sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Desfralde de criança autista requer planejamento e persistência

Da Redação 

Com a chegada do calor é hora de treinar seu filho para a retirada da fralda, um processo que requer paciência e parceria de família e escola. O processo é ainda mais complexo quando se trata de crianças e adolescentes autistas, que podem levar alguns anos até a adaptação completa, conforme alerta a terapeuta ocupacional Syomara Smidiziuk, do Centro de Excelência em Recuperação Neurológica (CERNE).

"Toda criança é capaz de sair das fraldas, desde que não haja uma patologia urológica", assegura a terapeuta ocupacional Syomara Smidiziuk | Foto: Freepik
"O prêmio é a independência e maior conforto para eles", afirma Syomara. A retirada da fralda para a pessoa com deficiência precisa seguir três etapas: a observação dos hábitos e preenchimento de uma tabela de horários de ida ao banheiro por no mínimo 15 dias, a análise da tabela e organização do plano de ação. Depois, é necessário persistir por, no mínimo, três semanas com o mesmo plano, sabendo que os escapes são normais.

Dicas práticas para o plano de ação envolvem a antecipação (levar a criança ao banheiro 10 minutos antes do horário marcado); proporcionar a familiaridade com o banheiro que será utilizado; apoiar os pés, usando um banquinho ou adaptadores, sentar a criança ereta e deixar que ela escolha a melhor posição; e estimular a bexiga com massagem, se necessário. A meta é levá-la seis vezes por dia ao banheiro, ficando no máximo cinco minutos cada vez.

"Não use o banheiro como uma brincadeira; não pergunte se ela quer ir, apenas conduza; e, muito importante: para crianças com dificuldade de comunicação, use gestos, sinais ou fotos", ensina Syomara. Outra sugestão é adotar uma recompensa exclusiva para a ida ao banheiro e manter as fraldas somente para dormir ou sair de casa.

É importante certificar-se que não existe uma explicação médica para a dificuldade na retirada, como o comprometimento da bexiga. As famílias que necessitarem podem contar com o auxílio da terapia ocupacional nessa importante transição.

É importante ainda que a escola esteja em sintonia com a família e o terapeuta, seguindo um plano de ação único. Caroline Fardoski Kloss conta que o trabalho para o desfralde do filho Octávio, de quase 4 anos, começou com a linguagem. "Usamos imagens numa sequência e coloquei no banheiro, mostrando os passos", conta. "Logo ele começou a entender".

Ainda falta completar o processo, porque, em alguns casos, quando sente vontade de ir ao banheiro, o menino se esconde. "As terapeutas do CERNE me ajudaram a saber como agir, a não repreender e sim parabenizar. Vejo que ele está mais independente do que era", comemora.  Outras dica é usar jogos e aplicativos para a família que ensinam a ir ao banheiro, como "Pepi Play" e "Potty Training".

Desafios
As maiores dificuldades enfrentadas pelas crianças autistas durante o desfralde costumam envolver quatro áreas: linguagem (entender o estímulo do adulto relacionado à ida ao banheiro); vestuário (demora ou incapacidade de retirar as roupas); o próprio medo de se sentar no vaso ou do barulho da descarga; e o conhecimento do corpo (ele pode não perceber a roupa molhada).

"Toda criança é capaz de sair das fraldas, desde que não haja uma patologia urológica", assegura Syomara. Além da independência proporcionada à criança ou adolescente, o desfralde previne casos de infecção urinária, mau cheiro e o desconforto do paciente. Outra vantagem é a menor quantidade de laxante necessário para o bom funcionamento do organismo.



Astrônoma brasileira é uma das atrações do festival Preparadão Universia

Da Redação

A astrônoma e astrofísica brasileira Duília de Mello, reconhecida mundialmente por seu trabalho na Agência Espacial Norte-americana (Nasa), fará a primeira da série de palestras de orientação e inspiração ao público do festival Preparadão Universia,  com foco no público pré-universitário. Duília, que também é professora titular e vice reitora da Universidade Católica de Washington, abordará o tema “Será que saber de onde viemos nos ajuda a descobrir para onde vamos?”. O evento será no próximo dia 30, das 9h às 16h, no Ginásio do Ibirapuera (Rua Manoel da Nóbrega, 1.267), em São Paulo.

