sexta-feira, 31 de maio de 2019

Lívio Giosa lança novo livro infantil em junho

Redação

O escritor, professor universitário e presidente do Centro Nacional de Modernização Empresarial (Cenam), Lívio Giosa, lança em 15 de junho, às 15h30, na Livraria Cultura do Shopping Villa Lobos a obra infantil “A árvore encantada, chocolates e....formiguinhas”. Este é o segundo título da coleção Reino dos Sonhos, que contará com cinco títulos. A primeira obra, “Sonhos, roncos.... e o reizinho nasceu” foi lançada em 2017.

Livro traz também ilustrações de Victor Nunes para colorir | Imagem: divulgação

Na obra, o enredo se passa em um vale encantado do Reino dos Sonhos, onde as crianças encontram uma árvore encantada que dá frutos um tanto quanto inusitados. O livro, que também conta com ilustrações de Victor Nunes para colorir, narra como as crianças lidaram com a árvore encantada e quais os produtos deveriam ser retirados da árvore e enviados aos súditos do Reino.

“A inspiração e o desejo de escrever sobre o universo infantil surgiu com o nascimento do meu primeiro neto. Quando meus filhos nasceram eu escrevi uma mensagem para cada um, em texto e música, e agora esse novo estado de espírito me motivou a dar asas à imaginação”, explica o escritor.

Giosa é também autor do best-seller Terceirização: Uma Abordagem Estratégica e, ainda, dos títulos O Brasil Profissional: A Hora e a Vez da Competência, As Grandes Sacadas de Marketing do Brasil e Olhos da Vida - contos e poesias.

Ginecologista fala sobre vida sexual das mulheres na terceira idade

Redação

O mundo mudou e o comportamento das mulheres também. Na terceira idade, além das alterações hormonais, que ocorrem nessa fase da vida, surge o ressecamento vaginal e o desejo sexual varia, em um “efeito ioiô”, mas tudo pode ser contornado com acompanhamento médico.  A ginecologista Juliana Pierobon, da Altacasa Clínica Médica, explica que, por causa da menopausa, a redução dos hormônios mexe com a lubrificação da mucosa vaginal, tornando o ato sexual, por vezes, desconfortável.

"O acompanhamento ginecológico adequado é fundamental para minimizar os sintomas (como ressecamento vaginal, por exemplo) e assegurar um sexo prazeroso", afirma a ginecologista Juliana | Foto: reprodução

"A diminuição do estrogênio e da testosterona influenciam na cognição, na sensibilidade e textura da pele e mucosas, bem como na motivação sexual. A fisiologia se modifica, mas a resposta sexual ainda existe. Ela está apenas mais lenta", explica.

A médica ressalta, no entanto, que a vida sexual pós-menopausa também tem muito a ver com a parte emocional e não apenas com os hormônios. "As mulheres devem derrubar o tabu de que a partir da menopausa terá uma vida sexual ruim. O acompanhamento ginecológico adequado é fundamental para minimizar os sintomas e assegurar um sexo prazeroso", afirma a especialista, lembrando que, a partir dos 65 anos, as mulheres podem ter orgasmos diferentes, com sensações menos intensas. Além disso, diversas áreas do corpo podem deixar de ser sensíveis ao toque.

Para a especialista, uma mulher saudável, motivada, em um bom relacionamento a dois, tem mais disposição para o sexo. Já quem viveu relacionamentos não tão gratificantes, acumulou mágoas ou adquiriu doenças ao longo da vida, como depressão e hipertensão, ou as que tomam medicamentos que interferem na libido, podem ter o desejo comprometido. O mesmo pode ocorrer com quem passa por situações estressantes, como a saída dos filhos de casa e a aposentadoria.

Juliana alerta que as mulheres devem se esforçar para manter uma atitude positiva diante da velhice, aproveitando as vantagens da prática do sexo na terceira idade, com mais tempo para curtir o parceiro e sem as ilusões da juventude. No entanto, não podem jamais esquecer do uso da camisinha.

"O preservativo proporciona segurança durante o sexo para pessoas de qualquer idade e não deve ser deixado de lado apenas pelo fato de essas mulheres não mais engravidarem. A falta de discussão sobre sexualidade e uso de preservativo levaram ao aumento no contágio e o número de doenças sexualmente transmissíveis em idosos, dobrou na última década", afirma a ginecologista.

"Acredito que o tema muitas vezes não seja discutido por ser um tabu e porque muitos profissionais acreditam que a sexualidade das mulheres idosas é inexistente. Com orientação adequada e medicamentos, a vida de muitas mulheres pode aflorar da noite para o dia, aumentando sua autoestima e bem-estar", ressalta Juliana.

Dicas para as mulheres terem uma boa vida sexual na terceira idade
- Uso de lubrificante na hora do sexo facilita a penetração e a torna mais prazerosa;
- Uso frequente de creme intravaginal a base de estriol – por indicação do ginecologista – combate o ressecamento interno da vagina e melhora a elasticidade da muscosa vaginal;
- Tratamentos com laser vaginal melhoram a atrofia genito-urinária a longo prazo e podem ser indicados pelo ginecologista
- Terapias e exercícios físicos melhoram o emocional e o físico, e podem ajudar na hora do sexo;
- Beber bastante água pode ajudar na produção de fluidos necessários a uma boa relação sexual;
- A aceitação do próprio corpo é fundamental, para se sentir segura junto ao parceiro; além de um entendimento mais amplo do sexo, além da penetração.

Psiquiatra explica que a depressão se manifesta de diversas maneiras

Redação

Mundialmente, a depressão atinge mais de 300 milhões de pessoas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, são 11,5 milhões de afetados pelo problema. No entanto, pouca gente sabe, mas a doença se manifesta de várias formas e é importante identificá-las, conforme explica o psiquiatra da Clínica Maia, Ygor Czovny.

A depressão de alto funcionamento é caracterizada por pessoas que, inicialmente, aparentam um rendimento normal em qualquer área da vidas, mas sofrem, na verdade, um mal-estar profundo | Foto: reprodução

"No transtorno depressivo maior (o mais comum), a pessoa possui quadros depressivos frequentes ou sintomas de depressão presentes por mais de seis meses. É um estado mais grave da doença. Os sinais de alerta incluem tristeza, desânimo, pouco interesse em atividades (antes prazerosas), alterações no sono, no apetite ou no peso, assim como perda de energia e sensação de inutilidade", detalha Czovny, que destaca que este quadro costuma aparecer mais tardiamente, após os 30 anos de idade, e tem uma reposta melhor aos medicamentos.

O transtorno bipolar, por sua vez, é diferente da depressão, mas quem sofre com a síndrome também passa por episódios de humor extremamente deprimido, que pode se enquadrar nos critérios para depressão maior. O paciente, na verdade, experimenta momentos extremamente opostos, vivendo também explosões de humor extremo, intensa euforia ou irritabilidade.

Já a depressão de alto funcionamento, um tipo novo que entrou recentemente nos protocolos de depressão, é caracterizada por pessoas que, inicialmente, aparentam um rendimento normal em qualquer área de suas vidas; são ativas, trabalham, se relacionam, sorriem, se comunicam. Só que, ao passo que demonstram normalidade, sofrem, na verdade, um mal-estar profundo.

"Para elas, as primeiras horas do dia, por exemplo, podem ser um pesadelo, com a presença contínua de uma ansiedade intensa já ao acordar, na qual há uma pressão enorme e angustiante em ter que 'dar conta de tudo'; 'preciso aparentar normalidade, cumprir com todas as minhas tarefas'. O problema é que isso se torna crônico e pode levar à já citada depressão maior", alerta o médico

De acordo com o profissional, a depressão de alta funcionalidade apresenta uma singularidade: a falta de energia é ausente. Isso porque os pacientes possuem um forte sentimento de perfeccionismo, portanto não se deixam parar ou falhar.

"Já a depressão sazonal está relacionada a episódios de intensa tristeza, que surgem conforme os dias ficam mais curtos no outono e no inverno, e a exposição à luz do sol diminui. São casos menos comuns em locais como o Brasil, em que o sol é mais presente. E existem outros tipos de depressões sazonais ligados a datas específicas do ano, como as festas de final de ano que acarretam reflexão, balanço e, por consequência, frustração. O quadro inclui retraimento social, aumento do sono e desânimo", esclarece Czovny.

A depressão pós-parto também faz parte dos diferentes tipos da doença. Para o psiquiatra, a gestação é um período que mexe muito com os hormônios femininos e que acarreta queda abrupta de algumas substâncias no corpo, o que propicia o problema. "Ela pode surgir durante a gravidez e/ou em até 12 meses, após o nascimento do bebê. Sentimentos persistentes (que durem mais de duas semanas após o parto) como extrema tristeza, ansiedade e exaustão severa são sinais de alerta", comenta o especialista.

E há, ainda, a depressão psicótica, uma forma mais rara e extrema de depressão, que se manifesta através de episódios psicóticos. "O paciente sofre com alucinações (vozes, vultos), delírios de culpa, com intensa tristeza e sensação de que algo ruim está para acontecer", completa.

quinta-feira, 30 de maio de 2019

Rinoplastia é a cirurgia plástica mais procurada entre adolescentes

Redação

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), nos últimos dez anos houve um aumento de 141% nos procedimentos em jovens de 13 a 18 anos. Em 2016 – ano do último censo realizado pela SBCP, foram realizadas 1.472.435 cirurgias plásticas estéticas ou reparadoras, sendo 6,6% em adolescentes, ou seja, um total de 97 mil cirurgias. O Brasil fica na liderança em números de jovens que passam por esse tipo de cirurgia. Nos EUA, 4% dos pacientes são adolescentes, e no ano passado ultrapassou 66 mil cirurgias estéticas, enquanto no Brasil os procedimentos ultrapassaram 90 mil casos.

