elementos da Natureza podem influenciar nos nossos aspectos físicos e mentais, de acordo com as características de cada um deles.

Elemento terra - é o de maior densidade. No ser humano, representa-se em maior quantidade nas estruturas mais sólidas como órgãos e tecidos, ossos, pele, unhas, cabelos. No aspecto mental, a terra traz as qualidades de estabilidade, segurança, confiança, inflexibilidade e rigidez.

Elemento água - mais fluídico. São os líquidos orgânicos como sangue; lágrima; saliva; linfa (parte do sangue que saiu dos vasos e passou pelos tecidos); líquido articular (protege as articulações); líquor (encontrado no sistema nervoso central); menstruação; leite materno; líquido amniótico (protege o feto na gestação) e sêmen. Em nosso corpo, a água tem o papel de proteção, nutrição e lubrificação das estruturas. Sendo assim, seu aspecto psicológico é acolhedor, gosta de nutrir as pessoas, receptivo, cuidador, menos racional e mais emotivo. Sentimentos como ciúme e inveja também são bem presentes nesse caso.

Elemento fogo - presente nas reações metabólicas e manutenção da temperatura do nosso organismo. Na natureza, o fogo transforma, por exemplo, a madeira em cinzas. Em nosso corpo, está relacionado com a digestão (transformação de alimentos em nutrientes e excretas), produção de energia e calor por meio da "queima" de nutrientes, visão (transformação do estímulo da luz em imagem). Psicologicamente, traz o entusiasmo, a alegria, a intensidade, o discernimento (separa o que é bom ou ruim), a raiva, a impaciência e a crítica.

Elemento ar - está na respiração, na porosidade dos ossos (para que sejam mais leves), no oxigênio que circula pelo sangue, e na formação de gases provenientes da digestão. Promove o movimento no corpo – o ar/vento é responsável por balançar os galhos das árvores, espalhar sementes, mover a areia das dunas. No aspecto psicológico, o ar rege os movimentos da mente, pensamentos, desejos (movimento por buscar o que quer), reflexão (movimento em busca de analisar e solucionar), insegurança (por ser de baixa densidade, leve, promove a sensação de "perder o chão"), fluxo de pensamento acelerado, agitação. 

Elemento espaço - presente entre os órgãos, vísceras, tecido conjuntivo (tecido de sustentação), gordura e etc. Mentalmente, representa o espaço entre um pensamento e outro, busca pela espiritualidade, busca pelo que está além do que nossos órgãos dos sentidos conseguem captar.

Agora imagine esses elementos presentes e misturados no nosso corpo.

Sim, é isso mesmo. Na natureza, esses elementos se misturam. Em nosso corpo também. Temos os cinco elementos em diversas proporções, promovendo uma estrutura física, mental e emocional diferentes uns dos outros.

Dentro dessas combinações, o Ayurveda percebeu uma grande afinidade por determinados elementos e o resultado da união entre eles é conhecida como Doshas.

Com a união de terra e água, surge o dosha Kapha, com as características destes dois elementos, promovendo a forma do corpo, lubrificação, nutrição e proteção. Psicologicamente relacionado ao carinho, proteção, estabilidade, amabilidade, acolhimento, gosta de uma rotina bem estabelecida, sensibilidade, doçura, calma e pacifismo. Em casos de desequilíbrio (aumento de Kapha), temos uma produção excessiva de muco (asma, rinite e sinusite), edema (inchaço, excesso de líquido), sensação de peso, letargia, diabetes (excesso de "nutriente" - glicose), obesidade e tumores (excesso de células, excesso de matéria). Psicologicamente, pode apresentar depressão, ciúmes, inveja, tristeza, inércia, passividade, mágoa, rancor, inflexibilidade.

Da união de fogo e água, temos o dosha Pitta, com as características predominantes do fogo, apresentando poucos atributos do elemento água, que nesse caso aparecem como oleosidade da pele e couro cabeludo. Esse dosha está relacionado ao metabolismo e à digestão. Em equilíbrio, apresenta bom apetite e boa digestão, com sensação de leveza após comer, disposição para as atividades diárias, temperatura corporal em 36,5°C bem distribuída pelo corpo, uma boa constituição muscular. Psicologicamente são pessoas de alta produtividade e eficazes, corajosas e ávidas por desafios intelectuais e emocionais, propensas à liderança com boa oratória e influência sobre as pessoas.  Em desequilíbrio, esse dosha promove sensação de calor excessivo, queimação no estômago e refluxo ácido, processos inflamatórios (inflamação tem as mesmas características do fogo apresentando calor, vermelhidão, sensação de queimação, inchaço que corresponde ao elemento água) como gengivite, conjuntivite, tendinite entre outras. Psicologicamente, podem apresentar impaciência, raiva, fúria, irritabilidade, grande necessidade de controle e manipulação sobre as pessoas.

Finalmente temos Vata, proveniente da união dos elementos ar e espaço. Apresenta as características do vento, portanto move o corpo, tem relação com a circulação sanguínea, peristalse (movimentos do sistema digestivo), respiração (fluxo de entrada e saída de ar), fala (movimento do ar saindo do corpo), leveza das estruturas do corpo (se os ossos não fossem porosos seriam muito pesados), audição (o ar faz vibrar o tímpano e propicia o som). Psicologicamente, esse perfil tem boa criatividade (o ar buscando solução para problemas), facilidade para mudanças na rotina (o vento tende a ser irregular na natureza, ora soprando para um lado, ora para outro), gosta de viajar, conhecer culturas novas, desenvolver novas habilidades e aprender coisas. Em desequilíbrio, pode apresentar falta de ar, eructações (arrotos), cólicas por apresentar muitos gases no intestino, alteração na pressão sanguínea e batimento cardíaco, sinais e sintomas de secura no corpo (pois o vento seca, por exemplo, as roupas no varal mais do que o próprio sol) como secura nos olhos, boca, pele, vagina. Esse "secar" também promove redução do volume e da força dos tecidos, gerando unhas e cabelos fracos, perda de peso, perda de massa muscular e fezes ressecadas. Psicologicamente, está relacionado com estados de ansiedade (como um vendaval de pensamentos na mente que leva a atenção para o passado e futuro e não estabiliza no presente), falta de atenção (a mente se move como o vento e não consegue se fixar), insegurança e medo (por estar "leve", perde a sensação de segurança da terra).

Todo esse conhecimento adquirido há milênios apenas observando e comparando nosso corpo com o que ocorre na natureza.

*Ricardo Balsimelli é formado em medicina pela Faculdade de Medicina de Jundiaí, tem pós-graduação em Clínica Médica Ayurvédica pela escola Brahma Vidyalya e em Medicina Ortomolecular pela FAPES.

Especialista esclarece dúvidas sobre exames laboratoriais

Redação

Os procedimentos preparatórios para exames laboratoriais ainda geram inúmeras dúvidas nas pessoas. Para esclarecer isso, a diretora médica de Análises Clínicas do Lavoisier Laboratório e Imagem, Monika Conchon, comenta os principais questionamentos.

Jejum superior a 16 horas causa variações nos testes de sangue | Foto: reprodução

1) Beber água "quebra o jejum"?
O consumo de água não interfere nos resultados da coleta de sangue, em exames que requerem jejum. Já o exame de urina não exige jejum, mas a médica alerta que o excesso de água pode alterar as taxas hormonais, devido à diluição da amostra. "Por isso recomendamos o consumo de, no máximo, 300 ml mililitros de água na noite anterior ao exame", explica Monika Conchon.

