quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Ginecologista explica cinco maneiras de aliviar a azia durante a gravidez

Redação

A azia é uma queixa comum na gestante, traduzindo um efeito hormonal da progesterona e, muitas vezes, um excesso de ingestão de alguns alimentos, segundo o ginecologista obstetra Alberto Guimarães, precursor do Parto sem Medo.

Para diminuir a azia, entre os cuidados recomendados, a gestante deve sentar-se ou ficar em pé depois de uma refeição | Foto: Freepik

O mecanismo pode ser descrito como um refluxo do estômago em direção ao esôfago. Para diminuir o incomodo, o ginecologista listou cinco dicas para diminuir o desconforto da azia.

1. Coma pequenas refeições e devagar;
2. Sente-se ou fique em pé depois de uma refeição;
3. Não coma antes de dormir;
4. Mantenha tronco e a cabeça mais elevados durante a noite;
5. Entenda quais alimentos desperta mais rapidamente a sua azia e evite-os.

Brasil fica em 58ª posição no ranking mundial de bem-estar e consciência

Redação

O autor e pensador inglês, Richard Barrett, estará no Brasil, de 30 de outubro a 21 de novembro, para o lançamento do “2019 Global Consciousness Report”, realizado pela Barrett Academy for the Advancement of Human Values. O recorte brasileiro do estudo será apresentado como “2019 Well-Being – Brazil Consciousness Report” e coloca o Brasil como 58º colocado no ranking mundial de bem-estar, com registro de considerável queda no ranking, se comparado ao mapeamento de 2016, quando ocupávamos a 51ª colocação e de 2014, período em que éramos os 49º colocados.

 Richard Barrett criou o conceito dos sete níveis de consciência: sobrevivência, relacionamentos, autoestima, transformação, coesão interna, fazer a diferença e servir.

Então, o relatório apresenta o Indicador de Consciência Global (Global Consciousness Indicator - GCI),  visão geral do estado atual da consciência mundial e como ela evoluiu entre 2014 e 2018, identificando as nações com mais consciência no mundo; as nações que melhoraram em consciência; e quais nações declinaram. Para esta temporada brasileira, Barrett preparou um recorte brasileiro do estudo, que será apresentado ao longo dos encontros, palestras e workshops que realizará no País.

Indicador de Consciência Global (GCI)
O GCI é um termômetro de consciência que mede o bem-estar dos cidadãos de uma nação, baseado no modelo Barrett dos Sete Níveis de Consciência. Apesar do grande número de indicadores globais disponíveis, não há indicador que meça o bem-estar geral de uma nação. O GCI foi criado para corrigir essa situação, alocando dois, três ou quatro dos indicadores globais, como saúde, paz e educação, para cada um dos sete níveis de consciência - dezessete indicadores foram utilizados no total.

Recorte Brasil
O recorte Brasil aponta ainda que os principais motivos que levam o Brasil a essa situação de baixo bem-estar estão relacionados ao nível de corrupção, à precariedade da infraestrutura de saúde física e mental e ao baixo desempenho econômico. Segundo o estudo, a Noruega é o país onde se desfruta do melhor bem-estar, seguido de países como Nova Zelândia, Finlândia, Dinamarca e Suíça.

“Acredito que a evolução do cidadão, de uma organização ou da nação são definidas por sete níveis de consciência, que são sobrevivência, relacionamentos, autoestima, transformação, coesão interna, interdependência e servir. Por essa razão, tenho me dedicado a formatar estudos e ações que resolvam esses desafios”, explica Barrett.

Assim, o especialista lista as ações que poderiam ser adotadas pelo Brasil, seguindo as conclusões do recorte Brasil e no conceito dos sete níveis de consciência de liderança criados por ele:

1. Sobrevivência 
É importante abordar os níveis crescentes de corrupção, com empenho. Sem esse esforço, o Brasil continuará tendo problemas com o desempenho econômico em declínio, com prejuízos à força, estabilidade e legitimidade do Estado.

2. Relacionamentos
A segurança pessoal e os níveis de violência estão aumentando, demandando uma ação efetiva antes que os problemas piorem.

3. Autoestima
É importante focar na melhoria do suporte dado às relações de trabalho, que, próximo à redução da corrupção, é a segunda questão mais importante.