O procedimento mais procurado entre os adolescentes é a rinoplastia, seguido do aumento de mamas | Foto: divulgação

O procedimento mais procurado entre os adolescentes é a rinoplastia (correção estética ou funcional do nariz), que totalizou 70.800 procedimentos em 2017, frente aos 44.600 procedimentos de aumento de mamas em adolescentes de todo o mundo.

O otorrinolaringologista Guilherme Scheibel, especialista em rinoplastia,  explica que a procura pela rinoplastia, em muitos casos, é devido a problemas respiratórios, que podem ser melhorados com tratamento clínico e cirurgia, mas a procura se dá principalmente pela estética: "Sempre houve o incômodo com a estética, mas as mídias sociais e as selfies têm feito aumentar a procura pela cirurgia, especialmente no rosto. Nos adolescentes, acaba sendo maior a procura pela rinoplastia, visto que ainda não apresentam problemas de envelhecimento da face", comenta.

No caso dos problemas respiratórios, o especialista afirma que alguns precisam ser reparados com a rinoplastia. "É o caso de fragilidade das narinas, em que sua parte lateral fecha na inspiração. Isso demanda a colocação de cartilagem de suporte nesta região, coisa que uma simples cirurgia de septo e cornetos não resolveria", explica Scheibel.

Muitas adolescentes acabam sendo influenciadas a passarem por procedimento cirúrgico, através de resultados que veem na internet, nas redes sociais, na televisão, de pessoas famosas, o que desperta a curiosidade o interesse, mas é preciso estar atento na avaliação pré-operatória, para saber se o adolescente já está preparado fisicamente para uma cirurgia.

"Normalmente indico rinoplastia para meninas a partir dos 16 anos. Teoricamente poderiam ser operadas antes, porém a maturidade conta muito neste tipo de procedimento, por isso não recomendo. Meninos já seriam após os 17 anos, quando termina a fase do crescimento, sempre confirmada pela idade óssea em ambos os casos", afirma o otorrinolaringologista.

Schebeil conscientiza os pacientes, pois sempre há chances de o resultado não ser completamente satisfatório, porém alguns defeitos mais difíceis de reparar devem ser explicados previamente, pois mesmo com uma rinoplastia, podem não ser consertados. Caso haja realmente algo que possa a ser melhorado com uma nova cirurgia, ela pode ser sim realizada.

Melhoramentos lança obra comemorativa dos 50 anos da “Supermãe”

Redação

No final dos anos 1960 surgiu as proezas de Dona Clotildes, retratadas por Ziraldo com muito humor, zelo exagerado e apelos melodramáticos de The Supermãe. De 1968 a 1984, a personagem figurou em tiras do Jornal do Brasil e nas páginas da revista Claudia.  Assim como Ziraldo, The Supermãe é atemporal e eterna. Na edição comemorativa da editora Melhoramentos, além de 16 anos de história, também são apresentados esboços, textos inéditos e curiosidades.

Edição comemorativa traz também textos inéditos | Imagem: divulgação 

 O almanaque reproduz essas histórias, a partir de artes finais ou de páginas impressas dos originais já perdidos no tempo, para registrar a criatividade e o estilo de um dos maiores desenhistas do país.

Pioneiro nas artes gráficas, Ziraldo passou a influenciar gerações com sua expressividade tipográfica, conforme comenta um dos organizadores da obra, Tarcísio Vidigal. "As letras das falas são quase personagens! O título das páginas de nossa heroína, por exemplo, varia de acordo com o contexto. E a riqueza dos detalhes no traço ou as expressões sutis de um olhar, de um canto de boca, de uma sobrancelha compõe fortemente a narrativa", destaca.

Sobre os textos inéditos, Adriana Lins, sobrinha do cartunista que também organizou a obra, pontua que eles revelam sutilezas maravilhosas do autor, "possíveis de serem observadas e tão bem contadas só por quem é mesmo muito fã e tem a chance de conviver perto de Ziraldo".

A seleção de histórias de D. Clotildes e seu filho Carlinhos narra uma "saga materna ziraldiana", e o próprio cartunista sempre se considera uma supermãe que, assim como a personagem, acompanha em detalhes a vida dos filhos e que sempre quis saber onde eles estavam e a que horas voltariam.

quarta-feira, 29 de maio de 2019

São Paulo: programação cultural em junho

Não importa a época do ano: a agenda de eventos em São Paulo está sempre cheia. De shows de artistas internacionais a feiras gastronômicas, sempre há uma boa opção de lazer na cidade. O WZ Hotel Jardins selecionou abaixo os destaques do mês de junho, para curtir o melhor de São Paulo.

Em 11 de junho, Daryl Hall & John Oates farão sua primeira apresentação no País, no Espaço das Américas. O show promete ser recheado de hits dos anos 70 e 80.

O WZ Hotel Jardins (fachada de luzes coloridas) fica próximo a estação Oscar Freire do metrô | Foto: divulgação 

Até 16 de junho, acontece na cidade o já tradicional Cultura Inglesa Festival, com uma programação multicultural e gratuita. O destaque vai para o show da britânica Lily Allen no próximo dia 09, no Memorial da América Latina.

Junho é época das festas juninas, e São Paulo estará repleta desses festejos típicos em igrejas, clubes e parques, por exemplo. Vale conhecer o São João de Nóis Tudim, que acontece aos finais de semana de junho, no Centro de Tradições Nordestinas (CTN).

São Paulo receberá a maior feira de comida de rua do mundo: o Smorgasburg. Realizada em cidades como Nova York, Los Angeles e Tóquio, a feira chega à capital paulista nos dias 08 e 09 de junho, no Obelisco do Ibirapuera, com entrada gratuita.

No Shopping Eldorado, a exposição intitulada "Entra que Lá Vem História" comemora os 50 anos da TV Cultura. São vários ambientes que vão fazer o público reviver programas como "Castelo Rá-Tim-Bum", "Cocoricó", "Roda Viva" e "Viola, Minha Viola". A exposição segue até setembro.

Onde ficar
Com design moderno, o WZ Hotel Jardins (Avenida Rebouças, 955) é um marco arquitetônico em São Paulo e uma das opções de hospedagem. O hotel está localizado em uma das áreas mais nobres da cidade: nos Jardins, ao lado da Rua Oscar Freire. Além disso, a estação Oscar Freire do metrô fica a poucos passos do hotel, facilitando o deslocamento de seus hóspedes aos principais pontos de interesse da cidade.

Especialista destaca comportamentos atípicos nos cães

Redação

Falar sobre comportamento animal é mais do que ensinar o pet a fazer xixi, ou dormir no local certo. É pensar no bem-estar deles, de forma mais ampla. Por isso, é importante observar o comportamento do cão, para saber não só se ele está feliz ou triste, mas também se sua saúde está bem. É necessário ter bastante atenção, visto que certas atitudes podem ser consideradas normais, mas, se repetidas muitas vezes, o bichinho pode estar querendo te “dizer algo”, segundo o especialista em comportamento animal Cleber Santos, adestrador e fundador da ComportPet. 

Se o seu cão parece apático, sem energia e passa a dormir demais, pode ser indício de vários problemas de saúde | Foto: Envato Elements

"Para saber se está tudo bem ou não com o pet, é importante reconhecer suas necessidades básicas, sendo uma delas a atenção que o tutor deve dar ao animalzinho. Muitas vezes, o fato de o cão beber mais ou menos água que o normal já pode indicar algo, ou mesmo se o ele está fazendo xixi fora do lugar certo. Além disso, deixar um cachorro por muito tempo sozinho e sem atividade, por exemplo, pode gerar grandes problemas comportamentais", destaca Santos.

Abaixo, o especialista resume algumas atitudes incomuns, que podem servir de alerta para algum possível problema com o cãozinho:

Agressividade
Se um cão que não se mostra frequentemente agressivo passa a ter esse tipo de comportamento, sem motivo aparente, e tenta atacar pessoas ou mesmo outros animais, é sinal de que algo não está bem.

"Se o cão passou a ter atitudes agressivas 'de uma hora para outra', pode ser que esteja muito estressado e precise liberar mais energia. No caso de um novo animal ou membro novo na família, por exemplo, isso pode causar no cachorro sentimentos como ciúmes, o que gera esse comportamento mais agressivo, em que ele quer mostrar que aquele é o território dele e não do membro que acabou de chegar. Além disso, se o animal passa a ser agressivo com seus tutores sem motivo, pode ser que esteja incomodado com alguma dor e isso precisa ser observado, a fim de evitar maiores problemas", explica o especialista.

Latir ou chorar muito
O latido é a forma do cachorro se comunicar, uma vez que eles não falam, como os humanos. Porém, um simples som emitido por ele pode ser muito mais do que uma forma de chamar atenção de seu tutor. Geralmente, eles latem ou choram quando estão com fome, com sono, quando querem carinho e atenção, ou quando estão com frio, por exemplo. Alguns também choram muito quando se sentem sozinhos ou deprimidos.

"Cachorros também podem ter problemas como depressão e ansiedade, além de diversas doenças psicológicas. Em outros casos, o seu cachorrinho apenas precisa de algumas aulas de adestramento para acabar com a 'manha' constante. Mas, antes de tomar uma decisão do que fazer, é preciso encontrar o problema pela raiz. Procure um especialista para traçar um diagnóstico", alerta Santos.

Apatia e falta de energia
Se o seu cão parece apático, sem energia, e passa a dormir demais, pode ser indício de vários problemas de saúde, como anemia, fraqueza, dores, doenças como hipotireoidismo, raiva, cinomose, e até mesmo depressão.

Nesses casos, é importante que os tutores observem fatos recentes de sua rotina que podem ter desencadeado tal comportamento. "Estão tendo tempo para brincar com ele, por exemplo? Outro caso que pode gerar tristeza e apatia é o mesmo comentado anteriormente: ciúmes. Assim como o animal pode se tornar agressivo por conta disso, ele também pode aparentar estar triste e, assim, mais apático", comenta o especialista.

