sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Raiva: como lidar com o sentimento de forma saudável

*Por Tatiana Pimenta  

Raiva é um sentimento que nos acompanha por toda a vida. É comum e saudável não abafá-la, embora existam meios de fazê-lo para não afetar as pessoas ao nosso redor ou prejudicar a nós mesmos. Se bem administrada, a raiva pode até mesmo trazer benefícios para nossas vidas. Como, por exemplo, utilizar uma situação que lhe causou grande indignação como motivação para mudá-la ou mudar a sua vida. É uma forma de transformar um sentimento negativo em energia positiva . Porém, para encontrarmos esse equilíbrio em nossas vidas, precisamos aprender a dominar esse sentimento. Reflita sobre momentos em que desejou ter controlado melhor a raiva.

"A raiva é um de nossos muitos mecanismos de proteção. Quando nos sentimos injustiçados, ela surge para nos colocar em uma posição de ação", analisa a a CEO e fundadora da Vittude, Tatiana Pimenta | Foto: Freepik

Já explodiu com pessoas próximas, magoando seus sentimentos? Já deu respostas grosseiras apenas para evitar interações sociais? Com que frequência você fica irritado? Foi difícil ter total controle sobre suas ações? É provável que sim. Quando estamos furiosos, não conseguimos pensar direito.

O lado nocivo da raiva excessiva 

A raiva é um de nossos muitos mecanismos de proteção. Quando nos sentimos injustiçados, ela surge para nos colocar em uma posição de ação. Em outras palavras, é uma resposta intensa a uma ameaça. Se acreditamos estar em perigo, o mais lógico a se fazer é procurar uma defesa, certo?

Na sociedade moderna, nos enraivecemos com as pessoas no trânsito, longas esperas em filas, frustrações no trabalho e até mesmo notícias nos meios de comunicação. Na maior parte do tempo, são situações as quais não podemos fazer nada para mudar. A sensação de impotência irrita até mais do que o ocorrido em si.

Apesar de ser e ter sido um sentimento útil para a evolução dos seres humanos, é melhor que o excesso de ira seja evitado.

Certamente, você e muitas pessoas colecionam ocasiões em que agiu ou disse algo que não queria. Palavras que magoaram alguém especial ou geraram consequências irreversíveis, como uma demissão. A raiva é a grande causadora de conflitos em nossas vidas. E o pior: é invasiva ao ponto de tomar conta de nós completamente. Além disso, pessoas que estão constantemente iradas são mais propensas a desenvolver doenças cardiovasculares, problemas gastrointestinais, dores de cabeça crônica e sofrer derrame. A descarga frenética de reações negativas eventualmente também prejudica a nossa saúde mental, permitindo o surgimento de transtornos psicológicos.


O lado bom da raiva controlada 
A raiva moderada pode nos mostrar o que está errado em nossas vidas. Ela pode nos encorajar a procurar soluções para problemas que nos perturbam uma vez que a motivação recém-adquirida é superior a insegurança e a vergonha. Ademais, temos mais consciência das injustiças ao nosso redor, gerando mudanças sociais de grande significância. Basta pensar nas grandes transformações no Brasil e no mundo que logo identificamos onde a raiva está localizada.

É evidente, portanto, que o sentimento também é benéfico para a nossa saúde. Desde criança, somos ensinados a contê-lo para não incomodar os demais ou não passar a impressão a errada. Afinal, ninguém gosta de conviver com uma pessoa conhecida por seus ataques de fúria. Por outro lado, o excesso de negatividade pode nos sobrecarregar e também ocasionar implicações catastróficas para o nosso físico e mental. Após a liberação das emoções ruins, além de ficarmos calmos, conseguimos seguir em frente para encarar os próximos desafios com a mente limpa.

A raiva também nos ajuda a descarregar a tensão acumulada já que nem sempre temos um momento de tranquilidade para nos reequilibrar emocionalmente do estresse do cotidiano. Entretanto, é preciso compreender a diferença entre liberar nossas frustrações em um acesso de fúria e manejar sentimentos (ressentimento, cólera, frustração) e comportamentos negativos (implicância, provocação, falta de paciência). Um é prejudicial não somente para nós, mas para todos a nossa volta. Já o outro, é uma forma de prevenir o primeiro.

