quinta-feira, 18 de abril de 2019

Psiquiatra fala sobre consumo de álcool na adolescência

Redação

Um estudo realizado pela Pediatria do Hospital Universitário da USP apontou que 60% dos adolescentes, na faixa dos 17 anos, já faz uso de bebidas alcoólicas. A pesquisa foi feita em dez escolas de São Paulo. Segundo o psiquiatra Mario Louzã, nos últimos anos, foi sendo construído um senso comum entre os jovens de que a bebida alcoólica é o ponto alto dos encontros e das festas. Isso se aplica a ambos os sexos, diferentemente de décadas atrás, quando os problemas com o álcool eram mais frequentes entre os meninos.

“Casos graves (de alcoolismo) necessitam de internação, em geral, prolongada, para controlar os sintomas da abstinência", comenta o psiquiatra Louzã | Foto: divulgação
O consumo, segundo o estudo, começa por volta dos dez anos e, em 20% dos casos, o uso ultrapassa uma dose diária. Em menores de 18 anos, o uso intensivo e crônico de álcool pode levar à demência. E, em todas as idades, o consumo excessivo aumenta o risco de perda do volume cerebral, uma vez que afeta diversas áreas do cérebro, como córtex cerebral, sistema límbico, cerebelo, hipotálamo e glândula pituitária e medula.

 “O fato é que o adolescente precisa se sentir acolhido pelo grupo e fazer parte dele. Para isso, segue as regras do jogo, que inclui beber. Em muitos casos, há competições de quem consegue beber mais ou brincadeiras que sempre envolvem o álcool”, comenta a o psiquiatra.

Geralmente, este contexto está relacionado à insegurança típica da adolescência, período em que o jovem começa a se auto afirmar, a querer ganhar destaque e mostrar que pode tanto ou mais que seus colegas. De acordo Louzã, propagandas, séries e filmes também contribuem com o aumento do consumo da bebida, pois criam cenários que associam o álcool ao glamour, ao sucesso, à conquista e outras situações que estimulam ainda mais a enxergar que beber é legal.

O mais grave dessa história é que o alcoolismo começa justamente nessa fase. “Há uma predisposição na adolescência devida à defasagem entre o desenvolvimento de áreas do cérebro responsáveis pelo controle dos impulsos. Estas áreas se desenvolvem mais tardiamente, o que torna o adolescente mais vulnerável, por esta dificuldade de autocontrole”, explica Louzã.

A educação dos filhos deve começar logo na infância, com a imposição de limites e regras bem definidas. Isso auxilia na formação da personalidade. “A adolescência é, por si só, um período crítico, de rebeldia, de questionamentos, de descobertas e de hormônios a mil. Se desde cedo o indivíduo for educado com orientações, bons valores e noções de limite, certamente chegará à adolescência com mais capacidade para discernir suas condutas e lidar com seus impulsos”, afirma o psiquiatra.

Vale lembrar que o abuso de álcool na adolescência deve ser levado a sério e tratado como doença. Há alguns tratamentos medicamentosos para tentar diminuir o consumo, além das abordagens psicoterápicas individuais. Segundo a  Organização Mundial de Saúde (OMS) mais de 320 mil pessoas entre 15 e 29 anos morrem ao redor do mundo, anualmente, de causas relacionadas ao consumo do álcool.

 “Casos graves necessitam de internação, em geral, prolongada, para controlar os sintomas da abstinência e todo um processo de reorganização da vida do adolescente que, muitas vezes, gira em torno do álcool. Grupos de autoajuda, como AA (Alcoólicos Anônimos), também são importantes”, finaliza Louzã.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Petlove lança plataforma de doação de produtos às ONGs

Redação A Petlove, primeiro petshop online e clube de assinaturas para pets no País, lança a primeira plataforma online de doação de pr...