sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

“Nós vivemos ainda um certo machismo velado”, afirma a presidente da OAB Santo André

Por Vivian Silva


A advogada Andréa Tartuce, 50 anos, é a primeira mulher a comandar a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), subsecção Santo André. No início de janeiro, ela tomou posse do novo cargo e, assim, ficará à frente da entidade até 2021. Em entrevista exclusiva à Dia Melhor, ela comentou alguns dos planos para o seu mandato, a importância do empoderamento feminino na área advocatícia e também da necessidade de política públicas para melhorar a sociedade como um todo.

Posse da advogada Andréa Tartuce, que ficará à frente da OAB Santo André no triênio 2019 – 2021 | Foto: CB
Natural de Santo André, Andréa atua no Direito há 16 anos. Antes de ser eleita a nova presidente da Casa, ela já atuava no local, como secretária-geral da OAB Santo André (2016-2018) e coordenadora do núcleo da Escola Superior de Advocacia (ESA), que é um importante braço da OAB, voltada ao aprimoramento do advogado.

Além de advogada, Andréa é psicopedagoga e mãe de três filhos. Antes de chegar ao posto de presidente da OAB, ela conta que já foi vítima do machismo velado na área do direito: ““Nós vivemos ainda de uma forma menos escancarada um certo machismo velado”. E afirma ser contra as cotas de 30% de mulheres na composição de chapas eleitorais na OAB, pois “a mulher tem que ir (aos cargos eletivos) independente disso”, ressalta.

Dia Melhor (DM) - A senhora é a primeira presidente mulher da OAB de Santo André. Numa época com altos índices de feminicídio, o que isso representa para a senhora e para a sociedade?
Andréa Tartuce  (AT)- Realmente, é uma grande conquista, porque são épocas de transformação, mudanças, de conquistas do espaço das mulheres e uma busca de igualdade, então, mais do que ser a primeira mulher presidente, é justamente a gente ter este viés, essa perspectiva de que a igualdade ela está sendo buscada, ela ainda não foi alcançada, mas já é um primeiro caminho.

DM - A senhora já sofreu algum preconceito por ser mulher e advogada?
AT - É uma coisa um pouco mais velada, considerando que é um ambiente predominantemente de homens. Santo André já vem construindo essa abertura, mas no começo senti sim... Não fui eleita porque sou mulher, não é isso, mas foi um desafio... Não só a Presidência da OAB, eu gostaria, por exemplo, de colocar mulheres em comissão de prerrogativas, de ética e ainda não consegui, porque não existem mulheres para preencher. Eu quero trabalhar neste sentido.

DM - Entre seus planos na OAB, haverá algum voltado especificamente ao público feminino ou em prol da igualdade de gênero? Se sim, qual?
AT - Então, nós temos a Comissão da Mulher Advogada e a nossa cadeira no Conselho Municipal e dos Direitos da Mulher. Sim, nós pretendemos não somente ampliar estes espaços, mas também levar a discussão para fomentação e criação de políticas públicas, isto também através da OAB, e a Comissão ainda é uma decisão que está sendo tomada em diretoria, se é o caso de instalar uma Comissão de Defesa de Combate à Violência à Mulher. Esta semana mesmo, nós estamos reiterando um pedido que é a criação de um anexo, é uma bandeira que não é só da OAB, mas nós também iremos intensificar, que é a criação de um anexo de combate à violência, do Juizado de Violência à Mulher, aqui a ideia era um juizado, mas devido a constituição da própria comarca e Fórum, a ideia é abrir um anexo, então a ideia é assim: trabalhar as questões voltados para a mulher advogada e para a mulher dentro da sociedade.

DM -  Quando será a implantação deste anexo? 
AT - Não tem data, porque isso é ainda uma bandeira e uma luta. Mas não é um trabalho solitário da OAB, é um trabalho que será feito com a Delegacia da Mulher, a juíza criminal e tem também outras ONG’s que também vão atuar neste sentido.