Para melhorarmos a nossa qualidade vida, nossos relacionamentos interpessoais e desempenho no trabalho, devemos ter a inteligência emocional necessária para extravasar de modo saudável.

Métodos para administrar a raiva 
Embora você não deva ignorar este sentimento, o melhor a se fazer quando você está irritado é respirar fundo e procurar amenizar suas reações. Basicamente, lutar contra suas próprias atitudes raivosas até que estejam domadas. Como ficamos cegos quando permitimos a dominação da ira, perdemos o contato com a realidade e deixamos de raciocinar com clareza. Só percebemos o que causamos com nosso comportamento após “a poeira baixar”.

A habilidade de identificar respostas furiosas no momento em que essas surgem melhora com o tempo. Primeiro, você deve aceitar que também fica irritado. Há pessoas que não conseguem lidar com seus comportamentos enraivecidos simplesmente porque os abominam. Entenda: é possível reverter a situação, mesmo que esta seja desagradável.

Respire fundo 

Um conselho clichê, mas eficiente. As técnicas de relaxamento têm como foco a respiração por causa de sua capacidade tranquilizadora . Quando inspiramos e expiramos profundamente, segurando a respiração por alguns segundos antes de soltar, acalmamos o corpo e a mente.

O cérebro entende que não há perigo por perto, mandando um comando para os músculos relaxarem. O resultado é imediato. Assim, quando sentir a fúria borbulhando dentro de si, respire fundo repetidamente. Se necessário, feche os olhos por alguns segundos.

Apenas prossiga com seu dia quando sentir-se melhor. Você vai ver que será possível enfrentar qualquer situação dessa maneira. Durante o processo, não tenha medo de se livrar de seu orgulho. Muitas pessoas ficam apegadas a ele para não ceder ao outro. É mais importante, contudo, resolver os conflitos de forma saudável e manter laços de amizade construídos ao longo dos anos.

Encontre a causa 
Procure a origem do sentimento para que seja possível lidar com as situações. Por exemplo, às vezes, ficamos irritados com comportamentos alheios por conta de eventos passados. Arrastamos uma bagagem de experiências e deduções sobre as outras pessoas, principalmente, as que são próximas.
É uma das razões por trás de nossos acessos furiosos atrás do volante. Já vivemos a situação milhares de vezes e conhecemos o estresse , a surpresa e o medo causado pela imprudência alheia. Porém, devemos compreender que cada momento é um momento novo. Se esperarmos o mesmo sempre, além de nos zangarmos, também ficaremos frustrados.


Se afaste
Para se distanciar da situação desagradável, se afaste para um cômodo silencioso onde seja possível pensar sem interrupções. No calor do momento, podemos tomar decisões precipitadas. Então, procure um local para deixar a irritação sair de seu corpo. Se não conseguir se afastar fisicamente, guie seus pensamentos para outro cenário. Dessa forma, você conseguirá ver a situação atual sem o apego aos sentimentos.

Não se entregue 
Em vez de se permitir ficar irritado com tudo e todos, lembre-se que você é o responsável por suas reações. Ou seja, você pode escolher não se deixar levar pelo momento e focar sua atenção em outra coisa mais produtiva. Mesmo que sinta a vontade de gritar ou reagir fisicamente, como, por exemplo, socando uma parede, controle o impulso. Veja o lado positivo mesmo que seja difícil. Se não conseguir encontrar nenhum, siga a dica anterior.

Extravase emoções negativas 
Comumente, uma situação nos incomoda por um longo período antes de explodirmos. Tentamos coexistir com o problema até o limite de nossa paciência. Mas, quando sentir-se irritado, desabafe com alguém ou escreva em um diário ou transforme seus sentimentos em combustível para um hobby. O ideal, no entanto, seria ter uma conversa honesta sobre o que lhe incomoda. Há muito que se pode ser resolvido com o diálogo. Talvez, a pessoa envolvida não saiba como você se sente.
O melhor método para extravasar é, na verdade, administrar as emoções que a acompanham. Assim, você evitará uma explosão capaz de causar danos permanentes a sua vida.