Outro motivo que pode gerar tal comportamento é quando o animal passa por alterações bruscas em sua rotina. "Se ele passou por uma mudança de casa, por exemplo, ou mesmo perdeu alguém com quem convivia diariamente, isso pode afetar seu comportamento e deixá-lo mais cabisbaixo, quieto, sem energia e dormindo com mais frequência", destaca Santos.

Respiração ofegante - mesmo quando parado
Embora na maioria das vezes não indique um problema de saúde sério, a respiração ofegante de um cachorro deve ser considerada um sinal de alerta para os tutores. Isso porque, em estado normal, o cão fica ofegante para manter a temperatura adequada do corpo. Porém, quando isso acontece em excesso, sem um motivo aparente, pode ser indício de doenças.

"Existem casos em que o animal está com problemas respiratórios graves, obesidade ou até mesmo excesso de calor em dias quentes. É preciso manter a atenção", alerta o adestrador.

Alterações de peso
Muitos acreditam que o cachorro só vai perder peso quando, por algum motivo, para de sentir fome e comer. Porém, existem casos em que o animal come a quantidade de alimento recomendada para o seu peso e, mesmo assim, emagrece de forma repentina.

"Por isso, eu repito que é preciso ficar atento a todos os passos de nossos animais. Eles podem mostrar diferentes alertas de que precisam de ajuda. Emagrecer, ainda que comendo na quantidade e horários certos, não é normal e deve ser observado", salienta o especialista.

Na contramão disso, se o animal está engordando rapidamente, também não é bom sinal. "A obesidade em cães é um dos maiores problemas que vem acometendo os cães nos últimos anos. É importante que os tutores estejam atentos e os levem ao veterinário nesses casos, que indicará o melhor tratamento para resolver o problema", completa Santos.

Sede em excesso
Todo animal deve beber água, isso é extremamente importante para a saúde dele, afinal, já se sabe que a desidratação prejudica a saúde do animal. Porém, Santos explica que, quando o cãozinho está bebendo muita água, pode ser sinal de algum problema mais sério.

"É normal se hidratar mais quando está calor ou quando se pratica exercícios, por exemplo. Mas, se a ingestão de água aparecer sem nenhuma causa aparente, é preciso procurar um especialista, pois pode ser sinal de doenças renais ou diabetes, por exemplo", finaliza o especialista.

Cigarro: o vilão da saúde bucal

Redação

O número de fumantes no Brasil, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), já chega a quase 20 milhões, sendo que Curitiba é a capital que mais concentra os tabagistas. Os problemas causados pela droga lícita afetam não só os fumantes, mas também as pessoas que convivem com essas pessoas, chamadas de fumantes passivos.

Os fumantes devem visitar o dentista mais vezes | Foto: divulgação

Além das doenças pulmonares, a saúde bucal é prejudicada pelo hábito de fumar, e as cáries e o mau hálito são os primeiros problemas a aparecer, conforme comenta a especialista em ortodontia, ortopedia dos maxilares e lentes de contato, Luciana Beatriz Salbachian Moroni, que é gestora da unidade Oral Unic de São José dos Pinhais (PR).

"Como são mais de 4 mil substâncias ingeridas e que passam pela cavidade oral, elas ficam presas em toda a região da boca, causando halitose", destaca Luciana. Outro problema notado em fumantes é a mudança da coloração dos dentes, pois a nicotina presente no cigarro atinge diretamente o esmalte dentário, provocando uma coloração mais escura.

"A gengiva também é afetada nesse processo, onde em casos extremos, pode levar à doença periodontal, que é uma infecção que prejudica tanto a gengiva, quanto os ossos que sustentam os dentes, e o paciente pode correr o risco até de perdê-los", alerta a especialista. Fumantes têm duas vezes mais chances de desencadear a doença, em comparação com não fumantes.

Além disso, segundo estudo realizado pela Boston University's School of Dental Medicin, pessoas que fumam têm maior probabilidade de precisar fazer tratamento endodôntico - tratamento de canal.

 "O ideal é parar de fumar, mas como não é um processo fácil, indicamos que os pacientes tabagistas visitem com mais frequência o dentista, para avaliações e possíveis tratamentos que evitem problemas mais complexos", finaliza a dentista.

terça-feira, 28 de maio de 2019

Especialista fala sobre o processo de mudança de hábito

Redação

O processo de mudança de hábito pode parecer um verdadeiro obstáculo para muitas pessoas. A responsável por esse cenário é a mente, que acredita ser difícil e acaba se respaldando nos mais diversos paradigmas, muitas vezes, engessados, que habitam o inconsciente. O resultado é uma restrição no direcionamento para um novo padrão de comportamento. Essa é a conclusão de Mariela Silveira, médica especialista em nutrologia e terapia cognitiva do Kurotel - Centro Médico de Longevidade & Spa de Gramado, no Rio Grande do Sul.


Segundo a especialista Mariela, o primeiro passo para não cair nos gatilhos mentais negativos é identificar essas convicções e reconhecer pensamentos disfuncionais automáticos | Foto: divulgação 

"Colocamos crenças pessoais como 'nunca vou conseguir emagrecer´, ´sou fraco para parar de fuma´, ´nunca vou conseguir um relacionamento saudável´, entre outras, ao longo da vida. Se não percebermos, vamos realizando uma série de ações para endossar essa crença falsa para tentar torná-la verdadeira", explica Mariela, sobre o mecanismo mental.

Na realidade, não é difícil adotar um novo rumo, uma vez que a vida é feita de mudanças constantemente, destaca a médica, que elegeu o tema Por que é tão difícil mudar?, para uma reflexão recentemente proposta no Connections+ 2019, evento referência em produtividade e sucesso sediado em Gramado, de 24 a 25 de maio, no Recreio Gramadense.

Segundo a especialista, o primeiro passo para não cair nesses gatilhos é identificar essas convicções e reconhecer pensamentos disfuncionais automáticos. "Questioná-los, colocar consciência no que se pensa e, especialmente, atenção plena, é quando começamos a construir novos paradigmas diferentes daqueles engessados", explica Mariela. Em outras palavras, nesse momento, deixa-se de agir no piloto automático e/ou de tomar decisões baseadas em ideias já estabelecidas.

Daí a importância da atenção intensa e profunda, para não se tornar refém de hábitos destrutivos capazes de limitar a sensação de paz e a percepção de liberdade.

"Então, depois de identificar mentalmente a mudança, é preciso ´esquentá-la´ afetivamente para que ela possa ganhar espaço. Só a partir disso, técnicas comportamentais devem entrar para efetivar a prática das novas atitudes com regularidade e constância", finaliza.

Mulheres optam por gravidez após os 35 anos

Redação

Há algumas décadas, a idade média de gestação das mulheres era entre 20 e 30 anos, mas a maioria engravidava por volta dos 25 e 27 anos. Atualmente, com uma rotina mais intensa e com outras prioridades, as mulheres estão cada vez mais adiando a gravidez. Prova disso, são as famosas que, atualmente, que engravidam depois dos 35 anos como, por exemplo, Tatá Werneck (35 anos).

Tatá Werneck é uma das mulheres que engravidaram aos 35 anos | Foto: divulgação 

Mas não são apenas as famosas que estão aderindo à gravidez com mais idade. Conforme aponta o médico Matheus Roque, especialista em reprodução assistida, há uma tendência mundial na gestação tardia. Nas clínicas onde atende, a média de idade das mulheres que recorrem aos tratamentos de reprodução é de 38 a 39 anos. 

“É uma tendência mundial, as mulheres estão adiando a maternidade e, por isso, acabam recorrendo à tratamentos de reprodução assistida. Um dos mais procurados é a Fertilização in Vitro (FIV)”, diz o especialista.

Tratamentos para engravidar também têm sido procurados por mulheres nessa faixa etária que estão solteiras e  por casais homoafetivos que buscam ter filho, mas só não engravidam, porque precisam da doação de um sêmen ou óvulo, e assim partir para um tratamento.

Por conta dessa tendência de engravidar mais tarde, há alguns pontos que devem ser levados em consideração, já que o fator idade é muito importante para ter uma gestação de forma natural, além de evitar riscos e doenças para as mães e os bebês.

Idade
O especialista ressalta que a idade não é uma contraindicação. Mas é sempre importante que as mulheres estejam cientes dos riscos associados a esse fator. A partir dos 35 anos, as chances de engravidar diminuem progressivamente, por conta da redução na quantidade e qualidade dos óvulos. A redução da qualidade faz com que as taxas de gravidez caiam e os riscos de abortos e doenças genéticas aumentem progressivamente.

“Uma mulher de 35 anos tem 15% de chance de engravidar a cada mês, por cada ciclo menstrual. Em uma mulher de 40, essa chance cai para 5% e 7%. Entre os 43 e 45, a chance é de 1% ao mês. Por isso, é importante que a mulher tenha ciência de que ela pode engravidar de forma natural, mas que as chances são mais baixas”, diz Roque.

Riscos e síndromes
O fator idade também pode ocasionar uma gravidez de risco. Conforme aponta o médico, há uma associação aos riscos obstétricos como parto prematuro, risco de aborto, hipertensão, diabetes e sangramento. Existe também outra causa comum, a síndrome cromossômica, como Down, que tem aumento progressivo principalmente após os 40 anos.

O médico ressalta que, grande parte das mulheres acima dos 35 que não engravidam de maneira natural, acaba recorrendo à tratamentos de fertilização in vitro: nesta técnica, os óvulos são coletados do ovário da paciente para então serem fertilizados em laboratório, onde devem permanecer de dois a sete dias em cultura adequada para que as primeiras divisões celulares ocorram.

“Com esse tratamento é possível fazer o teste genético pré-implantacional, então os embriões são formados em laboratórios e antes de serem transferidos ao útero, são biopsiados para saber se esse embrião é cromossomicamente normal, se tem bom potencial de gravidez, baixo risco de aborto e de doença”, explica Roque.

Tratamentos
O especialista informa que é sempre importante avaliar a paciente e o casal, se houver infertilidade. Isso acontece quando o casal está tentando engravidar após 12 meses de relações sexuais sem prevenção e ela não acontece. Porém nestas mulheres após os 35 anos, recomenda-se uma investigação já a partir de seis meses de tentativas sem sucesso.

