quinta-feira, 29 de março de 2018

Inteligência artificial na educação: como reduzir a evasão usando análise preditiva

*Por Marcelo Cosentino

A evasão no ensino superior e as altas taxas de desistência estão entre as maiores preocupações do setor educacional. Esses índices chegam a superar o número de conclusão e de formados e contribuem, diretamente, para a diminuição da lucratividade dos negócios. Logo, se uma instituição consegue formar apenas a metade de alunos inscritos no início de um curso, a conta não fecha e os impactos negativos repercutem a médio e longo prazo.

“É fundamental que as instituições de ensino estejam dispostas a romper barreiras e a repensar a sua gestão”, afirma Cosentino | Foto: divulgação
Entender os motivos dessa evasão é um grande desafio, pois demanda uma análise detalhada em relação aos mais diversos fatores que levam os estudantes a não concluírem o curso, inclusive questões econômicas e sociais, uma vez que o país passa por um momento instável. Diante deste cenário, é fundamental que as instituições de ensino estejam dispostas a romper barreiras e a repensar a sua gestão, com base na adoção de tecnologias, para inaugurar uma nova fase na sua organização.

É preciso considerar novos métodos para compreender as razões pelas quais os alunos cancelam ou abandonam as suas matrículas, trocam de instituição de ensino, de curso ou, até mesmo, tornam-se detratores da marca. E aqui, o uso da Inteligência Artificial (IA) pode ser a saída para minimizar esses problemas.

Aliar a capacidade do motor cognitivo da IA a processos internos estruturados viabiliza o estudo da causa raiz, ajudando na identificação dos fatores que levam o aluno à desistência. É essa análise preditiva que determina a probabilidade de evasão do curso, a partir de um histórico de informações que consideram, inclusive, uma série de fatores sociais. Além disso, a tecnologia é capaz de cruzar os dados individuais de cada perfil, como desempenho acadêmico, tipo de atendimento na secretaria ou pagamentos em atraso e, com isso, gerar importantes parâmetros sobre o seu comportamento.

A partir daí, a Inteligência Artificial estabelece um comparativo, por meio de cálculos estatísticos, entre as informações de cada aluno que está ativo e daqueles que abandonaram ou mudaram o curso. Essa análise permite detectar quais estudantes estão mais propensos a abandonar a sua inscrição e, tendo em mãos os principais indicadores desses motivos, a instituição de ensino tem a possibilidade de criar estratégias para evitar a evasão.

Com isso, entra em cena o lado humano do processo de retenção. Também é possível potencializar este próximo passo por meio de uma consultoria especializada, que pode trazer novas ideias e maior eficiência na execução dos planos de ação junto aos estudantes.

E se isso soa como futuro, ou algo que está longe de ser colocado em prática, podemos citar o exemplo de uma renomeada universidade brasileira que já testou a Inteligência Artificial e obteve resultados reveladores. Os algoritmos de Machine Learning mostraram que um recorte de estudantes que apresentava dificuldade financeira, não reconhecia neste o principal motivo para uma possível evasão, o que foi confirmado em um contato posterior da própria instituição com este grupo. Diante disso, a faculdade pode se preparar para oferecer opções atrativas de permanência a essas pessoas e para outras que possam surgir com o mesmo perfil, se antecipando ao problema.

Ou seja, o diferencial aqui foi a combinação de tecnologia de ponta com processos e pessoas capacitadas para aproveitar todos os benefícios gerados, tanto para a instituição – que ganha mais rentabilidade - quanto para o país – que garante um futuro melhor, com mais educação e qualificação da sua população.

*Marcelo Cosentino é vice-presidente dos segmentos de Professional Services da Totvs


Inscrições abertas para curso sobre relações de gênero

Da redação

Sensibilizar e formar homens sobre relações de gênero, feminismo e masculinidade é o objetivo do 3º Curso de Formação em Gênero e Masculinidades, que ocorre de 25 de abril a 5 de setembro, às quartas-feiras, no Consórcio Intermunicipal Grande ABC, em Santo André.

Curso será realizado na sede do Consórcio, a partir de 25 de abril | Foto: reprodução 
Ao todo serão 20 encontros, das 8h30 às 12h. A iniciativa é promovida pelo Grupo Temático Gênero e Masculinidades, Escola da Defensoria Pública do Estado de São Paulo (EDEPE) e Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (NUDEM).

Nos encontros, serão abordadas questões como, por exemplo, a ideologia e reprodução do machismo, a constituição do patriarcado e processo socioeducativo para homens.

O público alvo da iniciativa são homens que trabalham no ABC, preferencialmente, funcionários públicos efetivos, que atuam em serviços relacionados ao tema e que tenham potencial para serem multiplicadores das áreas de políticas afirmativas, assistência social, saúde, segurança, educação, entre outras.

Interessados devem clicar aqui para realizar as inscrições. O Consórcio Intermunicipal Grande ABC fica na Av. Ramiro Colleoni, 05, Centro, em Santo André.



quarta-feira, 28 de março de 2018

Luz de eletrônico diminui em 88% a produção de melatonina nas crianças, aponta estudo

Da redação

O sono das crianças, ou a falta dele, é um assunto que preocupa os pais. A Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, realizou uma pesquisa que acaba de ser divulgada na revista Physiological Reports, sobre o impacto da luz brilhante na produção da melatonina, o hormônio que avisa o corpo que é hora de dormir. O estudo mostra que  uma hora de exposição a qualquer tela que emita a luz brilhante (tablets, smartphones, televisão, etc.) reduz em 88% os níveis da melatonina e o efeito pode durar até 50 minutos após a retirada do eletrônico.

O uso dos eletrônicos não é recomendado para crianças menores de dois anos | Foto: reprodução
Para a neuropediatra  Karina Weinmann, cofundadora da NeuroKinder, esse estudo é muito importante para alertar os pais, que o desenvolvimento infantil está em risco devido à super exposição dos pequenos aos eletrônicos, em idade cada vez mais precoce.

"O sono com qualidade é fundamental para o crescimento, amadurecimento do cérebro e, consequentemente, para o desenvolvimento infantil. Quando a criança não dorme, ela pode apresentar alterações de comportamento, déficits de aprendizagem, alteração nos níveis de ansiedade e estresse, sem contar os efeitos no organismo, como um todo", comenta  Karina.

Esse foi o primeiro estudo que avaliou o impacto fisiológico dos eletrônicos em crianças pequenas e serve de alerta em um momento em que tablets e celulares viraram rotina na noite das crianças.

Luz e melatonina
Karina explica que a luz serve para avisar o corpo que é hora de acordar e, a falta dela, hora de dormir. “Quando anoitece, a falta de luz faz com que a melatonina seja produzida e é este hormônio que ajuda na indução e aprofundamento do sono, garantindo a sua qualidade. Porém, ao expor a criança à luz dos eletrônicos, são enviados sinais para suprimir a produção da melatonina, desequilibrando o ciclo circadiano, responsável por dar ao nosso corpo o nosso ritmo biológico”.

Vale lembrar que a melatonina desempenha outras funções no organismo, como a regulação da temperatura, pressão sanguínea e o metabolismo da glicose. Então, podemos concluir que a exposição noturna à luz brilhante vai muito além do sono.

Dicas
Com estes resultados, é preciso repensar os hábitos familiares e rotina noturna. A recomendação é evitar que a criança veja TV ou use outros eletrônicos depois que o sol se põe. “Além disso, o uso dos eletrônicos não é recomendado para crianças menores de dois anos e, para as maiores, não deve ultrapassar uma hora por dia”, reforça a médica. 


Alceu Valença é o destaque de abril do "Domingo na ZL"

Da Redação

Após o sucesso do Domingo na Paulista, realizado no Centro Cultural Fiesp, na Avenida Paulista, o projeto Domingo na ZL aproxima o público da Zona Leste de São Paulo de vários nomes da cena musical nacional. Os shows são realizados sempre aos domingos, próximo ao Metrô Itaquera, com entrada gratuita.

Foto: Yanê Montenegro
Vencedora do Grammy Latino, a dupla Anavitória abre a programação de shows no dia 8 de abril, às 11h. Além das parcerias de sucesso Linda (junto com Projota), Fica (ao lado de Matheus & Kauan) e Trevo (com Tiago Iorc) Ana Clara e Vitória colocam o público para cantar ao som de composições como Singular, Agora Eu Quero Ir e Cor de Marte.

No domingo seguinte, 15 de abril é a vez do rapper Projota subir ao palco do Domingo na ZL, às 11h. O repertório traz as faixas do CD A Milenar Arte de Meter o Louco (AMADMOL) Muleque de Vila, Segura Seu B.O. e Rebeldia.

