sexta-feira, 29 de junho de 2018

Calvície feminina tem várias causas

Da redação

A alopecia androgenética, conhecida como calvície, também ameaça a vaidade feminina. De acordo com a Sociedade Brasileira do Cabelo, 50% das mulheres têm alguma queixa relacionada à queda de cabelos. O dermatologista do Hospital Dom Alvarenga, João Vicente Carneiro Felici, explica que a rarefação capilar ou queda de cabelos, popularmente dita, envolve todo o couro cabeludo e pode também ser percebida em outras regiões do corpo, por exemplo, pelos pubianos e axilares.

Existem vários tratamentos para o problema | foto: divulgação
Segundo o especialista, as causas comuns em mulheres podem ocorrer por hereditariedade, alterações hormonais após a puberdade, além da história familiar que também influencia. “No início é denominado eflúvio telógeno, que significa queda de cabelo, associando-se ao stress, dano ao couro cabeludo por auto agressão, infecção grave, hipo ou hipertireoidismo, dietas altamente restritivas e uso de algumas medicações”, explica o dermatologista.

Felici alerta que sempre que ocorrer perda de cabelo significativa deve se procurar um especialista para o diagnóstico preciso, diagnóstico diferencial e tratamento específico para a doença. O dermatologista do Hospital Dom Alvarenga destaca ainda que casos persistentes de queda por mais de seis meses, podem necessitar de uma biópsia.

Segundo o médico, é importante lembrar que a alopecia tem repercussões psicoemocionais, ocasionando sentimentos negativos, que podem contribuir para o aumento do nível de stress. Em algumas situações, pode ser necessário o acompanhamento psicológico também.

Em relação aos tratamentos, o médico ressalta que é necessário excluir doenças sistêmicas, caso não haja, há tratamentos diversos para melhora do quadro específico e alguns são curáveis. “Na alopecia androgenética feminina, pode ocorrer hiperandrogenia (distúrbio endócrino comum das mulheres) e, neste caso, as pacientes podem se beneficiar com contraceptivos orais”.

Para cada uma das causas há um tratamento específico .“Tratamentos mais novos incluem a restituição cirúrgica, retalhos, implante capilar, carboxiterapia e intradermoterapia, entre outros”. O especialista lembra que existem diversos casos de calvície feminina e alguns são crônicos, por isso tudo deve ser acompanhado por um médico.




quinta-feira, 28 de junho de 2018

Promotor de justiça lança livro sobre bullying

Da redação

Ao longo de mais de 10 anos atuando na defesa da infância e da juventude, o promotor de justiça Lélio Braga Calhau, graduado em Psicologia e Mestre em Direito do Estado e Cidadania pela UGF-RJ, se deparou com inúmeros casos de bullying. A vivência o inspirou a se aprofundar no assunto e o resultado é o livro “Bullying: o que você precisa saber”, que acaba de ser lançado pela editora Rodapé. Trata-se uma obra simples, direta e objetiva, sugerindo medidas para identificar, prevenir e combater o problema.

 “Nunca existem brincadeiras quando alguém está sofrendo", afirma Calhau | Imagem: divulgação 
Segundo o autor, bullying é o ato de “desprezar, denegrir, violentar, agredir, destruir a estrutura psíquica de outra pessoa sem motivação alguma e de forma repetida”. E, cabe destacar que não se tratam de pequenas brincadeiras próprias da infância, as chamadas “microviolências”, mas sim de casos de violência física e/ou moral, muitas vezes velada. “Nunca existem brincadeiras quando alguém está sofrendo. O bullying é algo sério, que causa inúmeros danos”, alerta.

Normalmente, os casos envolvem ações repetitivas contra a mesma vítima num período prolongado; desequilíbrio de poder, o que dificulta a defesa da vítima; e ausência de motivos que justifiquem os ataques, que podem ser tanto físicos quantos verbais. As consequências são o estresse, vontade de não ir à escola, podendo inclusive gerar episódios de dores de cabeça, tonturas, sudorese, febre, taquicardia, pesadelos, perdas ou aumento de apetite, dores generalizadas, entre outras. Podem  ainda surgir doenças de causas psicossomáticas, como gastrite, bulimia e anorexia. Nos casos mais graves, as vítimas podem até cometer suicídio ou atacar outras pessoas de forma violenta.

Uma pesquisa com 100 mil crianças e adolescentes de 18 países, realizada pela ONU, mostrou que, em média, a metade dos entrevistados sofreu algum tipo de bullying por razões como aparência física, gênero, orientação sexual, etnia ou país de origem. No Brasil, esse percentual é de 43%. Para Calhau, é importante que o assunto seja abordado. “O bullying sempre existiu, mas não era estudado. Quando acontecia, a vítima sofria calada, ou “pedia para sair”, mudava de escola, cidade. Todo mundo achava tudo muito comum. Chegavam até a colocar a “culpa” do bullying nas próprias vítimas”, lamenta.

De acordo com o especialista, existem oito tipos de cyberbullying. São eles: assédio (ofensa repetida), flaming (ato de trocar mensagens on-line de conteúdo hostil e/ou agressivo), difamação (ferir a honra), despersonalização (o agressor se faz passar pela vítima), trapaças (busca-se atingir os relacionamentos sociais da vítima), uso de informações pessoais (espalhar informações pessoais confidenciadas a amigos), exclusão (ou cyberostracismo, quando a vítima é bloqueada por seus contatos e impedida de enviar mensagens instantâneas ou e-mails para eles) e exposição indevida (quando fotografias e/ou vídeos comprometedores de uma vítima são postados on-line). Por isso, a obra traz um capítulo especial sobre ciberbullying.


quarta-feira, 27 de junho de 2018

Copa do Mundo: dicas para proteger os animais dos fogos de artifício

Da redação

O apito inicial foi dado, a Copa do Mundo começou e, com ela, os fogos de artifício e vuvuzelas. Muitos cães têm medo de fogos e dos barulhos, por conta da audição sensível, e isso pode levá-los a passar mal, com risco de consequências graves. Para ajudar pais e mães de cachorro a deixarem os pets mais confortáveis a cada gol e vitória da Seleção Brasileira, especialistas da DogHero, aplicativo de hospedagem e passeios para cães, levantou algumas dicas.