“Tanto a mulher, quanto o homem devem ser avaliados para definirmos o melhor tratamento. Como citei anteriormente, a FIV é um dos mais procurados e mais eficazes, mas também temos a inseminação uterina, quando induzimos a ovulação da mulher e no momento adequado preparamos a injeção de sêmen dentro do útero de forma que a fertilização ocorrerá na tuba uterina de maneira natural, e não no laboratório, como na FIV”, finaliza o médico.

Pavilhão Vera Cruz tem festivais gastronômicos neste fim de semana

Redação

Com apoio da Prefeitura de São Bernardo, o Pavilhão e Estúdios Vera Cruz sedia neste fim de semana (1º e 2), simultaneamente, três festivais gastronômicos de São Paulo. A entrada é gratuita.

A entrada nos festivais será gratuita   | Foto: Ricardo Cassin/PMSBC

Para conquistar o paladar de fãs e apreciadores de boa comida, haverá os festivais da Coxinha e da Cerveja Artesanal; de Hambúrgueres e Hot Dog; e do Brigadeiro e Doces. Tudo isso a um preço acessível, com opções a partir de R$ 4.

Quem passar pelo espaço terá a oportunidade de desfrutar de um verdadeiro intercâmbio entre chefs e cozinheiros, para a valorização da gastronomia de São Paulo.

Para prestigiar os artesãos e pequenos empreendedores da cidade, haverá ainda uma feira de variedades, com semijoias, acessórios e diversos itens de moda e decoração para casa. No local haverá arrecadação de alimentos para o Banco de Alimentos da Prefeitura, além de apresentação musical e área destinada às crianças.

O Pavilhão e Estúdios Vera Cruz fica na Avenida Lucas Nogueira, 856, em São Bernardo do Campo. Os festivais ocorrem das 12h às 22h, no sábado (1º), e das 11h às 20h, no domingo (2).

segunda-feira, 27 de maio de 2019

Advogada esclarece dúvidas sobre pensão alimentícia

Redação

A pensão alimentícia é um tema crucial do Direito de Família. Enquanto alguns casais são capazes de resolver a situação sem grandes problemas, outros protagonizam verdadeiras batalhas judiciais, nas quais, infelizmente, quem sai perdendo são aqueles que realmente precisam: os filhos.

Caso o pai (ou mãe) não tenha condições de pagar a pensão alimentícia, os parentes dele devem arcar com a obrigação, esclarece a advogada Christiane | Foto: divulgação 

De acordo com o CNJ – Conselho Nacional de Justiça –, em 2018 o número de processos que tramitaram na Justiça Brasileira, referente à pensão alimentícia foram mais de 263 mil. A fim de esclarecer algumas questões comuns – e outras nem tanto –, a advogada Christiane Faturi Angelo Afonso lista como funciona o mecanismo judicial para este tema.

Como forma de acelerar os processos de execução, o Novo Código de Processo Civil alterou a forma de cobrança dos alimentos em atraso, nos termos dos artigos 528 a 535. Segundo a advogada, o atraso do pagamento em um mês, já pode haver mandado de prisão expedido contra o devedor. A prisão do mesmo será em regime fechado de até três meses, e o cumprimento de pena não exime do pagamento em atraso.

“Na ação de cumprimento de execução de sentença ou decisão interlocutória, que fixe alimentos, o juiz intimará o devedor pessoalmente para que em três dias pague o débito, prove que fez o pagamento ou justifique a impossibilidade de efetuá-lo. Caso o devedor permaneça inerte ou não apresente justificativa da impossibilidade de pagar o débito, e a requerimento do credor, o juiz poderá  incluir o nome do devedor/executado em cadastros de inadimplentes”, explica Christiane. Abaixo, veja as dúvidas mais frequentes:

A pensão alimentícia é destinada apenas para suprir o alimento da criança?
Apesar do nome, esse direito não serve apenas para a alimentação. É indicada também para custear as necessidades básicas do filho, tais como: material escolar, roupas, remédios, entre outros itens. Tudo o que for de necessidade básica para a criança, cabe o pai e a mãe fornecerem.

Qual é o procedimento para dar entrada na pensão alimentícia?
Por meio de um advogado ou defensoria pública, é preciso pedir ao juiz um documento onde é exigido o valor a ser pago pelo ex-companheiro. No pedido, o juiz determinará “alimentos provisórios” - uma quantia que deverá ser paga até a finalização do processo.

Quando é possível pedir aumento da pensão?
Quando for comprovado que aquilo que recebe é insuficiente, ou que o pagador teve uma real melhoria nas condições de vida. Contudo, o oposto também acontece: se o pagador sofrer perdas em seu poder aquisitivo, ele poderá pedir a redução do valor da pensão.

Apesar da determinação do pagamento, isso não está se cumprindo. E agora?
Não é mais necessário o atraso de três meses de pensão para que a execução seja iniciada. Com o atraso de um dia é possível executar o devedor, sugere-se que aguarde 30 dias para noticiar nos autos e iniciar a execução.

O mandado de prisão poderá ser expedido a partir do primeiro mês de atraso. A prisão será em regime fechado de até três meses e o devedor deverá realizar o pagamento em atraso, mesmo cumprindo a pena.

Caso o pagador faleça ou não tenha condições de pagar a pensão alimentícia, os parentes dele devem arcar com a obrigação?
Isso pode acontecer. É o caso, por exemplo, de avós que pagam pensão ao neto, porque o pai morreu ou não tem condições de fazê-lo. A obrigação também pode ficar a cargo de outros parentes (e não somente a pensão dos filhos, mas dependendo do caso, também, a da ex-mulher).

O pai está desempregado, posso pedir pensão mesmo assim?
Sim. Os juízes determinam que a pensão alimentícia é uma necessidade de primeira importância na vida do filho. Nesse caso, os valores podem sofrer mudanças, mas a obrigatoriedade continua.

Mesmo antes do meu filho nascer, posso pedir a pensão?
Sim, desde de 2008, os “alimentos gravídicos” já podem ser garantidos pelo pai. Para isso, é necessário provas como, por exemplo, algo que vincule que o casal teve uma união estável.

A mãe também paga pensão?
Assim como o pai, a mãe também é obrigada a pagar a pensão quando o pai tem a guarda. A mulher possui as mesmas responsabilidades na criação e sustento da criança.

Você conhece as cinco regras da mente?

*Por Adriana Lage

Passamos a vida ouvindo que só conhecemos 5% da capacidade de nossa mente, que ela é complicada, que só Freud explica, que precisamos de décadas de divã para resolvermos nossas questões complexas. No entanto, no mundo atual não queremos mais esperar a velhice para dominar os processos de nossa mente e, consequentemente, viver uma vida leve e feliz. Queremos soluções práticas, resultados rápidos.

"A mente não sabe se o que você diz é certo ou errado, verdade ou mentira, bom ou ruim – ela apenas aceita o que você deixa entrar", explica Adriana | Imagem: reprodução

Quando entendemos as regras da mente e aplicamos as reprogramações mentais simples e certas, provocamos uma mudança transformadora e duradoura em nossas vidas. O segredo é descomplicar.

Regra 1: A verdade se resume em um fato, a mente humana tem uma única função: te manter vivo o maior tempo possível.

Regra 2: Sua mente faz aquilo que ela acha que você deseja e age assim, porque acredita que está realmente te ajudando. Por isso, cuide das palavras que você diz para si mesmo. Se você fala que seu trabalho está acabando com você, sua mente encontrará um meio de te parar – geralmente com alguma doença, gripe ou crises de estresse.

Regra 3: A mente está condicionada a te afastar da dor e te levar para o prazer. Por isso, enquanto você acreditar que uma pizza é mais gostosa do que uma salada, você continuará a quebrar sua dieta.

Regra 4: Sua mente é altamente influenciada pelas palavras e imagens que você cria. Quanto mais você repete que é doente, que não tem sorte, que a vida é dura, por exemplo, mais disso você recebe de volta.

Regra 5: A mente prefere situações familiares e te distancia de tudo que lhe é incomum, porque gasta energia criar novos caminhos cerebrais e ela precisa economizar energia para te manter vivo (regra 1), caso alguma emergência apareça – um incêndio em casa, um urso na floresta. Mesmo que isso soe impossível, nossa mente está condicionada ao perigo iminente da era primata.

Como fazer para transformar sua vida e controlar sua mente: comece a observar sua fala e seus pensamentos. A mente não sabe se o que você diz é certo ou errado, verdade ou mentira, bom ou ruim – ela apenas aceita o que você deixa entrar. A função da mente é agir conforme as palavras que você diz a ela. E o seu trabalho é dizer à sua mente palavras mais poderosas, descritivas e positivas.

Estas são as principais regras da mente identificadas pela Terapia de Transformação Rápida – RTT, um tratamento focado na solução de problemas, que une os melhores princípios da neurociência, hipnoterapia, psicoterapia, PNL e Terapia Cognitiva Comportamental criada pela inglesa Marisa Peer.

*Adriana Lage é empresária e terapeuta de Transformação Rápida e Hipnoterapeuta, treinada e certificada por Marisa Peer, idealizadora da TTR (Terapia de Transformação Rápida), que ao longo de mais de 30 anos já ajudou milhares de pessoas a resolverem problemas físicos, mentais e emocionais com seu método rápido e eficaz. Adriana já viajou o mundo e, atualmente, acompanha e é anfitriã de grupos de viajantes em busca de experiências transformadoras, além de promover palestras, workshops e ministrar aulas em universidades.    

Ricardo Bellino lança livro sobre “anticoitadismo”

Redação

No livro Ningém é f#dido por acaso, o empresário carioca Ricardo Bellino  ensina estratégias para sair da mediocridade (ou do buraco). Irreverente e desbocado, o empreendedor utiliza episódios pessoais como exemplos do poder que a troca de uma simples letra pode ter na vida das pessoas.