2) Medicamentos podem afetar os resultados de exames laboratoriais?
Alguns sim, como o paracetamol e anti-inflamatórios corticoides, que alteram os níveis de glicose no sangue. Na dúvida, a orientação é conversar com o médico e, se for o caso, avaliar a possibilidade de suspender a medicação por alguns dias. Se a interrupção não for possível, é importante sempre avisar o atendente do laboratório para que esse dado seja considerado na avaliação da amostra.

3) Bebida alcoólica e fumo podem alterar os testes?
A bebida alcoólica altera triglicérides e algumas provas hepáticas (fígado). "O ideal é não consumir bebida alcoólica de 24 a 72 horas antes da realização dos exames", recomenda a diretora médica. Já o fumo pode elevar a concentração de substâncias como adrenalina, aldosterona, cortisol e antígeno carcinoembrionário no sangue. O tabagismo também causa a elevação na concentração de hemoglobina, no número de leucócitos e de hemácias e no volume corpuscular médio. O fumo causa ainda a redução na concentração de HDL-colesterol. A especialista do Lavoisier ressalta que o indicado é evitar fumar no mínimo três horas antes da coleta.

4) Menstruação interfere nos exames?
No de urina, sim. Por isso, o ideal é fazer o exame três dias após o período menstrual. Em caso de urgência, a paciente deverá realizar a higiene das áreas genitais com água e sabão, para evitar contaminação, e fazer a secagem dessas áreas no momento da coleta. E utilizar o tampão vaginal para que o sangue menstrual não se misture com a urina.

5) Existe algum impedimento para coletar sangue caso o paciente apresente gripe, resfriado ou febre?
Em tese, não há problema. Aliás, alguns exames são solicitados, porque a pessoa está justamente com febre contínua e a intenção do médico solicitante é verificar se alguma infecção pode ser responsável pelo quadro febril. Mas é importante consultar o especialista ou o laboratório antes de coletar o material, pois em alguns casos pode haver interferência nos resultados, principalmente, em situações destinadas a avaliar aspectos metabólicos e imunológicos.

6) O jejum muito prolongado pode transformar os resultados de exames?
Um jejum superior a 16 horas causa variações nos testes de sangue. Para evitar alterações, a coleta após jejum prolongado não é recomendada.

7) A alimentação pode afetar a análise das amostras de sangue?
O alimento consumido no dia anterior ao do exame pode interferir no resultado da taxa analisada, principalmente a de triglicérides. Monika explica que o paciente com histórico de triglicérides elevado que adotar uma dieta rígida no dia anterior à coleta, ou o paciente com nível de triglicérides normal que consumir alimentos mais gordurosos do que o habitual, obterá resultados "falsos". A taxa provavelmente será mais baixa no primeiro caso e mais alta no segundo.

8) Quando a orientação do meu médico é uma e a do laboratório é outra, com qual recomendação devo seguir?
A boa prática laboratorial sugere que, para cada exame, há a necessidade de orientação específica. Desta forma, as recomendações dadas ao paciente não podem ser generalizadas e aplicadas rigorosamente. Cada paciente, cada exame e cada situação devem ter suas particularidades analisadas de forma a obter o maior grau de confiabilidade dos resultados. A diretora médica de Análises Clínicas do Lavoisier aconselha o paciente a entrar em contato por telefone com o laboratório e confirmar os procedimentos que antecedem as coletas, para evitar equívocos.

9) Como deve ser coletada a urina?
Utilizar preferencialmente a primeira urina da manhã, descartando o primeiro jato para evitar a contaminação por células e secreções presentes na uretra, sobretudo se houver alguma inflamação ou infecção. Para coletar em outro horário do dia, é preciso permanecer pelo menos duas horas sem urinar, antes de recolher a amostra. O ideal é que seja colhida em frasco apropriado, fornecido pelo laboratório ou adquirido na farmácia, seguindo cuidadosamente as orientações de higienização e conservação recomendadas, e seja entregue o mais rápido possível.

10) Para que serve o Teste do Pezinho?
O Teste do Pezinho é um exame laboratorial simples, cujo objetivo é detectar precocemente doenças metabólicas, genéticas e infecciosas que poderão causar lesões irreversíveis no bebê. A maioria das doenças pesquisadas pode ser tratada com sucesso, desde que diagnosticadas antes da manifestação dos primeiros sintomas. A coleta deve ser feita entre o 3º e o 30º dia de vida, de preferência na primeira semana de vida. Quanto mais cedo for realizada, mais precoces serão o diagnóstico e o início do tratamento, se este for necessário.

sexta-feira, 26 de abril de 2019

Falta de higiene é a principal causa de câncer no pênis, que pode levar a amputação

Redação

Para alguns, parece óbvio; para outros nem tanto. Mas a higiene do pênis é fundamental para proteger contra doenças e manter em alta a performance sexual. A falta de higiene íntima, tanto para o homem quanto para mulher, pode acarretar em inflamações e irritações na área genital, que vão desde coceiras até infecções graves por fungos e bactérias. Em casos ainda mais críticos, pode ocasionar o câncer de pênis. Segundo dados do comitê científico do Instituto Lado a Lado pela Vida, todos os anos cerca de 1, 6 mil homens precisam amputá-lo parcial ou totalmente no Brasil por causa do câncer no membro.

A limpeza correta da genitália evita doenças sexualmente transmissíveis, diminuindo as chances de desenvolvimento do câncer | Foto: Freepik

Embora seja difícil de acreditar, a falta de higiene é a principal causa de câncer de pênis. Isso porque a limpeza correta da genitália evita doenças sexualmente transmissíveis, diminuindo as chances de desenvolvimento da doença, segundo o urologista Aguinaldo Nardi , que é membro do comitê científico do Instituto Lado a Lado pela Vida.

“Há uma forte associação entre a presença do prepúcio (pele que recobre a glande ou cabeça do pênis) e o surgimento do câncer peniano. Além disso, as DSTs caminham lado a lado com este tipo de câncer”, explica Nardi.

De acordo com o urologista, muitos homens acreditam que estão fazendo a higiene adequada do pênis durante o banho, mas podem estar se esquecendo de detalhes simples. Por isso, o especialista listou três dicas básicas e muito importantes que vão ajudar os homens a manterem a limpeza e a saúde.

1 – Puxe o prepúcio 
Segundo Nardi, a limpeza envolve puxar o prepúcio até o aparecimento total da glande (cabeça do pênis). “Passe água com espuma de sabão ou sabonete sobre a superfície da mucosa e/ou pele suavemente, até sair toda a camada de gordura acumulada", explica o urologista.

A essa gordura é dado o nome de esmegma. Ela é uma secreção branca composta de células descamadas da pele e óleos produzidos por glândulas penianas, e precisa ser retirada completamente, para que seja afastado o risco de proliferação de bactérias e fungos no local.

2 – Tome banho depois do ato sexual
Este é um ponto importante destacado pelo médico: a limpeza adequada do pênis depois do ato sexual, pois ela ajuda a remover resíduos de sêmen e excesso de lubrificante do preservativo. A higiene também serve para retirar o muco da lubrificação natural da mulher junto com resíduo de secreção espermática, após a ejaculação, já que ambos são ricos em substâncias que servem como meio de cultura para bactérias e fungos.

3 – Use preservativo em qualquer relação sexual
O uso de preservativos em qualquer relação sexual é fundamental. Essa atitude previne contra o vírus HIV e as demais doenças sexualmente transmissíveis, como HPV, herpes genital, gonorreia, hepatite B e C e sobretudo sífilis, doenças que vem apresentando aumento no número de ocorrências no Brasil, acompanhando uma tendência mundial.