Ícone da MPB, Alceu Valença rouba a cena no dia 22, às 16h. O pernambucano relembra sucessos de sua carreira. Não ficarão de fora Coração Bobo, Táxi Lunar, Belle de Jour, Cabelo no Pente, Embolada do Tempo, Estação da Luz, Solidão, Anunciação, Tropicana.

Já o último domingo de abril (29) tem show em dose dupla com Rappin Hood e Negra Li. Ambos referências na mistura de estilos – rap, soul, samba ou hip-hop –, os artistas se revezam no palco a partir das 16h com hits que marcaram as décadas de 1990 e 2000. Enquanto Negra Li relembra Não é Sério (Charlie Brown), Você Vai Estar na Minha e Ainda Gosto Dela (Skank), Rappin Hood entoa Deixa Isso Par Lá (Jair Rodrigues), Rap Du Bom e Odara (Caetano Veloso).

A cada apresentação, espaço permanente de cultura na avenida Professor Engenheiro Ardevan Machado também oferece com seis opções de foodtrucks para atender o público, além de apresentações de DJs convidados para abrir os shows.



terça-feira, 27 de março de 2018

Bachiana Filarmônica, liderada por João Carlos Martins, tem apresentações no ABC

Da Redação

A Bachiana Filarmônica SESI-SP se apresenta nos dias 6, 7 e 8 de abril, em Diadema, São Bernardo do Campo e Santo André, respectivamente. Em Santo André, o concerto faz parte da comemoração especial dos 465 anos do município.

Sob regência do mundialmente conhecido maestro João Carlos Martins, a orquestra presenteia o público com canções como Concerto nº 5 “Imperador” e Love Of My Life. A performance é gratuita, veja abaixo as orientações.

 Foto: Lúcia Haraguchi   
Do clássico ao rock, o repertório promete emocionar o público com a interpretação singular da filarmônica para canções de Beethoven, Bach, Mozart, Adoniran Barbosa, The Beatles e Queen. Mais do que uma apresentação, trata-se de um encontro entre os ouvintes e os músicos da orquestra. Ao longo do espetáculo o maestro interage com a plateia e, em um momento especial, assume o piano e relembra sua trajetória como concertista.

Foto: Lúcia Haraguchi 
Formada por jovens e experientes instrumentistas de diversas idades, sob direção do maestro João Carlos Martins, a Bachiana contribui para a formação de talentos e dissemina a cultura da música erudita por todo o Estado. Esse é um presente do SESI-SP à comunidade da região, em sua missão de promover a qualidade de vida do trabalhador e de seus dependentes.

Sobre a Bachiana Filarmônica SESI-SP
Mantida pelo SESI-SP e sob a direção do maestro João Carlos Martins, a Bachiana representa ação relevante no apoio à música erudita e ao desenvolvimento de seus integrantes. Assim, abre múltiplas oportunidades profissionais e leva a cultura da música erudita a milhares de brasileiros. As apresentações abrangem desde o interior do Estado, periferias das grandes cidades, até renomados teatros, difundindo e valorizando a música clássica de alta qualidade técnica e artística.

Maestro João Carlos Martins
Considerado um dos maiores intérpretes de Johann Sebastian Bach (1685-1750), o maestro João Carlos Martins (1940) atingiu um patamar raramente alcançado por outros músicos brasileiros no século XX. Um dos pontos altos de sua carreira foi a gravação da obra completa para teclado desse gênio da música. Logo após, devido a problemas físicos, teve que abandonar a carreira de pianista, canalizando sua paixão para a regência.

Repertório
•        JOHANN SEBASTIAN BACH – Jesus Alegria dos Homens
•        L.V.BEETHOVEN – As Criaturas de Prometheus
•        LUDWIG VAN BEETHOVEN  – Concerto nº 5 “Imperador” (2º mov)
•        LUDWIG VAN BEETHOVEN  – Sinfonia nº 5 (4º mov) 
•        W.A.MOZART – Concerto para Piano nº 21 (2º mov)
•        THE BEATLES – Yesterday
•        FREDDIE MERCURY – Love of my life
•        ENNIO MORRICONE – A Missão / Cine Paradiso
•        ASTOR PIAZZOLA – Libertango
•        ADONIRAN BARBOSA – Trem das Onze

SERVIÇO:

Diadema               
Local: Ginásio de Esportes do SESI Diadema
Endereço: Av. Paranapanema, 1500 – Taboão - Diadema / SP
Data e horário: 6 de abril, às 20h
Duração: 60 minutos
Classificação indicativa: Livre
Entrada gratuita: ingressos podem ser reservados pelo sistema Meu SESI (sesisp.org.br/meu-sesi) 
Mais informações acesse diadema.sesisp.org.br

SERVIÇO:

São Bernardo do Campo       
Local: CENFORPE
Endereço: Av. Dom Jaime de Barros Câmara, 201 – Planalto - São Bernardo do Campo/SP
Data e horário: 7 de abril, às 20h
Duração: 60 minutos
Classificação indicativa: Livre
Assentos Limitados: 1.100 lugares
Entrada gratuita: Não é necessário reservar ingresso para este espetáculo. O acesso ao auditório será liberado 1 (uma) hora antes do início da apresentação.
Mais informações acesse saobernardo.sesisp.org.br

SERVIÇO:

Santo André       
Local: Clube Atlético Aramaçan
Endereço: Rua São Pedro, 346 – Vila América – Santo André/SP
Data e horário: 8 de abril, às 11h
Duração: 60 minutos
Classificação indicativa: Livre
Assentos limitados
Entrada gratuita mediante apresentação de ingresso a ser retirado na Secretaria Única do SESI Santo André de 2 a 5 de abril, das 14h às 18h30. Para reserva de ingresso ligue para (11) 4996-8646.
Mais informações acesse o site santoandre.sesisp.org.br



Saiba como prevenir a irritação ocular

Da redação

Quem passa muitas horas diante do computador, smartphone ou dos livros costuma enfrentar períodos de irritação e ressecamento ocular. Lágrimas artificiais ajudam a controlar o problema, mas apenas temporariamente. Portanto, vale a pena seguir algumas recomendações do oftalmologista Renato Neves, diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos, em São Paulo, para ter olhos sempre saudáveis.


Lágrimas artificiais ajudam a controlar o problema | Foto: reprodução 
Condicione-se a piscar mais frequentemente
 “As pessoas piscam entre 14 e 18 vezes por minuto. O piscar promove uma limpeza de toda sujeira e oleosidade depositada na superfície dos olhos e os mantém hidratados. O problema é que, diante de um computador, de um livro, da TV ou de algum outro acessório tecnológico, as pessoas acabam piscando muito menos. Aos poucos passam a sofrer com o ressecamento dos olhos e a irritação desencadeada pelo acúmulo de sujeira. Uma boa ideia é recorrer a aplicativos de celular que alertam para a necessidade de piscar. Ou ainda se programar para fazer pausas a cada 60 minutos e piscar durante 20 segundos”, recomenda Neves.

Evite vento no rosto 
De acordo com o oftalmologista, não importa ser o vento é do  ventilador, ar-condicionado, ou mesmo do secador de cabelo,  o vento resseca a superfície dos olhos mais do que o normal. “As lágrimas têm também anticorpos e proteínas de defesa que são muito importantes no combate a bactérias oportunistas. Sendo assim, quem vai sair num dia de muito vento deve, no mínimo, estar bem protegida com óculos de sol”, ressalta.

Coma mais peixes e nozes
“As lágrimas têm óleos análogos ao ômega-3 e ao ômega-6, que são ácidos graxos. Se a pessoa tem tendência ao ressecamento dos olhos, terá também uma deficiência dessas substâncias que precisa ser compensada. O ideal, neste caso, é mudar o hábito alimentar, incluindo mais peixes e nozes (castanha-do-pará, castanha-de-caju, amêndoas, amendoim etc.) à alimentação diária. Em caso de intolerância, uma alternativa é recorrer aos suplementos – sempre com recomendação do oftalmologista”, diz Neves.

Tenha mais cuidado com os olhos
A rotina diária de cuidado com os olhos  inclui lavar bem as mãos antes de tocar nos olhos, manter sempre óculos e lentes de contato devidamente higienizados, jamais dormir com as lentes de contato, evitar exposição ao sol sem proteção de óculos escuros, evitar mergulhar em águas não tratadas ou muito povoadas, segundo o oftalmologista. “Mas a recomendação principal é sempre buscar um serviço especializado em caso de algum mal-estar visual, vermelhidão e irritação prolongada”, finaliza Neves.