O livro traz um "fudidômetro", teste para que a pessoa possa olhar para si mesma, identificar suas atitudes e entender em que nível está | Imagem: divulgação

"Para mim, fudido e fodido não são a mesma coisa. Ser fodido é ser foda! É algo irado, poderoso! Já fudido é completamente o contrário. Não tem nenhum significado fodástico", explica Bellino.

O autor defende que existe um método e um processo para deixar de lado atitudes de fracasso e assumir o controle da vida, tornando-se o agente das próprias mudanças. E é justamente neste ponto que o autor pretende contribuir. "A partir das minhas experiências e treinamentos, vou mostrar como estruturar esse pensamento", garante.

Para ele, o primeiro passo para deixar de ser um fudido para se tornar um fodido é a autoavaliação. E para auxiliar nesse processo, o livro traz um "fudidômetro" – um teste para que a pessoa possa olhar para si mesma, identificar suas atitudes e entender em que nível está. Dessa forma, a partir do resultado,  pode-se adotar uma nova postura diante dos fatos e iniciar a transformação pessoal.O teste também está disponível aqui na versão online. 

Com prefácio de Janguiê Diniz, mestre e doutor em Direito e empreendedor, o livro já está disponível nas principais livrarias e lojas virtuais do país.


Um pouco da trajetória do autor
 Bellino, aos 21 anos, pensou em trazer a mega agência de modelos americana Elite Models para o Brasil, sem falar inglês, nem ter um tostão no bolso. O empreendedor  apostou nessa ideia mirabolante, abandonou a faculdade de economia, mudou-se para São Paulo e teve muito sucesso, a ponto de se tornar amigo pessoal e uma espécie de filho adotivo de John Casablancas - dono da Elite.

Trouxe também para ao País a campanha das camisetas do câncer de mama, colocando o famoso símbolo do alvo no peito de milhões de brasileiras. Aos 38 anos, o empresário encarou o seu maior desafio, vender uma ideia ao bilionário americano Donald Trump em uma reunião que deveria durar apenas três minutos. Além de Ningém é f#dido por acaso, ele é autor dos livros:  O Poder das Ideias, Sopa de Pedra, 3 Minutos para o Sucesso, Midas e Sadim e Escola da Vida.

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Professor Luciano Salamacha fala sobre vaidade

Redação

A palavra vaidade originária do latim significa oco, vazio. No dicionário quer dizer valorização que se atribui a própria aparência ou a intelectualidade, mas pode se encontrar mais de 130 sinônimos correlacionados a vaidade. Na história do cristianismo, a vaidade é o primeiro pecado capital.

Para Salamacha, a vaidade precisa de equilíbrio, pois em excesso prejudica, mas a falta também não é saudável | Foto: reprodução

Para o professor da FGV e fundador da escola do pensar da ESIC Internacional, Luciano Salamacha, a vaidade é uma fera que deve ser controlada no ambiente profissional. Em excesso pode cegar, colocar tudo a perder, e na falta dela pode ser a pitada que faltava para a autoestima, sentimento fundamental na disputa de cargos de liderança. Salamacha orienta algumas atitudes que podem fazer com que não se caia na fogueira da vaidade:

1 - Todo profissional deve periodicamente revisar as atividades que desenvolve, pois algumas vezes, alimentamos por vaidade certa rotina de trabalho que passou a ser desnecessária.

2- A vaidade acontece o tempo todo em nossas vidas, por isso, tenha sempre pessoas de sua confiança que possam apontar se deve manter afazeres por necessidade, ou  por pura vaidade. Pessoas que possam, inclusive, apontar se você está certo sobre certas habilidades que você considera ter.

3 – Não seja refém de pessoas que por maldade vão usar essa característica para provar que você deve ser menos despretensioso, sem ganância, sem ambição, porque na verdade querem te frear na competição.

4- Perceba o que está cultuando na empresa. Estamos num momento em que certos valores estão sendo revistos. Às vezes, valorizamos coisas que não têm a menor finalidade prática.

5 – Perceba o quanto sua vaidade é nociva ou não. Há pessoas autocríticas que se condenam demais, destroem a própria autoestima. Saem de um extremo a outro. Gerencie melhor suas emoções e seu julgamento sobre você.

6 – Troque a vaidade por validade. Na vaidade somos oco, na validade temos força e poder. Estamos plenos.

7- Use a vaidade para avaliar melhor a si mesmo e aos outros e tenha cuidado ao alertar um vaidoso. Talvez ele saiba, mas prefere mostrar que continua na ignorância ou, talvez acredite que seja esse o caminho.

Salamacha diz que subir na carreira requer antes de mais nada melhorar a nós mesmos, por isso temos que entrar em contato com a realidade e tentar controlá-la. O antídoto da vaidade é a humildade e isso nada tem a ver com nos humilhar, mas em encarar o outro de forma mais igual, muitas vezes aceitando os defeitos e erros, pois somos seres humanos e como tal, absolutamente todos erramos.

As pessoas vaidosas dentro de uma empresa são soberbas na hora de ensinar, deixando claro que estão numa posição acima do outro, mas Salamacha aconselha "nada é estático principalmente numa companhia, o estagiário que se ensina hoje, pode chegar a chefia amanhã", afirma. 

O professor afirma ainda que pessoa vaidosa é pouco estratégica e frágil, porque alguns elogios podem quebrar sua resistência. Além disso, destaca que a vaidade extrema é um defeito, mas a falta dela também, pois neste caso pode indicar falta de amor próprio. Como amar o que se faz, ou ganhar o respeito do outro quando demonstramos que não amamos a nós mesmos?

Já o lado positivo da vaidade na medida certa é a autoconfiança e a autoestima, que precisamos ter todos os dias quando saímos para o trabalho. Para Salamacha, não basta apenas uma boa formação curricular, há de se ter nessa era uma boa formação ética e acima de tudo cultivar boas relações.

Ginecologista fala sobre útero retrovertido e fertilidade

Redação

A saúde feminina transita em torno de alguns grandes mitos, entre eles, a dificuldade em engravidar quando a mulher é diagnosticada com útero retrovertido. De acordo com o ginecologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, Fernando Moreira de Andrade, a condição é frequente e não passa de uma mudança anatômica, não interferindo na fertilidade.

Na maioria das vezes, o órgão está voltado para a bexiga, já nos casos de útero retrovertido, esse posicionamento segue em sentido ao reto | Imagem: reprodução

Segundo o médico, a situação refere-se à posição do útero, que pode ser descoberta em um exame de rotina. Na maioria das vezes, o órgão está voltado para a bexiga, já nos casos de útero retrovertido, esse posicionamento segue em sentido ao reto.

"Essa alteração não é considerada uma doença e não traz nenhuma consequência grave ao organismo. Portanto, não há tratamento para reverter o posicionamento do útero", tranquiliza Andrade.

As mulheres nesta condição, entretanto, podem sentir incômodos ao evacuar ou mesmo durante a relação sexual. Para estes casos, o tratamento é direcionado apenas aos sintomas, seja com medicação, ou mesmo adaptação com a escolha de posições mais confortáveis, para o casal no momento da relação.

O especialista lembra que mesmo após engravidar não é preciso ter atenção especial, pois entre o terceiro e quarto mês de gestação, com o crescimento do útero, o órgão fica na disposição convencional.

"Depois desse período da gravidez, em um ultrassom, é difícil saber se a paciente tem ou não útero retrovertido. Mas é importante salientar que após o parto, o órgão volta a sua posição de origem", complementa o ginecologista.

Feirão do imposto zero ocorre no Atrium Shopping

Redação

Neste fim de semana (25 e 26), o Atrium Shopping, em Santo André, realiza o Feirão do Imposto Nacional, movimento criado pela Confederação Nacional de Jovens Empresários (CONAJE), que tem como objetivo lutar pelo fim dos impostos abusivos e uso consciente do dinheiro público.

As lojas participantes da ação estarão identificadas | Foto: divulgação
Na ocasião, as lojas participantes do Feirão tenderão aos clientes, aplicando descontos relacionados à carga tributária incidente nos produtos selecionados para a “liquidação”. E para facilitar a busca do consumidor pelos produtos com descontos, cada loja estará identificada com um cartaz do evento colado na vitrine.

O Feirão do Imposto Nacional nasceu em 2002, com o propósito de disseminar informação tributária de forma simplificada à população. Em 2012, conquistou a aprovação da Lei do Imposto na Nota (Lei 12.741/12), que obriga todos os estabelecimentos a incluir nos documentos fiscais o percentual e o valor aproximado de impostos pagos.

Saúde bucal: especialista orienta como consumir alimentos ácidos e evitar a degradação do dente

Redação

Os ácidos presentes em comidas e bebidas, como sucos cítricos, refrigerantes, álcool e comida processada/refinada são responsáveis pela biocorrosão dos dentes, que é a perda da estrutura dental provocada por um processo químico de dissolução do esmalte por ácido, sem envolvimento de bactérias. De acordo com o odontologista Luis Calicchio, sócio-diretor da Clínica Ateliê Oral, em São Paulo, é possível minimizar o problema com alguns cuidados.

É  indicado esperar 30 minutos para escovar os dentes, depois de consumir bebidas ou alimentos ácidos | Foto: reprodução

"A biocorrosão, aliada à fricção e à tensão colocada na mordida, principalmente à noite durante o sono, período em que não existe um controle dos mecanismos conscientes, pode causar micro trincas na região cervical (próxima da gengiva e do esmalte dos dentes) e provocar, em pouco tempo, as chamadas lesões cervicais não cariosas (espécie de depressão no esmalte do dente) e a hipersensibilidade dentinária, que são, hoje, as doenças de maior incidência na boca do ser humano, chamadas de "mal do século", diz Calicchio.

A lesão não cariosa, que no passado parecia uma exclusividade da faixa etária acima dos 70 anos, hoje é encontrada em 30% de jovens entre 25 e 30 anos.