Não pegue o cãozinho no colo, mesmo que ele peça. Isso é entendido por ele como sinal de insegurança | Foto: reprodução
Como identificar o medo?
A reação do cãozinho aos sons permite identificar se ele se incomoda ou lida bem com o barulho. Veja como:

O primeiro sintoma entre os cachorros que têm medo é adotar uma postura mais alerta. Eles evitam fazer coisas que o deixem "vulnerável", como comer, beber água, dormir, ou mesmo fazer suas necessidades com tanta frequência quanto costuma;

Cães mais ansiosos podem se esconder ou ficar pedindo colo, pulando e chorando;

Posturas curvadas, com as orelhas abaixadas, pupilas dilatadas, rabo abaixado ou entre as patas traseiras são sinais de que o cãozinho está assustado, com medo ou estressado;

Ficar "lambendo o focinho" e mostrando os dentes também representam desconforto;

Os sintomas mais extremos são salivação excessiva, batimento cardíaco acelerado, respiração ofegante e tentar fugir. Alguns cães podem também ficar agressivos.

Como ajudar o cãozinho?
Feche portas e janelas de vidro perto da hora da virada e coloque uma música em alto volume. Isso ajuda a protegê-lo dos sons e evita que ele fique mais assustado ou nervoso;

Caso os fogos comecem e você perceba que ele ainda está atento ao barulho, faça festa ao ouvir os sons, como se fosse uma comemoração, para que ele associe o momento a coisas positivas;

Enquanto isso, ofereça petiscos ou brinquedos que ele adora, com animação e sorrindo. É um ótimo jeito de fazê-lo perceber que está seguro, já que cães entendem muito bem nossas expressões faciais;

Não pegue o cãozinho no colo, mesmo que ele peça. Isso é entendido por ele como sinal de insegurança e o nervosismo dele vai continuar ou até piorar;

Evite posições curvadas. Esse também é visto pelo pet como um sinal de insegurança;

Lembre-se de mostrar a ele que você está no controle da situação e assegurar que está protegido.

Cuidado: medo e estresse podem gerar trauma
O trauma pode fazer mal para o cãozinho, porque a situação tende a se agravar com o tempo. Se for esse o caso do seu pet, procure um profissional para dar início ao tratamento. A superação de um trauma é quase sempre demorada e envolve recaídas, tentativas, erros e acertos. Por vezes, é necessário o acompanhamento de um adestrador, que pode identificar métodos mais eficientes para cada cãozinho a lidar da melhor forma com esse medo. Enquanto o cãozinho não estiver livre desse medo, é importante evitar que ele passe por uma situação crítica como os fogos durante o período da Copa do Mundo.


terça-feira, 26 de junho de 2018

Prila Maria participa da exposição Coleta ABC

Da redação

A artista plástica Prila Maria participa de exposição coletiva que reúne 28 artistas do ABC. Todas as setes cidades da região estarão representadas na Coleta ABC, que tem início hoje (26) e fica aberta à visitação até 03 de agosto, na Pinacoteca de Mauá (Rua Gabriel Marques, 353 - Vila Noêmia). Prila participa da Coleta com quatro obras inéditas da sua série Soul do ABC: da artista Mel Zabunov, do fotógrafo Laerte Sarará e do Felipe Pelikian (Teia Urbana), além de um autorretrato.

Mostra Coleta ABC reúne 28 artistas, entre eles, está Prila Maria | Foto: divulgação 
Na Soul do ABC, ela usa a mesma técnica de pintura de rostos usada no Observatório Retratado, agora para homenagear a cena independente do ABC. "A série surgiu como forma de evidenciar os protagonistas da cultura underground da região, solo tão fértil e que chama atenção pela diversidade e coletividade", conta Prila.

Usando exclusivamente o látex, Prila primeiro risca com lápis a proporção com a qual vai fazer seu trabalho para em seguida aquarelar com látex branco como forma de impermeabilizar a folha  e deixá-la preparada para receber a pintura com o cinza e o branco. Em seguida, a artista usa a tinta preta para dar o contraste de luz e sombra, para então finalizar aquarelando com a tinta branca.

"Meu objetivo com a Soul do ABC é traçar um caminho compartilhado na arte, em que eu possa, através dos retratos, dar voz e visibilidade a quem faz a diferença na cena cultural da região", explica a artista.

Sobre a Coleta ABC

A Coleta ABC surge da necessidade de valorizar e resgatar a veia artística da região do ABC. A exposição gratuita será itinerante pelas sete cidades. Cada município conta com representantes que atuam nos mais diversos tipos de arte, seja com pintura, intervenção, fotografia, entre outras. A curadoria geral é Dener de Sousa.