Câncer de pênis tem maior incidência no Norte e Nordeste

Entre os fatores de risco para que o pior aconteça, o especialista menciona a fimose, que impede a exposição da glande, por causa do estreitamento do prepúcio, o acúmulo de esmegma e, principalmente, a falta de informação. “Pessoas em situação socioeconômica desfavorável, moradoras das regiões mais carentes, são as mais afetadas pelo câncer de pênis”, explica o especialista.

Apesar de rara nos países europeus e América do Norte, esse tipo de tumor é uma condição frequente em muitos países africanos, sul americanos e asiáticos. No Brasil, ele representa 2% de todos os tipos de câncer que atingem o homem, sendo mais frequente nas regiões Norte e Nordeste. O número de mortes chega a 400 por ano, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA).

Dados da literatura brasileira demonstraram que dos pacientes com câncer de pênis, 75% eram brancos, 23% negros e 2% orientais. Cerca de 90% dos casos são oriundos do Sistema Único de Saúde (SUS). Isso sugere que o câncer de pênis tende a afetar os mais pobres, não circuncidados e com hábitos precários de higiene.

Mesmo com todos os cuidados, é essencial buscar um profissional ao menor sinal de problema. “Os homens precisam ficar de olho na aparição de manchas, verrugas, úlceras e feridas no pênis. Quanto antes for diagnosticado, maiores são as chances de sucesso no tratamento e da não remoção do pênis”, finaliza Nardi.

Santo André tem Feira da Fraternidade, após hiato de mais de vinte anos

Redação

A Feira da Fraternidade, um dos eventos mais tradicionais de Santo André, volta ao calendário da cidade neste fim de semana (27 e 28), das 12h às 22h, no Paço Municipal, resgatada pelo Núcleo de Inovação Social e pela Secretaria de Cidadania e Assistência Social, após hiato de 24 anos. A entrada será 1 kg de alimento não perecível, destinado ao Banco de Alimentos municipal.

Imagem da 10ª edição da Feira da Fraternidade, que começou em 1971 | Foto: divulgação/Feasa 
Na ocasião, serão 50 barracas de ONGs e entidades sociais de Santo André que oferecerão um cardápio variado de comidas típicas de diversos países como, por exemplo, Alemanha, Argentina e Coréia do Sul. Haverá também brechó e artesanatos para arrecadar recursos para os projetos de cada instituição.

A primeira-dama e presidente do Núcleo de Inovação Social, Ana Carolina Barreto Serra, comenta o evento. “Estamos a poucos dias da Feira da Fraternidade, que é um momento histórico para a Prefeitura e o município de Santo André, porque estamos trabalhando arduamente com todas as secretarias envolvidas no resgate desse símbolo de suma importância para as entidades assistenciais da cidade. Ao todo, 50 entidades serão atendidas nesta feira, que representarão 17 países com suas barracas”, afirma.

No evento haverá ainda música, dança, atividades esportivas, exposições, brinquedos, intervenções artísticas, bar nas alturas, entre outras atividades. Entre as atrações musicais haverá apresentação do cantor Maurício Manieri neste sábado (27), às 20h45 e o cover oficial Classical Queen, no domingo (28), também às 20h45.

Histórico 
A primeira edição da Feira da Fraternidade aconteceu em 1971, uma iniciativa de Dom Jorge Marcos de Oliveira, fundador da Federação das Entidades Assistenciais de Santo André (Feasa) e primeiro bispo da Diocese de Santo André. A ideia era criar um evento que reunisse as entidades sociais e outros vários segmentos como clubes de serviços, poder público, comércios da cidade, entre outros, com o objetivo de arrecadar recursos para o trabalho das entidades assistenciais. A feira durou 24 anos, com 18 edições, sendo a última realizada em 1995. O evento acontecia na Garagem Municipal de Santo André.     

São Paulo tem festa gratuita de rua de Amsterdã

Redação

Neste sábado (27), a capital paulista vai ficar laranja. Serão mais de 120 holandeses portando roupas e adereços na cor da família real da Casa de Orange-Nassau, para celebrar o aniversário do rei da Holanda. O King’s Day (Dia do Rei) é considerado a maior e mais animada festa de rua de Amsterdã. O festival popular holandês fecha a programação do Amstel District, que desde 19 de abril já levou milhares de pessoas à Praça Victor Civita (Rua Sumidouro, 580), em Pinheiros.

 Praça Victor Civita fecha programação do Amstel District | Foto: divulgação

O evento gratuito e aberto ao público contará, neste sábado, com a presença de integrantes da Associação Holandesa de São Paulo. Na programação estão: Dre Guazzelli,  Zegon e Windy City Classics.

Todos serão convidados a vestir laranja, assim como os holandeses na celebração da data, que é considerada o Carnaval daquele país. Ao vivo, de Amsterdã, lives serão transmitidas por projeção. Toda a decoração também será na cor oficial do King’s Day, e no line up da festa, Amstel promete uma atração internacional, direto da Holanda. 

Livro traz comparações entre sistemas alimentares

Redação

O professor DeRose lança a 5ª edição do livro Método de Boa Alimentação, em 8 de maio. O evento de lançamento acontece no bairro Jardins, em São Paulo, juntamente com uma palestra sobre o tema.

Obra será lançada em 8 de maio | Crédito: Divulgação/DeRose Method

A obra tem como objetivo dar dicas ao leitor que busca uma alimentação saudável, mas com muito sabor. DeRose ensina que não é preciso abrir mão dos maravilhosos aromas, cores e sabores ao preparar uma refeição de qualidade, mas também ensina que alguns alimentos ou combinações de alimentos são menos favoráveis ao organismo.

Com isso, há dicas, orientações e ensinamentos sobre alimentação, a obra também reúne receitas. Algumas foram criadas e testadas por ele, outras sugeridas e testadas por seus alunos, leitores e admiradores.

Sistemas alimentares
 O Método de Boa Alimentação também traz uma explicação didática sobre alguns sistemas alimentares, comparando-os e analisando seu surgimento na história humana e seu impacto no organismo. São eles: carnivorismo, carniceirismo, omnivorismo, cerealismo, vegetarianismo, naturismo e frugivorismo. DeRose também reuniu uma série de dicas úteis a todos que passam pela fase de adaptação na mudança de sistema alimentar, dando ênfase ao ovolactovegetarianos, sistema que o autor considera o mais adequado para praticantes do DeROSE Method.

Festival do Cambuci de Paranapiacaba continua neste fim de semana

Redação

O tradicional Festival do Cambuci de Paranapiacaba prossegue neste fim de semana (27 e 28), com atividades gratuitas, das 10h às 17h. O evento conta com feira de produtos de cambuci, a Rota do Cambuci, e a Feira de Artes e Antiguidades, além de atrações culturais e oficinas. No domingo, às 13h, será realizada a cerimônia de premiação do concurso gastronômico do festival.

No  domingo (28) ocorre a cerimônia de premiação do concurso gastronômico do festival | Foto: Ricardo Trida/PSA

No sábado (27), às 12h, a programação cultural terá na antiga Padaria (Avenida Schnoor, 405), a oficina Sabores de Paranapiacaba, com Alê Oshiro, na qual tratará da culinária e alimentação natural. Às 15h, o músico Rodrigo Nogueira se apresentará no Coreto do Clube União Lyra-Serrano.