Bares do ABC estão entre os melhores do Brasil

Smirnoff, uma das marcas de vodca mais populares do mundo, , lançou uma competição em novembro de 2017 para encontrar a melhor caipiroska do Brasil feita com Smirnoff. Na primeira fase, 4 mil bares de todo país participaram e, por meio de votação popular, 200 bares foram escolhidas para seguirem no páreo.

Nesse segundo momento, um júri técnico percorreu todo o território nacional para provar cada receita e atribuir notas a quesitos como originalidade, apresentação e sabor. Essa avaliação especializada somada à opinião do público (que realizou mais de 60mil votos no site) resultou na escolha de 12 finalistas, que participam da grande final, em São Paulo, no dia 15 de abril.

Botequim Carioca apresentou a caipirinha
de banana com canela.


O representante de São Bernardo é o Boteco Adoniran. 

No estado de São Paulo, continuam no páreo o bar Estrela da Matriz, da capital, com sua receita de caju e limão siciliano; a Pizzaria Meime, também da capital, com drink a base de tangerina, maracujá e manjericão; o Botequim Carioca, de Santo André, com sua caipiroska de banana com limão e canela; o Boteco Adoniran, de São Bernardo do Campo, com sua versão que leva limão siciliano, açúcar, melaço de cana e gelo de garapa de cana. Já no interior, permanecem na disputa o Senhor Boteco, de Jaboticabal, com sua caipiroska de abacaxi, manjericão, gengibre, açúcar orgânico e picolé de tangerina; o Bar do Haules, de Jundiaí, com seu drink de rúcula e limão; e o Bar do Maurélio, em Barra Bonita, com uma tradicional feita com limão e açúcar. No litoral, o Esquina do Chopp, em Santos, segue na disputa com sua caipiroska que leva abacaxi, tangerina, maracujá, physalis e gengibre; e, na mesma cidade, também participa o Original Co. Burger, cuja criação é feita a partir de limão siciliano e cereja marasquino.

Ainda entre os finalistas, está o Tribus Bar, de Balneário Camboriú (SC), com versão feita com limão, morango, abacaxi e kiwi; o Deck Bar, em Londrina (PR), com garapa e limão rosa; e o Baco, em Maringá (PR), com limão siciliano, limão tahiti e xarope de rapadura; e o Condessa Gourmet.

Todas as casas e receitas que participam da maior disputa de caipiroskas do Brasil podem ser encontradas em caipiroskasmirnoff.com.br. O site concentra informações sobre os estabelecimentos, regulamento, receitas e votação.



segunda-feira, 26 de março de 2018

Teremos paz em 2018?

*Por Nelma da Silva Sá

As contradições fazem parte da condição humana. É unânime o desejo de paz quando questionamos as pessoas, mas, parece que somos regidos por forças antagônicas. Desejamos a paz, mas, estamos sempre seguindo na direção do conflito.

Temos vivenciado cada vez mais, um sentimento de intenso individualismo. Nunca na história da humanidade vivenciamos uma interconexão global tão intensa e nunca na história da humanidade nos sentimos tão isolados de nós mesmos e do outro, com corações cada vez mais cheios de certezas e cada vez mais endurecidos.

Mas, onde começa a Paz?
Paz é conexão. Paz é pertencimento. Paz é singularidade. Paz é autonomia. Paz é movimento. Paz é responsabilidade. Paz é solidariedade. Paz é diversão. Paz é comunhão. Paz é nutrição. Paz é acolhimento. Paz é integração. Paz é reconhecimento. Paz é vínculo!

É inerente ao ser humano criar vínculos. Os vínculos enriquecem a experiência humana e sedimentam a percepção de pertencimento. Pertencer é uma condição natural do ser humano e é ela que nos impulsiona a um estado de paz. Para que isso aconteça é preciso que fiquemos atentos com as invenções que nos distanciam da nossa natureza essencial.

Para termos paz em 2018 é necessário assumirmos a responsabilidade pela construção da paz no nível individual, no nível social e no nível ambiental. Há dois caminhos para se aprender a viver bem consigo, com o outro, com a comunidade e com a natureza: o do saber e do ser.

O caminho do saber é por nós no Ocidente bem conhecido, produto exclusivo da razão analítica, da lógica, da previsibilidade e comprovadamente necessário para o desenvolvimento da humanidade. Para ser, precisamos nos esvaziar do passado e do futuro, é preciso viver o presente, é preciso viver a realidade como ela se apresenta integrando inteligências e práticas que potencializem as escolhas do coração e da intuição.

É pelo caminho do ser que interagimos com o mundo, quanto mais estivermos de bem conosco, mais potencializadas ficam a nossa percepção e interpretação dos fatos, mais conectados com a nossa individualidade e com a individualidade do outro e, consequentemente, mais distantes de emoções e reações destrutivas permanecemos.

Se cada um de nós fizermos a nossa parte, juntos construiremos uma sociedade mais pacífica, mais igualitária e mais solidária!

* Nelma da Silva Sá é Vice-Presidente da UNIPAZ São Paulo, uma universidade aberta de ensino com 14 unidades no Brasil e 5 no exterior e que adota como metodologia em todas as suas atividades, a abordagem transdisciplinar holística que propõe uma visão não fragmentada da realidade e o diálogo das diversas ciências, filosofias, artes e tradições sapienciais.



sexta-feira, 23 de março de 2018

Tuberculose atinge cerca de 80 mil brasileiros por ano

Da redação

A tuberculose é uma das dez principais causas de morte no mundo. Estima-se que mais de 10 milhões de pessoas ficam doentes e 1,7 milhão morrem por ano, sendo que 95% dos óbitos são registrados em países de baixa e média renda. Os dados são da Organização Mundial de Saúde (OMS), que almeja terminar com a epidemia de tuberculose até 2030. Neste sábado (24) ocorre o Dia Mundial de Combate à Tuberculose, para chamar a atenção sobre a doença que atinge mais de 80 mil brasileiros.

Do total de casos mundiais de tuberculose, o continente americano responde por 268 mil registros, sendo que 84 mil deles ocorrem no Brasil, posicionando o País no 20º lugar entre os 30 países com maior carga em termos de números absolutos de tuberculose.

De acordo com o médico patologista clínico do Lavoisier, Gustavo Campana, diretor médico de Análises Clínicas, a infecção pelo bacilo de Koch (bactéria) pode se manter dormente por anos, sem manifestar sintomas severos. Os principais sinais, que costumam se apresentar com a doença já presente, são tosse frequente (muitas vezes com sangue), perda de peso, sudorese noturna e febre.

"É fundamental que, principalmente os pacientes com baixa imunidade, consultem um especialista sobre a necessidade de exames", recomenda o médico.

A transmissão de tuberculose se dá entre as pessoas por meio de gotículas no ar ou pela saliva (beijo e compartilhamento de objetos) e é bastante associada com pobreza, superlotação e, também, com doenças crônicas (como câncer) e portadores de HIV, que são imunosuprimidos (baixa imunidade). Em 2016, segundo a OMS, 4 entre 10 mortes por HIV foram decorrentes de tuberculose. A doença pode acometer todas as idades, mas dá um salto a partir dos 20 anos e o pico é entre os idosos, que têm menor imunidade.



quarta-feira, 21 de março de 2018

Corpo dá sinais de carência nutricional

Da redação

O corpo nos dá sinais constantes de que algo está faltando e é preciso escutar estas “chamadas” para poder reparar a tempo determinados desequilíbrios nutricionais. De acordo com a consultora em nutrição da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (ABITRIGO), Vanderli Marchiori, a deficiência de vitaminas e minerais é um grande complicador do nosso metabolismo.

Equilíbrio celular está atrelado ao consumo mínimo de 25% de gorduras, 15% de proteínas e pelo menos 40% de carboidratos, segundo a consultora em nutrição Vanderli Marchiori 


"Não consumir vitaminas diariamente não só causa doenças em si, mas também 'prepara o terreno' para que outras enfermidades apareçam. Os principais sinais que o nosso corpo nos aponta quando estamos com carência de nutrientes pode ser percebido quando nos sentimos cansados demais ou com sono excessivo; pensamentos confusos; excesso de apetite; baixa concentração; memória ruim; dificuldade de digerir as refeições; queda de cabelo; unhas quebradiças; pele opaca e ressecamento de olhos e da pele", explica Vanderli.

A especialista destaca ainda que as enzimas – proteínas que ajudam em algumas reações biológicas do corpo como, contribuir para a desintoxicação do organismo, digestão e absorção do alimento – e os hormônios – substâncias químicas produzidas por glândulas do sistema endócrino que atuam transportando informações entre as células – dependem de várias vitaminas, por exemplo, as do tipo A e C e minerais como ferro e cálcio e selênio.