DM - E quais são as prioridades do seu mandato?
AT - Poxa, tem tanta coisa, mas é trazer um protagonismo para a OAB, a nossa subseção perdeu isso, então, de acordo com o nosso estatuto, nós temos vários comprometimentos com a advocacia, com a valorização, com o resgate, trazer o advogado para estar na Casa, a preocupação com o jovem advogado é enorme... Um enfrentamento que vem, desde a OAB federal e as seccionais, é lidar com a inovação dentro da advocacia, transformação que todos nós estamos passando e a advocacia também não poderá fugir, que é a advocacia 4.0, que são as novas tecnologias, que vem com a inteligência artificial, as startups, enfim, para serem implantadas também no nosso segmento. Enquanto subseção também temos que ter essa preocupação de preparar o advogado, tanto que uma das comissões que será instalada é, justamente, essa Inovação e Empreendedorismo, que vai trazer essa reflexão e este trabalho para preparar a advocacia para o futuro, para ser a advocacia do amanhã.

DM – Há alguma outra proposta que a senhora queira destacar?       
AT - Uma das nossas propostas, que eu estarei à frente, inclusive, que se chama "Frente 44 -  Observatório da Democracia", que é pautada no artigo 44 do Estatuto da Advocacia, que é uma lei federal, entre as quais, o Estado democrático de direito, a correta aplicação das leis, defesa da sociedade civil, então, partindo destes pressupostos, essa comissão é, justamente, isso, atuar através das comissões a ampliação das cadeiras da OAB como sociedade civil organizada, participar dentro destes conselhos municipais, ouvir as demandas da sociedade... e atuar junto com os Conselhos para verificar a possibilidade de não só sugestões, mas também de proposituras de projetos de leis, que visem a criação de políticas públicas, então, seria uma "ponte" entre a OAB e as comissões  da OAB, conselhos municipais e o próprio Legislativo, para levar à frente e através disso ter a criação de políticas públicas, que beneficiem e retornem à sociedade civil.

Colégio Singular arrecada material escolar usado

Da Redação

As unidades do Colégio Singular no ABC recebem doação de lápis preto e de cor, giz de cera, cadernos, livros, borrachas, réguas, mochilas e canetas, entre outros materiais escolares, novos ou seminovos, até 9 de fevereiro. Todos os itens arrecadados serão destinados às creches e orfanatos localizados na região do ABC.

Materiais podem ser entregues até 9 de fevereiro nas unidades do Colégio Singular | Foto: reprodução 
Segundo o coordenador do Singular Social Ronaldo Beluzzo, todas as ações sociais são um grande sucesso graças ao empenho e participação da sociedade. "Ao longo de 2018 foram realizadas também campanhas de arrecadação de alimentos, agasalhos, produtos de higiene e ração animal. Só de roupas e calçados foram 10 toneladas e de alimentos, 8 mil quilos".

Quem quiser colaborar com a campanha pode conferir o endereço da unidade Singular mais próxima no portal www.singular.com.br .



Poupar no início do ano é a melhor opção para manter a saúde financeira

Da Redação

Todo início de ano traz expectativas e também muitas contas. Além dos tradicionais gastos de fim de ano, em janeiro os impostos aparecem sem piedade. Para quem tem filhos, há ainda a compra do material escolar. Para o professor de finanças do ISAE Escola de Negócios, Pedro Salanek, nos últimos anos a dificuldade de acesso ao crédito e o desemprego aumentaram consideravelmente, então, o controle dos gastos é essencial.

 Criar uma planilha com os gastos é necessário para ter tudo sob controle | Foto: divulgação
Além disso, o novo governo ainda gera muitas incertezas na economia, o que faz com que as famílias passem por uma readequação em seu planejamento financeiro. “Deve-se buscar uma reavaliação daquilo que é suficiente para aquisição, tanto de bens de consumo como também dos bens duráveis. Um controle antecipado daquilo que poderá ser gasto é obrigatório de tornar-se realidade neste período, isso envolve inclusive uma mudança de cultura e disciplina financeira do brasileiro. A questão não é quanto ganha, mas sim quanto gasta”, afirma o professor.

Em janeiro, há uma série de tributações e despesas: IPTU, IPVA, material escolar e o cartão de crédito utilizado no mês anterior são os principais vilões, por isso, Salanek alerta que é preciso ter uma visão dos gastos futuros e segurar o freio quando o assunto é gastar.