O destaque do domingo (28) será a cerimônia de premiação do concurso gastronômico do festival. A atividade será realizada às 13h, no Coreto do Clube ULS. Neste ano, concorrem receitas elaboradas por 22 empreendedores locais nas categorias doces, salgados e bebidas. Serão premiados os três principais destaques de cada categoria. A comissão julgadora é formada pela professora da escola de Gastronomia Sabor e Saber, Ana Tomazoni, o chef de cozinha André Sauer e a nutricionista especialista em comportamento gastronômico, Gislene Rocha.

Ainda no domingo (28) o público poderá conferir no Coreto do Clube ULS a escultura sonora interativa, com Lisa Caboclo, às 12h, e a apresentação Harmônicos Gaitas Sem Limites, às 15h. Nos dois dias o Antigo Mercado receberá a feira de produtos de cambuci. Os representantes da Rota do Cambuci estarão no galpão das antigas oficinas, na Rua Direita, s/nº. E no Clube União Lyra-Serrano será realizada a Feira de Artes e Antiguidades.

Outras atrações 
Além do festival, a vila oferece outras atrações históricas e naturais. O destaque fica para o Museu Castelo, reaberto neste mês após revitalização. A novidade são os espaços temáticos e ambientados, que resgatam a história da vila e da ferrovia como, por exemplo, salas de projetos, de jantar, quarto do engenheiro, sala de tecnologia e de esportes (com referência ao campo de futebol e aos clubes da Vila).

Outras atrações são a Casa da Família Ferroviária, que reconstitui uma casa da década de 1930, localizada na Avenida Fox, 438; e o Museu Funicular, que abriga acervo sobre a história da ferrovia (acesso pela passarela).

Para quem prefere um maior contato com a natureza, a opção é a Rota da Madeira, com 34 km, com partida e chegada no Locobreque, pode ser percorrida a pé ou de bicicleta. Já as trilhas no Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba podem ser feitas com acompanhamento de monitores credenciados.

quinta-feira, 25 de abril de 2019

Endometriose atinge uma em cada dez mulheres

Redação

Com o objetivo de conscientizar as mulheres sobre a importância de exames regulares para detectar a endometriose, elegeu-se o 8 de maio como o Dia Nacional Contra a Endometriose. Esta doença (que ocorre quando o endométrio, tecido que reveste o útero, cresce para fora do órgão) atinge uma em cada 10 mulheres no Brasil.

"Não é normal sentir cólicas fortes, que não passam com um analgésico", afirma o especialista em aparelho reprodutor feminino, Leandro Accardo de Mattos | Foto: reprodução

De difícil diagnóstico, muitas vezes os sintomas são subestimados – como fortes cólicas durante a menstruação e dores nas relações sexuais – o que faz com que a investigação seja adiada até um momento específico, como a busca pela gravidez. Como a endometriose leva à infertilidade, muitas mulheres só vão saber que sofrem com o problema quando tentam ter filhos.

De acordo com o radiologista Leandro Accardo de Mattos, especialista em aparelho reprodutor feminino, é importante prestar atenção aos sintomas e fazer exames para detectar o problema antes que se agrave. "Não é normal sentir cólicas fortes, que não passam com um analgésico, por exemplo. Quando isso acontece, é preciso investigar", afirma.

Investigação cuidadosa 
Para identificar a doença, os métodos mais usados são a ressonância ou o ultrassom. Estudioso no assunto, Mattos usa as duas técnicas em conjunto. Ao longo de 15 anos, o médico utiliza um protocolo que inclui uma lavagem intestinal e a integração do ultrassom intravaginal com a ressonância. "Esta técnica permite ver focos mais profundos", diz.

Como todas as patologias, quanto mais cedo se diagnosticar, mais fácil o tratamento – que em geral é feito com hormônios. Mas de acordo com o ginecologista Waldir Inácio Júnior, nos últimos anos, houve uma mudança de paradigma em relação à terapia com hormônios. "Além de não tratar efetivamente a doença, traz efeitos colaterais, como aumento de peso, diminuição da libido e alteração do humor", diz Inácio Júnior.

 "O tratamento mais inovador hoje é a cirurgia laparoscópica avançada, na qual eliminam-se todos os focos de endometriose. Quando retirada de forma completa, a endometriose não volta e não há mais necessidade de tomar qualquer medicamento", finaliza o ginecologista.


Atividade física é aliada contra a TPM

Redação

A tensão pré-menstrual (TPM) é comum entre muitas mulheres. Segundo estudos recentes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), os sintomas afetam 80% das brasileiras e são causados pela alteração hormonal que o corpo sofre durante o período, que pode resultar em manifestações físicas e psicológicas, desde retenção de líquidos, fadiga e até irritabilidade. Porém, esses sintomas não são permanentes e podem ser amenizados com a prática de atividade física.

Durante o treino, organismo potencializa a produção de serotonina e endorfina | Foto: Freepik

Durante o treino ocorre alterações hormonais, conforme comenta a ginecologista, obstetra e mastologista, Mariana Rosario. “O exercício físico potencializa a produção do hormônio serotonina. É um componente presente em grande parte dos remédios que trata a depressão, mas podemos tê-lo, por meio do treino, como um antidepressivo natural". Além disso, há também a liberação de endorfina, hormônio relacionado a sensação de bem-estar.

A especialista ainda explica que o ciclo menstrual é dividido em duas fases de 14 dias cada: a estrogênica, que é o período após a menstruação, no qual a mulher se sente mais disposta, sem inchaço, com pele e cabelo mais bonitos, pois o estrogênio promove a sensação de bem-estar. A segunda fase é a progestagênica, quando o corpo se prepara para a ovulação e podem ocorrer os sintomas da TPM.

Já a master trainer de Strong By Zumba, Anna Kobe, recomenda a zumba no período menstrual, por ser rápida e completa. “Trabalhamos o corpo todo, com o próprio peso. O programa também tem um formato de 30 minutos, o Strong 30, para aqueles dias que você precisa de uma versão mais curta, com a mesma intensidade", explica. Vale ressaltar que mesmo menstruada, a mulher pode praticar atividade física.

Alérgicos sentem a produtividade afetada no período de crise, aponta estudo

Redação

A Johnson & Johnson encomendou duas pesquisas com pessoas alérgicas, incluindo uma fase presencial, executada pela Perception, e fase online, executada via Google Survey, para entender mais a fundo o consumidor brasileiro que apresenta alergia respiratória. Mais da metade dos participantes relataram apresentar o problema mais de uma vez por mês. A maior incidência está entre jovens adultos de 25 a 34 anos: 36% relatam pelo menos uma crise ao mês. Além disso, 55% dos entrevistados relataram ter sua produtividade afetada no período de crise.

Mais da metade dos alérgicos possuem ao menos uma crise por mês | Foto: reprodução

Na fase online, 2.078 homens e mulheres responderam ao questionário, com idade entre 18 até 54 anos, em duas amostras – contemplando exclusivamente pessoas que possuem histórico alérgico e consomem medicamentos com frequência dessa categoria. No estudo, o cansaço foi mencionado como uma emoção frequente durante esse período por 75% dos participantes, e está diretamente relacionado aos processos alérgicos, podendo ser o principal causador da baixa produtividade citada anteriormente.

A diretora de Assuntos Médicos da Johnson & Johnson Consumo do Brasil, Leila Carvalho, comenta as pesquisas. “Os dados mostraram o impacto emocional e as frustrações que as alergias respiratórias podem causar nos períodos de crises, apresentando-se como um grande incômodo para as pessoas, além de atrapalhar a rotina e a qualidade de vida de quem apresenta essa condição” afirma.

