segunda-feira, 13 de maio de 2019

Três em cada cinco mulheres sofrem violência em um relacionamento afetivo

Redação

No Brasil, a taxa de feminicídio é a quinta maior no mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Os dados apontam que três em cada cinco mulheres já sofreram, ou sofrem, violência física ou moral em um relacionamento afetivo. Não é à toa que cerca de 40% dos casos de violência acontecem dentro de casa. Só em 2018, 536 mulheres foram agredidas fisicamente por hora no Brasil.

Enxergar e sair de um relacionamento abusivo nem sempre é simples, em alguns casos, passam-se anos até a mulher perceber que algo está errado, que não é normal o que ela vive e que ela precisa se afastar, comenta a psicóloga Mariete Duarte | Imagem: reprodução

Desse modo, saber identificar e enxergar relacionamentos abusivos e tratar a saúde emocional da mulher vítima desse tipo de violência é fundamental. Falar sobre o assunto, principalmente em um contexto atual tão preocupante e alarmante, é cada vez mais importante, de acordo com a psicóloga da Clínica Maia, Mariete Duarte.

"Muitas vezes, a mulher que está vivendo em um relacionamento abusivo vai ao longo do tempo se afastando de familiares e amigos mais próximos e convivendo com um intenso estado de tensão e vigilância, sem saber ao certo o por que se sente assim. Evita marcar encontros com amigos ou pessoas próximas, porque seu companheiro não se sente bem com isso e, sem perceber, passa a ter um relacionamento altamente estreito, em que o foco de vida torna-se apenas ele", explica Mariete.

Segundo a especialista, enxergar e sair de um relacionamento abusivo nem sempre é simples, em alguns casos, passam-se anos até a mulher perceber que algo está errado, que não é normal o que ela vive e que ela precisa se afastar. Isso porque esse tipo de relação nunca começa com uma agressão física, na verdade, inicia-se com traços de dominação psicológica, como a diminuição da autoestima, dependência financeira e, por fim, a agressão. Em vários momentos, o parceiro não se mostra sempre violento, sendo também gentil, sensível e carinhoso; é aquilo: "a mão que afaga e a mesma que agride", ressalta a psicóloga.

A profissional dá algumas dicas importantes. "Você entrega suas senhas ou partilha a mesma conta nas redes sociais com o seu parceiro? Isto não é algo que faz parte de um relacionamento saudável.  Acredita que o ciúmes em excesso do companheiro é sinal de cuidado? É um erro. É um fator perigoso e está ligado à insegurança do outro e controle. Há falta de diálogo ou mesmo resolução de brigas sem uma boa conversa? Isso é algo que pode trazer prejuízos psicológicos", comenta.
Entre outras questões que podem existir, segundo a psicóloga, é o parceiro utilizar o fator financeiro para persuadir a mulher a permanecer na relação, ou mesmo forçar relações sexuais, e existir chantagens emocionais.

As vítimas do problema, no tratamento, conseguem se sentir capazes e confiantes para seguir um novo caminho e se blindar, sem ficar na sombra de outra pessoa novamente. "A terapia permite à mulher voltar a se socializar sem medo, e a ter pessoas queridas fazendo parte de sua vida de novo. Saber identificar relações abusivas, a fim de evitá-las no futuro, é também um dos grandes focos do trabalho psicológico", conta Mariete.

O relacionamento abusivo pode acarretar consequências sérias à saúde mental. Se houver humor deprimido ou irritadiço por um período prolongado; quando conquistas e elogios já não fazem sentido, como se sentisse estar num estado "automático"; é importante procurar auxílio, pois o agravamento desses sinais pode resultar em um nível elevado de estresse, atingindo significativamente a qualidade de vida e podendo desencadear uma depressão profunda. Então, o tratamento é feito através de psicoterapia individual e em grupo, conforme cada caso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Petlove lança plataforma de doação de produtos às ONGs

Redação A Petlove, primeiro petshop online e clube de assinaturas para pets no País, lança a primeira plataforma online de doação de pr...