4. Transformação
Este é o nível de consciência com melhor desempenho, com algumas das classificações mais altas. Deve haver um esforço contínuo para melhorar o nível de democracia, igualdade de gênero e liberdade individual e de imprensa.

5. Coesão interna  Deve haver também um foco contínuo na melhoria do nível de coesão social.

6. Fazer a diferença 
São necessários maiores esforços para melhorar a qualidade do meio ambiente e, particularmente, o gerenciamento da proteção ambiental.

7. Servir
O nível de força, estabilidade e legitimidade do Estado e o nível de felicidade das pessoas reduziram significativamente entre 2016 e 2018. Essas questões são causadas por falhas relacionadas à corrupção, ao apoio ao ambiente empresarial e ao nível de violência, que precisam de atenção urgente.


quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Aumenta a procura por cirurgias plásticas entre idosos

Redação

O novo censo da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) acaba de ser divulgado. Uma das maiores surpresas foi o aumento de procedimentos em pessoas de 65 anos ou mais. Em 2016, houve um aumento de 5,4% nas cirurgias neste público. Já em 2018, este número saltou para 6,6%.

Segundo o cirurgião plástico Luís Felipe Maatz, comenta que o aumento de mama e lipoaspiração estão entre os procedimentos mais procurados, atualmente | Foto: divulgação 

Na faixa dos 36 a 50 anos, também houve um importante crescimento: em 2016, o aumento foi de 34,2%, enquanto em 2018, foi registrado 36,3%. Um incremento significativo, mas não tão surpreendente se levarmos em conta a faixa etária, mais propícia às intervenções.

Os números também comprovam que a preferência nacional está mudando: as brasileiras estão dando mais atenção aos seios do que ao bumbum. Dentre as cirurgias estéticas em 2018, a que largou na frente foi o aumento de mama, com 18,8%. Em seguida, vem a lipoaspiração, com crescimento de 16,1%. A gluteoplastia (aumento dos glúteos) cresceu apenas 0,8%.

Nos procedimentos não-cirúrgicos, a toxina botulínica teve destaque, com incremento de 95,7%. Na sequência, o preenchimento, com aumento de 89,6%. Entre as cirurgias reparadoras, a de tumores cutâneos teve um crescimento de 40,9%, considerado alto se compararmos ao segundo lugar, o procedimento pós-obesidade, com aumento de 11,6%.

Ao todo, em 2018, tivemos um aumento de cirurgias estéticas em 25,2% e, nas reparadoras, 9,3%. O Sudeste foi a região com maiores intervenções: 51,1%. Depois o Sul, com 19,9%. Centro-Oeste, Norte e Nordeste tiveram o mesmo crescimento de 14,5%.

O cirurgião plástico Luís Felipe Maatz - especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e membro da SBCP – comenta abaixo os dez procedimentos mais populares, atualmente.

Aumento de mama: aumenta o volume das mamas por meio do implante de próteses de silicone. É uma das cirurgias plásticas mais procuradas no país, principalmente quando a moda de ter seios fartos chegou ao Brasil, cerca de 10 anos atrás. As inovações das próteses também ajudaram no aumento das cirurgias. Hoje, há várias formas de implantação (pode ser feita por uma incisão no sulco abaixo das mamas, pela junção entre a aréola e a pele da mama ou pela axila) e de material (implante de gel de silicone coesivo, prótese com superfície texturizada ou a de poliuretano, que possui menos risco de rejeição). Os implantes com solução salina são mais perigosos, pois a chance de vazamento é maior.

Lipoaspiração: remodela áreas específicas do corpo, removendo o excesso de depósitos de gordura, melhorando os contornos do corpo e suas proporções. Consiste na aspiração de gordura através de cânulas, retirando, normalmente, até 5% do peso corporal. A indicação da lipoaspiração é para pessoas que não conseguem se livrar daquelas gordurinhas localizadas, mesmo realizando atividade física e dieta.

Cirurgia das Pálpebras - Blefaroplastia: indicado para pessoas que possuem queixas em relação à flacidez de pele ou excesso de bolsas de gordura na região ao redor dos olhos. São realizados cortes em áreas pouco aparentes das pálpebras, retirado o excesso de pele e, caso haja necessidade, realizada a abordagem sobre as bolsas de gordura (remoção parcial ou reposicionamento dessa gordura). Pode-se associar o uso do laser de CO2 para a realização desses mesmos passos cirúrgicos.