Confira outras conclusões levantadas pela pesquisa:

Frequência
Mais da metade dos alérgicos possuem ao menos uma crise por mês. Respondentes relataram crises de alergias respiratórias:
54% Uma ou mais vezes por mês;
22% Duas a três vezes por ano;
16% A cada dois ou três meses;
8% A cada quatro ou cinco meses.

Diagnóstico
Os consumidores buscam comprovações de seus sintomas. Participantes da pesquisa relataram que as alergias respiratórias foram:
64% identificada/diagnosticada por um médico;
18% identificada/diagnosticada pelo próprio indivíduo;
11% identificada/diagnosticada por familiares e amigos;
7% identificada/diagnosticada por um farmacêutico.

Gênero
Mulheres têm uma tendência menor de se autodiagnosticarem em relação aos homens.
66% das mulheres identificaram/diagnosticaram alergia respiratória com um médico;
34% dos homens identificaram/diagnosticaram alergia respiratória com um médico.

Sintomas
Irritação ou coceira no nariz e espirros são os sintomas mais frequentes entre os respondentes.
71% irritação ou coceira no nariz;
65% espirros frequentes;
60% congestão nasal;
51% dificuldade para respirar;
50% irritação e coceira na garganta;
47% coriza.

Gatilhos
Os principais gatilhos das alergias respiratórias para os entrevistados são:
74% pó/ácaros;
66% mofo;
65% mudança de tempo/clima;
56% mexer em armários/móveis;
44% cortinas, carpetes, tapetes e cobertores.

Sentimentos
Os respondentes sentem sua produtividade prejudicada (55%) e tomam anti-histamínicos de forma preventiva quando sabem que vão a lugares que podem causar alergia (36%). Ainda relataram:
36% são conhecidos pelas frequentes crises alérgicas;
36% sentem medo ou aflição de ficar sem ar;
32% deixam de ir a lugares que gostariam de ir, como casa de amigos e familiares.

Emoções durante a crise
Alergia e cansaço estão diretamente relacionados, podendo ser o principal causador da baixa produtividade citada anteriormente. Os participantes relataram se sentir, durante as crises:
75% cansados;
40% frustrados;
26% tristes e com vergonha;
22% medo.

Crianças podem ficar no máximo uma hora em frente às telas

Redação com ABr

A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou, nesta quarta-feira (24), um estudo no qual afirma que crianças de até quatro anos de idade devem passar, no máximo, uma hora em frente às telas de forma sedentária, como assistir TV ou vídeos, ou jogar no computador.

Crianças de até cinco anos devem passar menos tempo sentados em frente às telas | Foto: Getty Images

Para quem tem até um ano, não é recomendado ter contato com telas; para as de dois anos, um tempo de até uma hora (preferencialmente menos). Para aquelas que têm entre três e quatro anos, o tempo sedentário de tela também não deve ultrapassar uma hora, sendo quanto menos, melhor.

As informações apontam que crianças de até cinco anos devem passar menos tempo sentados em frente às telas, ou contidos em carrinhos de bebê e assentos, ter melhor qualidade de sono e mais tempo para atividades físicas para crescerem saudáveis. Nos casos de sedentarismo, a OMS encoraja, independentemente da idade, a leitura e a contação de história. A entidade também destacou a quantidade de sono adequada para a idade: 14-17 horas (até 3 meses), 12-16 horas (quatro a 11 meses), 11-14 horas (um a dois anos) e 10-13 horas (três a quatro anos).

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, comenta a importância da infância. “O início da infância é um período de rápido desenvolvimento e um tempo quando os padrões de estilo de vida familiar podem ser adaptados para aumentar os ganhos de saúde”, afirma.

Este estudo é um guia sobre atividades físicas, comportamento sedentário e sono  para crianças com até cinco anos desenvolvido por especialistas da organização.  Eles avaliaram os efeitos em crianças do sono inadequado, do tempo passado em frente a telas, ou  contidos em carrinhos de bebê e assentos e avaliaram os benefícios do aumento dos níveis de atividade.

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Exposição "Os anos em que vivemos em perigo" retrata atmosfera conturbada da década de 1960

Redação

A década de 1960 foi marcada por movimentos de contestação em vários países do mundo. No Brasil não foi diferente e, a despeito da censura imposta por um regime de exceção, houve no período uma intensa produção artística, que retratou a atmosfera de tensão e riscos da época. Para revisitar esse contexto, especificamente o período de 1965 a 1970, o Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo exibirá de 30 de abril a 28 de julho a exposição “Os anos em que vivemos em perigo”.

Marcello Nitsche, "Eu quero você" (1966) | Foto: Romulo Fialdini

Com curadoria de Marcos Moraes, a exposição reúne desde a tendência pop até obras de filiação surrealista, muitas das quais exprimindo as inquietações sociais e comportamentais que marcaram aquela época. São ao todo 50 obras de artistas como Antônio Henrique Amaral, Anna Maria Maiolino, Antônio Manuel, Cláudio Tozzi, Maureen Bisilliat, Wesley Duke Lee, entre outros.

Pinturas, xilogravuras, fotografias e objetos foram selecionados para apresentar imagens associadas ao ambiente cultural vigente como as manifestações, greve, censura, utopia, repressão, desejo e identidade brasileira - um apanhado que apresenta a potencialidade da ampliação de horizontes produzida pela vanguarda brasileira nesta época. A ação educacional do museu também contribuirá para oferecer aos espectadores oportunidades de pensar sobre a cultura daquela década, oferecendo atividades estimulantes que complementam a experiência da visita ao MAM.

“Para a seleção de obras, considerei o contexto, o ambiente efervescente e os acontecimentos que envolveram esses artistas no período dos anos 60 com atitudes radicais frente ao sistema da arte vigente no país, entre eles as exposições: Nova Objetividade Brasileira (MAM RJ), 1ª JAC Jovem Arte Contemporânea (MAC USP), Exposição-não-exposição (Rex Gallery & Sons) e a 9ª Bienal de São Paulo. A proposta desta mostra será refletir sobre esses complexos momentos vividos, tendo como marcos os anos de 1965 e 1970 rebatendo e rebatidos em 2019, suas atmosferas marcadas pela vida e a presença do perigo e da ameaça”, explica Moraes.

O Museu de Arte Moderna de São Paulo fica no Parque Ibirapuera (av. Pedro Álvares Cabral, s/nº - Portões 1 e 3). Visitação de terça a domingo, das 10h às 17h30 (com permanência até as 18h).

Meningite afeta principalmente crianças de até 4 anos de idade

Redação

O Dia Mundial de Combate à Meningite, lembrado nesta quarta-feira (24), alerta para os riscos, sintomas e formas de contágio. A doença é uma inflamação das meninges, revestimento do sistema nervoso central (cérebro e medula espinhal) e, se não tratada adequadamente, pode levar a morte. De acordo com Boletim Epidemiológico emitido pelo Ministério da Saúde, a prevalência de meningites é maior em crianças de até quatro anos de idade, seguido de idosos.

O Sistema Único de Saúde tem vacinas contra a meningite | Foto: reprodução

A doença pode ser causada por diversos agentes infecciosos, como vírus, bactérias ou até mesmo fungos. Os casos mais graves geralmente são de bactérias, meningococo e pneumococo, especificamente, em que há alta taxa de mortalidade.

A tríade básica de sintomas mais marcantes é ter febre, dor de cabeça e vômito, conforme explica a Infectologista Mariana Quiroga, do Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA). "O principal sinal que permite ao médico detectar a doença ao realizar o exame físico é a rigidez de nuca, pois a infecção causa a impossibilidade de o paciente encostar o queixo no peito".