"É fundamental pontuar que nenhuma vitamina ou mineral funciona corretamente em nossas células sem energia, portanto, nosso equilíbrio celular está atrelado ao consumo mínimo de 25% de gorduras, 15% de proteínas e pelo menos 40% de carboidratos", ressalta a especialista.

Por isso, a especialista alerta para que ninguém faça dietas restritivas, sem acompanhamento de um especialista. Além disso, é importante consultar um médico, caso suspeite de desequilíbrio nutricional.


terça-feira, 20 de março de 2018

Cardiologista recomenda atitudes simples para sair do sedentarismo

Da redação 

A falta de tempo é considerada um dos principais motivos para as pessoas não praticarem algum tipo de atividade física. No entanto, pequenos hábitos diários podem ajudar a ganhar qualidade de vida e bem estar. O especialista em cardiologia e professor da medcel, Rafael Munerato, traz algumas recomendações para sair do sedentarismo, já que causa ameaças à saúde, uma vez que é considerado um fator de risco cardiovascular.

Munerato indica dar, no mínimo, 10 mil passos por dia | Foto: divulgação 
Para Munerato, ir de maneira gradual é a forma mais assertiva. "A caminhada reduz estresse, estimula a produção de endorfina, além de melhorar a qualidade do sono", explica.

Formado pela Faculdade de Medicina da Santa Casa e com especialização em Arritmia Cardíaca pelo Instituto do Coração, o médico indica dar no mínimo 10 mil passos por dia para beneficiar a saúde e ganhar qualidade de vida - essa quantidade equivale a aproximadamente 45 minutos de caminhada.

Geralmente, as atividades habituais das pessoas fazem com que elas cheguem a cerca de 5 mil passos, ou seja, o esforço deve ser para completar e chegar aos 10 mil. Lembre-se: permanecer nos 5 mil, ainda será considerado como sedentário.

Como aumentar a quantidade de passos 
Descer ou subir escadas ao invés de usar o elevador;
Caminhar com amigos, familiares ou pets;
Descer do ônibus antes do ponto ou parar em estacionamento mais distante;
Saia para dançar com os amigos;
E aqueles que, por conta do trabalho não conseguem caminhar, devem monitorar os passos que habitualmente fazem, além de procurar ficar em pé mais tempo que sentados.

Benefícios:
Diminui o risco de infarto e derrame;
Perda de peso - alerta: a caminhada é um aliado na perda de peso, mas é necessário reduzir o açúcar branco e carboidrato de alto índice glicêmico - é o segredo para quem precisa perder peso de uma forma saudável;
Diminuição da porcentagem de gordura no corpo;
Diminuição de circunferência abdominal;
Aumento do HDL (colesterol bom).

Aposte nos aplicativos (apps): a melhor forma de contar os passos é com uso de aplicativos de celulares, smartwatches ou smartbands. Além de serem mais práticos, proporcionam uma gamificação, pois compartilham os dados e usam algoritmos para estimular o aumento dos passos.

Estimule-se: Trate essas dicas como o start para uma vida mais ativa, mas não se estagne nessa etapa. Os trabalhos científicos demonstram que realizar 30 minutos de atividade física moderada 5 vezes por semana ainda é superior a atingir 10 mil passos.

Restrição: quem tem alguma limitação física ou doença que cause limitação às atividades habituais deve ter orientações personalizadas sobre esta conduta. Doenças cardiopulmonares graves devem seguir orientação específica do médico.




segunda-feira, 19 de março de 2018

Mais de 300 monumentos terão as luzes apagadas em prol de campanha ambiental

Da redação

O movimento Hora do Planeta ocorre neste sábado (24), às 20h30. Na ocasião, dezenas de municípios e quase 300 monumentos no País apagarão as luzes por 1hora, num ato simbólico contra o aquecimento global.  Entre as cidades confirmadas estão São Paulo, que terá o desligamento da Fonte Multimídia, no Parque Ibirapuera; Rio de Janeiro, com o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar e Bondinho e Brasília, com o prédio da Câmara dos Deputados.

Na ocasião, as luzes ficarão apagadas por 1h, num ato simbólico | Imagem: reprodução
A iniciativa da  ONG WWF nasceu em 2007, na Austrália e há dez edições (desde 2009) é celebrado no Brasil. A Hora do Planeta já integra a agenda de muitos municípios brasileiros, que veem uma oportunidade para promover a preocupação com o meio ambiente, segundo o diretor-executivo do WWF-Brasil, Mauricio Voivodic.

"As cidades ou empresas começam na Hora do Planeta desligando as luzes e, nos anos seguintes, já querem fazer um pouco mais, como uma caminhada ou uma feira voltada para a sustentabilidade. É um evento muito gostoso e que traz um apelo ambiental forte, ainda mais com os efeitos das mudanças do clima cada vez mais evidentes no nosso dia-a-dia", afirma Voivodic.

Vale lembrar que a partir de 2018, a estratégia da Hora do Planeta está voltada para a relação dos nossos hábitos com as mudanças do clima e seu impacto na biodiversidade. No último dia 14, o WWF divulgou um relatório mostrando que, se nada for feito em relação às emissões de gases de efeito estufa, até o final do século, mais de 50% das espécies de plantas e animais do mundo estarão sob risco de extinção local.



sexta-feira, 16 de março de 2018

Inscrições abertas para workshop sobre imagem e beleza

Da redação

Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher (8 de março), o Sindicato das Empresas de Hospedagem e Alimentação do Grande ABC (SEHAL) promove o workshop Imagem e Beleza Pessoal. O evento é gratuito, aberto ao público em geral, e será realizado em 28 de março, das 16h às 18h, na Escola SEHAL, à Rua Laura, 214, Centro, Santo André.

Participantes terão dicas de automaquiagem | Foto: reprodução
Na ocasião, a arte da autoimagem será demonstrada na teoria e na prática pela consultora Caroline Gomes. Durante o curso, as participantes receberão dicas de automaquiagem, como manter a aparência e a pele limpa. “É um aprendizado de cuidados para o dia a dia para manter a pele sempre viçosa e saudável”, explica.

De acordo com o presidente do SEHAL, Roberto Moreira, o papel da mulher no mercado de trabalho, especialmente as que trabalham nesta categoria, é fundamental. Elas são, na maioria das vezes, arrimos de família e deixam de lado o cuidado com elas mesmas para cuidar da família. Por isso, merecem ser homenageadas todos os dias do ano.

 “É nosso dever como representante das empresárias do setor, que por sua vez têm sua força de trabalho em valorosas colaboradoras, mostrar a importância do cuidado com sua imagem pessoal, para melhoria de sua autoestima e para que superem as barreiras no mercado de trabalho que ainda enfrentam", comenta Moreira.

As inscrições podem ser feitas pelo telefone (11) 4994-2866 ou pelo e-mail cursos@sehal.com.br.



quinta-feira, 15 de março de 2018

Documentário aborda doenças raras

Da redação

O primeiro dia da Doença Rara ocorreu em 29 de fevereiro de 2008, data rara, já que acontece de quatro em quatro anos.  Este ano não é bissexto, então, em 28 de fevereiro, a Crossing Connection Health lançou o documentário longa-metragem (70 minutos)  Mundo dos Raros (vídeo abaixo).

Mundo dos Raros é o primeiro projeto de uma série de filmes que será lançada | Foto: divulgação 
A iniciativa tem como objetivo conscientizar as pessoas sobre as doenças raras, que afeta 15 milhões de portadores no País. A ideia é mostrar a trajetórias de vida, desde a descoberta ao tratamento e convívio com a doença, o que já foi feito em termos de leis para proteção e manutenção de direitos, além das organizações que apoiam e conquistam vitórias.

Uma das idealizadoras do documentário, Andrea Soares, comenta que o Mundo dos Raros é o primeiro projeto de uma série de filmes que a Crossing Connection Health, dirigido por Sergio Spina, juntamente com a NaVeia Filmes, pretende realizar, será uma série voltada para o universo de doenças raras.

"Todo esse caminho e essa luta é uma forma de sensibilizar a sociedade, governos, escolas e atuantes na área da saúde a dedicarem seu olhar também aos doentes raros e as redes de apoio", afirma Andrea.






quarta-feira, 14 de março de 2018

Alguns hábitos podem influenciar no desenvolvimento do glaucoma

Da redação

O glaucoma é uma das principais causas de perda de visão em todo o mundo, e afeta quase 60 milhões de pessoas. De acordo com o oftalmologista Virgílio Centurion, diretor do Instituto de Moléstias Oculares (IMO) há tratamento para retardar a progressão da doença, mas não há cura.