“Poderíamos até imaginar como se fosse uma despesa antecipada e já guardar dinheiro pra ela agora. O planejamento financeiro deve ser de médio prazo, ou seja, não podemos nos programar apenas com os valores gastos no momento e sim com aquilo que gastaremos nos próximos meses. Se não tiver previsão suficiente de recebimento de recursos no futuro, não terá como honrar esta previsão do pagamento das despesas”, coloca.

O planejamento é a saída para não ser surpreendido nestes períodos de maior consumo. Por isso, criar uma planilha com os gastos é necessário para ter tudo sob controle. Ter uma reserva para equilibrar as finanças, pode sim ser uma saída, pois reter uma pequena fonte por mês, não pesa no bolso e ajuda em situações críticas.

 “Quando você recebe o dinheiro, automaticamente um percentual deve ser separado dos gastos diários como reserva mesmo. Deve ser guardado em uma conta que você não movimenta rotineiramente (poupança, por exemplo) e considerar como se fosse um pagamento efetuado. Comece a fazer isso com 3%, 5% daquilo que você ganha, e quem sabe no futuro você estará aumentando essa alíquota”, finaliza Salanek.


quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Metade dos casos de transtorno mental surge até os 14 anos de idade

Da Redação

A campanha Janeiro Branco faz um alerta importante: é preciso conscientizar a população sobre a importância da saúde mental. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil possui a maior taxa de pessoas com transtornos de ansiedade em todo o mundo. No ranking da depressão, o país está em quinto lugar. O problema pode ter origem ainda na infância e adolescência, pois de acordo com a entidade, metade dos casos de transtorno mental surge até os 14 anos de idade, mas, infelizmente, a maioria não é diagnosticada ou tratada.

O Brasil possui a maior taxa de pessoas com transtornos de ansiedade em todo o mundo, segundo OMS | Imagem: reprodução
Para a psicóloga da Clínica Maia Jussara Cavalcanti - especialista em atendimento e acolhimento infantil, adolescente e familiar – as mudanças sociais interferem nesta situação: "Dia a dia, vemos cada vez mais casos de jovens com transtornos mentais, vítimas de depressão profunda, praticantes de automutilação, ideação e tentativas de suicídio recorrentes, assim como envolvimento com álcool e outras drogas. O avanço tecnológico e as mudanças nos hábitos familiares e sociais têm parte nisso. Criaram-se padrões irreais e inalcançáveis que, muitas vezes, levam os jovens a um estresse intenso e frustrações frequentes".

Segundo a profissional, as redes sociais, por exemplo, que ao mesmo tempo permitem aproximar as pessoas, geram uma exposição muito grande, criam um mundo de felicidade irreal e uma busca incessante em alcançá-la. O bullying, inclusive, é também uma consequência disso.

Com isso, as principais síndromes ligadas ao mundo moderno e ao período inicial de vida incluem depressão, que pode ser identificada por comportamentos de isolamento e problemas com autoestima, tristeza recorrente, falta de energia, angústia e um vazio interior; transtorno de ansiedade, caracterizado por insônia, irritabilidade exacerbada, tensão, dores estomacais, medo, agitação, dificuldade em concentrar-se; transtornos alimentares, que podem ser observados através de alterações na alimentação e preocupação exagerada com o peso/corpo, na tentativa de atingir padrões de beleza.

"A fobia social também é comum na adolescência. O jovem tem dificuldade em participar de atividades sociais e busca manter-se isolado em casa, demonstrando medo e insegurança nestas ocasiões. Ele pode apresentar sintomas como agonia, taquicardia, dificuldade em respirar, suor intenso, ente outros fatores. Há também o transtorno desafiador e/ou de conduta, que pode ser confundido com rebeldia da adolescência, mas é importante notar alguns sinais característicos da síndrome: dificuldade em lidar com normas e regras, impulsividade, agressividade, hostilidade, desrespeito à autoridade, irritabilidade, mentiras, roubos, manipulação e colocar-se em situações de risco", esclarece Jussara.

O fato de o diagnóstico ainda ser um problema para a saúde mental, e até mesmo um tabu, causa prejuízos sérios, pois uma síndrome não diagnosticada e não tratada pode comprometer todo o desenvolvimento familiar, social, escolar e profissional da criança/adolescente.