Raiva no trabalho: o que fazer? 
É raro encontrar um ambiente profissional completamente saudável. Precisamos ter muito jogo de cintura para encarar os mais variados cenários. Com frequência, o cansaço das atividades e da interação constante com as pessoas afeta o nosso julgamento. Logo, nos envolvemos em brigas ou discussões indesejadas. Passamos a desejar causar intrigas com pessoas que não nos tratam bem apenas para nos vingarmos. Apesar da ideia soar reconfortante em nossas cabeças, esse caminho cria um ciclo de conflitos difícil de se extinguir.

Da mesma maneira que você pode ter medo de se expressar, seus colegas também podem sentir um desconforto. O silêncio prolongado acaba deixando passar situações desagradáveis que desestabilizam a equipe inteira. Quando um colega lhe tratar mal, encontre uma oportunidade para falar com ele. Expresse o seu descontentamento com calma, evitando pressioná-lo apenas para desafiá-lo, e ouça sem julgamentos . Esqueça o passado por um momento.

Demonstre que você também está comprometido a fazer mudanças para criar um ambiente de trabalho melhor para todos. Assim, você passará uma imagem positiva que, possivelmente, ele poderá se espelhar. O mesmo vale para um supervisor ou um chefe.

Lembre-se daquele ditado popular “não durma com raiva” para não colecionar eventos desagradáveis. É melhor resolver problemas de forma amigável e respeitosa para impedir que a situação saia do controle.

Aprenda a se conhecer 
Por fim, para aprender a gerir sentimentos e controlar melhor as emoções, nada melhor que o autoconhecimento. Investir em um processo de psicoterapia pode ser uma ferramenta poderosa para compreensão do seu modus operandi.

Um bom psicólogo pode ajudar você a olhar par si, descobrir quais são os gatilhos da raiva e como utilizar este sentimento ao seu favor. Se você tem ataques de fúria constantes, poderá entender se possui algum tipo de transtorno de humor ou de impulso. Vai conseguir se observar por um outro ângulo, mais neutro. Não tenha receio de experimentar o processo, ele é um verdadeiro convite para uma vida mais equilibrada e feliz!

*Tatiana Pimenta é CEO e fundadora da Vittude, plataforma que conecta psicólogos e pacientes. Faz psicoterapia pessoal há quase 7 anos, sendo apaixonada por psicologia e comportamento humano. Idealizadora do Consultório Virtual da Vittude, desenvolvido especialmente para atendimentos de saúde, de forma segura e sigilosa. 

Saúde psicológica no período pré-vestibular

*Milene Rosenthal 

Decidir o futuro ao final do ensino médio não é uma tarefa fácil! Além da junção de sentimentos com o fim de uma fase geralmente marcada por boas lembranças e o início das responsabilidades da vida adulta, ainda os jovens precisam escolher a profissão que seguirão ao longo da vida. Além da escolha do curso, a preparação para o vestibular gera ainda mais ansiedade e dúvidas.

"Cuidar da saúde física e mental no período de estudos é essencial para conseguir lidar com possíveis problemas psicológicos, durante essa fase tão importante na vida", afirma a co-fundadora da T'elavita, Milene Rosenhtal | Imagem: reprodução

Durante os meses pré-vestibular, é preciso cuidado com a saúde física para aguentar a maratona de estudos e provas, além da atenção com o lado emocional do vestibulando. Afinal, a cobrança vem de todos os lados: interna, de familiares ou até de pessoas próximas. Tamanha ebulição gera a pressão psicológica que afeta diretamente o cotidiano de quem está passando por isso.

Segundo um estudo realizado com vestibulandos pela Scientific Electronic Library Online (SciELO), portal de revistas brasileiras que organiza e publica textos completos de revistas na internet, comprova que, ao menos 90% dos participantes alteram seus hábitos de vida no período de provas. Com isso, é preciso entender como a pressão psicológica influencia essas pessoas e qual a melhor alternativa para resolver a questão.

Uma das principais mudanças deste período está no afastamento social e na mudança de humor, além do surgimento de sintomas como estresse e ansiedade, que podem evoluir para confusão mental, tremores e taquicardia, que são prognósticos claros de pressão psicológica. Nesses casos, o acompanhamento por um profissional pode ser uma ferramenta fundamental para a melhora do indivíduo e, consequentemente, em um desempenho mais satisfatório nos exames.