A astrônoma Duília de Mello abordará no evento o tema: “Será que saber de onde viemos nos ajuda a descobrir para onde vamos?” | Foto: Reprodução
Promovido pela Universia, maior rede de universidades ibero-americana, em parceria com o Santander Universidades, o Preparadão conta com curadoria de Elena Crescia, do TEDxSãoPaulo.

Outro nome confirmado para o evento é Renato Sanches Freire, diretor executivo da Fuvest, que apresentará uma série de orientações e dicas para vestibulares, com foco, claro, no processo seletivo da USP. Caberá a ele mostrar o raio x de uma das provas mais concorridas do País.

Também fora das disciplinas do currículo tradicional, a jornalista e empresária Monique Evelle, idealizadora de diversos projetos sociais, abordará o tema de empreendedorismo. Monique foi eleita pela Forbes, em 2017, como uma das 30 jovens mais promissoras do Brasil.

A programação paralela terá workshops com youtubers e influenciadores digitais, cujas presenças serão confirmadas até a data do evento. Nas áreas externas ao Ginásio, diferentes experiências estarão à disposição dos jovens: desde estandes informativos de universidades até atrações de empresas parceiras como a IBM e a plataforma de ensino online Me Salva!.  Com ativações junto ao público, mais de 20 food trucks, atividades de descompressão, entre outras atrações.

Um dos destaques é o grupo musical Os Escolhidos, formado por imigrantes e refugiados congoleses e angolanos. A banda carrega a missão de representar o continente africano por meio da música e cultura.

Para o diretor da Universia, Anderson Pereira, os participantes do festival foram escolhidos a dedo. “Trouxemos a Elena Crescia, curadora do TEDxSãoPaulo, nesse espírito de construir um line up de altíssimo nível. Todos os nomes que estamos anunciando são disruptivos, fora da curva, chegam com dicas úteis e altamente alinhadas às necessidades dos jovens nesse momento. Os estudantes que estiverem conosco no Preparadão certamente vão sair contentes com a experiência, e mais afiados para prestarem os exames do Enem e vestibulares”.

O festival buscará, ainda, quebrar oficialmente um recorde mundial: a maior aula de matemática já realizada, com mais de 5 mil alunos.




Homens devem cuidar da saúde para preservar a fertilidade e qualidade de vida

Da Redação

O Novembro Azul é um mês dedicado a campanha nacional de conscientização ao câncer de próstata. Alertar a população masculina sobre a importância de cuidar da saúde é o objetivo central desta ação. A consequência de não visitar um especialista ao perceber alguma anomalia ou desconforto é a diminuição da chance de cura. O ideal é procurar um médico logo nos primeiros sintomas atípicos como ardência, dor, manchas ou feridas na pele.

O tabagismo, consumo excessivo de álcool e sedentarismo são fatores de risco para o câncer | Foto: Freepik
Jovens com câncer de testículo, linfomas e outros tipos de tumores podem perder sua fertilidade e, nesses casos, o congelamento do sêmen é uma opção para quem fará quimioterapia, radioterapia ou terapias imunossupressoras para doenças autoimunes, conforme explica o especialista em reprodução humana assistida, Alfonso Massaguer, que é membro da Federação Brasileira da Associação de Ginecologia e Obstetrícia  (Febrasgo) e diretor-médico da Clínica Mãe.

 "Quanto mais tempo o paciente demora para fazer o congelamento do sêmen, mais compromete seu futuro reprodutivo. O ideal é fazer antes de iniciar o tratamento do câncer", ressalta Massaguer.

Além do câncer, existem outras causas para a infertilidade masculina. A produção do sêmen pode ser afetada por uma série de fatores como infecções, varizes nos testículos (varicocele), tumores benignos, alterações hormonais, quimioterapia, radioterapia, traumas, carências nutricionais, alterações de sono, medicamentos (como anabolizantes), torção e mau posicionamento testicular (alto), além de alterações cromossômicas ou genéticas.  Vale ressaltar que tabagismo, consumo excessivo de álcool e sedentarismo estão atrelados a fatores de risco.