Artistas participantes  
São Bernardo do Campo: Prila Maria, Teia Urbana, Laerte Sarara e Mel;
Santo André: Priscilla Fernandes, Drica Sousa, Camila Ventura e Jefferson Oliveira;
Ribeirão Pires:  Rayra Costa, Wali, Claudio Martuci e Thiago Vaz;
Rio Grande da Serra: Rogério Til Afro, Ronan, Clecio Pice e Cleber Gomes;
São Caetano do Sul: Rafael Viva, Bárbara Mallasen, Roane Aragão, Renan Alvez e Matheus Sousa;
Diadema: Robinho Santana, Nenê Surreal, Jerona Ruyce e Roger Cipó;
Mauá: Roger Ramos, Monica Ancapi, Talita Rocha e Ubiratã.




segunda-feira, 25 de junho de 2018

Terceira idade é o público-alvo da Geronto Fair

Da redação

A 1ª edição da Geronto Fair ocorre de 03 a 05 de setembro nos pavilhões do Serra Park, em Gramado (RS). Promovido pela Merkator Feiras e Eventos, o evento reunirá produtos, serviços e novidades para a terceira idade.

Residencial de alto padrão para idosos é tendência no mercado | Foto: Cristine Foernges 
Entre os expositores que já garantiram presença na Geronto Fair estão os residenciais Menino Deus e Sinfonia. Os dois empreendimentos são baseados em residenciais europeus e apostam na qualidade de vida, segurança e felicidade no envelhecimento, oferecendo hospedagem completa e refeições inclusas. Os residenciais Menino Deus, com sede em Porto Alegre e o Sinfonia Vale do Sinos, localizado em Novo Hamburgo, têm sido destaque no segmento de moradias de alto padrão para a terceira idade, com foco em ações que despertem o melhor que esta fase da vida tem a oferecer.

Com décadas de experiência nesse mercado, os residenciais contam serviços como refeições preparadas por nutricionistas e chefe de cozinha, acesso periódico a médico geriatra, psicólogo, psicopedagogo, governanta, personal trainer, musico terapeuta, arte terapeuta, dentre outros benefícios.  Os residenciais oferecem momentos de lazer e interação, com profissionais capacitados que estimulam as habilidades físicas e cognitivas dos moradores, de modo a proporcionar novas amizades, elevação da estima e sensação de bem-estar.

Além disso, a Geronto Fair tem atraído importantes parceiros, entre eles, a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia/secção RS e o Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre.



quinta-feira, 21 de junho de 2018

Não reclamar é uma escolha poderosa, afirma coach

Da redação

O tempo que temos nesta vida é algo precioso e diversas vezes jogamos isso fora, desperdiçamos minutos ou até o dia inteiro com uma única reclamação. Um desgaste mental com algo que não concordamos ou não aceitamos e com o qual ficamos presos. A coach de desenvolvimento humano e inteligência emocional e diretora do Centro Hoffman, Heloísa Capelas, afirma que não reclamar é uma escolha poderosa, pois conforme repetimos um fato, vamos acreditando nele.

Heloísa é coach de desenvolvimento humano e inteligência emocional | Foto: divulgação 
"Se a pessoa tem o hábito de se lastimar muito, acaba crendo que é vítima, que existe injustiça, que é fraco e a única defesa que encontra está em se queixar", afirma Heloísa.

É impressionante a nossa capacidade de se queixar. De outro lado, um mapeamento feito com líderes de sucesso descobriu que estas pessoas não têm o hábito de se queixar. Não usam o tempo delas apenas se lastimando, se algo acontece, focam na saída e na resolução.

Muitos de nós se fixam no drama e entram na vitimização. E, assim começamos a contar e recontar o caso, porque isso nos dá fôlego para mostrarmos que estamos certos e o outro errado. Um círculo desnecessário e desgastante.

Não reclame e respire. Mesmo porque, não é só seu tempo que você gasta nesta lamúria, você desgasta áreas neurais importantes do cérebro, que poderiam ser empregadas para outras coisas, como positividade, soluções e a busca pelo sucesso.

Problemas existem, porém, o mais importante é o que você vai fazer com eles. Como vai agir? Solucionar? Resolver? Mudar? Uma dica é respirar fundo, não reclamar. Durante a respiração, nosso cérebro recebe informações que ajudam a nos conduzir à mudança emocional, a maior calma, além de aumentar também nossa percepção para encontrar soluções diante dos problemas.

Experimente mudar isso no dia-a-dia, trocar um lamento pela respiração. Quem sabe com esse exercício é possível validar o nosso sucesso. A questão não é só perdermos o nosso tempo, mas o fato de direcionarmos os nossos neurônios para coisas inúteis, ao invés de os colocarmos para trabalhar positivamente. Se acreditamos no que contamos, mais vale contarmos histórias de sucesso e caminharmos por elas. A escolha é nossa.


quarta-feira, 20 de junho de 2018

Paranapiacaba tem nova opção de passeio

Da redação

A Rota da Madeira, percurso de 34 km na região da vila de Paranapiacaba, é a nova opção para ciclistas que curtem estradas de terra e caminhantes. Localizada em área de Mata Atlântica, a rota remete ao início do século XX, quando a região era produtora de madeira utilizada em construções e na produção de carvão.

Rota da Madeira pode ser feita a pé ou de bike | Foto: Ricardo Trida/PSA
O ponto de partida e chegada do novo trajeto fica próximo ao Locobreque, na entrada da parte baixa da vila. A rota conta com sinalização e pode ser percorrida a pé ou de bicicleta, e exige esforço médio, com pouca declividade. Para quem pretende percorrê-la, é recomendado que informe o Centro de Informações Turísticas, no Largo dos Padeiros, s/nº, na parte baixa da vila.