Por meio de um tratamento psicológico adequado, o aluno poderá se sentir mais calmo, aprender como lidar com os sintomas físicos, entender a pressão vinda dos pais e dele próprio, além de desabafar em momentos de desespero. A ideia é que os jovens encontrem no profissional uma válvula de escape para o momento vivido.

A terapia, então, é um espaço seguro para que as pessoas possam trabalhar seu equilíbrio emocional, desenvolver exercícios para melhorar a autoestima e evitar que a ansiedade e o estresse atrapalhem os estudos.

Durante as sessões, orientações para lidar com as possíveis vitórias ou frustrações não só na vida estudantil, podem ser discutidas sem tabus, possibilitando assim que o espaço seja utilizado para tratar de situações ou conflitos ao seu redor.

Portanto, cuidar da saúde física e mental no período de estudos é essencial para conseguir lidar com possíveis problemas psicológicos durante essa fase tão importante na vida. Por isso, tenha um psicólogo como seu braço direito para enfrentar esse período e alcançar o sucesso. Bons estudos!

*Milene Rosenhtal é co-fundadora da T'elavita , marketplace de saúde que conecta profissionais da psicologia a pacientes e psicóloga especializada em Terapia Cognitiva com certificações em Cybercounsellor pela Universidade de Toronto.  


Começa neste fim de semana “OktoBeer's Fest” em Santo André

Redação

A primeira edição da OktoBeer's Fest ocorre no Paço Municipal de Santo André (Praça IV Centenário, s/nº, Centro), neste fim de semana (19 e 20), das 11h às 22h. Na ocasião, haverá comida e música típica alemã, mais de 50 tipos de chopes, dois palcos, que receberão 18 bandas e espaço kids. O evento também será realizado nos dias 26 e 27. A entrada é 1 quilo de alimento não perecível, que será destinado ao Banco de Alimentos da cidade.

OktoBeer's Fest reunirá gastronomia alemã, mais de 50 tipos de chopes e shows musicais | Foto: Alex Cavanha/PSA 

Durante o sábado (19), a programação musical começa às 12h, com a apresentação da Polka Rock Baião. Já das 14h às 15h30, Ton Cremon e Bira Aguiar dominam o palco. A Rush Project (Rush Tributo) se apresenta das 16h às 17h30 e, das 18h às 19h30, é a vez dos integrantes da Barão Vermelho Tributo (Banda + 1 Dose). O encerramento da grade de shows do sábado, das 20h às 22h, fica por conta da Ozzmosis (Ozzy Tributo).               

No domingo (20), a Banda Folker's inicia as atrações musicais das 12h às 13h30. A Polka Rock Baião se apresenta das 14h às 15h30 e, logo na sequência, das 16h às 17h30, a Banda Hemisfério. O Bando do Fritz chega das 18h às 19h30 e, para encerrar o segundo dia do evento, ACDC Back In Hell se apresenta das 20h às 22h.   

A organizadora do festival, Monika Cavalera, comenta as principais atrações do festival. “Além das comidas, bandas e danças alemãs, estarão presentes 20 cervejarias diferentes e, dessas, dez são inéditas nos nossos eventos. Será a primeira vez também da cervejaria Blumenau em São Paulo. A OktoBeer's Fest vai trazer uma fábrica cenográfica de cerveja, um BusBar, uma destilaria de gin fabricando em tempo real, loja comercializando traje alemão, canecas, copos, tirante para as canecas, chapéu alemão e boton. As crianças poderão aproveitar, na área kids, escorregadores infláveis, tiro ao alvo, pescaria, entre outras atividades”, destaca

Para embalar o público, dando continuidade à OktoBeer's Fest no Paço Municipal, no sábado do outro fim de semana (26/10), das 12h às 13h, a programação musical começa com a Rock Fuzz – a banda retorna ao palco das 14h às 15h. Já das 13h às 14h, e das 15h às 16h, é a vez da Banda Cascudo Alemão. Sobe ao palco a Power of Maiden das 16h30 às 18h15. Logo em seguida, das 18h30 às 20h30, é a vez da Bando do Fritz. Finalizando a grade de shows, os participantes do evento poderão curtir a Banda Monalizza (Tim Maia Tributo), das 20h30 às 22h.