Pessoas com histórico familiar de glaucoma devem fazer exames oftalmológicos regulares | Foto: reprodução
“Anteriormente, se pensava que o estilo de vida não desempenhasse um papel tão relevante na prevenção do glaucoma, mas vários estudos recentes mostram que os fatores de estilo de vida podem influenciar a pressão ocular, que é um importante fator de risco para a doença”, comenta Centurion.

Com isso, o ideal é discutir com o oftalmologista quais as mudanças específicas que podem ser apropriadas para cada caso. A Academia Americana de Oftalmologia listou hábitos que podem ajudar a minimizar o risco de perda de visão provocada pelo glaucoma. Confira:


1- Exercite-se regularmente
Um estudo recente mostrou que as pessoas que praticam atividade física, de forma moderada a vigorosa, parecem ter um risco 73% menor de desenvolver glaucoma, conforme explica a oftalmologista do IMO,  Márcia Lucia Marques. “Isso ocorre porque o fluxo sanguíneo e a pressão dentro do olho podem mudar com o exercício, o que pode afetar o risco de glaucoma”.

2- Adote uma dieta rica em frutas e vegetais, especialmente folhas verdes
As pessoas que comem mais vegetais com folhas verdes têm cerca de 20% a 30% menos risco de desenvolver glaucoma, “porque os nitratos presentes nos vegetais verdes podem ser convertidos em óxido nítrico, o que pode melhorar o fluxo sanguíneo e ajudar a regular a pressão dentro do olho”, afirma Márcia.

3- Beba café com moderação 
Um pouco de café é bom, mas evite excessos. “Um estudo descobriu que beber cinco ou mais xícaras de café aumentou o risco de desenvolver glaucoma. Como o chá pode ajudar? Os antioxidantes e os flavonoides contidos no chá podem melhorar a capacidade do corpo de evitar os efeitos nocivos dos radicais livres”, diz a oftalmologista.

4- Considere tomar suplemento de magnésio
Incluir magnésio na dieta pode ser benéfico para pacientes com glaucoma, pois o magnésio melhora a circulação e parece ter um efeito benéfico na visão dos pacientes com glaucoma.

5- Escove os dentes, use fio dental e visite o dentista regularmente A perda dentária pode estar ligada ao aumento do risco de glaucoma. “Isso ocorre porque a doença periodontal pode desencadear uma resposta inflamatória que pode contribuir para o desenvolvimento do glaucoma”, comenta Márcia.

6- Não fume 
Estudos indicam que fumar aumenta o risco de glaucoma e tem um impacto negativo global sobre a saúde ocular.

7- Mantenha um peso corporal saudável
Pessoas com maior Índice de Massa Corporal (IMC) estão em maior risco de diabetes e o diabetes coloca as pessoas em risco de desenvolver glaucoma.

8- Evite posturas invertidas em ioga
Estudos mostram que as posições de cabeça para baixo podem aumentar a pressão dos olhos e não são recomendadas para pacientes com glaucoma. Há muitos exercícios de ioga que não têm esse efeito.

9- Evite gravatasPesquisadores dizem que as  gravatas muito apertadas podem aumentar o risco de glaucoma, aumentando a pressão arterial dentro dos olhos.

10- Faça exames oftalmológicos regulares, especialmente se você tiver um histórico familiar de glaucoma
Há genes específicos que aumentam o risco de glaucoma. “As pessoas com maior risco de glaucoma  são pessoas de ascendência africana, pessoas com diabetes e pessoas com antecedentes familiares de glaucoma. Você também apresenta  um risco maior se tem um pai ou irmão/ irmã com glaucoma”, finaliza a médica.




terça-feira, 13 de março de 2018

Incontinência urinária atinge cerca de 10 milhões de brasileiros

Da redação

De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, é difícil mensurar a quantidade de pessoas que têm algum grau de incontinência – condição relacionada à perda involuntária de urina – porque muitos homens e mulheres têm vergonha de falar sobre o assunto ou ainda acham que não existe tratamento efetivo. Porém, estima-se que, no mundo, 200 milhões de pessoas tenham algum grau de incontinência.

"A incontinência urinária atinge 10 milhões de brasileiros de todas as idades, sendo duas vezes mais comum no sexo feminino, afirma a Sociedade Brasileira de Urologia. É um problema que afeta todas as faixas etárias, mas acomete mais a população idosa", comenta o urologista Rodrigo Brasileiro, membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia.

Tipos de incontinência e tratamentos
De acordo com o especialista, a gravidade da incontinência varia. "Em alguns casos, a pessoa não consegue segurar a urina ao fazer esforços como tossir ou espirrar, em outros casos, a vontade de urinar é tão súbita e forte que não dá tempo de chegar a um banheiro", explica.

O médico ressalta ainda que as causas também variam e são distintas, pois pode ser um problema intrínseco do próprio esfíncter urinário, distúrbio de função do aparelho urinário ou ser mais um sintoma de uma patologia prostática – condição que acomete cerca de 50% dos homens que passam por uma cirurgia de câncer de próstata.

Sobre os tratamentos, o urologista esclarece: "Existem tratamentos específicos para cada tipo de incontinência, que podem ser desde fisioterapia de reabilitação do assoalho pélvico, tratamentos medicamentosos, ou tratamentos cirúrgicos". No Brasil, existem duas cirurgias disponíveis: implantação de Sling, que funciona como uma tipóia, que sustenta o canal da urina ou implantação de um esfíncter artificial, que é um pequeno anel em volta da uretra, totalmente contido no corpo e imperceptível, que passa a ser o responsável pelo controle da urina.



segunda-feira, 12 de março de 2018

Cerca de 7 milhões de brasileiras sofrem por causa da endometriose

Da redação

Março é o mês de conscientização sobre a endometriose, uma doença que afeta mais de 15% das mulheres em idade reprodutiva no Brasil. Embora o assunto tenha ganhado muita repercussão depois de declarações de uma atriz americana, ainda há muitas dúvidas e mitos acerca da condição. O ginecologista e obstetra Fernando Guastella, com especialização em exames por imagem para endometriose e professor do Cetrus, diz diagnosticar pelo menos dez pacientes por semana com endometriose. Segundo a Organização Mundial de Saúde cerca de 7 milhões de brasileiras possuem a doença, o que a torna uma questão de saúde pública.

A endometriose pode ser confundida com cólica | Foto: reprodução
O dia a dia conturbado tem relação direta com o aumento do número de mulheres com este diagnóstico. "Estilo de vida com muito estresse, uma alimentação desequilibrada e a opção por uma gestação tardia são fatores que influenciam no surgimento da endometriose. É um problema biológico individual e tem relação genética, mas os fatores ambientais também contribuem. Hoje entre 5 e 15% das mulheres em idade reprodutiva têm endometriose", explica Guastella.

A doença
Endometriose é o desprendimento do tecido que reveste o útero, que pode grudar em outros órgãos causando desconforto e dores fortes, especialmente durante o período menstrual. Cerca de 70% das mulheres possuem lesões na região retrocervical, ou seja, na parte atrás do colo do útero; 40% no intestino; 30% na vagina e cerca de 10% na bexiga. É comum que as pacientes possuam mais de um local do corpo acometido.

Prevenção
De acordo com o especialista o ideal é prevenir para que a doença não atinja estágios mais avançados. Sendo assim, os exames periódicos são fundamentais. Tão importante quanto o acompanhamento é contar com um profissional capacitado para identificação da doença. Por exemplo, em estágio inicial é difícil detectar a endometriose, mas há sintomas que justificam um estudo mais aprofundado seja feito.

Tanto a ultrassonografia transvaginal quanto a ressonância magnética não conseguem detectar a doença na fase superficial, pois a lesão não invade de maneira significativa o peritônio, ou seja, o tecido de revestimento da cavidade abdominal que recobre tanto a parede abdominal, quanto as vísceras (órgãos da cavidade abdominal como intestino e bexiga). Isso dificulta bastante a identificação. No entanto, para os outros casos Guastella afirma que a ultrassonografia é a ferramenta mais eficaz neste processo. "Em 95% dos casos o ultrassom realizado por profissional capacitado para detectar endometriose, consegue diagnosticar a doença e quando sinaliza o diagnóstico tem 100% de acerto. Por isso, a ida com frequência ao médico é tão importante", reforça o ginecologista.