Após a saída, o trajeto tem trecho da estrada de terra até as proximidades de Campo Grande, onde logo em seguida, passa pelo Bar do Flavio, onde é possível tomar um banho numa piscina natural. O caminho segue por uma região de mata bem preservada e plantação de eucaliptos da antiga Fazenda Suzano, já na divisa cidade de Mogi das Cruzes.

Após passar por trecho rural, o visitante entra em Suzano, onde tem acesso a serviços turísticos como os pesqueiros do Mingão e o Onze. Em seguida a rota entra na Estrada do Taquarussu, que leva de volta à vila. No caminho, uma nova atração é o mirante da Pedra Grande, que pode ser acessada a pé, e de onde se tem uma vista privilegiada da região. Neste trecho encontram-se ainda a Fazenda Taquarussu, e o Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba.

Para o diretor de Gestão de Paranapiacaba e Parque Andreense, Eric Tadeu Lamarca, a rota é importante pois é uma nova opção para os frequentadores da vila, além de atrair um novo público. “Neste percurso, que pode ser feito a pé ou de bicicleta, os visitantes têm contato com a natureza e contam com série de serviços turísticos”, conclui.

A Rota da Madeira compõe o mosaico cicloturístico do Caminho do Sal, que interliga, por estradas de terra, as cidades de São Bernardo do Campo, Santo André, Mogi das Cruzes, Biritiba Mirim e Salesópolis. O novo percurso foi organizado pela Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de Santo André em parceria com as prefeituras de Suzano e Mogi das Cruzes. Mais informações podem ser obtidas no Centro de Informações Turísticas da Vila, no Largo do Padeiro, s/nº, na parte baixa da vila, ou pelo telefone 4439-0109.



Alienação parental aumenta em São Paulo

Da redação

De acordo com o levantamento do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, as ações envolvendo alienação parental subiram 5,5% de 2016 para 2017, saltando de 2241 para 2365. Mas além do aumento no volume dos processos, o que por si só já é um dado alarmante, outro indicador que assusta é a forma como acontecem os casos desse tipo de agressão.

Criança que sofre alienação parental pode confundir mentira com realidade | Foto: reprodução
Segundo a sócia-fundadora da Bonatto & Guimarães Fernandes Advogados Associados e advogada especializada em Direito da Família, Gardennia Mauri Bonatto, há pais que falam para os filhos devolverem presentes que venham do outro genitor, que apresentam novo cônjuge aos filhos como sendo nova mãe ou novo pai, que desqualificam o outro constantemente e, em situações ainda mais graves, há aqueles que envolvem até falsa denúncia de abuso sexual.

"Nessa situação em específico, o alienador implanta falsas memórias na criança, fazendo-a inclusive a confundir mentira com realidade e a treinando para repetir a história como se realmente tivesse sido vítima de incesto. E, então, para ela aquele fato falso se torna real. É algo muito pesado e doloroso", afirma a especialista.

Outro dado relevante: segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2017, 83,6% das crianças menores de quatro anos têm como responsável uma mulher – seja a mãe, avó ou madrasta. "Essa pesquisa só revela que na maioria dos casos a guarda fica com a mulher. Como essas ações correm sob sigilo, não há nenhuma estatística oficial que evidencie se é o homem ou a mulher quem mais pratica alienação parental. Pontuado este fato, em nosso escritório, percebemos que a proporção é muito maior de homens que sofrem alienação parental", revela a advogada.

Ainda segundo Gardennia, o que se nota é que, culturalmente, a guarda em geral tende a ser da mãe, embora via de regra enquanto a criança está com tenra idade e está em período de amamentação é evidente que não deve se ausentar da companhia materna. Depois disso, os direitos jurídicos são iguais.

Diante às polêmicas e enorme complexidade que envolve o tema, Gardennia – que inclusive é membro do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM) – elencou cinco tópicos elucidando todas as dúvidas sobre alienação parental, detalhando o problema na prática, além de abordar de maneira didática como a questão é prevista no direito brasileiro.

1 - O que caracteriza alienação parental?
Segundo a Lei nº 12.318 de 2010, considera-se ato de alienação parental a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós ou pelos que tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância para que repudie genitor ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este.

A lei prevê ainda alguns exemplos de atos que caracterizam alienação parental, tais como: realizar campanha de desqualificação da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade, dificultar o exercício da autoridade parental e da convivência familiar, dificultar contato de criança ou adolescente com genitor, omitir deliberadamente a genitor informações pessoais relevantes sobre a criança ou adolescente, inclusive escolares, médicas e alterações de endereço.

Destaca-se ainda a apresentação de falsa denúncia contra genitor, contra familiares deste ou contra avós, para obstar ou dificultar a convivência deles com a criança ou adolescente; e mudança de domicílio para local distante, sem justificativa, visando a dificultar a convivência da criança ou adolescente com o outro genitor, com familiares deste ou com avós. "Vale lembrar que a alienação parental também pode ser caracterizada em outras situações que não as citadas em lei, desde que os atos sejam assim declarados pelo juiz ou constatados por perícia", explica Gardennia.

2 Quais são as formas de se cometer alienação parental?
Além das práticas já citadas no item acima, outras situações comuns são recusar passar as chamadas telefônicas aos filhos, organizar atividades sociais e viagens com os filhos durante o período que o outro genitor deve normalmente exercer o direito de visitas, envolver pessoas próximas (avós, tios, padrasto/madrasta) na influência maléfica de seus filhos, impedir que o outro genitor participe de eventos ou decisões importantes (escolha de religião, escolha de escola, apresentação de escola, etc), trocar ou tentar alterar o sobrenome da criança, mudar o tratamento ou castigar os filhos se eles entrarem em contato com o outro genitor, culpar o outro genitor pelo mau comportamento dos filhos, esconder ou fazer a criança "esquecer" do seu celular em viagens ou fins de semana, etc.