Para controlar a erosão, é indicado esperar 30 minutos para escovar os dentes depois de consumir bebidas ou alimentos ácidos, evitando, assim, a ação abrasiva das pastas dentais na superfície ainda amolecida do dente.

Alem disso, a deficiência na produção de saliva, conhecida como xerostomia, é outro fator que predispõe pacientes à corrosão, pois ela tem um papel importante na proteção contra os agentes ácidos.

Recomendações

Para evitar a degradação dos dentes é importante evitar bochechar a bebida antes de engolir e também evitar consumir bebidas ácidas antes de dormir, quando os efeitos protetores da saliva estão reduzidos. O odontologista listou ainda nove recomendações para prevenir o problema:

1. Evitar deixar bebidas ácidas por longo tempo na boca. Quando possível utilizar canudo.
2. Evitar escovar os dentes imediatamente, após a ingestão de alimentos e bebidas ácidas e enxaguar a boca com água após a ingestão.
3. Encerrar as refeições com alimentos ricos em cálcio, como queijo, após a ingestão de alimentos ácidos.
4. Evitar alimentos ácidos tarde da noite, período de diminuição do fluxo salivar.
5. Evitar jejum prolongado, a fim de manter o P.H da saliva.
6. Beber água durante o dia, para contribuir com a diluição de alimentos na boca.
7. Evitar ingestão de frutas ácidas e fontes de fibras, barra de cereal, sem ingestão de água subsequente.
8. Evitar ingestão diária de gomas de mascar não cariogênica devido aos seus ingredientes ácidos.
9. Ao comer frutas, escolha as menos ácidas e aquelas com textura mais macias.

Lista "ácida"

Abaixo uma lista de alimentos e bebidas ácidas, em ordem decrescente de acidez, disponível no livro "Lesões cervicais não Cariosas e Hibersensibilidade dentária" do professor Paulo Vinicius Soares e John Grippo.

1- Refrigerante
2. Bebidas energéticas
3. Álcool
4. Açúcar
5. Bebidas gaseificadas
6. Comida processada/refinada
7. Sucos Cítricos
8. Sorvete
9. Pipoca
10. Carne
11. Café
12. Queijo Amarelo
13. Chá
14. Adoçantes artificiais
15. Massa
16. Pão
17. Suco de fruta pasteurizado
18. Ovos
19. Peixe
20. Arroz
21. Leite de soja
22. Aveia

Grupos de risco para as doenças bucais do século 21

Usuários de aparelhos ortodônticos – o movimento ortodôntico, por si só, gera tensão nos dentes. Por isso, precisam de acompanhamento com profissional competente;
Esportistas – que fazem alimentação com suplementos que são extremamente ácidos;
Usuários de pastas clareadoras sem recomendação de especialista;
Pessoas com alto nível de estresse;
Usuários de medicamentos antidepressivos;
Pessoas que sofrem de bulimia ou com vômitos crônicos, pois o ácido clorídrico produzido no estômago dissolve o esmalte dos dentes.



Mulheres grávidas com periodontite têm mais risco de ter parto prematuro

Redação

Uma pesquisa da Universidade Pedagógica e Tecnológica da Colômbia, com base em uma revisão sistemática da literatura mundial, revelou que mulheres grávidas com periodontite correm risco duas vezes maior de ter parto prematuro, ou seja, com menos de 37 semanas de gravidez.


Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram dados de 20 artigos científicos sobre o tema. No total, a análise abrangeu 10.215 mulheres de diversos países. A associação entre a infecção periodontal e aumento da possibilidade de parto prematuro foi encontrada em 60% deles.

De acordo com o odontopediatra Gabriel Politano, do Ateliê Oral Kids, em São Paulo, a periodontite, infecção que destrói a gengiva e até os ossos que dão suporte aos dentes, surge por meio de bactérias da saliva. Quando não há higiene bucal adequada, elas grudam nos dentes, formando a placa bacteriana. “O organismo, então, passa a se defender da infecção e, dessa maneira, surge uma inflamação: a gengivite. Se não for tratada, ela evolui para a periodontite”, explica o dentista, que também é diretor do Departamento de Odontologia para Gestantes e Neonatos da Associação Brasileira de Odontopediatria (Aboped).

Os sintomas costumam ser brandos: pequenos sangramentos na hora da escovação, mau hálito e inchaço gengival. “As pessoas acabam negligenciando por não causar dor, como uma cárie, que atinge o canal do dente”, diz Gabriel Politano.

O agravante é que as bactérias que causam a periodontite não ficam restritas, necessariamente, à boca. Elas são capazes de viajar pelo corpo através dos vasos sanguíneos.

“Quando a infecção é severa, que acomete todo o tecido de sustentação do dente, e o agente infeccioso cai na corrente sanguínea, se dissemina pelo organismo, alcançando o útero, o sistema imunológico aumenta a produção da prostaglandina, uma substância que ajuda a combater esses inimigos, mas também pode induzir ao parto prematuro”, explica Politano.

Tratamento
Então, quanto antes for diagnosticado, menor perigo a futura mamãe corre. A detecção da periodontite geralmente é realizada no consultório do dentista, às vezes, um exame de raios x é necessário  para avaliar a situação. Nas mulheres grávidas, o momento ideal para intervir é no segundo trimestre, quando há menor risco para a mãe e o bebê. Contudo, sempre vale conversar com o profissional.

Prevenção
Mais importante que o diagnóstico precoce é a prevenção. Assim como qualquer outra pessoa, as gestantes precisam manter a saúde bucal em dia. Isso significa se alimentar conforme a sugestão do obstetra e escovar os dentes de forma correta. O especialista aconselha que as mulheres visitem o consultório odontológico duas vezes durante a gravidez.

As associações médicas e odontológicas brasileiras e internacionais, além do Ministério da Saúde, colocam o exame bucal como essencial durante a gestação. Se as mulheres fizessem o pré-natal odontológico, a maioria dos casos de gengivite poderia ser evitada, já que a doença é difícil de ser detectada pela própria paciente.

quinta-feira, 23 de maio de 2019

Atrium Shopping tem sorteios de celulares e relógios

Redação

Na temporada de compras para o Dia dos Namorados, o Atrium Shopping (Rua Giovanni Battista Pirelli, 155), em Santo André, lança a promoção “Meus Dois Amores”, que  traz rodadas de sorteios do cobiçado kit composto por um iPhone XR e um Apple Watch. Os próximos sorteios ocorrem em 27 de maio e nos dias 03, 10 e 17 de junho, sempre às 15h, no centro de compras.

Os clientes Carlos José Codato e Nair Guimarães do Nascimento ganharam os kits | Foto: divulgação 

Para participar, basta juntar R$ 200 em compras e trocar por um cupom até 16 de junho no Balcão de Trocas, localizado na Praça de Alimentação. E quem fizer as trocas das notas pelos cupons, no período de segunda a quinta-feira, ainda ganha cupons em dobro. A promoção faz parte da campanha unificada que teve início no Dia das Mães e já premiou três consumidores.

A gerente geral do Atrium Shopping, Vanessa Nery, comenta a ação. “Os clientes estão aderindo de forma bastante positiva à nossa campanha, que uniu datas de forte apelo afetivo a prêmios que atendem diferentes faixas etárias e também ao atual apreço generalizado por novidades tecnológicas”, explica.

O regulamento completo da promoção pode ser conferido aqui, ou no Balcão de Trocas.

Espetáculo “Alfaces” aborda o papel insosso reservado às mulheres no mundo contemporâneo

Redação

A Oficina Cultural Oswald de Andrade, em São Paulo, sedia a estreia do espetáculo “Alfaces” na próxima segunda-feira (27), às 20h.   O destino das protagonistas da peça, da Coletiva Olivias, que nasceu no Departamento de Artes Cênicas da Universidade de São Paulo (USP), é um improvável paraíso tropical. Lá, cada uma delas terá um "kit praia" para desfrutar do tempo inútil que lhes resta de vida.

Peça fica em cartaz até 12 de junho, sempre às segundas e quartas-feiras | Foto: Anna Talebi

Então, a comédia trágica, com toques de teatro do absurdo, é protagonizada pelas autoras e atrizes Gabrielle Távora, Marina Meyer e Paula Halker. No enredo que parece uma temporada de férias, essas ex-colegas de trabalho com nomes de flores não escapam ao pacote para mulheres vencidas: "Para você, mulher fora de época, ser feliz respeitando as nossas normas de conduta".

Com uma atmosfera surrealista, mas em que situações muito concretas do mundo contemporâneo se colocam, e sob o ponto de vista feminino, o espetáculo pretende desvendar as implicações sociais do sentimento de fracasso e sua relação com o machismo. Daí a imagem condensada no título da peça: a alface como símbolo da vida insossa, inerte e devotada a padrões inalcançáveis de beleza e de conduta.

 "Friccionamos os materiais de várias formas e o público vai contar a história com a gente", explica Marina, sobre a dramaturgia, criada coletivamente a partir de experiências pessoais e também referências literárias e cinematográficas, como o livro O Mito da Beleza, de Naomi Wolf, e os filmes O Pântano, de Lucrecia Martel, e O Lagosta, de Yorgos Lanthimos.

Essa concepção horizontal de criação se estende à direção do espetáculo, que também é coletiva, e tem a orientação de Priscilla Carbone, cuja pesquisa de linguagem inspirada no filme As Pequenas Margaridas, da cineasta tcheca Věra Chytilová, aposta em recursos como a sobreposição de imagens e a colagem de cenas aparentemente sem ligação entre si.

Para essas atrizes-criadoras, depois de tantas discussões sobre gênero, as forças hegemônicas - majoritariamente masculinas - ainda preferem que as mulheres sejam "belas, recatadas e do lar". Ao exacerbar nas personagens essa existência apática, Alfaces a subverte.

A Oficina Cultural Oswald de Andrade fica na Rua Três Rios, 363, Bom Retiro, em São Paulo.
Obs.: acessível às pessoas com deficiência. O espetáculo fica em cartaz até 12 de junho, às segundas e quartas-feiras, sempre às 20h.