Sinais de alerta
Mais comum do que se imagina, a endometriose acomete muitas mulheres e pode ser detectada em algumas situações, ainda em estágio inicial. "O sintoma mais frequentemente encontrado em pacientes com endometriose é a dor pélvica, tipo cólica. Geralmente essa dor é no período menstrual e vai aumentando gradativamente com a evolução da doença", reforça o ginecologista.
"O controle do sintoma é realizado mais fácil quando o diagnóstico é precoce", completa. Veja alguns sinais de alerta listados pelo especialista:

Nunca teve cólica e passou a ter;
Sempre teve cólica, mas as dores pioraram muito;
Sente dor durante a relação sexual;
Diarreia e dor para evacuar no período menstrual;
Dor ao urinar no período menstrual;
Independentemente dos sintomas de dor, se apresentar dificuldades para engravidar.

Diagnóstico
Quando o diagnóstico é precoce há o tratamento medicamentoso para agir diretamente na dor e o cirúrgico que é para retirar o foco da doença – que tem chances de aparecer novamente. A doença alcança estágios mais profundos entre os 30 e 35 anos. Mas há adolescentes com endometriose.

Mitos x Verdade

A mulher com endometriose não pode engravidar.
Mito. A mulher com endometriose pode engravidar sim. Guastella diz que algumas mulheres com endometriose apresentam maior probabilidade de ter dificuldades para engravidar. Existem muitas mulheres com endometriose que não apresentam infertilidade. Quanto mais grave for a doença, maior será a probabilidade da dificuldade em engravidar. Caso a paciente não consiga engravidar espontaneamente, poderá ser realizada fertilização em vitro ou cirurgia.

Endometriose é câncer.
Mito. A endometriose não é uma doença que pode levar à morte.

A endometriose pode ser confundida com cólica. 
Verdade. Um dos sinais da endometriose é uma dor que pode ser confundida com cólica menstrual.

Endometriose tem tratamento
Verdade. Há o tratamento medicamentoso para solucionar a dor e o cirúrgico que irá retirar a endometriose, que poderá estar em órgãos como o colo uterino, intestino, bexiga e vagina, por exemplo.



sexta-feira, 9 de março de 2018

Insônia atinge uma em cada cinco pessoas

*Por Fabio Akyama

A insônia é um distúrbio caracterizado pela dificuldade de iniciar e ou manter o sono por um período prolongado. Esse problema é algo comum na vida de muitas pessoas e, segundo a Associação Brasileira do Sono, cerca de 36,5% da população sofrem com os sintomas.

O incomodo age no organismo de diferentes formas, mas no geral é como se todas as noites você se deitasse na cama e esquecesse como se faz para dormir. Com isso, os dias vão parecendo mais longos e cansativos, fazendo com que as pessoas que têm esse problema sofram para se concentrar, além do raciocínio lento e falta de memória, entre outros transtornos causados pela privação do sono.

As pessoas costumam ter hábitos de sono diferentes, logo, a insônia também as atinge de maneiras distintas. Existem três classificações para identificar, a aguda, crônica ou intermitente e também pode ser designada como primária, caso seja o principal sintoma apresentado ou secundária, se for consequência de outros fatores que estejam prejudicando o sono.

Os principais fatores causadores da insônia são o estresse, ambientes e hábitos inadequados, o estilo de vida e transtornos mentais como a depressão, ansiedade e pânico. Adquirir alguns hábitos saudáveis podem ajudar a melhorar, como alimentação adequada e prática de atividade física regular. O pilates, modalidade de ginástica que também utiliza a consciência respiratória, faz com que o corpo mantenha o equilíbrio do sistema nervoso autônomo.

Além dos métodos tradicionais, tratamentos não medicamentosos como a microfisioterapia podem auxiliar no ajuste das horas de sono. Esse tratamento foi desenvolvido por franceses como base na embriologia, filogênese e a anatomia humana.

O método permite avaliar o ritmo vital dos órgãos e tecidos através de micro toques, procurando perdas de vitalidade e a causa desses desequilíbrios. Além disso, estimula o corpo para que se auto regule e assim possa reencontrar a saúde.

Algumas doenças se manifestam no corpo através de problemas crônicos, chamadas de agressões primárias. Elas deixam cicatrizes que ficam armazenadas nos tecidos, atrapalhando o funcionamento e desregulando o ritmo vital. Na microfisioterapia o fisioterapeuta, através de micro palpações, procura pelo corpo onde essa "cicatriz" ficou armazenada e reconhece qual tecido (musculoesquelético, tecido do sistema nervo, pele ou até visceral) teve perda de vitalidade, afetando o funcionamento de todo o organismo.

O papel do profissional é, então, apresentar para o corpo onde estão localizadas essas feridas para que o próprio organismo as elimine.

A cicatriz patológica é o vestígio deixado pelo agente agressor no corpo, que até tenta reparar o problema, mas não consegue eliminar por uma deficiência do sistema imunológico ou porque a agressão foi muito forte. O resultado é um desequilibro de células e tecidos, atrapalhando suas funções e provavelmente gerando os sintomas que causam a insônia.

Principalmente nos casos em que é secundária, há possibilidade de ser algum distúrbio emocional ou hormonal. O procedimento faz com que o corpo entre em equilíbrio facilitando a organização e eliminando os sintomas primários e, consequentemente, a insônia.

Também existem tratamentos medicamentosos que podem ser usados contra a insônia, no entanto eles dificilmente tratam a causa, mas servem para que as pessoas durmam mesmo que não descansando o suficiente.

*Akiyama atua na área da saúde desde 2009. É fisioterapeuta e trabalha com a microfisioterapia, terapia que estimula a autocura através do toque, ou seja, faz com que o corpo reconheça seu agressor e inicie o processo de reprogramação celular. 


Dia Internacional da Mulher: uma homenagem justa, mas ainda obscura

Por Erica Drumond

Quem diria que conseguiríamos mostrar que o lugar da mulher não é apenas na cozinha, que a Amélia se superou e que tem lutado diariamente para conquistar o seu espaço em uma sociedade fundamentalmente patriarcal e machista. Ainda somos poucas nos cargos de liderança, ainda temos o salário desigual se comparado ao universo masculino e, sabe por que? Porque somos mulheres que perante essa sociedade tem diversas obrigações como cuidar da casa, da família e ainda, muitas vezes, tem que dar conta de colocar comida e de sustentar a casa, fazendo o papel de pai e mãe. Eis o grande pulo, a estratégia e o segredo do nosso sucesso, sermos multitarefa, administrando, por exemplo, o que muitos homens não dão conta (e aqui vamos falar em alto e bom tom, para que os mesmos possam imaginar do que somos capazes)

.
Que orgulho dos movimentos feministas, de ir para rua e mostrar que somos muito mais que um gênero, que somos mulheres que durante anos viveram a mercê do medo, do preconceito e que agora não tem mais o receio de vestir calças, de dar voz as atrocidades vivenciadas, de colocar a boca no mundo e de dizer a que viemos. Certa vez me lembro de estar na capa de um veículo de comunicação onde o título era Não se atreva me chamar de madame, e é justamente isso que devemos deixar claro, se para um homem chegar ao cargo de liderança não é fácil, imagine para uma mulher o que significa sobreviver nesse universo e, nesse aspecto, não importa de onde viemos, nossas origens, o importante é ter competência e saber sobreviver. O que aqui quero destacar é a caminhada longa e árdua de milhares de brasileiras que criam seus filhos sozinhas, que lutam e conquistam um futuro inimaginável até mesmo para si própria. Ou seja, nada substitui a força do trabalho e podemos usar salto alto, decotes, batom, sendo ao mesmo tempo feminina e forte.

Nosso papel mudou completamente, assim como a sociedade, os valores, conceitos e pré-conceitos que surgem e ressurgem todos os dias, mas continuamos lutando pelo fim da desigualdade entre os gêneros. Ainda somos julgadas incapazes e inferiores aos homens para determinados cargos ou tarefas. Contudo, hoje temos mais independência e mais voz. A verdade é que com todas essas transformações foi preciso nos reinventarmos. Hoje, muitas escolhem não casar e ter filhos, muitas optam por serem bem-sucedidas no trabalho e outras conseguem dar conta da família e do trabalho.

Devemos então aproveitar o dia 08 de março, que marca a comemoração do Dia Internacional da Mulher, para colocarmos em discussão assuntos que ainda estão obscuros a partir dessa realidade patriarcal e machista. Destacando que lutamos pela quebra de paradigmas, para combater todos os tipos de violência contra a mulher e para sobreviver com um mínimo de dignidade e reconhecimento nesse mundo cão. Sem nenhum demérito, sei que até aqui conquistamos muitas coisas, mas ainda não chegamos nem perto de uma sociedade que seja igualitária e justa. Temos um longo caminho pela frente e a única regra é que desistir jamais nos será permitido.