3 -  Existe algum perfil mais recorrente de quem comete ou é vítima de alienação parental?
Como já foi dito, os casos envolvendo alienação parental ocorrem sob sigilo da justiça. Então não existe um dado oficial sobre quem comete mais esse tipo de agressão. "Em nosso escritório, a prevalência de pais que são vítimas de alienação parental é muito maior que o de mães. No entanto, esse dado precisa ser olhado com muita cautela, porque envolve vários fatores e indicadores e diante a um tema sério como este, as consequências podem ser irreparáveis", avalia.

4 - Só o filho pode ser vítima e só os pais podem cometer alienação parental?
Não necessariamente. Primeiro, com relação às vítimas: o filho pode sofrer com o problema durante a infância e adolescência, não tendo uma idade limite, do ponto de vista jurídico, para deixar de ser vítima. A análise é feita caso a caso, contudo, de modo geral, entende-se que juridicamente se cessa com a maioridade.

Por uma interpretação análoga, um idoso também pode sofrer este tipo de abuso psicológico, geralmente quando um filho o manipula para fazer com que ele se volte contra outro filho. Geralmente a alienação nestes casos é motivada por uma disputa de herança.

Com relação ao alienador, a lei é clara ao dispor que não é somente pai e mãe que pode cometer alienação parental, mas também avós, familiares, padrasto, madrasta ou por aqueles que tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância. Vale ressaltar ainda que não há limitação legal em relação ao grau de parentesco.

5 - Quais são as penas para quem comete e quais são os direitos para quem é vítima de alienação parental?
Entre os mecanismos de punição previstos pela lei de alienação parental, constam a advertência, a ampliação do regime de convivência familiar em favor do genitor alienado, multa ao alienador, alteração da guarda para guarda compartilhada ou sua inversão. O rol de punições contempla ainda o acompanhamento psicológico e/ou biopsicossocial e até a suspensão da autoridade parental.



terça-feira, 19 de junho de 2018

Dor e sensibilidade nos dentes são mais comuns no inverno

Da redação

A diferença drástica entre a temperatura do corpo humano, entre 36°C e 37°C, e do ambiente, que costuma ficar entre 10°C e 15°C durante o inverno, ou até menos em algumas regiões, pode ocasionar uma sensação de incômodo e dor nos dentes. Isso ocorre pelo resfriamento do esmalte, seguido da dentina, até atingir a polpa dentária (canal), uma área cheia de terminações nervosas, de acordo com o cirurgião-dentista e sócio-diretor do Grupo Ateliê Oral, Marcelo Kyrillos.

Sinusite também pode causar dor de dente | Foto: reprodução
“Essas terminações são rapidamente sensibilizadas pelo frio, que reagem transmitindo o impulso nervoso, que gera a sensação de dor”, explica Kyrillos. Assim, qualquer pessoa pode estar suscetível a essa sensação de aumento da dor de dente na época mais gelada do ano, mas ela é mais frequente para quem respira pela boca, bem como naqueles que já sofrem de sensibilidade dentária.

“Há algumas opções de tratamentos para quem tem os dentes mais sensíveis, desde os mais simples aos mais avançados, como a fluorterapia, a laserterapia, entre outros. Somente depois de um diagnóstico realizado por um profissional será possível conhecer o tratamento mais indicado”.

Uma boa dica para não correr o risco de ter sensibilidade é evitar os agentes causadores, ou seja, consumir menos alimentos ácidos, como laranja, limão, vinho, utilizar um escova macia e não aplicar muita força na hora da escovação, a fim de agredir menos a gengiva pode ajudar bastante, orienta o especialista.

Outra situação que pode desencadear a dor de dente causada pelo ar frio é algum problema bucal que deixe a dentina exposta ou sensível, como uma cárie mais severa ou outro tipo de trauma.

 “O primordial é descobrir o fator causador da sensibilidade para tratar o problema. Se for cárie, é preciso fazer uma restauração; se for fratura, arrumar o dente. No caso de retração gengival, conversar com o dentista para avaliar o melhor tratamento. Hoje também existem no mercado pastas para dentes sensíveis. Esses cremes preenchem os túbulos dentinários ou bloqueiam a ação do nervo”, relata Kyrillos.
  
Frio, sinusite e dor 
Outro fator que pode contribuir para um incomodo nos dentes superiores é a sinusite. Por estarem ligadas ao seio maxilar, as raízes dos dentes molares e pré-molares são afetadas sempre que a sinusite se manifesta, provocando um incômodo muito parecido com a dor de dente. O especialista explica que a dor é passageira e específica de uma situação, ou seja, assim que as causas sumirem, a dor deve ir embora junto.

Outra característica do inverno que interfere diretamente na saúde bucal é a alta incidência de gripes e resfriados, duas doenças virais que podem ser transmitidas pela boca e têm o ressecamento da cavidade oral como um de seus sintomas. Para prevenir a contaminação, é recomendado não compartilhar até mesmo batons (e escovas de dente, claro!) e sempre higienizar a boca adequadamente.



segunda-feira, 18 de junho de 2018

Mindfulness pode auxiliar as crianças

Da redação

Ensinar os filhos a administrar as dificuldades não é tarefa fácil para nenhum pai ou mãe. Lidar com as frustrações, com as decepções não é fácil para os adultos e muito mais difícil para as crianças. Uma ferramenta que pode ajudar nesse aprendizado é a Atenção Plena, também conhecida como Mindfulness.  Ela deve ser executada junto com as crianças, de forma que eles aprendam com adultos como sintonizarem seus pensamentos e estarem conscientes de suas atitudes.