Rinoplastia: pode ser realizada por motivos estéticos (harmonizar o nariz com os traços do rosto), funcionais (quando há alguma alteração na função respiratória nasal), ou pelos dois motivos. Ao realizar a rinoplastia, o cirurgião deve sempre objetivar a manutenção da função nasal associada à melhoria dos aspectos estéticos. Dos problemas respiratórios, os mais comuns são desvio de septo e hipertrofia das conchas nasais. Quando realizada a cirurgia, há aumento do fluxo de ar pelas narinas e, consequentemente, melhora do padrão respiratório do nariz. A recuperação de uma cirurgia plástica nasal costuma ser tranquila e rápida. Há necessidade de uso de curativo externo por cerca de uma semana, assim como uso de medicações por boca e por via nasal.

Abdominoplastia: melhora o aspecto da região da barriga, remodelando o contorno e diminuindo a flacidez abdominal. A plástica remove a gordura e o excesso de pele localizados na parte inferior do abdome; e as estrias entre o umbigo e a região pubiana. O procedimento também altera a musculatura abdominal, reaproximando os músculos afastados devido à gestação ou fraqueza dos tecidos. Eventualmente, para melhores resultados, é recomendada uma lipoaspiração associada.

Lipoenxertia facial: consiste no uso de gordura do próprio paciente para o enxerto na face que dará volume e melhoria na aparência e qualidade dos tecidos. Esta gordura é extraída através de uma pequena lipoaspiração. Essa é realizada através do uso de cânulas e seringas que chegam até o tecido adiposo, camada que fica abaixo da pele, e a gordura localizada é aspirada usando um sistema de vácuo. O paciente pode optar por associar a lipoenxertia facial com uma lipoaspiração completa, ou então extrair apenas a gordura necessária para o procedimento na face.

Redução de Mama - Mamoplastia redutora: remove o excesso de gordura, tecido glandular e pele para atingir um tamanho de mama proporcional ao corpo do paciente. Também é possível reduzir o tamanho da aréola se esta for excessivamente grande. É feita a retirada de tecido mamário, gorduroso e pele de uma determinada região da mama e, em seguida, o remodelamento no formato natural da mama.

Facelift: o objetivo é suavizar os sinais do envelhecimento facial, retirando a pele flácida e reposicionando os tecidos mais profundos. Isso possibilita a diminuição de vincos, sulcos e rugas, remodelando áreas específicas do rosto e associando técnicas de preenchimento, dando volume a áreas que sofreram atrofia com o passar dos anos.

Aumento de glúteos - Gluteoplastia: remodela ou aumenta a região das nádegas por meio de injeção de gordura ou inclusão de próteses de silicone. As técnicas mais seguras para aumento do bumbum são três: lipoenxertia glútea (injeção de gordura retirada de outras partes do corpo do próprio paciente como, por exemplo, do abdome e dorso); implante de próteses de silicone e preenchimentos com materiais biocompatíveis, como o ácido hialurônico.

Elevação do Seio - Mastopexia: corrige a queda das mamas, podendo envolver o reposicionamento da aréola e do mamilo, assim como o levantamento do tecido mamário. Indicada para as mulheres que possuem flacidez nas mamas, a cirurgia consiste basicamente na retirada do excesso de pele e recolocação dos mamilos. Isso faz com que os seios fiquem mais firmes e simétricos. Procurada por mulheres que passaram por gestação, amamentação, ganho ou perda de peso, a técnica pode envolver apenas a mamoplastia de aumento através da inserção de uma prótese de silicone, a qual irá preencher o excesso de pele da mama, sem a necessidade de fazer a retirada de pele.

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Farol Santander sedia exposição gratuita sobre Machado de Assis

Redação

O Farol Santander, em São Paulo, receberá, de 19 de novembro a 12 de dezembro, no hall do icônico edifício a exposição gratuita Machado de Assims, que mostrará em cada elemento apresentado, as múltiplas faces de um dos principais escritores brasileiros. Com curadoria de Marcello Dantas, a mostra contempla passagens da vida e obra de Machado de Assis, desde o menino órfão que vendia doces na infância, até se tornar um dos maiores nomes da literatura nacional, passando pelo envolvimento com questões sociais como a abolição da escravatura.