Especialista lista cinco dicas para investir na marca pessoal

Redação

Personal branding nada mais é do que a gestão da sua marca pessoal, ou seja, a gestão do seu nome, da sua reputação. É um recurso - e uma nova mentalidade - para que você possa se tornar mais expressivo no seu mercado e possa ser ainda mais lembrado e procurado pelo seu público pelo que você tem a oferecer. Para  Juliana Saldanha, especialista em posicionamento e comunicação de marcas pessoais, ao enxergar-se como uma marca você entende que não precisa depender do Estado, do chefe, ou da economia para alcançar o que quiser, sendo você mesmo.


"A sua marca pessoal é um atalho de tomada de decisão do seu público por você e por aquilo que você tem a oferecer. E nós temos que facilitar essa escolha por nós", argumenta Juliana, que traz cinco dicas para quem deseja começar a investir agora na sua marca pessoal:

Entenda quem você é, além do seu título
O hábito de nos enxergarmos da maneira como o mercado nos definiu por muitos anos (sou o diretor de Vendas da empresa X ou o CEO da empresa Y), também nos limitou a ficar dentro da caixa e ter uma perspectiva pouco abrangente sobre quem somos e o que temos de melhor a oferecer. Deixar os crachás e o terno de lado, por um momento, pode nos deixar vulneráveis, mas ao mesmo tempo nos liberta e nos dá a possibilidade de explorar quem realmente somos. E quando somos por inteiro, autênticos, nos diferenciamos e nos conectamos com mais significado com quem está ao redor.

Quem você é? Qual a sua história? Como chegou até aqui? De que forma os seus amigos te enxergam? Qual a sua personalidade? Quais são as suas paixões? O que você faz bem e pode ser o melhor nisso? Explore a sua identidade. Você é mais do que o seu diploma ou o seu cargo.

Entregue valor
Branding pessoal não é falar sobre você a todo momento. Afinal, eu não tenho tempo para saber sobre o que você faz! O que eu realmente quero saber é: de que forma o que você sabe pode me ajudar a vencer, a ser melhor, a ser mais bem-sucedido ou feliz?

Entregar valor é fundamental para que uma marca pessoal seja relevante. O que você sabe melhor do que ninguém? O que você faz, que é excepcional? De que forma o seu comportamento faz a diferença para as pessoas? Entregue valor. Nas suas ações e na sua comunicação. Compartilhe conhecimento. E se torne o número 1, sendo indispensável para o seu público.

Não seja tudo para todo mundo
Sim, nós buscamos pertencer. Gostamos de agradar. E evitamos ser rejeitados. Mas tentar ser tudo para todo mundo é humanamente impossível e emocionalmente desafiador. Além de ser um sabotador para qualquer marca pessoal.

Porque ao final, se somos tudo para todos, não somos significativos e essenciais para ninguém. Acabamos nos diluindo, deixamos de ser quem somos e deixamos fazer o nosso melhor, de forma focada. Encontre o seu espaço. Encontre o seu nicho. E o seu público.

Atualize os seus perfis online
O nosso perfil online é o nosso cartão de visitas. E é, muitas vezes, o primeiro ponto de contato do nosso público com a nossa marca pessoal. O nosso papel é facilitar sermos escolhidos, mesmo por quem ainda não nos conhece.

Pra isso, é preciso que qualquer um que acesse os nossos perfis seja capaz de entender quem somos e de que forma podemos ajudá-lo (ou não). As suas fotos estão atualizadas? Elas transmitem a sua personalidade? As suas biografias estão bem escritas? Elas contam de que forma você pode me ajudar a ser melhor? O que você sabe e o que você oferece? E como eu posso te acionar? Facilite a escolha por você.

Seja consistente
Quem deseja que a marca seja memorável, a consistência é um dos fatores indispensáveis para a criação da confiança. Afinal, não confiamos mais naquele amigo que sempre está por perto e aparece quando mais precisamos?

Seja na escolha das suas fotos de perfil, nas cores que usa, na forma como se comporta ou na frequência com que você compartilha conhecimento nas redes sociais, seja consistente. A consistência gera familiaridade. E confiamos – e somos influenciados – pelo que nos é familiar.

quarta-feira, 22 de maio de 2019

Sociedade Cultural Ítalo Brasileira promove festa em Santo André em junho

Redação

A Sociedade Cultural Ítalo Brasileira realizará em 2 de junho, a partir das 13 horas, almoço especial em comemoração ao 73º aniversário da Fundação da República Italiana. O evento será na sede da entidade (Rua Airó, 69, Vila Gilda, em Santo André). 

Festa será na sede da entidade | Foto: reprodução 

De acordo com o presidente da Sociedade Cultural Ítalo Brasileira, Wilson Roberto Davanzo, este almoço já é tradicional e muito esperado pelos associados e seus convidados. "Há mais de 20 anos realizamos este evento, que possui uma grande importância histórica, já que a data de 2 de junho marca o aniversário do referendo de 1946, quando o povo foi convidado a escolher entre república ou monarquia", explica.

O grande destaque deste ano será a preparação da Polenta Nella Távola, ao som de músicas típicas e diante de todos os convidados, no centro do salão. A animação ficará por conta da banda Viva Itália.

Com 119 anos e 190 sócios ativos, a Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira de Santo André tem como finalidade preservar na memória dos cidadãos a importância da colônia italiana para o desenvolvimento da região do ABC, apontando os grandes desafios e as dificuldades que os imigrantes enfrentaram quando nela chegaram.

Sempre muito ligada às suas origens, a Ítalo participou em 1997, do acordo de Gemellaggio (termo derivado de gêmeos), o que transformou Santo André em cidade-irmã de Sesto San Giovanni, uma cidade da Lombardia. Hoje, essas duas cidades, que têm várias características em comum, trocam suas experiências de forma mútua e construtiva.

Interessados em participar do evento podem adquirir os convites, por meio do telefone 4436-3437, das 8 às 13 horas.

Aula aberta aborda mulheres e ditadura

Redação

No último sábado (18), o anfiteatro da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo recebeu Maria Amélia de Almeida Teles, conhecida como Amelinha Teles. A convidada ministrou aula aberta com o tema A Mulher e a Luta na Ditadura Militar, como parte do módulo "Mulher" do curso de extensão "Interfaces das Diversidades – Módulo Mulher - Criança, Adolescente e Jovem – Idoso", coordenado pelas professoras Denise Auad, Clarice Assalim e Eliana Borges Cardoso.

Na apresentação, Amelinha abordou todas as atrocidades pelas quais ela e outras companheiras passaram durante o tempo em que estiveram presas | Foto: divulgação

Na apresentação, Amelinha abordou todas as atrocidades pelas quais ela e outras companheiras passaram durante o tempo em que estiveram presas, além dos problemas e traumas, que os filhos dessas mulheres têm até hoje, desde físicos, neurológicos até psicológicos.

Para a palestrante, igualdade entre homens e mulheres se dá pelas mesmas oportunidades. "As mulheres foram parte fundamental nos momentos de resistência e hoje, se pararmos para analisar, elas foram as que mais tiveram mudanças em suas relações com o trabalho, família, homens e também no campo da política", declara.

Amelinha também é diretora da União de Mulheres de São Paulo, coordenadora do Projeto Promotoras Legais Populares, integra a Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos, é assessora da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo Rubens Paiva e autora de vários livros.

Ginecologista comenta as principais dúvidas no pós-parto

Redação

Uma pesquisa do Reino Unido identificou que 80% das mulheres não se sentem satisfeitas ao se olharem no espelho após o parto. A ginecologista e obstetra Silvia Herrera, especialista em Medicina Fetal do Salomão Zoppi Diagnósticos, explica que o pós-parto de cada mulher é único e esclarece abaixo as principais dúvidas.

No pós-parto as mulheres podem se sentir mais tristes (blue puerperal) devido as mudanças hormonais, cansaço, privação de sono, entre outros fatores | Foto: divulgação
O leite "desce" automaticamente após o nascimento do bebê?
Verdade! No pós-parto ocorre a liberação imediata do colostro, que é um leite muito especial produzido em pouca quantidade, mas riquíssimo em proteínas, gorduras, vitaminas e, principalmente, imunoglobulinas, responsáveis pelas defesas do bebê. É em torno do terceiro dia que se dá a apojadura, ou seja, a descida do leite. É comum a mulher sentir a mama mais quente e o ingurgitamento da mama também pode trazer um pouco de dor e até febre. "Então, não se preocupe com a quantidade de leite nos primeiros dias: ela aumenta naturalmente à medida que o bebê aprende a sugar", comenta Silvia.

Toda mãe fica feliz após o nascimento?
Mito! Existe o blue puerperal e a maioria das mulheres passa por essa instabilidade emocional. Trata-se de um choro fácil e tristeza normais. Muitas mulheres não possuem esse conhecimento e acabam se sentindo culpadas por essas sensações, que acontecem devido a uma série de fatores, como a queda brusca dos hormônios durante a gravidez, o cansaço, a privação de sono, a baixa autoestima causada pelas mudanças no corpo e a própria insegurança ao cuidar do bebê, principalmente o primeiro filho.

Existe diminuição da libido e ressecamento vaginal em mães que amamentam?
Verdade! Para quem amamenta, a prolactina, hormônio da amamentação, causa um bloqueio no ovário e a paciente começa a apresentar sinais parecidos com os da menopausa. Os principais efeitos são a secura vaginal e a diminuição da libido. Por isso, é importante compartilhar este momento com o parceiro, explicando a ele que a natureza se utiliza desse artifício para que a mulher fique mais tempo com o bebê. A vontade de ter uma relação sexual vai voltando com o tempo. Para o ressecamento, é indicado o uso de lubrificantes em alguns casos, até que se retorne ao estado normal.