Mindfulness é uma ferramenta para acalmar as crianças | Foto: reprodução 
Segundo Sarah Silverton, autora de A Revolução Mindfulness (Editora Alaúde), “o Mindfulness é uma ferramenta poderosa para driblar a ansiedade e o estresse causado por diversos fatores externos”.

Abaixo sugestões de exercícios que, além de ajudar na conscientização da respiração, podem também ser uma excelente ferramenta para a acalmar as crianças em momentos críticos.

Exercício: sintonizar a respiração

1 - Escolha um número que a criança consiga manejar com facilidade (por exemplo, 3, 5 ou 8);
2 - Com as mãos na barriga, a criança deve contar até o número combinado durante a expiração, concentrando-se na respiração e na barriga. Uma alternativa é você contar para ela;
3 - Quando o número for alcançando, comece de novo;
4 - Quando a criança se acostumar com a prática, ela começará a perceber quando a mente divaga; portanto, uma evolução desta prática é voltar para o número 1 toda vez que a mente divagar.

Se for feito por um período breve, este exercício é divertido e excelente para acalmar as crianças.


Projeto Sempre um Papo recebe Eliane Brum no Sesc Santo André

Da Redação

O Sempre Um Papo e o Sesc Santo André recebem a jornalista, escritora e documentarista Eliane Brum para uma conversa sobre ”Reportagem na Amazônia.” Eliane viaja para a floresta para contar histórias reais há 20 anos. Desde 2011, documenta a vida de famílias ribeirinhas do Xingu expulsas pela construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. No evento, ela também falará sobre seus livros “Meus desacontecimentos” e “O Olho da Rua” reeditados em 2017 pela Arquipélago. O evento será no dia 20 de Junho, quarta-feira, 20h, com entrada gratuita, no Sesc Santo André.

Foto: Divulgação 
Em “Meus Desacontecimentos – A História da Minha Vida com as Palavras”, Eliane revela como criou um corpo de letras para dar conta do enorme desafio de construir uma existência com significado. Em cada página, personagens fantasticamente reais incorporam-se. A irmã morta, que era a mais viva entre todos. A avó, comedida em tudo, menos na imaginação. A família que precisou de uma perna fantasma para andar no novo mundo. As tias que viravam flores para não murchar. No livro, a menina que flertava com a morte conta como foi salva pela palavra escrita.

O livro “O Olho da Rua – Uma Repórter em Busca da Literatura da Vida Real” faz uma travessia pelo país conduzida pelo olhar de repórter de Eliane Brum. Ela, que se apresenta como “escutadeira”, nos carrega por vários Brasis em dez grandes reportagens feitas na primeira década do século 21. Cada uma delas é contada também pelos grandes fotógrafos que a acompanharam. Em cada uma, Eliane revela a história dentro da história, ao narrar os bastidores a partir dos dilemas, das descobertas e também das dores a que se lança um repórter disposto a se interrogar sobre sua própria jornada.

Eliane Brum é escritora, jornalista e documentarista. Como repórter, ganhou mais de 40 prêmios nacionais e internacionais de jornalismo. Publicou diversos livros incluindo “Uma Duas”, “A Menina Quebrada”. Gaúcha de Ijuí, nasceu em 1966. Trabalhou 11 anos no jornal Zero Hora, de Porto Alegre, e dez na revista Época, em São Paulo, como repórter especial. É colunista do portal do jornal El País e vive em São Paulo.



sexta-feira, 15 de junho de 2018

Diário de menina na guerra da Síria é a nova aposta da DarkSide Books

Da redação

O jornalista e correspondente de guerra francês Philippe Lobjois vem ao Brasil no fim de junho para a divulgação do livro"O Diário de Myriam", do qual é coautor ao lado da síria Myriam Rawick, uma menina de 13 anos. Lançada pela DarkSide® Books, a obra se aprofunda no cotidiano da pequena Myriam, durante a guerra da Síria e foi escrito no período de novembro de 2011 e dezembro de 2016.

O jornalista Philippe Lobjois é coautor do livro | Foto: divulgação  
No dia 28 de junho, Philippe Lobjois fará um bate-papo sobre "A Guerra na Síria e a Questão dos Refugiados", às 19h30m, na Blooks Livraria do Shopping Frei Caneca, em São Paulo. Entre os dias 29 de junho e 1º de julho, o francês estará no Fliaraxá e o público terá a oportunidade de acompanhá-lo por meio de tradução consecutiva. Enquanto em 3 de julho, ele participará de um debate às 19h30m, no Observatório do Amanhã, no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro.

Na publicação, uma menina judia que passou anos escondida no Anexo Secreto tentando sobreviver à guerra de Hitler. De outro, uma garota síria que sonha ser astrônoma e vê seu mundo girar após a eclosão de um conflito que ela nem mesmo compreende. Mesmo separadas por mais de 70 anos, Anne Frank e Myriam Rawick têm um elo comum: ambas são símbolos de esperança e resistência contra os horrores de um país em guerra e acreditam no poder das palavras. "O Diário de Anne Frank" emocionou leitores de todos os cantos do mundo, e agora é hora de conhecer "O Diário de Myriam", mais recente lançamento da linha Crânio da DarkSide® Books.

"O Diário de Myriam" é um registro comovente e verdadeiro sobre a guerra civil Síria. Escrito em colaboração com o jornalista francês Philippe Lobjois, que trabalhou ao lado de Myriam para enriquecer as memórias que ela coletou em seu diário, o livro descortina o cotidiano de uma comunidade de minoria cristã que sofre com o conflito através dos olhos de uma menina.