E o melhor de todas as conquistas é que não choro como sempre diziam que as mulheres choravam.Gosto de rir de mim mesma e muitas vezes gargalhar de quem ainda não aprendeu a rir dos erros e se alegrar muito dos acertos.

Um feliz dia encorajado a todas as mulheres!








quinta-feira, 8 de março de 2018

Para cada homem com depressão, duas mulheres sofrem com a doença

Da redação

Atualmente, 400 milhões de pessoas vivem com depressão no planeta, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Ainda segundo a OMS, para cada homem com depressão, duas mulheres sofrem com a doença. A psicóloga e hipnóloga, Miriam Farias, diz que as mulheres também são as que mais procuram ajuda profissional. A explicação pode estar na sociedade, que permite a elas expressarem melhor os  sentimentos.

Psicóloga Miriam ressalta que é importante diferenciar tristeza de depressão | Foto: divulgação 
"A maior procura por tratamento psicológico com hipnose são pessoas do sexo feminino. A mulher consegue e tem mais facilidade de identificar e expressar as emoções e o que sente do que os homens. Até por uma questão cultural foi ensinado, permitido e estimulado a mulher desde a infância expressar e demonstrar os sentimentos... por isso, ela quando adulta tem mais facilidade de identificar e expressar os afetos ou desafetos. Então, quando ela está sofrendo, principalmente de depressão, consegue procurar ajuda", explica a psicóloga.

Para afastar o problema, Miriam lista dez  atitudes que ajudam no processo de cura:

1- Procure ajuda de um psicólogo que faça hipnose;
2 - Mesmo que seja difícil procurar cuidar da aparência;
3 - Pratique atividade física;
4 - Pratique auto hipnose, meditação ou yoga;
5 – Fique perto de pessoas que o coloquem para cima, pessoas alegres, a felicidade é contagiante;
6 - Resgate atividades que antes da depressão era fonte de prazer;
7 - Aumente as possibilidades de relacionamentos;
8 - Evite ficar isolada, mesmo que faça um esforço;
9 - Busque um novo aprendizado, pois isso estimula o cérebro e pode motivar;
10-Construa na sua mente pensamentos saudáveis, que você pode, é capaz e tem capacidade de superação.

De acordo com a psicóloga,  é importante saber diferenciar uma tristeza comum de um quadro depressivo, visto que a tristeza, assim como as demais emoções – medo, ansiedade, raiva, entre outras – fazem parte da vida; enquanto a depressão é a alta intensidade por tempo prolongado desses sentimentos ruins, sendo necessária, portanto, a ajuda profissional de um profissional.

"A depressão é um transtorno que causa sofrimento tanto físico, quanto mental e emocional, gerando também um afastamento ou isolamento social. Na depressão, a pessoa perde a capacidade de experimentar o prazer, há um desânimo constante que compromete as atividades e tarefas diárias. O indivíduo não tem vontade de fazer nada, acorda sempre cansado, o sono fica ruim e não é recuperador", ressalta a especialista.




quarta-feira, 7 de março de 2018

Três em cada dez brasileiros têm um pé maior que o outro

Da redação

Após examinar os membros inferiores de mais de 37 mil clientes em escâneres 2D e 3D, uma empresa de palmilhas ortopédicas identificou que 29,3% das pessoas têm um pé ligeiramente maior que o outro. Isso pode explicar o surgimento de bolhas, calos e também responde à uma pergunta frequente: por que tantos calçados são desconfortáveis em só um dos pés? Assim, foi constatado que três em cada dez brasileiros são acometidos por uma diferença considerável no tamanho dos pés, que varia de 0,4 centímetro (cm) à 2 cm.

Se possível, compre calçados à noite, quando os pés estão mais inchados | Foto: divulgação 
Segundo o diretor de Fisioterapia da empresa Pés Sem Dor, Mateus Martinez, há duas causas do problema: "Essa diferença surge devido aos fatores genéticos em casos mais raros devido aos traumas. Para que um sapato social seja confortável e não provoque problemas, ele deve ter uma folga de 0,7 cm. No caso de um tênis, essa folga tem que ser de 1,5 cm". Se um dos pés for menor que o outro, a numeração escolhida precisa ser adequada ao pé maior.

O dado serve como um alerta para o setor calçadista, já que no Brasil os sapatos são feitos em escala e as marcas não chegam a um consenso quanto à numeração. "É comum encontrar um tênis número 40 mais folgado que o 41 de outra marca. Mesmo que os pés sejam tão diferentes uns dos outros, poucas empresas se preocupam em fazer produtos personalizados" aponta o fundador da Pés Sem Dor, Thomas Case. 

Normalmente, é comum acreditar que calçados maiores que o adequado são uma alternativa, mas o atrito da folga gera desconfortos e causa calos. O recomendado é utilizar uma palmilha sob medida, que irá prevenir esse atrito. Martinez ainda aponta um outro diagnóstico, no qual  um dos dedos do pé é maior que os demais: "o formato dos dedos são diferentes e isso é genético. Quem tem os 'dedos gregos' e os 'dedos célticos' são os que mais sofrem desconfortos e dificuldades na hora de usar calçados".

Um último fator é o inchaço. Se fosse possível determinar qual a melhor hora para escolher um calçado, seria no período da noite, quando nossos pés estão mais inchados. "O ideal é fazer uma medição com especialistas, além de escolher o calçado sempre com base no pé maior. O que não podemos é desrespeitar a base do nosso corpo, já que independente do tamanho, eles nos levam onde precisamos chegar" conclui Case.



Sono e saúde

Por Mariana Rossi Gurgel Fava-  fisioterapeuta e membro da Associação Brasileira do Sono

Nas últimas décadas muito se tem falado a respeito de qualidade de vida, da importância da boa alimentação, de exercícios físicos e mesmo de uma vida social equilibrada, que integre trabalho, lazer e saudável convívio familiar . A qualidade do sono também tem sido muito valorizada, pois é indispensável para o equilíbrio físico, mental e emocional do ser humano, fortalecendo o sistema imunológico, ajudando a prevenir doenças e proporcionando um bom funcionamento do cérebro.
Apesar de todas essas funções, nem sempre os eventuais problemas de sono dos pacientes são questionados ou investigados pelos profissionais da saúde no dia-a-dia dos consultórios particulares ou do serviço público, a menos que o paciente traga espontaneamente uma queixa específica sobre o problema.


Gostaria de chamar a atenção para a necessidade de um novo olhar sobre o assunto, pois muitos problemas que afetam a saúde da população e que acabam levando o paciente a buscar atendimento médico, como pressão alta, obesidade, ansiedade, perda da memória, dentre outros, podem estar associados a uma má qualidade do sono. Dados alarmantes, como os que apontam que cerca de 1/3 dos acidentes de trânsito esteja associado à sonolência excessiva ao volante, contribuíram para mudança na legislação vigente, a qual inclui, desde 2008, dentre os critérios para obtenção e renovação de categorias profissionais da Carteira Nacional de Habilitação, a avaliação de distúrbios do sono.
Deve-se ressaltar que o sono possibilita o descanso do organismo e a preparação para o dia seguinte.Apesar da real função do sono ainda ser alvo de inúmeras pesquisas científicas, não restam dúvidas de que dormir é essencial para a manutenção de funções essenciais como a fala, memória e pensamento flexível e inovador. Uma boa maneira de compreender o papel do sono é atentar para o que acontece quando não dormimos adequadamente. A falta de sono tem efeitos graves sobre a
capacidade do nosso cérebro de funcionar adequadamente. Se você já teve uma "noitada daquelas", estará familiarizado com os seguintes sintomas: sonolência, irritabilidade e esquecimento. Depois de apenas uma noite sem sono, a concentração torna-se mais difícil e atenção diminui consideravel-mente. Dentre os distúrbios mais frequentes do sono estão a insônia e a apneia do sono, que é a parada respiratória devido à obstrução das vias aéreas. Seus sinais e sintomas mais comuns são o ronco, engasgos
durante o sono, sensação de que não dormiu bem e cansaço ou sonolência durante o dia. As interrupções do sono devido à apneia podem ocorrer diversas vezes em uma mesma noite e podem ao longo do tempo ocasionar diversos problemas como, por exemplo, arritmias no coração, elevação
da pressão arterial, diabetes, refluxo gástrico e o aumento do risco de acidentes devido à desatenção ou mesmo cochilos durante o desempenho de alguma tarefa. Por isso é de extrema importância que a
população fique atenta e relate esses e outros problemas de sono ao seu médico de confiança ou procure orientação médica nos postos de saúde.
Cuidar do seu sono é cuidar de sua saúde


terça-feira, 6 de março de 2018

Psicóloga destaca benefícios da convivência com animais desde a infância

Da redação

A maioria das crianças sonha em ter um animalzinho de estimação, porém os pais muitas vezes entram em conflito com esta ideia, já que existem alguns receios em relação ao convívio dos pequenos com esses bichinhos. Com isso, a psicóloga infantil e familiar, Carol Braga, destaca os benefícios desta convivência.

