terça-feira, 9 de abril de 2019

Tirar cochilos durante o dia é tão prejudicial à saúde, quanto não dormir

Da Redação

Manter uma rotina de sono adequada e eficiente para conquistar o tão almejado descanso é uma tarefa difícil para muita gente. Para compensar esse repouso perdido, entra em cena o sono "picado", aquele que ocorre nos intervalos das ações diárias, como no caminho para o trabalho. De acordo com o otorrinolaringologista e especialista em medicina do sono do Hospital Edmundo Vasconcelos, Fernando Oto Balieiro, esse costume não é aconselhável.

Sonos curtos podem interferir no fluxo de alguns hormônios | Foto: Freepik
Sonos curtos e distribuídos ao longo do dia - classificado como padrão polifásico - não é aconselhável, pois este hábito pode interferir no fluxo de alguns hormônios, segundo Balieiro.

"O sono é composto por ciclos que duram em média 1h30 e, quando não são concluídos por conta deste hábito, é possível que comprometa a secreção de hormônios que ocorrem durante o sono, como o hormônio do crescimento e o cortisol. Muitas vezes isso implica em sonolência, ganho de peso e irritabilidade", explica o especialista.

Além dessa interferência, esses cochilos não são reparadores e podem deixar o sono noturno desregulado dependendo da sua extensão. O otorrinolaringologista alerta, portanto, para o tempo dessa soneca: "É importante ressaltar que mesmo que não haja um padrão, esses cochilos nunca devem passar de 40 minutos".

Para uma vida saudável, Balieiro esclarece que a quantidade de sono é algo individual. "O recomendado de 8h diárias foi estabelecido a partir de uma média populacional, mas há quem precise de 4 a 6 horas sem prejuízos à saúde, assim como outras que necessitam de 10 a 12 horas", finaliza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Brasileiras ainda vivem na bolha

*Por Priscila Queiroz Relatórios apontam que as mulheres já são responsáveis por 57% dos novos negócios criados no Brasil desde 2016. A...