O último dia da OktoBeer's Fest (27/10) terá as seguintes apresentações: das 12h às 13h, começa o show da Cervamalte, e das 13h às 14h, é a vez do Bando do Fritz. A Cervamalte retorna ao palco das 14h às 15h, e retorna também, das 15h às 16h, o Bando do Fritz. Dando continuidade à programação, a Roxter embala o público das 16h30 às 18h15 e, das 18h30 às 20h30, o show é da banda Cascudo Alemão. O encerramento do evento fica por conta da Big Fighters (Foo Fighter Tributo), das 20h30 às 22h.         

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Parque Celso Daniel tem “Cãominhada de Halloween” neste sábado

Redação

O Parque Prefeito Celso Daniel recebe neste sábado (19) a primeira edição da Caminhada e Cãominhada de Halloween. Donos de cães e gatos poderão se fantasiar e levar seus pets fantasiados. O evento é uma iniciativa da Secretaria de Meio Ambiente de Santo André.

Donos de cães e gatos poderão se fantasiar e levar seus pets fantasiados | Foto: Alex Cavanha/PSA

A concentração começará às 16h, na tenda amarela. Já caminhada será às 17h e o grupo percorrerá as trilhas do parque, que estará decorado com o tema Halloween.

Com a iniciativa, a Prefeitura de Santo André pretende promover uma atividade divertida, conforme comenta o diretor de Parques de Santo André, João Moraes:
“A ideia é incentivar as pessoas a virem fantasiadas e trazerem seus bichinhos fantasiados também, em uma atividade divertida para que crianças e adultos possam aproveitar o parque”.

Segundo o secretário de Meio Ambiente, Fabio Picarelli, os parques da cidade estão passando por revitalização. Ele avalia que estas melhorias só alcançam completamente seu objetivo se vierem acompanhadas de eventos como esse, que aproximam a população dos parques.

“O objetivo, com essa primeira experiência, é criar uma nova data anual de entretenimento para a população nos parques, afinal pesquisas apontam estes locais como sendo a fonte número 1 de orgulho dos andreenses. Além disso, queremos aproveitar a criação da nova diretoria de Bem Estar Animal, ligada à Secretaria de Meio Ambiente, para juntar cães, gatos e seus donos em uma atividade para todos”, destaca Picarelli.

As atividades da Caminhada e Cãominhada de Halloween prosseguirão até às 20h. O Parque Prefeito Celso Daniel fica na avenida Dom Pedro II, 940, no bairro Jardim.

Suor excessivo pode ser hiperidrose

Redação

A sudorese é uma condição normal do ser humano e ajuda a manter a temperatura corporal. É normal suar quando se está calor, durante a prática de atividades físicas ou em certas situações específicas. Porém, se a transpiração é excessiva e ocorre mesmo sem a presença de qualquer um desses motivos, pode indicar um quadro de hiperidrose.

A hiperidrose primária afeta principalmente a região axilar, plantar, palmar e craniofacial. Há tratamentos para a doença | Foto: reprodução 

Em geral, a condição é percebida pelos pacientes quando o incômodo e as limitações começam a aparecer, causando profundo desconforto. Em muitos casos, chega a prejudicar a vida do indivíduo que, para evitar constrangimentos, acaba adotando uma postura mais caseira. O portador de hiperidrose pode até chegar a desenvolver quadros de ansiedade em situações de convívio social já que, além do suor muito evidente, a doença pode deixar roupas molhadas e amareladas ou, até mesmo, impedir atividades básicas como segurar uma caneta com firmeza ou andar de mãos dadas com alguém por conta da transpiração em demasia nas palmas das mãos.

A boa notícia é que, com o avanço das tecnologias no setor dermatológico, já existem diversos tratamentos que podem praticamente eliminar os sintomas desta condição, como a aplicação de toxina botulínica A no local em que há transpiração excessiva. A substância pode ser injetada nas axilas e mãos, para bloquear temporariamente a sudorese. Seu efeito inibe a liberação do neurotransmissor responsável por estimular a secreção do suor, conforme explica a dermatologista Daniela Pimentel.