Crianças que convivem com seus animais de estimação apresentam menores chances de contrair asma ou alergias | Foto: Shutterstock 
"No aspecto emocional, através de estudos, não há registros de algo negativo em se ter um animal de estimação em casa, claro que devemos sempre avaliar as condições físicas de cada situação. Do ponto de vista emocional se trata de falarmos de amor, carinho, respeito, cuidado e dedicação! A convivência com os bichinhos estimula o desenvolvimento cognitivo, emocional, físico e social da criança", ressalta a psicóloga.

Destaque também para o "papel" de facilitadores sociais dos animais, pois onde estão atraem atenção e geram interação entre as pessoas, principalmente entre as crianças, que se encantam facilmente com estes seres vivos. E no ambiente familiar, sem dúvida, esses animais estreitam o relacionamento entre os membros da família e essa união é essencial para o desenvolvimento da criança.

" Os pets são capazes de despertar nas crianças o afeto, companheirismo e senso de responsabilidade com o próximo, pois em qualquer lugar que estejam, necessitam de cuidados e atenção especial. Neste momento, inclusive, os pais podem atribuir pequenas tarefas para os filhos realizarem e auxiliarem no dia a dia do bichinho, transmitindo os princípios da responsabilidade e estimulando a autoestima dos pequenos, já que estes se sentirão prestativos e fazendo parte de algo importante", destaca Carol.

De acordo com estudos científicos, crianças que convivem com seus animais de estimação apresentam menores chances de contrair asma ou alergias, pois desenvolvem um sistema imunológico mais resistente.

O convívio com animais de estimação desde a infância também favorece emocionalmente a criança, reduzindo os índices do desencadeamento da ansiedade infantil, uma vez que a preocupação e os cuidados que devem ser dedicados aos bichinhos faz com que os pequenos foquem no presente, sem se sentirem angustiados e preocupados com o que vem pela frente. Além disso, o vínculo com os animais faz com que o organismo libere ocitocina, responsável por proporcionar sensação de bem-estar.

Além dos benefícios já citados, a convivência com os animais também tira a criança da zona de conforto, da tendência ao sedentarismo e estimula a criatividade e habilidades motoras.  A profissional também ressalta que a decisão de ter ou não um pet na rotina familiar deve ser feita a partir das condições da família e da preferência dos pequenos, além disso, é importante também pesquisar as raças mais adequadas às crianças.




segunda-feira, 5 de março de 2018

Mulheres sofrem mais de doenças renais devido anatomia

Da redação

Se comparadas aos homens, as mulheres têm um risco bastante particular de desenvolver doenças renais, de acordo com a nefrologista do Centro de Rim e Diabetes do Hospital 9 de julho, Zita Britto. Por isso, o diagnóstico precoce de doenças é essencial para evitar complicações.


Mulheres adultas têm 50 vezes mais chances de adquirir infecção do trato urinário | Foto: ThinkStock 

“A mulher possui uma uretra menor que a dos homens e mais próxima ao ânus, o que facilita a proliferação de bactérias do intestino, por exemplo, levando a infecções mais frequentes” explica a médica que enfatiza que a cada ano, 21 mil novos casos de problemas renais são diagnosticados no Brasil.

Os rins são extremamente vascularizados, já que são responsáveis por filtrar o sangue que é enviado ao organismo para evitar a presença de substâncias nocivas ou mesmo manter o equilíbrio das que são importantes para o bom funcionamento do organismo. No caso das mulheres, a gravidez pode aumentar os riscos de uma doença renal aguda e ou crônica como a hipertensão gestacional, infecções urinárias e até o abortamento. Apesar de raro, alguns casos podem acontecer em mulheres que engravidam pela primeira vez e por inseminação artificial.

Outras doenças que podem atingir mais as mulheres são as doenças auto-imunes como o Lúpus Eritematoso Sistemico, artrite reumatóide e as escleroses sistêmicas, que levam à disfunção de órgãos alvo, incluindo os rins. As diferenças de sexo na incidência e gravidade dessas doenças resultam de uma complexa interação de fatores hormonais e genéticos.

Entre as doenças mais populares dos rins está a infecção do trato urinário (ITU). A ITU é mais comum no sexo feminino e pode acontecer na uretra (uretrite), bexiga (cistite) e nos rins (pielonefrite). Entre os sintomas estão dores pélvicas, incômodo e vontade excessiva de urinar e, em casos mais graves, pode acontecer o sangramento ao urinar. A doença é normalmente tratada com analgésicos e medicamentos antibióticos receitados pelo médico.

Segundo Zita, as mulheres adultas têm 50 vezes mais chances de adquirir ITU do que os homens e 30% das mulheres apresentam ITU sintomática ao longo da vida. Como a principal rota de contaminação do trato urinário é por via ascendente, atribui-se esse fato à uretra menor que a masculina e à maior proximidade entre a vagina e o ânus, característica da genitália feminina.

As infecções renais, caso não sejam tratadas podem se agravar e comprometer o funcionamento do órgão em definitivo. Assim, a médica  reforça que a ingestão de água regularmente, uma alimentação saudável, pobre em sal e embutidos e rica em verduras, legumes e frutas, não tomar medicamentos sem a orientação médica e o check up periódico das principais funções do corpo podem ajudar a evitar (ou identificar precocemente) grande parte das doenças renais. “O diagnóstico precoce das doenças podem evitar complicações” complementa a médica.



sexta-feira, 2 de março de 2018

Dez curiosidades sobre mudança de casa

As mudanças de casa, cidade e Estado são cada vez mais frequentes. Com isso, as pessoas acabam estranhamente seguindo padrões de comportamento, que geram curiosidades, de acordo com a equipe do Guarda Móveis Copacabana. Confira abaixo dez curiosidades sobre mudanças de casa.

Sexta-feira é o dia preferido para mudar | Foto: Divulgação  
01 - 3,3 toneladas
Essa é a média de peso transportado em apenas uma mudança. Eletrodomésticos, roupas, móveis, livros e tudo o que pode haver em uma casa para ser levado para o novo endereço.

02 - Estresse
Mudar de casa é um dos eventos mais estressantes que há – perde apenas para a morte de um amigo ou familiar, ou um divórcio. Isso pode acontecer pela falta de organização, por não guardar adequadamente seus objetos ou não escolher uma empresa de mudanças responsável.

03 - De 11 a 12 vezes
Essa é a média que uma pessoa muda de casa durante toda a vida, seja para respirar novos ares, ou buscar novas oportunidades.

04 - Casa melhor
Quando a mudança é para uma casa próxima, talvez,  dentro da mesma cidade ou até para uma cidade vizinha, a razão para a mudança é, geralmente, a troca por uma casa melhor. Já quando se muda para uma cidade mais longe, ou outro estado, a razão geralmente é profissional.

05 - Sexta-feira
É o dia mais popular para fazer uma mudança, afinal, restará o final de semana inteiro para colocar tudo no lugar. Enquanto o dia menos escolhido é o domingo.

06 - Agosto
É o mês mais popular para mudanças, enquanto fevereiro é o menos procurado.

07 - De 25 a 44 anos
Essa é a faixa etária das famílias que se mudam com mais frequência. No geral, também têm 2 filhos.

08  - Estação do ano
Cerca de 35% das pessoas se mudam no verão; 28% na primavera; 21% no outono e 14% no Inverno.

09 – Mudança anual
Uma em cada seis pessoas mudam de casa todos anos, seja por estarem em uma casa alugada ou por razões como emprego. Hoje em dia, com toda a facilidade de tecnologia, a saudade da família e amigos pode ser minimizada facilmente.

10 - Motivos
As razões pelas quais as pessoas procuram um novo lugar para morar podem variar, porém não costumam fugir dos 5 motivos abaixo:

1º Motivos Profissionais
2º Casa Melhor
3º Melhor Vizinhança
4º Casa mais barata
5º Reforma



Férias escolares: período facilita a atualização da caderneta de vacinação

Da Redação Algumas atividades sociais, como participar de eventos e ir a locais com muita gente, podem aumentar a disseminação de doenças ...