"Um adulto que sofre com uma saúde mental debilitada e não cuidada se torna inseguro, despreparado, sem amor próprio e com dificuldades em lidar com situações do cotidiano, (desde as mais simples até as mais complexas), podendo até mesmo comprometer a própria vida, já que muitos deles enxergam no suicídio uma forma de suprimir a dor", alerta a psicóloga.

Para ela, é vital o papel dos pais, familiares e professores no que diz respeito à atenção quanto aos sinais manifestados pela criança em seu desenvolvimento. Comportamentos agressivos, explosões diante de situações do cotidiano, agitação, distúrbios de sono, de aprendizagem e de socialização são alguns dos sintomas que necessitam de atenção profissional especializada, para um diagnóstico e acompanhamento correto. Uma vez constatado o problema, é fundamental que o jovem passe por um atendimento psicológico contínuo.




Síndrome do intestino irritável pode ter origem em traumas emocionais

Da Redação

Cerca de 20% da população mundial sofre de Síndrome do Intestino Irritável (SII), distúrbio que pode ter como gatilho eventos emocionais, físicos ou estressantes, de acordo com o endoscopista e diretor da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED), Tomazo Franzini. Entre os sintomas estão hipersensibilidade intestinal e diarreia, constipação – ou até os dois intercalados -, somados a dores abdominais e cólicas. Contudo, nos testes não há nenhuma alteração, como lesão e inflamação.

Diarreia, constipação e cólicas são alguns dos sintomas | Foto: reprodução
Os sintomas, geralmente, ocorrem após as refeições. “Recomendamos que o acompanhamento psicológico aconteça paralelamente à contenção dos sinais e desconfortos gerados pela SII. Tal medida é, inclusive, fundamental para o controle dos quadros – a atenção aos casos de depressão e ansiedade, por exemplo, é parte da solução da causa deste problema. É uma assistência multidisciplinar", afirma Franzini.

Não é puramente emocional

O especialista explica que intestino é como um segundo cérebro e conta com mediadores e um sistema nervoso próprio. Além disso, a região do hipotálamo no cérebro é responsável, entre suas funções, pelo impulso de emoções e tem ligação direta com o sistema nervoso autônomo simpático e parassimpático, cujo principal nervo atua no tubo digestivo. É ele quem estimula a secreção de enzimas, ácidos e fatores digestivos, administrando toda a movimentação do intestino.

Há no intestino hormônios e receptores hormonais similares aos encontrados no sistema nervoso central. Ou seja, o tubo digestivo tem enervação própria e hormônios que controlam sua capacidade de secretar. Logo, constata-se direta relação entre a emoção registrada no hipotálamo e a movimentação intestinal.

Alimentação 

A restrição ou liberação dos alimentos é feita individualmente – os ajustes da dieta são feitos de acordo com o aparecimento ou não dos sintomas. Porém, de maneira geral, indica-se evitar aqueles que contribuem para a formação de gazes, pertencentes ao grupo de carboidratos intitulado Fodmap.

Alguns dos alimentos ricos em Fodmap são, por exemplo: repolho, cebola, cogumelos, abóbora, frutas enlatadas, manga, maça, alcachofra, derivados de leite e de trigo. Já entre os com baixo teor do carboidrato podem ser citados: melão, uva, frutas vermelhas, frutas cítricas, alface, pepino, tomate, berinjela e leites de amêndoa, de coco e de arroz.

"Ainda, em casos de constipação, é importante aumentar a quantidade de fibra ingerida. Porém, ela deve ser restrita quando há diarréia – neste caso, o foco é em aumentar o aporte de vitaminas e minerais até o intestino regularizar-se", orienta o diretor da SOBED.

Síndrome do Intestino Irritável é uma condição crônica, mas que não evolui para problemas mais graves, como tumores. Para aliviar seus incômodos, o tratamento deve ser multidisciplinar e seguir a linha nutricional, medicamentosa e psiquiátrica.