         Então, a infertilidade masculina acomete 1 a cada 20 homens. Cerca de dois terços desses homens têm como principal razão as alterações na produção do sêmen como, por exemplo, baixa produção e/ou alterações de função, com baixa motilidade ou deformação nos espermatozoides.  "Alguns profissionais que convivem com alta exposição a produtos químicos, pesticidas e radiações também devem pensar em congelar sêmen, pois suas profissões afetam a qualidade dos espermatozoides", afirma especialista.

            A maioria destes homens não tem qualquer sintoma aparente, isto é, não apresenta quaisquer disfunções sexuais ou alterações no aspecto do sêmen. Por isso, é fundamental consultar-se regularmente com um médico, manter em dia as sorologias para algumas doenças como HIV e Sífilis, usar preservativo para evitar doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e procurar ajuda médica rapidamente se perceber algum sintoma atípico.


quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Musical que aborda a vida do sambista Candeia chegará ao ABC em novembro

Da Redação

Após duas temporadas no Teatro Oficina, em São Paulo, o musical “É Samba na Veia, é Candeia” chega aos teatros do ABC, em novembro. As apresentações serão em São Caetano do Sul (17), no Teatro Paulo Machado de Carvalho, e em e São Bernardo do Campo (18), no Teatro Lauro Gomes. O espetáculo conta a trajetória de Antônio Candeia Filho (1935/1978), mais conhecido como Candeia, um popular sambista portelense cuja morte acaba de completar 40 anos.

O ator Marcelo Dalourzi interpreta Candeia | Foto: Osmar Moura
No ABC, as duas apresentações contarão com uma participação especial: a da sambista e intérprete Adriana Moreira, que completa 20 anos de carreira e subirá ao palco para homenagear Clara Nunes.

Com texto de Eduardo Rieche, direção geral de Leonardo Karasek, produção executiva e artística de Rita Teles, o espetáculo é encenado no entorno de uma roda de samba ambientada na trajetória do artista entre as décadas de 1960 e 1970, o musical foi encenado pela primeira vez no Rio de Janeiro, em 2008. As duas montagens evidenciam a genialidade do compositor carioca, bem como destaca a contemporaneidade de suas letras e de seu pensamento.

Para o diretor, Leonardo Karasek, o espetáculo defende o protagonismo de artistas negros que são a parcela majoritária na formação do elenco. Para ele, “É Samba na Veia, É Candeia” ultrapassa as definições de um musical e se encaixa, perfeitamente, como uma peça biográfica. “O cenário reforça todo o simbolismo da trajetória de Candeia como homem negro e crítico social. A estruturação da montagem reforça o sentido da imersão do público no universo do compositor. E, nesse caminho, fazemos um convite para a releitura do mundo nos olhos de Candeia, com todas suas facetas e vivências como corpo e voz de movimento e atuação política por meio do samba”, afirma.

O ator Marcelo Dalourzi interpreta Candeia. Os aspectos cotidianos da vida do músico, a utilização do samba como instrumento de resistência cultural da população negra do subúrbio carioca e a sua maneira singular de compor sobre os amores, as vicissitudes da vida e seu estilo musical sem perder a possibilidade de contestar males sociais como o racismo e apropriação cultural ganham destaque na encenação.



Veterinária explica sobre castração animal

Da Redação

Para conscientizar a população e desmistificar todo o preconceito que há em torno da castração animal, a veterinária Carolina Rocha, mestre em comportamento animal e fundadora da Pet Anjo, traz explicações no que diz respeito ao falso conceito de mutilação do animal e também à violação de escolha dele em procriar.

A expectativa de vida do animal aumenta com a castração | Foto: reprodução
"Há milhares de anos, os cães e gatos foram domesticados. Todas as escolhas desses animais são feitas pelo tutor, seja na alimentação, no estilo de vida e, inclusive, sobre ter ou não filhotes", afirma.