A guerra da Síria deixou mais de 400 mil mortos e transformou 5 milhões de pessoas em refugiadas ao longo dos últimos sete anos, impulsionando o maior deslocamento de pessoas no mundo, após a Segunda Guerra Mundial. Myriam é apenas uma entre milhões de vozes que sofrem diariamente, mas suas palavras conseguem falar por muitas elas.

Com realização da DarkSide® Books, Associação Cultural Sempre Um Papo,  Museu do Amanhã, do Ministério da Cultura e do Governo Federal do Brasil, os eventos têm patrocínio da Lei ao Incentivo à Cultura, do Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG) e da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, com apoio cultural da Blooks Livraria.



Gratidão traz benefícios quando inserida no cotidiano

Da redação

As pessoas passam muito mais tempo se queixando por não terem determinadas coisas, sejam posses, relacionamentos e outros valores que são ostentados no nosso dia a dia, do que agradecendo pelas coisas boas que possuem. No entanto, essa qualidade pode ser trabalhada como um hábito, de acordo com a coach, mentora e psicóloga Bia Nóbrega.

Se você pensa coisas positivas, muda sua frequência pessoal e atrai coisas boas, explica a coach Bia Nóbrega | Foto: reprodução
Mesmo quando a Bíblia e até William Shakespeare atestam que "a gratidão é o único tesouro dos humildes", algumas pessoas insistem em reproduzir os mesmos discursos derrotistas. Para Bia, é essencial remar contra essa maré e fazer algo a respeito. "Há comprovação científica que mostra que identificar e agradecer pelas coisas boas que acontecem todos os dias melhora a vida dos indivíduos", garante.

De acordo com a psicóloga, a gratidão opera através da Lei da Atração, que controla toda a energia do Universo. Segundo essa lei, você atrai para si tudo o que pensa e sente. Portanto, se você pensa coisas positivas, muda sua frequência pessoal e atrai coisas boas.

Por essa razão ela propaga ideias e também um pequeno programa para exercitar a gratidão no cotidiano, apesar dos problemas normais da vida cotidiana. As atividades foram apresentadas durante a palestra "1, 2, 3 já é hora de mudar a sua Vida" no Congresso Mundial da Gratidão e englobam três passos, sendo elas: autoconexão, conexão física e conexão social.

Para iniciar, é preciso saber quais são as áreas da sua vida você deseja melhorar, como saúde, relacionamento, finanças etc. Quanto mais precisão, melhor. Na sequência você aprende técnicas simples para se conectar melhor consigo mesmo, o seu corpo, o ambiente em que você vive e as pessoas ao seu redor.

Com base nas respostas das perguntas sugeridas pela psicóloga é mais simples identificar quais são os caminhos que você deve seguir para alcançar o objetivo. Na última etapa basta colocar os ensinamentos em prática para ser mais feliz.



quinta-feira, 14 de junho de 2018

Médico explica como os hormônios afetam o emocional feminino

Da redação

Não há como negar: as mulheres são guiadas por chuvas de hormônios que afetam diretamente o emocional. O psiquiatra e pesquisador do Programa de Transtornos afetivos (GRUDA) do Hospital das Clínicas da USP, Diego Tavares, conta o que acontece em cada fase da vida delas e como o humor pode ser influenciado.

Há grandes alterações de humor durante a gestação | Foto: Freepik
Menarca
Logo após a primeira menstruação, conhecida como menarca, as mudanças no corpo da mulher podem ocasionar também mudanças comportamentais já que as alterações hormonais que ocorrem após esta fase já começam a dar sinais de variações na época pré-menstrual, conhecida como TPM.

TPM
O período que dura necessariamente alguns dias antes da menstruação é caracterizado pela queda abrupta dos níveis hormonais, de estrógeno e progesterona. Que causam a variação de humor, mas não tendem a se prolongar após a menstruação. Para solucionar o problema há desde tratamentos com vitaminas e fitoterápicos até medicações mais potentes, como antidepressivos. Isso dependerá da gravidade dos sintomas. A psicoterapia também pode ajudar bastante.

Gravidez
Devido a progesterona e o estrogênio - os hormônios femininos que regulam o ciclo reprodutivo – são os parcialmente responsáveis por grandes alterações de humor durante a gestação, funciona mais ou menos como uma TPM gigante. Mesmo quando a gravidez é bem planejada, muitas mães se veem tomadas por preocupações em relação ao futuro, ao relacionamento com o parceiro ou às responsabilidades financeiras que vão aumentar.

Alguns efeitos físicos da gestação, como azia, cansaço e vontade frequente de fazer xixi também acabam mexendo mais com suas emoções. O enjoo, para piorar, acaba com um dos prazeres da vida, que é o de comer alguma coisa gostosa.

Os altos e baixos no humor costumam ser mais pronunciados nas 12 primeiras semanas da gravidez. Eles tendem a diminuir à medida que seu corpo se adapta ao bombardeio hormonal a que é submetido.

Mas no finalzinho da gravidez, com a ansiedade da aproximação do parto, a sensibilidade também pode aumentar.

Pós parto
Na mesma proporção em que os níveis de estrógeno caem abruptamente nos três a quatro dias após o nascimento do bebê, existe um aumento da enzima monoamina oxidase A (MAO-A) no cérebro. A enzima quebra os neurotransmissores serotonina, dopamina e noradrenalina, que, além de serem responsáveis por transmitir os sinais entre as células nervosas, também influenciam no humor. Se o funcionamento dos neurotransmissores é afetado, a pessoa inicialmente se sente triste e após certo tempo corre o risco de ficar deprimida. Os níveis mais altos foram registrados no quinto dia após o parto, coincidindo com o dia em que o humor das mães está no ponto mais baixo.