Machado de Assis durante missa campal em comemoração à abolição da escravatura | Foto: Marc Ferrez

Em aproximadamente 75 metros quadrados (m²) de área expositiva, os visitantes circularão por um espaço desenvolvido entre duas enormes vírgulas. O ambiente terá uma biblioteca imaginária formada por milhares de livros que poderão ser manipulados no local.

Durante todo o trajeto, o visitante encontrará livros de Machado de Assis, de diversas edições, épocas e tradução em diferentes idiomas, como inglês, francês e italiano, que representam fases distintas da trajetória machadiana, da juventude romântica à maturidade realista, incluindo poemas, crônicas e peças de teatro, além dos romances e contos mais consagrados.

 “A proposta passa por explorar aspectos pouco conhecidos da figura de Machado de Assis.  Então mostrar um personagem gigante por lados inusitados, daí o título trocar o sobrenome Assis por Assims, ou seja, de outros jeitos ou modos de ver. Como se fossem outros Machados, o menino vendedor, o enxadrista, o abolicionista, seus múltiplos pseudônimos e alter egos, sua saúde, e os lugares por onde andou por exemplo” afirma Dantas, curador da mostra.

Entre os destaques da exposição, estão edições raras dos livros Memórias Póstumas de Brás Cubas e Dez Contos, ilustradas por dois dos maiores artistas visuais brasileiros do século XX, Cândido Portinari e Antônio Henrique Amaral. No exemplar de Portinari, por uma combinação de animações e realidade aumentada, personagens da obra ganham vida, como o verme a quem o “defunto autor” Brás Cubas dedica suas memórias. Já na edição com ilustrações de Henrique Amaral, projeções dão movimentos às gravuras que retratam cenas e cenários dos contos, interpretados pelo olhar lírico do artista.

Sempre relevante nas exposições do Farol Santander, as experiências imersivas também farão parte de Machado de Assims. Duas grandes imagens do escritor, baseadas em retratos históricos como a clássica fotografia feita por Marc Ferrez em 1890, serão animadas com inteligência artificial. Inspiradas no conto A cartomante, as animações mostrarão o Bruxo do Cosme Velho falando palavras que um dia ele escreveu, deleitando os visitantes com pílulas de sabedoria machadiana.

Em outro jogo interativo, o público poderá brincar de correlacionar trechos dos livros com cartões-postais do Rio de Janeiro, lugar onde Machado de Assis nasceu e de onde quase nunca saiu.

A exposição também terá imagens raras de autor, uma delas, destaca a atuação do autor junto ao processo abolicionista do Brasil, como testemunha ativa desse marco na história nacional. Na imagem capturada em uma missa campal realizada em 17 de maio de 1888, no Rio de Janeiro, Machado aparece ao lado da Princesa Isabel. A ocasião celebrava a abolição dos escravos no País.

O Farol Santander fica na Rua João Brícola, 24, Centro (estação São Bento – linha 1, azul do metrô). Visitação de terça a domingo, das 9h às 20h.

Veterinária fala sobre plantas venenosas para os cães

Redação

Os cães mordem ervas e tudo mais que encontram pela frente, na maioria das vezes. Porém, é preciso estar atento, pois algumas plantas podem colocar em risco a vida do animal, conforme ressalta a veterinária da Nutrire, Luana Sartori.

Ao perceber que o animal ingeriu ou mordeu alguma dessas plantas (veja lista abaixo), o ideal é levá-lo ao veterinário, antes mesmo dos sintomas aparecerem | Foto: divulgação

“A intoxicação pode ocorrer com apenas uma mordida, dependendo do tipo de planta. Além disso, muitos são os motivos que levam o pet a procurar esses verdes para morder, pode ser estresse, desconforto intestinal ou o cheiro da própria planta”, conta a veterinária.

Muitos tutores gostam de enfeitar o jardim ou até o apartamento com flores e plantas, mas para quem tem animais em casa todo cuidado é pouco.