A veterinária destaca que não se trata de mutilação, se o procedimento é realizado de modo correto, com profissionais capacitados, toda a higienização, esterilização, analgesia e os cuidados pós-operatórios necessários. "A cirurgia em nada tem a ver com maus tratos, ao contrário, evita enfermidades e a superpopulação de animais nas ruas", completa. Abaixo ela lista mais detalhes:

Principais benefícios da castraçãoPara a sociedade
• Alternativa mais adequada para o controle populacional de animais abandonados, além de beneficiar a saúde e bem estar dos bichinhos. Segundo a veterinária, o número de cães e gatos em situação de abandono no Brasil não é exato, mas está próximo dos 30 milhões, que não têm alimentação, cuidados com a saúde, proteção, moradia e até sofrem abusos;
• Diminuição da incidência de doenças transmitidas de animais para humanos, como a raiva.

Para todos os cães e gatos
• A expectativa de vida do animal aumenta, alguns estudos apontam que animais castrados vivem cerca de 10% ou 15% a mais, do que os não castrados;

Nos cães 
• Evita tumores nos testículos, diminui a incidência de câncer de próstata e problemas urinários;
• Diminui as chances de contrair o TVT (tumor venéreo transmitido), propagado durante o coito com animais já infectados;
• Diminuição da marcação de território (urinar em vários lugares da casa), isso quando o procedimento é feito com o animal ainda jovem.

Nas cadelas
• Diminui os índices de doenças transmitidas por meio do coito (cruzamento entre animais), protege da "piometra", infecção no útero comum naquelas que não passaram pelo procedimento. A prática de castrar também impede tumores de mama e infecções uterinas.

Nos gatos de ambos os sexos
• Diminuição da incidência do vírus da imunodeficiência felina (AIDS felina), transmitida por meio de mordidas e arranhões de animais portadores do vírus, que em geral são ocasionados por brigas nas ruas. Quando castrados, eles tendem a sair menos de casa e ficam mais calmos.

Nas fêmeas (cadelas e gatas)
• Ausência do cio, que levaria à irritabilidade nas cachorras e miados intensos, durante à noite para a gatas.

Quando castrar?
O ideal é que a castração seja feita antes do animal alcançar a maturidade sexual. Nos cães machos, por exemplo, antes dos seis meses, tendo a certeza de que os testículos já desceram até a bolsa escrotal, essa certificação é fundamental, pois quando o filhote macho é muito novo, os testículos ficam localizados na cavidade abdominal.

Nas fêmeas, a castração deve ser efetuada antes do primeiro cio. "Existe um mito de que devemos deixar a cadela ter o primeiro cio, por causa do desenvolvimento, mas não há necessidade. Falamos cada vez mais sobre a castração precoce, então, com 3 ou 4 meses, as fêmeas já podem ser operadas", detalha.

Castração gratuita
Acesse o site do Centro de Controle de Zoonoses do município e siga todas as recomendações citadas. Após esse primeiro passo, o tutor receberá informações sobre o local para onde será direcionado. É necessário levar os dados do pet, como nome, data de nascimento (ou pelo menos uma referência) e o comprovante de residência do tutor, para que seja feito o documento de identificação do animal e posteriormente, o agendamento da cirurgia.


quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Escola ideal: cinco dicas para ajudar na escolha

Da Redação 

Com o fim do ano se aproximando, pais e responsáveis começam a pesquisar escolas para seus filhos. Para quem procura uma instituição, especialmente pela primeira vez, a fundadora e diretora da escola Roberto Norio, Kazuko Yamauchi, levanta alguns pontos fundamentais, para auxiliar nesta escolha.

Adicionar legenda
1. Procure escolas num raio que seja viável e pesquise informações delas
A proximidade geográfica dos pais e responsáveis com a escola é primordial, para evitar problemas com a locomoção. Assim, o primeiro filtro de pesquisa é procurar ao menos cinco escolas próximas para fazer uma visita. Nessa pesquisa, é essencial antes das visitas procurar referências na internet, seja em cada um dos sites das instituições e nas suas páginas nas redes sociais, como Facebook, além de páginas de reclamações de consumidores, como o Reclame Aqui.