O diagnóstico é realizado por exames laboratoriais, como a coleta de líquido cefalorraquidiano, também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, e de sangue.

A boa notícia é que há vacinas disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS):  a  Meningocócica C, Pneumococica 10 valente conjugada  e Haemophilus influenzae B. Com a imunização, a prevenção ocorre de forma altamente efetiva, evitando que ocorra a doença e as graves sequelas. A vacinação no Brasil é recomendada na primeira infância. "Os pais precisam se conscientizar sobre a importância de manter a vacinação das crianças em dia, a meningite é uma doença grave, mas que pode ser evitada", ressalta Mariana. 

Então, a vacina Meningocócica C protege contra a meningite causada pela bactéria meningococo, o tipo mais agressivo e frequente na população brasileira. A primeira dose é dada aos três meses de idade, depois aos cinco meses, aos 12 meses de idade ocorre o primeiro reforço e o segundo vem entre os 11 a 14 anos.

Já a Pneumococica 10 valente conjugada, imuniza contra dez sorotipos da bactéria pneumococo, responsável pela meningite, pneumonia e otite aguda. A primeira dose é feita aos dois meses de idade e a segunda dose aos quatro meses de idade. O reforço é feito aos 12 meses de idade.

E a Haemophilus influenzae B protege contra a bactéria influenza do tipo B. A primeira dose é feita aos dois meses de idade, a segunda dose aos quatro meses e a terceira aos seis meses. Na rede privada, há ainda a disponibilidade de outras duas vacinas, a Meningo B e a Meningo ACWY. 

A doença é transmitida de pessoa a pessoa de diversas formas, por meio de gotículas de saliva ou secreção expelidas por pessoas infectadas ao falar, tossir, espirrar ou beijar.

O diagnóstico precoce e início imediato do tratamento são fundamentais para controlar a evolução da doença e varia de acordo com o agente causador. Para a meningite viral, caso menos grave, o tratamento é sintomático e geralmente consiste em repouso, hidratação e medicamentos para alivio da dor, ou até mesmo antiviral. Já para a meningite bacteriana, o tratamento deve ser realizado imediatamente, com o uso de antibióticos, que varia de acordo com a bactéria causadora da doença. Quando a Meningite é fúngica (causada por fungos), o tratamento é feito por fungicidas, porém, este tipo de medicamento pode apresentar efeitos colaterais, por isso, são receitados apenas após a comprovação de que se trata deste tipo da doença.
A pediatra Patrícia Bianchini, que atende no Hospital São Luiz, em Cáceres (MT), ressalta a gravidade da doença. "É uma doença grave que pode levar a sequelas neurológicas irreversíveis quando não adequadamente tratada, desde alteração auditiva, paralisia cerebral, crises convulsivas e até mesmo óbito", finaliza.

Nova Expo deve receber mais de 20 mil visitantes

Por Vivian Silva

O Pavilhão Vera Cruz, em São Bernardo do Campo, sedia a 17ª edição da Nova Expo Feira de Noivas & Debutantes, a partir desta quinta-feira (25) até domingo (28). De acordo com o idealizador e proprietário do evento, Gustavo Ventura de Lisboa, é esperado um público de 18 a 30 mil pessoas, durante estes quatro dias da feira.

Evento terá 70 expositores de 30 segmentos | Foto: Reprodução  

Na ocasião, haverá 70 expositores. “As pessoas encontrarão mais de 30 segmentos com os principais lançamentos, hoje, do setor de festas e casamentos... desde o convite à lua de mel”, afirma Lisboa.

Além disso, o proprietário avalia que há uma retomada no setor, após a forte recessão na economia. “O que acontece, hoje, o cara que tinha uma verba de R$ 100 mil para casar, ele acaba gastando menos, em função da crise, da recessão que a gente está saindo agora, gasta R$ 60 mil, mas ele não deixa de casar”, comenta Lisboa.

Somente em 2018, houve mais de R$ 2,5 milhões em negócios concretizados nas duas edições. O investimento na Nova Expo gira em torno de R$ 800 mil a R$ 1,2 milhão, por edição.

Interessados em conhecer as novidades podem acessar https://novaexpo.com.br e solicitar convite gratuito para quinta (25) e sexta-feira (26). Para as demais datas a entrada custa R$ 15, por dia. O Pavilhão Vera Cruz fica na Avenida Lucas Nogueira Garcéz, 856, Centro, em São Bernardo do Campo.

terça-feira, 23 de abril de 2019

Falta de foco: dicas para mudar esta situação

Redação

Atualmente, muitas pessoas têm dificuldade para manter o foco nas tarefas do cotidiano, segundo o terapeuta coach Richard Tomé. Esta situação foi notada por ele em cerca de 95% dos atendimentos realizados até hoje. Com isso, há prejuízos em questões relacionadas à carreira, família e relacionamento.

Desconexão do propósito e falta de paixão pela vida fazem a pessoa perder o foco, segundo o terapeuta coach Richard Tomé | Foto: divulgação 
De acordo com Tomé, a principal causa que leva uma pessoa a perder o foco na sua rotina é a desconexão do propósito e falta de paixão pela vida, ou seja, o indivíduo está literalmente perdido. "A animação Alice no país das maravilhas traz uma lição muito interessante para o tema, quando a personagem principal e o gato conversam, ela afirma que não sabe para onde vai e o animal responde que ela pode ir para qualquer lugar. Ou seja, o que tiramos disso é que para uma pessoa sem objetivo, qualquer caminho serve".

Se o indivíduo não tem propósito nem paixão, o cérebro não está ligado naquilo que você está disposto a fazer, ou seja, a sua energia não está conectada naquele propósito, que é a tarefa diária. O terapeuta coach listou cinco dicas para ajudar no planejamento e estratégia de uma rotina plena:

Conheça a si mesmo 
O exercício de autoconhecimento é de extrema importância, pois será por meio deste que você poderá fazer uma lista dos seus pontos fortes e dos pontos fracos e em consequência disso, saberá quais pontos deve melhorar. É o princípio para encontrar a paz e a felicidade plena, além do sucesso na vida.

Faça a gestão do tempo 
No ambiente em que vivemos precisamos fazer uma gestão do tempo, a fim de organizar a rotina para administrar as multitarefas. Dentro da administração moderna existe a matriz de priorização de GUT (Gravidade x Urgência x Tendência) que é uma das ferramentas utilizadas na solução de problemas, usada para definir prioridades dadas as diversas alternativas de ação dividida em três áreas, aquilo que é grave, urgente e tendência, ou seja, você tem que focar como tarefa aquilo que é urgente e dar especial atenção a aquilo que é grave, ou seja, delimitar o tempo em que as tarefas serão realizadas, o indivíduo precisa ter elas no seu radar e isso é importante.

Destaque os ganhos e perdas 
A cada tarefa que você for realizar, precisa classificá-la como grave, urgente ou como pendência para ter em mente e informar o seu eu interior sobre esse objetivo. Além disso, precisa fazer uma pergunta para si: o que eu ganho e o que eu perco em fazer essa tarefa?

Embora temos diversas tarefas, nosso cérebro realizará conscientemente uma função por vez. Quando você dedica o seu tempo para fazer algo, outra coisa está deixando de ser feita, então é importante fazer essa análise. Essa é a razão que nos traz a consciência o que realmente está sendo feito, ou seja, essa reflexão nos tira do automático e ela nos desperta.

Seja resiliente e persistente 
Persista em todas as metas que você delimitou para a sua vida. Você precisa manter o foco para conquistar todos os objetivos que almeja. Além disso manter-se capaz de resolver problemas e aprender com eles sem abandonar o seu estado de equilíbrio.