Confira a lista de algumas plantas vilãs para os cães:

Comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia spp.);
Costela de Adão (Monstera deliciosa);
Jiboia (Scindapsus aureus);
Espada de São Jorge (Sansevieria trifasciata);
Bico de papagaio (Euphorbia pulcherrima);
Azaleia (Rhododendron spp.);
Folha da fortuna (Kalanchoe spp.);
Copo de leite (Zantedeschia aeothiopica);
Primula ou primavera (Primula abconica);
Lírio (Lilium spp. e Hemero-callis spp.);
Hortênsia (Hydrangeia macrophylla);
Mamona (Ricinus communis);
Coroa de Cristo (Euphorbia milii);
Dama da noite;
Hibisco;
Samambaia;
Tulipa;
Begônia;
Babosa.

Sinais de intoxicação e o que fazer
A intoxicação causa irritação local na boca e garganta; produção excessiva de saliva, vômitos, dor abdominal e diarreia, tremores, convulsão e perda de coordenação, arritmia, taquipneia e dispneia e, ainda, icterícia, ressecamento da pele, fraqueza, desidratação e hipertermia. “A intensidade dos sintomas dependerá do tipo de planta e da quantidade mordida ou ingerida. Cães filhotes e idosos podem apresentar quadros mais severos”, explica Luana.

Então, ao perceber que o animal ingeriu ou mordeu alguma dessas plantas, o ideal é levá-lo ao veterinário, antes mesmo dos sintomas aparecerem. “A grande questão é que muitos tutores podem não ver no momento exato em que isso aconteceu, então, costumam encontrar o pet já bastante prejudicado pelos sintomas. O quanto antes esse animal for atendido, maiores são as suas chances de recuperação”, aconselha a especialista.

O ideal é que casas e apartamentos com animais estejam mais preparados para armazenar as plantas. “É possível cercar ou pendurá-las em locais onde os pets não alcançarão. O mesmo serve para os tutores de gatos, que podem ser ainda mais afetados pela toxicidade das plantas”, conclui Luana.


Ossos faciais envelhecem menos em pessoas negras

Redação

Os ossos faciais dos adultos negros mantêm maior densidade mineral à medida que envelhecem, em relação aos das pessoas brancas, por exemplo, o que resulta em menos alterações em sua estrutura facial, aponta um estudo, publicado no JAMA Facial Plastic Surgery.

Adultos negros têm maior densidade mineral óssea, menores taxas de perda óssea e menores taxas de osteoporose em comparação com a população em geral | Foto: Freepik

Este é o primeiro trabalho a documentar como os ossos faciais mudam à medida que os negros envelhecem. Os resultados sugerem diferenças significativas na idade dos ossos faciais entre diferentes ascendências, o que pode afetar a maneira como os cirurgiões plásticos abordam o rejuvenescimento facial. Cerca de 16% dos adultos negros buscam procedimentos cosméticos - o dobro dos brancos.

O  cirurgião plástico Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada, explica que: “É importante que os cirurgiões plásticos compreendam como o processo de envelhecimento facial difere entre os grupos raciais e étnicos para fornecer o melhor tratamento a cada paciente”.


Envelhecimento facial
Segundo Penteado, a idade do rosto é determinada por uma combinação de alterações na pele, nos músculos, na gordura e nos ossos que ocorrem naturalmente à medida que as pessoas envelhecem. “No entanto, a maioria dos procedimentos de rejuvenescimento facial historicamente se concentrou nos tecidos moles, usando tratamentos como lifting facial e preenchimentos injetáveis”, comenta o médico.

À medida que os ossos mudam, eles afetam os tecidos moles ao seu redor, resultando em diminuições percebidas no volume facial. Os tratamentos estéticos devem considerar a estrutura óssea subjacente. “À medida que as pessoas envelhecem, elas podem perder a densidade mineral óssea, o que resulta em perda óssea. Na face, essa perda pode afetar o formato do nariz, a área da mandíbula inferior, as maçãs do rosto e as áreas média e inferior das órbitas oculares”, explica Penteado.

O que diz o novo estudo
Para entender como os ossos faciais envelhecem em adultos negros, os pesquisadores analisaram os prontuários médicos de 1973 e 2017, de 20 pacientes negros - 14 mulheres e seis homens, entre 40 e 55 anos - que realizaram, pelo menos, duas tomografias computadorizadas, tiradas em média há uma década, sem nenhuma intervenção cirúrgica autorreferida.