2. Busque saber detalhes da proposta pedagógica e como ela é aplicada
Toda instituição de ensino segue uma linha pedagógica, seja ela tradicional, construtivista, montessoriana, entre outras. Mas tão importante quanto a linha pedagógica, é como se aplica na prática o desenvolvimento do aluno.

A partir da perspectiva pedagógica, as ferramentas e recursos disponíveis, e que muitas vezes são atrativas aos olhos dos pais, devem fazer sentido no dia a dia do aluno, senão passam a ser simples acessórios. "Nossas aulas de educação tecnológica (robótica) para o Infantil, por exemplo, estão conectadas à ideia do desenvolvimento da criatividade, da capacidade de trabalhar em equipe, do despertar à curiosidade, do pensamento crítico, o que vai ao encontro especialmente do aspecto socioemocional", destaca Kazuko.

3. Observe como é o relacionamento da escola com a família
Nos dias de hoje, com alunos cada vez mais tempo nas escolas, naturalmente que essas instituições de ensino passem a ter papel mais preponderante na educação das crianças, o que não diminui a responsabilidade dos pais. Assim, é fundamental observar como a escola procura envolver e se relacionar com os pais, mantendo-os ativos e participativos no processo educacional.

4. Veja se a escola está aberta ao mundo
O conhecimento de outras culturas e realidades, em uma sociedade digital e globalizada, também surge como um ponto relevante a ser olhado na escolha da escola.

5. Observe como a escola trata individualmente o aluno
Ver a quantidade de alunos por sala é um dos primeiros pontos a se avaliar. A legislação brasileira aponta até 30 alunos por sala nos primeiros anos, mas olhar e acompanhar individualmente cada criança requer tempo e engajamento.



Instituto Butantan inaugura painel em braile

Da Redação

O Instituto Butantan, um dos maiores centros de pesquisa científica do mundo e que é vinculado à Secretaria de Estado da Saúde, inaugurou nesta última segunda-feira (15), um painel ilustrativo em braile para simular, aos deficientes visuais, a biologia do Zebrafish ou peixe paulistinha, modelo experimental que vem sendo adotado para estudos mundialmente por ter 70% de semelhança com o ser humano.  A ideia do projeto é promover a acessibilidade nas atividades de difusão do conhecimento.

A inauguração faz parte das atividades da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que acontece em todo o Brasil, inclusive no Instituto Butantan, e cujo tema este ano é "Ciência para a Redução das Desigualdades". O novo espaço ilustrativo do Zebrafish foi instalado na parede externa do Laboratório Especial de Toxinologia Aplicada (Leta) e poderá ser acessado por todos os visitantes gratuitamente. A criação do espaço teve a assessoria da designer Wanda Gomes, especialista em projetos em braile.

Para a diretora e idealizadora do projeto, Mônica Lopes Fereira, o conhecimento deve ser acessível a todos. "Considero um privilégio promover a difusão do conhecimento a todas as pessoas, independentemente de suas condições físicas, financeiras ou geográficas. Se houver agentes limitadores para a divulgação da ciência, temos que criar novas possibilidades para quebrá-los. Este é o objetivo do nosso trabalho”, afirma.

O laboratório Leta abriga hoje a Plataforma Zebrafish, dentro do Butantan, que recebe pesquisadores de todo o Brasil e que possui um biotério (viveiro) com 6 mil peixes adultos. A plataforma existe desde 2015 e é uma referência em testes de toxicidade e pesquisas diversas. O Leta faz parte do Centro de Pesquisa em Toxinas, Resposta Imune e Sinalização Celular (CeTICs), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

A Semana da Ciência e Tecnologia no Butantan terá também outras sete atividades gratuitas para todos os públicos de 20 a 21 de outubro. Confira a programação completa aqui. 


Desfralde de criança autista requer planejamento e persistência

Da Redação  Com a chegada do calor é hora de treinar seu filho para a retirada da fralda, um processo que requer paciência e parceria de f...