Seja honesto consigo mesmo 
Respeite o seu limite de produção cognitiva, ou seja, caso tenha cinco tarefas para realizar em um dia e essa quantidade você faz muito bem, perfeito! Continue assim, mas não adianta exceder o seu limite e acrescentar mais cinco tarefas para serem executadas. E se você acrescentar mais tarefas, o que vai acontecer é simples, terá um resultado frustrante de, talvez, ter dez tarefas incompletas.

Bullyng: como identificar e prevenir

*Por Daniela Polidoro e Edson Knippel

"Isso é normal. Sempre existiu!". "Todo mundo já praticou ou sofreu um dia. Não é nada". "As crianças tem que resolver entre si". Frases como essas são comuns quando o assunto é bullying".

O bullying pode ocorrer de maneira verbal, moral, sexual, social, psicológica, física e material | Foto: Freepik

O bullying é uma prática que sempre existiu de forma silenciosa em escolas e em outros ambientes sociais. No Brasil, desde o fato ocorrido no Rio de Janeiro em 2011, em uma escola da rede pública, quando um ex-aluno ingressou em suas dependências armado, e causou a morte de doze estudantes, se matando em seguida, o tema passou a ser mais debatido.

Embora não aconteça somente nas escolas, é lá que se verifica com mais frequência.
É necessário que os pais saibam o que é e como identificar a sua prática, para agir rapidamente, com o fim de evitar consequências mais graves.

O bullying corresponde a um ato de violência física ou psicológica. Deve ser intencional e repetitivo. Geralmente ocorre sem motivação evidente e as vítimas preferidas são pessoas que de alguma forma são diferentes do grupo predominante, e por conta disso vulneráveis. O objetivo é intimar ou agredir, gerando desequilíbrio entre as partes envolvidas.

Trata-se de uma forma grave de opressão e de submissão de uma pessoa por outra, condenável tanto do ponto de vista religioso, como jurídico.

As espécies de bullying são as mais variadas possíveis. Abrangem a forma verbal, moral, sexual, social, psicológica, física e material. Mas a forma virtual tem sido muito utilizada e produz danos e consequências de grande proporção, por conta da disseminação do conteúdo, que é rápida e muito abrangente.

Muitas vezes os filhos não contam aos pais o que estão passando, seja por vergonha, receio ou ainda por tentar evitar demonstrar fraqueza. Sendo assim, os pais devem ficar atentos com alguns sinais que podem identificar o problema.

Baixa autoestima, dificuldade de relacionamento social e no desenvolvimento escolar, evasão escolar, alterações de humor, apatia, perturbações do sono, perda de memória, reações físicas (vômito, desmaio), fobia escolar, dentre outros, não podem ser desconsiderados.

Caso haja dúvida, é importante que os pais procurem a escola para relatar o problema. A escola deve tomar providências e não minimizar a situação. Uma das saídas possíveis é realizar uma mediação entre as partes, para solucionar a questão.

Se houver qualquer dificuldade ou se a escola se recusar em tomar alguma providência, deve ser procurado advogado que poderá intervir nessa questão.

Medidas cíveis e até mesmo criminais podem ser tomadas, em face da escola e dos pais do aluno que pratica bullying.

As consequências são muito graves e a prática do bullying não pode ser tolerada como algo normal, que grande parte dos alunos já experimentou em algum momento de sua formação escolar.

Deve existir prevenção, diálogo e, se necessário, intervenção jurídica para que consequência mais graves não ocorram.

Se você é pai ou mãe, fique atento.

*Daniela Polidoro Knippel é advogada na área cível e especialista em Direito. Edson Luz Knippel é advogado na área criminal. É doutor, mestre e graduado em Direito pela PUC/SP. É Professor da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Especialista comenta benefícios da suplementação na terceira idade

Redação

Todas as etapas da vida requerem cuidados especiais e não poderia ser diferente na terceira idade. Durante essa fase, o corpo perde massa muscular e energia. Porém, a suplementação, aliada aos hábitos saudáveis, pode ser uma alternativa para idosos que desejam ter mais bem-estar, saúde ou até performance, no caso daqueles que praticam atividades físicas regulares, de acordo com a nutricionista da SNC, Lila Rangel.

Suplementação deve ser realizada com acompanhamento médico | Foto: Getty Images

“Sempre com acompanhamento profissional, os benefícios da suplementação são inúmeros. Independentemente da idade, gênero ou momento de vida, é importante que a pessoa busque qualidade de vida e tenha uma vida melhor", comenta Lila. Confira a seguir a lista de benefícios da suplementação:

Energia
Na terceira idade, é normal que as pessoas se sintam mais cansadas e menos dispostas. Muitas deixam até de realizar atividades físicas por conta disso. Com a ajuda da suplementação, isso não acontece. Há diversos suplementos que garantem mais energia aos idosos, seja para se exercitar ou simplesmente fazer as atividades do dia a dia. Complementar à alimentação balanceada e equilibrada, a administração de multivitamínicos - fonte de vitaminas e minerais - também contribuem para a saúde, energia e disposição. Uma das vitaminas importantes nesse processo é a do complexo B, trazendo maior disposição e energia aos idosos.

Massa
Nesse estágio da vida, a perda de massa muscular e óssea é considerável. A Creatina e o Whey Protein, por exemplo, são produtos que ajudam nesses aspectos, retardando esses desgastes decorrentes da idade. Assim, a pessoa sofre menos riscos de saúde e melhora a qualidade de vida.

Imunidade
Como os suplementos possuem muitos nutrientes importantes, indispensáveis para a saúde, o organismo se fortalece e a imunidade também. Dessa forma, se a pessoa tiver contato com alguma doença — uma gripe, por exemplo — ela terá mais chances de ser facilmente combatida pelo corpo. Entre os suplementos que auxiliam na melhora e manutenção da imunidade está a arginina e multivitamínicos. Um bom suplemento contendo zinco, ferro, vitamina D e cálcio, reforçam muito a imunidade e parte de estrutura do idoso.

Recuperação
Da mesma forma que acontece com os mais jovens, os suplementos auxiliam o corpo na recuperação pós-exercício. No caso do público mais velho, esses produtos também fazem com que a cicatrização seja mais rápida, até mesmo após a realização de cirurgias. Entre os melhores suplementos que garantem esse benefícios estão a arginina e a glutamina.

Mente
Além de manter o corpo saudável, é necessário que a mente também permaneça bem. Quanto a isso, também existem suplementos específicos que atuam diretamente nas funções do sistema nervoso. Um dos mais conhecidos é o ômega-3. Esse composto ajuda a aumentar o desempenho cognitivo e diminuir os riscos de demência.

Pessoas com dermatite atópica perdem até um mês de trabalho no ano por conta da doença

Redação

Pessoas com dermatite atópica moderada a grave faltam no trabalho cerca de 21 dias por ano, devido aos sintomas da doença, segundo pesquisa realizada entre 23 de julho e 16 de agosto de 2018 pelo Instituto Ipsos com 199 pacientes. O levantamento foi feito a pedido da Sanofi, em parceria com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai) e com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

A dermatite atópica é causada por um desequilíbrio do sistema imunológico | Foto: reprodução

Ainda de acordo com o estudo, 100% dos pacientes com dermatite atópica moderada a grave tiveram uma crise nos últimos cinco anos e 24% têm crises mensais decorrentes da doença, sendo a coceira o sintoma que mais incomoda.

O estudo foi realizado em 11 cidades brasileiras (Manaus, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Brasília e Goiânia), com erro amostral de 6,9 pontos percentuais. 