Enquanto as imagens comparativas mostraram uma mudança significativa nos ossos faciais, ao longo do tempo, nos pacientes negros, essas alterações foram menores em comparação com estudos semelhantes sobre a população branca envelhecida. Este achado reflete outros estudos que mostram que adultos negros têm maior densidade mineral óssea, menores taxas de perda óssea e menores taxas de osteoporose em comparação com a população em geral.

Estudos anteriores sobre como a idade dos ossos faciais ignoraram a ascendência, ou se limitaram aos brancos. Estudos em grupos étnicos focaram mais nas diferenças na composição da pele do que nas alterações ósseas.

Outros estudos mostraram que a população caucasiana apresenta alterações ósseas mais significativas ao longo de uma década, especialmente na parte inferior da testa e no maxilar superior, do que o grupo de pacientes negros deste estudo. “Uma vez que essa população pode experimentar menos perda óssea no meio da face do que os caucasianos, o estudo sugere que a perda óssea do volume pode não contribuir tanto para a aparência do rosto envelhecido na população negra”, finaliza Penteado.

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Prótese de silicone: cirurgião esclarece as principais dúvidas sobre a cirurgia

Redação

Colocar silicone nos seios é o desejo de muitas mulheres de diferentes faixas etárias, que procuram melhorar a autoestima e o bem-estar. De acordo com os últimos dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), em 2018, 18,8% das intervenções cirúrgicas foram para colocar próteses nos seios, na frente da lipoaspiração (16,1%) e abdominoplastia (15,9%).

Há três modelos de prótese de silicone para os seios: anatômica, cônica e redonda | Foto: iStock 

Os principais motivos que levam as pacientes a procurarem a alternativa variam entre flacidez nos seios, falta de volume, envelhecimento, assimetrias e reconstruções. De acordo com o cirurgião plástico Victor Cutait, durante avaliação do paciente deve ser levada em consideração a individualidade e a harmonia de cada corpo.

 “Tudo deve ser conversado, para que as expectativas delas e a parte médica fiquem alinhadas, já que não há apenas um tipo de prótese ideal. As proporções do corpo, larguras do quadril e da cintura, altura, peso e o tamanho das mamas naturais devem ser avaliadas para que a cirurgia seja um sucesso”, explica o cirurgião.

Durante a decisão de se submeter à cirurgia, no entanto, muitas mulheres têm questionamentos comuns relacionados ao procedimento. Por isso, Cutait esclarece as principais dúvidas sobre aumento de seios.

Do que são feitas as próteses de silicone? 
Victor Cutait (VC) - São compostas por uma cápsula externa e por gel interno de silicone altamente coesivo, com alto grau de aderência.

Quais são os modelos de prótese? 
VC - Anatômica: é bastante indicada para pacientes que não desejam preenchimento do colo mamário com um volume alto. O resultado é um aspecto super natural, já que seu formato é como o de uma gota.

Cônica: indicada para pacientes que têm o tórax bem estreito, e que desejam uma mama projetada.

Prótese redonda: é a mais utilizada entre os procedimentos. Ideal para a paciente que deseja um bom preenchimento do colo mamário, além de preencher a parte superior da mama.

Qual anestesia é utilizada? 
VC - Em grande parte dos casos, é aplicado anestesia local com sedação.

Quais cuidados as pacientes devem tomar antes da cirurgia?
VC - É essencial cuidar da alimentação e adotar hábitos saudáveis antes da cirurgia, evitando comidas condimentadas e bebidas alcoólicas. Além disso, o anticoncepcional oral deve ser suspendido por cerca de um mês, antes da realização do procedimento.

Quais cuidados as pacientes devem tomar após a cirurgia? 
VC - É essencial que a mulher mantenha as mamas hidratadas para prevenir possíveis estrias que possam surgir. A paciente precisa evitar atividades físicas por 14 dias a 21 dias, pois os braços devem ficar em repouso, já que um simples movimento pode romper os pontos e deslocar a prótese.

Além disso, durante a recuperação, a orientação que a paciente use a malha para mamoplastia por volta de dois meses, com o uso do sutiã somente durante o dia. Também deve-se dormir apenas de barriga para cima - deitar de lado só é liberado após seis semanas e de bruços, após cerca de 3 meses.

Ginecologista explica cinco maneiras de aliviar a azia durante a gravidez

Redação A azia é uma queixa comum na gestante, traduzindo um efeito hormonal da progesterona e, muitas vezes, um excesso de ingestão de al...