Golden Square Shopping tem feira de adoção de animais neste sábado

Da Redação

A Feira de Adoção de Cães e Gatos do Golden Square Shopping (Avenida Kennedy, 700), em São Bernardo do Campo, está de volta neste sábado (19), das 10h às 18h, no Espaço Pet (Piso L1). Na ocasião, haverá 60 animais, cães e gatos, filhotes e adultos que foram resgatados pela União de Proteção Animal do Grande ABC e eram vítimas de maus-tratos e abandono.

Na ocasião, haverá 60 animais (cães e gatos) para adoção | Foto: Freepik 
Os animais estarão castrados, vacinados e vermifugados.  A feira é realizada em parceria com a União de Proteção Animal do Grande ABC, sob o comando da ativista e presidente Gabriele Mingorance, e tem como objetivo conscientizar a popular sobre a posse e adoção responsável.

Para adotar, os novos tutores precisarão ter mais de 18 anos, apresentar documento de identificação e comprovante de endereço. Além disso, todos passarão por uma triagem e precisarão assinar um termo permitindo o contato dos voluntários que irão acompanhar o bem-estar dos bichinhos de estimação.

O evento tem o apoio da Associação Comercial e Industrial de São Bernardo do Campo (ACISBEC).



quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Janeiro branco: médica fala sobre depressão pós-parto

Da Redação

Janeiro Branco é o termo utilizado para chamar atenção à campanha de cuidados com a saúde mental e promoção de atividades ligadas ao tema. Uma das questões presentes na vida da mulher, relacionadas à saúde mental, é a depressão pós-parto, de acordo com a ginecologista, obstetra e mastologista, Mariana Rosário: “Em geral, não se fala muito sobre o assunto, por desconhecimento e até preconceito”.

As alterações hormonais bruscas que ocorrem com a mulher podem causar a depressão pós-parto, explica a médica Mariana | Foto: divulgação 
Depressão pós-parto é um quadro depressivo que se apresenta na mulher imediatamente após o parto ou até um ano depois deste momento. Os sintomas são caracterizados como tristeza, apatia, desalento e pode ou não ocorrer a rejeição ao bebê.

As causas fisiológicas mais comuns do quadro depressivo pós-parto são as alterações hormonais bruscas que ocorrem com a mulher. Mas, existem casos que são apenas emocionais, principalmente nas pacientes que já apresentaram alguma depressão, antes ou durante a gravidez, por fatores diversos como, por exemplo, a idade (muito novas ou mais velhas) e condição sócio-econômica-cultural.

“Uma paciente em condição financeira prejudicada ou de família desestruturada pode apresentar depressão pós-parto sem causas fisiológicas, sendo um estado puramente emocional. De qualquer maneira, seja o problema físico ou emocional, ele deve ser tratado imediatamente”, alerta a médica.

Mariana explica que a depressão pós-parto pode ter, como uma das principais características, a rejeição ao bebê, mas, pode se apresentar em níveis diferentes. “Existe um quadro chamado de Baby Blues, caracterizado por melancolia, sensibilidade amplificada e insegurança que chegam de repente, mas, que não causam tristeza no puerpério. Esse quadro tende a passar logo, sem a necessidade de intervenção médica”, afirma a ginecologista.  Porém, ela destaca que, se os sintomas perdurarem mais de 30 dias ou forem muito intensos, é importante procurar o médico.

Entre 10% e 15% das mulheres passam pela depressão pós-parto. A duração do quadro depende muito da resposta da paciente à medicação. “Algumas melhoram imediatamente, mas, em casos graves, exige-se até mesmo a internação. O tratamento é feito com medicação e terapia”, comenta.

Além disso, o apoio familiar é fundamental nos casos depressivos no puerpério, para que a mulher consiga superar esta fase, o mais breve possível.

“Não é preciso ter medo de uma depressão aparecer, porque existe tratamento para o problema. Fazer um pré-natal completo, ter uma gravidez tranquila, cuidando da saúde e praticando atividade física são as melhores formas de prevenir-se do problema, mas, se ele se manifestar, procure imediatamente apoio médico”, finaliza Mariana.


“Nós vivemos ainda um certo machismo velado”, afirma a presidente da OAB Santo André

Por Vivian Silva A advogada Andréa Tartuce, 50 anos, é a primeira mulher a comandar a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), subsecção San...