“Realizado na região intradérmica, os efeitos do procedimento podem durar de quatro a nove meses, apresentando uma melhora significativa dos sintomas da doença e na qualidade de vida do paciente”, afirma Daniela. “Como benefício do uso da toxina botulínica A no tratamento da hiperidrose, temos a sua alta efetividade e satisfação dos pacientes, além de ser um procedimento bastante prático: as aplicações, em geral, são realizadas em consultório, apenas com o uso de anestésico tópico”, acrescenta.

A escolha do produto é uma etapa muito importante. “Eu recomendo o uso de produtos que tenham como princípio ativo a toxina botulínica A, por exemplo, pois já apresentam resultados cerca de 48h, após a aplicação no local da hiperidrose”, destaca a dermatologista. A substância age bloqueando o estímulo para a transpiração no local em que é aplicado.

É importante lembrar que a hiperidrose pode ser primária, isto é, não estar relacionada a qualquer outro tipo de doença, ou secundária, que é a condição relacionada a outras doenças (endocrinológicas, infecciosas, neoplasias, cardiovasculares, respiratórias ou neurológicas).

“A hiperidrose primária, que é a mais comum, afeta principalmente a região axilar, em 51% dos casos; além das regiões plantar, palmar e craniofacial. Em geral, a condição tem início entre 14 e 25 anos de idade e acomete tanto homens como mulheres”, esclarece Daniela.

Finalmente, antes de qualquer procedimento, é essencial que o paciente seja avaliado por um médico especialista, que irá analisar os sintomas e identificar o melhor tipo de tratamento para cada caso ou região a ser tratada. Além disso, existem outros tratamentos para a hiperidrose e a própria cirurgia, chamada de simpatectomia toracoscópica. 

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Especialistas alertam sobre a importância da vacinação

Redação

A cobertura vacinal em crianças e adultos está em queda significativa no Brasil. De acordo com os dados do Ministério da Saúde, a taxa de imunização passou de 102,3% em 2011 para 90,5% em 2019. O número está abaixo do recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de 95%.

"Vacinas são seguras e de alta eficácia", garante a pediatra Wilma Hossaka | Foto: Tânia Rego/ABr

O calendário nacional de vacinação do Ministério da Saúde contempla não só as crianças, mas também adolescentes, adultos, idosos e gestantes. Ao todo, são disponibilizadas gratuitamente cerca de dezenove vacinas para doenças como meningite, pneumonia, coqueluche, gripe, sarampo e tétano. A imunização começa nos recém-nascidos, passa pela adolescência e se estende para a vida adulta.
Vacinação na infância

Na infância, é importante que crianças de até dez anos recebam o primeiro grupo de vacinas e as doses de reforço para evitar doenças, uma vez que estão com sistema imunológico em desenvolvimento. A pediatra Wilma Hossaka, da   Beneficência Portuguesa (BP) de São Paulo, explica que as vacinas são altamente seguras e que impedir a imunização pode ocasionar um enorme problema de saúde pública, como a volta de doenças já erradicadas e graves epidemias.

"Vacinas são seguras e de alta eficácia e mesmo crianças alérgicas podem tomá-las", garante a pediatra. Contudo, diz ela, há sempre uma necessidade de supervisão pediátrica, principalmente em casos de doenças crônicas e para orientar que os pais acompanhem o calendário vacinal e deixem as imunizações em dia.

Em todas as fases da vida
Muitas pessoas acreditam que a vacinação é exclusiva para as crianças, mas elas devem estar presentes também na vida adulta e na velhice. Uma das vacinas mais comuns entre os adultos é a da gripe. E há outras muito importantes como contra pneumonia, tétano, febre amarela e hepatite B.

Já a infectologista da BP, Eliane Tiemi Iokote, ressalta a importância da vacinação em todas as fases da vida e chama a atenção para o fato de que algumas delas, recebidas na infância, necessitam de reforço na idade adulta.

"A imunização é necessária nas crianças, porque nessa fase elas estão formando os anticorpos e em idosos também, pois as defesas do organismo diminuem nessa fase da vida", alerta Eliane.

Na rede pública, há vacinas que são voltadas aos adultos e idosos como febre amarela, hepatite B (3 doses), dT (tétano e difteria), tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola - até 49 anos de idade). Já a vacina antipneumocócica (pneumonia) é destinada gratuitamente a alguns grupos de pessoas como, por exemplo, os portadores de doenças crônicas, explica a infectologista da BP.