Para a líder médica de área terapêutica da Sanofi, Suely Goldflus, entre os principais impactos da dermatite atópica estão coceira intensa e feridas que podem até chegar a infeccionar, causando desconforto nas atividades básicas do dia a dia.

"Um dos destaques dessa pesquisa é o foco nos pacientes adultos, que convivem com a doença há muitos anos e enfrentam desafios ligados à vida profissional. Imagine não poder dormir com tranquilidade por várias noites, ter dificuldade para escolher uma roupa que fique confortável, ser julgado por conta das lesões na pele e, em muitos casos, ter que se ausentar do trabalho ou dos estudos. Essa é uma realidade constante para o paciente com dermatite atópica moderada a grave", comenta Suely.

A especialista ainda reforça que este é o primeiro levantamento brasileiro que mostra os impactos da dermatite atópica nos entrevistados e os desafios encontrados por eles para chegar ao diagnóstico e receber o tratamento adequado.

Crises provocam custos diretos e indiretos
A dermatite atópica é causada por um desequilíbrio do sistema imunológico que gera uma inflamação nas camadas mais profundas da pele, resultando em lesões e coceira muito intensa, segundo a imunologista e coordenadora da Comissão de Dermatite Atópica da Asbai, Márcia Mallozi.

“Quando descrevemos a doença e seu mecanismo de ação, dificilmente imaginamos que essa seja uma doença que leve a internações hospitalares, mas não são raros os casos de pacientes que desenvolvem infecções na pele, sendo que muitos precisam ser tratados em ambiente hospitalar", conta Márcia.

De acordo com a pesquisa, 6% dos pacientes com dermatite atópica moderada a grave já precisaram ser internados por conta da doença. As internações levam, em média, nove dias e em 33% dos casos o motivo da internação é a presença de quadro infeccioso.

No caso das internações, 50% dos casos foram pagos por convênio médico dos pacientes. Já as internações pelo SUS representaram 42% dos casos, enquanto o índice de internações particulares foi de 8%. "Quando a dermatite atópica não está adequadamente controlada, ela gera custos para os sistemas de saúde público e privado, além de comprometer a qualidade de vida do paciente", comenta Márcia.

Doença abala saúde emocional dos pacientes
De acordo com o levantamento, 35% dos pacientes com dermatite atópica já sofreram algum tipo de preconceito. A discriminação ocorre em ambientes variados, como no transporte coletivo (49%), no local de trabalho (44%) e em escolas ou faculdades (34%).

Entre os dados revelados pela pesquisa, merece atenção o fato de que 12% dos pacientes com dermatite atópica moderada a grave já perderam a vontade de viver em decorrência da doença, o equivalente a um em cada 10 entrevistados. O mesmo percentual já recorreu a alguma dependência para lidar com a doença, sendo as fugas mais citadas pelos entrevistados o fumo (56%) e a bebida alcoólica (25%).

Desafios do diagnóstico e tratamento
A pesquisa mostrou que a jornada do paciente com dermatite atópica é longa e desgastante: os pacientes chegam a passar por três diferentes especialidades médicas até receberem o diagnóstico correto, processo que pode levar até um ano. O levantamento mostrou também que 33% dos pacientes receberam outro diagnóstico antes, sendo 48% para alergia e 15% para psoríase.

Em relação a tratamento, os dados apontam que 64% dos pacientes usam hidratantes de forma contínua, sendo 85% dos casos prescritos pelos médicos. Além disso, um a cada sete pessoas usa corticoides por cerca de um ano ou mais. Mesmo assim 52% dos entrevistados não costumam acompanhar a dermatite atópica com um especialista.

"Esses dados são preocupantes, pois podem indicar um comportamento perigoso, a automedicação. Medicamentos com corticoides devem sempre ser prescritos e acompanhados por um médico, que indicará o tempo de uso e a dose correta, além de monitorar o paciente para eventuais riscos. Nunca se deve usar um medicamento que um amigo usou, pois cada pessoa reage de forma diferente", alerta Márcia..

Já em relação ao uso de imunossupressores, a pesquisa mostrou que 11% dos entrevistados fazem uso deste tipo de medicamento atualmente.


Nutricionista alerta sobre consumo de produtos sem lactose por intolerantes

Redação

Dados da pesquisa Datafolha (2017) mostram que cerca de 35% da população brasileira, com idade acima de 16 anos - 53 milhões de pessoas -, tem algum tipo de desconforto digestivo, após o consumo de derivados do leite. Com isso, o mercado dos produtos chamados sem lactose tem crescido no Brasil. Porém,  a nutricionista e pesquisadora Aline Quissak, alerta que produtos “sem lactose” nada mais são que os produtos tradicionais derivados do leite com a enzima lactase e, com isso, esses produtos podem causar ainda mais desconforto ao organismo.

Leite de arroz é uma das opções para substituir o leite de vaca | Foto: divulgação 

“Esses alimentos são os mesmos derivados do leite, a diferença é que neles é adicionada uma enzima química que digere a lactose, ao invés dessa função ser feita pelo seu intestino”, explica.

O intolerante a lactose é um paciente que tem pouca ou nenhuma facilidade de digestão do açúcar natural do leite, a lactose. Com isso, o intestino requisita mais força e água para auxiliar sua digestão, ficando ainda mais irritado e podendo causar diarreia, gases, flatulência e mal-estar. O problema, segundo a nutricionista, é que ao consumir esse tipo de alimento, podemos causar ainda mais desconforto ao organismo, que já está sobrecarregado: “Ao adicionar a enzima química, acabamos atrapalhando ainda mais o intestino, que já está inflamado e irritado; por isso, não aconselho aos pacientes que têm intolerância a consumir esses produtos”, avalia.

Com isso, a melhor solução para esses casos é, com um tratamento adequado, tentar cicatrizar o intestino; optar por produtos com base de leite vegetal ou alimentos que sejam produzidos com o leite animal, mas naturalmente não tenham a lactose, como os famosos queijos maturados (meia cura, canastra). Outro empecilho para quem sofre com a intolerância é o custo, já que os leites vegetais tem valores bem mais altos.

A dica da nutricionista nesse caso é tentar substituir o leite por outros alimentos: “Por exemplo, não precisamos adicionar leite em todas as preparações de bolo. Podemos usar suco de fruta, como o de maçã, que é neutro e traz umidade e maciez para a massa”, completa.

Mas quem não vive sem o tradicional cafezinho com leite, por exemplo, uma boa solução é o leite de arroz, que é um dos mais acessíveis e traz benefícios nutricionais. Confira a receita preparada pela nutricionista:

Leite de Arroz

Ingredientes:

1 xícara de arroz
7 xícaras de água

Modo de preparo:

Em uma panela, coloque o arroz e a água, cozinhando em fogo médio por cerca de 10 minutos ou até o arroz estar cozido. Desligue, coloque o arroz no liquidificador e acrescente mais 4 xícaras de água filtrada. Pulse oito vezes para liberar o amido do arroz na água e pronto.

Se preferir, você pode adicionar um pouco de amêndoas (oito) ou castanha de caju (dez) para que o leite fique mais nutritivo. Não precisa cozinhar, é só bater junto com o arroz e a água filtrada.

Essa receita rente 1 litro e deve ser armazenada em jarra de vidro, na geladeira, por até 3 dias.

Brasileiras ainda vivem na bolha

*Por Priscila Queiroz Relatórios apontam que as mulheres já são responsáveis por 57% dos novos negócios criados no Brasil desde 2016. A...