É normal ter constipação após o parto?
Verdade! O intestino está se reacomodando. Nos casos de cesárea, as alças ficam paralisadas por um tempo devido à manipulação cirúrgica, portanto é possível ocorrer constipação e ficar alguns dias sem evacuar. Após um parto normal, a constipação é menos frequente, mas pode acontecer. Assim como é possível sentir um pouco de dor para urinar, tanto após partos normais quanto cesáreas.

Na primeira semana pós-parto, a mãe pode sentir dores devido ao retorno do útero ao tamanho original?
Verdade! Ao amamentar, a mãe libera ocitocina, hormônio que faz o útero contrair. Algumas mulheres possuem uma maior sensibilidade e sentem essa contração como uma cólica.

Toda mulher apresenta flacidez na pele após a gestação?
Mito! Embora a flacidez tenha um componente genético, para evitá-la é também necessário controlar o peso, com orientação médica durante a gestação. Alimentação saudável e a prática de atividades físicas adequadas para fortalecer a musculatura são bons aliados. Após o nascimento, a amamentação auxilia na aceleração da contração do útero e fortalecimento dos músculos.

A mulher tem sangramento após o parto?
Verdade! Este sangramento decorre da cicatrização do órgão depois da gestação. É comum acontecer e pode durar até 21 dias. No começo, o sangue apresenta uma cor viva, depois o volume diminui e o seu aspecto se torna mais rosado.

Os cabelos caem após o nascimento do bebê?
Verdade! A mãe pode ter queda de cabelo em torno do terceiro mês, o que é um ciclo natural. Isto ocorre principalmente devido à redução súbita dos hormônios. Porém, o cabelo volta a nascer normalmente depois. O sintoma pode ser mais grave em mulheres com anemia. Um dermatologista pode indicar uma suplementação que amenize a queda capilar.

Silvia Herrera reforça que é fundamental procurar um profissional para tirar dúvidas tanto em relação ao bebê, quanto às mudanças no corpo e até sentimentos. "Aproveite cada minuto ao lado do recém-nascido e crie esse vínculo para tornar cada momento especial e único", finaliza.

terça-feira, 21 de maio de 2019

Livro “Coragem de existir” é lançado este mês

Redação

O escritor Matheus Jacob lança "Coragem de Existir" (Buzz Editora), em maio, publicação na qual aborda questões como: Quem nunca temeu o próprio viver? Ou até mesmo se sentiu paralisado pelo medo? Seja ele de amar, fazer escolhas, falhar diante dos outros ou até de sermos imperfeitos para nós mesmos.

Para Jacob, a coragem de existir nos faz viver, já o medo de viver nos faz inexistir | Imagem: divulgação

Assim, Jacob convida o leitor a compreender o valor do outro, para a construção de nós mesmos, o significado da coragem de existir, liberdade e a importância de exercê-la. "Compreenda o valor do eu e sua condição de igualdade com o todo existente. Compreenda o valor da vida e os caminhos necessários para percorrê-la. Ordem e caos. Conflito e união. Compreenda o tempo, o seu passado, o seu futuro. Compreenda o amor pela sua própria existência. Compreenda tudo o que for preciso para o seu verdadeiro existir. Mas, principalmente, exista".

Para Jacob, a coragem de existir nos faz viver, já o medo de viver nos faz inexistir. "Porque no fundo, nós não tememos a morte. No fundo, nós tememos a vida. Aos poucos, todo mundo morre. Não facilite a tarefa, deixando de viver. Coragem, caro leitor. Coragem!".

Anônimo em seus primeiros textos, Jacob tornou-se um dos autores mais lidos das redes sociais. Lançou em 2016, o seu primeiro livro "O Homem Que Sente", uma coletânea de crônicas inéditas e outras publicadas anteriormente com o mesmo alter ego. O escritor é mestre em filosofia e dedica-se, atualmente, ao entendimento de filosofias do cotidiano como o amor, felicidade, ética e à busca pela vida digna de ser vivida.


Documentário aborda exploração sexual de crianças e adolescentes nas estradas

Redação

Um alerta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes nas estradas brasileiras. Com esse propósito, a Umiharu Produções Culturais e Cinematográficas lançará, em 28 de maio, o documentário “Mundo Sem Porteira”, que ficará disponível no canal do YouTube da produtora.

O  curta-metragem de 27 minutos é baseado na história real de Thaís | Foto: reprodução

O filme, roteirizado e dirigido pela cineasta Gisela Arantes, trata dos caminhos percorridos em 20 anos para o enfrentamento do problema e aponta as perspectivas de futuro para uma sociedade mais inclusiva e justa.

“A linha narrativa que permeia os depoimentos se baseia na história real de Thaís. Ela revela as experiências de diversas outras meninas, que passaram pela exploração sexual, pelo abuso sexual e o abandono. Foram muitas vozes ouvidas, representadas pelo drama poético de sua trajetória”, adianta Gisela.

Trata-se de um curta-metragem de 27 minutos, com uma visão multicausal do problema e de como solucioná-lo, apresentando diversos depoimentos, dando voz aos caminhoneiros, às organizações para proteção, educadores, especialistas, líderes em Direitos Humanos, jovens engajados, entre outros.

A consultoria técnica é da Childhood Brasil, organização social que faz parte da World Childhood Foundation, e atua há mais de 20 anos no enfrentamento do problema, principalmente por meio do Programa Na Mão Certa.

O filme conta com músicas compostas por André Abujamra e Eron Guarnieri e imagens do diretor de fotografia Luís Villaça, que revelam o universo das estradas e seus personagens. Além de contar com o apoio da Lei Proac do Governo do Estado de São Paulo e o patrocínio da C&A, Gerdau e Klabin.

Três padrões de comportamento que as pessoas insistem em repetir

*Por Alexandre Pedro

Todos nós temos uma tendência a repetir padrões de comportamento. Em outras palavras, a fazer sempre as mesmas escolhas, a seguir sempre o mesmo caminho. O problema é quando essas escolhas são erradas. Falhas são comuns e até necessárias para o nosso amadurecimento. No entanto, cometer o mesmo erro duas, três, quatro, cinco vezes, é sinal de que há algo de errado com seu discernimento. Pior: pode haver algum conflito interno que esteja mal resolvido ou até desconhecido.

"Um sinal evidente de auto sabotagem é a procrastinação", afirma o psicanalista  Alexandre Pedro | Foto: divulgação

Se você se identificou, é hora de rever o que o leva a seguir sempre o caminho mais tortuoso. Confira 3 constantes repetições de comportamento e como mudar esses padrões:

- Tenho “dedo podre”: Quem coleciona frustrações amorosas costuma dizer que tem o “dedo podre”, por atrair apenas relacionamentos destrutivos, cheios de mentira, traição, agressão (física ou verbal) e muito sofrimento. Ao invés de refletir e tentar entender porque a pessoa só se envolve em relações já destinadas ao fracasso, ela joga a culpa na falta de sorte. Se persistir nesta postura, a pessoa vai se enfraquecendo emocionalmente e não consegue mais se libertar dos relacionamentos tóxicos. Daí a importância de buscar respostas para este comportamento. Em muitos casos, essa insistência por amores desastrosos pode ser um reflexo do que se vivenciou em casa. É muito comum repetir o comportamento do pai ou da mãe. Se ambos tiveram uma relação tóxica, seu subconsciente vai entender que isso é normal. Mas não é. Caso esse padrão nocivo já esteja encravado, a ponto de você sequer saber por onde começar a mudar, vale buscar ajuda de um especialista.

- Na segunda-feira eu começo: Que atire a primeira pedra quem nunca disse essa frase. Seja para começar a academia, o curso de inglês, a dieta ou qualquer mudança de hábito. E quando chega a segunda, inventamos uma desculpa para empurrar a responsabilidade com a barriga. Isso se chama auto sabotagem. Sabemos o benefício ou a importância de realizar determinadas atividades, mas que não necessariamente nos proporcionam prazer. Então, de forma inconsciente, criamos obstáculos que atrapalham e até impedem a prática destas tarefas. Um sinal evidente de auto sabotagem é a procrastinação. Essa postura pode parecer apenas preguiça. Entretanto, é mais do que isso, e geralmente indica algum problema que está mascarado. Pode ser desde um medo de se comprometer e falhar, até uma fobia social. É imprescindível investigar a causa dessa “fuga”. Por que você está adiando ou evitando aquela situação? Por exemplo, se está prorrogando a possibilidade de deixar a casa dos pais e morar sozinho, talvez você esteja com medo de sair da zona de conforto e enfrentar as responsabilidades de uma independência financeira. Depois de entender o que está te bloqueando, desafie seus medos. Dê pequenos passos para atingir seus objetivos e visualize um ótimo resultado final.

- A culpa não é minha: Você se atrasa para um compromisso e culpa o trânsito. Você não entrega o trabalho no prazo e culpa a internet. Você briga com seu pai e a culpa é sempre dele. A resistência em assumir a parcela de culpa se tornou tão comum que as pessoas raramente percebem quando estão equivocadas. Na realidade, é extremamente positivo quando somos capazes de reconhecer que nos enganamos. Ao contrário do que se pensa, quando identificamos o que fizemos e as consequências que geramos, há uma sensação de libertação do peso, já que houve reparo nos danos causados. A responsabilidade é uma escolha que traz emoções positivas, como motivação e sensação de dever cumprido. Portanto, sempre que perceber que está tentando encontrar alguém ou algo para culpar uma frustração pessoal, tenha um momento de reflexão e identifique a real origem do problema. Foque nas soluções, e não nos culpados.
           
Entender e ressignificar esses padrões de comportamento significa adotar novos conceitos e hábitos, melhorando seus relacionamentos e dando outro rumo para sua vida.

*Alexandre Pedro é psicanalista pela Sociedade Internacional de Psicanálise de São Paulo; master practitioner de PNL filiado ao NLP Academy; hipnoterapeuta filiado ao International Board of Hipnosys e ao National Guild of Hipnotists. 


Aumenta a procura por cirurgias plásticas entre idosos

Redação O novo censo da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) acaba de ser divulgado. Uma das maiores surpresas foi o aumento d...