Vale lembrar que também há vacinas específicas para quem vai viajar para lugares onde há surtos de doenças. Por isso, é importante verificar se há incidência de alguma doença no local a ser visitado e consultar sempre um especialista em medicina do viajante.


“São Paulo Play Week” começará em novembro na USP

Redação

Com o tema “Acessibilidade, Diversidade e Justiça”, será realizada na Universidade de São Paulo (USP), de 28 de novembro a 8 de dezembro, a “São Paulo Play Week”, maior evento brasileiro voltado à criação de games, jogos e brinquedos de impactos social e pessoal transformadores. Organizado pela rede mundial “Games for Change” na América Latina em parceria com a ETEC Parque da Juventude, e com a coordenação do grupo de pesquisa Cidade do Conhecimento da USP, o evento conta também com o apoio da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência de São Paulo.

“São Paulo Play Week” ocorrerá na USP da Capital (Butantã) | Foto: Jorge Maruta/USP

O professor do Departamento de Cinema, Rádio e TV da Escola de Comunicações e Artes e coordenador do grupo de pesquisa Cidade do Conhecimento da USP, Gilson Schwartz, responsável pela realização do evento, comenta que terá diversas atrações distribuídas por diferentes espaços da universidade.  “Numa época marcada pelas polarizações políticas, pelos conflitos internacionais e por uma incerteza angustiante sobre o futuro do trabalho, do lazer e das indústrias criativas, a SP Play Week celebra o caráter lúdico, interativo e participativo de games, jogos e brinquedos que colocam em primeiro lugar a criatividade, a acessibilidade, a diversidade e a promoção da Justiça”, antecipa.

Durante os 10 dias, serão realizadas palestras, oficinas, vivências, game jams (maratona de criação de brinquedos e de games digitais ou analógicos), minicursos e sessões de pitching (apresentação rápida, executiva e vendedora) para startups voltadas à criação de jogos, games ou brinquedos, entre outras atividades como jardinagem e jogos vocacionais e existencialistas. A aceleradora de startups nova-iorquina "Games for Change (G4C) Accelerator", com uma comissão julgadora formada por especialistas em mercado de games, participará do evento para seleção e avaliação de projetos. “São investidores, patrocinadores e doadores atrás de ideias criativas, que possam ser viabilizadas em benefício de causas e da solução de problemas”, explica o professor. 

O público presente poderá ainda conferir atrações como o seminário “Criptomoedas e Inclusão Criativa”, com especialistas em fintechs refletindo sobre as tendências e desafios da convergência entre moedas digitais, novas tecnologias e inclusão criativa na sociedade do conhecimento e na economia da informação, como também o “Pets Play”, onde cães e gatos participarão com atividades monitoradas por professores de veterinária e também de ética e direitos animais, em que serão abordadas questões de ordem sanitária, social e cultural associadas ao brincar com animais caseiros.

Além disso, o evento marca ainda o lançamento do jogo não-digital “Purposyum, Challengers of Justice”. Concebido e produzido por alunos da ETEC Parque da Juventude com a mediação de pesquisadores e consultores do grupo de pesquisa Cidade do Conhecimento da USP, ele foi selecionado pela United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC) em parceria com a Unesco entre dez jogos de todo o mundo que integram a campanha “Educação para a Justiça”.

“A expectativa é contar com até 5 mil participantes ao longo dos 10 dias de evento, que terá feira de livros e jogos, espaços de payteste analógicos e digitais e vivências como um camping com luau dentro do campus Butantã da USP”, completa Schwartz. Aberta ao público em geral, a São Paulo Play Week é voltada especialmente a estudantes do ensino médio, técnico, superior e aprendizes em projetos do terceiro setor, assim como seus professores, mentores e mediadores culturais. A participação será organizada levando em conta os requisitos de acessibilidade, diversidade e justiça na realização da São Play Play Week.

Raiva: como lidar com o sentimento de forma saudável

*Por Tatiana Pimenta   Raiva é um sentimento que nos acompanha por toda a vida. É comum e saudável não abafá-la, embora existam meios de f...