A depressão pós-parto é um transtorno que se caracteriza por sintomas semelhantes aos da depressão comum: estado de humor rebaixado, pouca vontade de sair de casa, isolamento social, tristeza intensa e frequente, apetite e sono alterados. A diferença, no entanto, é que, na depressão pós-parto, esses sintomas aparecem na mãe, entre um mês e um ano após o nascimento da criança.

Menopausa
Nesta fase, a mulher possui mudanças comportamentais mais intensas. Em geral, são piores nos primeiros anos da menopausa e tendem a se amenizar com o tempo. As principais mudanças são depressão, irritabilidade, calores noturnos, falta de libido, diminuição da lubrificação da pele e da vagina, dores musculares e articulares.

Fatores de estresse que causam picos hormonais em qualquer fase da vida
Fatores incomuns levam a mudança completa do humor feminino. O ideal é manter uma vida equilibrada e realizar exercícios físicos aeróbicos regulares. Sabe-se que a prática dos exercícios, além de aliviar o estresse, mantém os níveis hormonais mais estáveis, evitando as alterações bruscas de humor.



quarta-feira, 13 de junho de 2018

Sociedade Brasileira de Dermatologia promove campanha de conscientização sobre o albinismo

Da redação

Em cada 20 mil pessoas no mundo, uma apresenta alguma forma de albinismo, o que torna essa característica rara. Atenta a essa situação, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) promove, desde 2015, uma campanha de esclarecimento e conscientização da população brasileira sobre essa doença e alerta aos próprios albinos sobre os riscos que eles correm se não tiverem os cuidados adequados com a pele. Este ano, a ação traz o slogan: “Albinismo além do que se vê”.

Para tratar do albinismo é necessário atendimento oftalmológico e dermatológico | Imagem: divulgação 
O albinismo é a incapacidade/deficiência de um indivíduo em produzir melanina, que é um filtro solar natural e que dá cor à pele, pelos, cabelos e olhos. Como uma das principais funções da cor da pele é criar uma barreira contra as radiações solares, o albino não consegue se defender da exposição ao sol e a consequência imediata é a queimadura solar, principalmente na infância, quando o controle é mais difícil. Sem a prevenção, os portadores envelhecem precocemente e podem desenvolver doenças graves, como câncer de pele agressivo e precoce.

No dia 13 de junho é comemorado o Dia Mundial da Conscientização do Albinismo. A data foi decretada pela Organização das Nações Unidas (ONU) devido a uma série de casos de agressão, bullying, discriminação, e às necessidades especiais dessas pessoas. A proposta de ter um dia para doença é esclarecer a população sobre a doença, e os próprios albinos a tomarem os cuidados exigidos pela sua condição de saúde.

Conheça os sintomas, tratamentos, diagnósticos e cuidados do albinismo:

Sintomas
Na pele: esse é o principal diagnóstico para identificação do albinismo. Apesar disso, pode variar em diferentes tons, do branco ao marrom. Para algumas pessoas com albinismo, a pigmentação da pele não muda nunca. Para outras, no entanto, ela pode aumentar com o passar do tempo, principalmente durante a infância e à adolescência.

No cabelo: a cor varia de tons muito brancos até o castanho – dependendo muito da quantidade de melanina produzida. Pessoas com albinismo e que tenham ascendência africana ou asiática podem apresentar cabelo louro, ruivo ou castanho. A cor do cabelo também pode escurecer com o passar dos anos, conforme aumenta a produção de melanina.

Nos olhos: a cor dos olhos de uma pessoa com albinismo pode variar do azul muito claro ao castanho e, assim como a cor da pele e do cabelo, também pode mudar conforme a idade. O albinismo também costuma levar ao surgimento de sinais e sintomas diretamente relacionados à visão, como o movimento rápido e involuntário dos olhos, estrabismo, miopia, hipermetropia, fotofobia e outros.

Diagnóstico
Para análise completa é necessário exame físico, oftalmológico minucioso e comparação da pigmentação da pele e do cabelo com a de membros da mesma família. Em geral, é possível determinar um caso de albinismo apenas por meio da observação clínica, uma vez que a maioria dos casos da doença leva ao desenvolvimento de sintomas bastante característicos.

Tratamento
Para tratar do albinismo é necessário atendimento oftalmológico e dermatológico adequados. É imprescindível acompanhar os sinais na pele buscando detectar possíveis anormalidades e indícios do surgimento de lesões que possam levar ao câncer da pele – uma das principais complicações do albinismo.

Cuidados
Pacientes devem tomar uma série de medidas de autocuidado para evitar complicações decorrentes de albinismo. O uso de filtros solar é essencial para pessoas com albinismo. Além disso, é importante que os pacientes evitem ao máximo a exposição solar de alto risco, sem tomar os cuidados necessários. Se possível, o uso de roupas compridas, que cubram regiões normalmente expostas ao sol, também deve ser priorizado, além de óculos-escuros que contenham proteção contra os raios UVA e UVB.

É válido lembrar que o médico responsável por cuidar da pele de um paciente com albinismo é o dermatologista, profissional qualificado e capacitado para realizar o diagnóstico e tratamento dessa doença.



Hospital mineiro é o segundo no mundo a realizar transplante de fígado com sucesso

Da Redação

O Hospital Felício Rocho, localizado em Belo Horizonte (MG), foi o segundo no mundo a realizar o transplante de fígado em casos graves de febre amarela, com sucesso, alcançando o melhor resultado em sobrevida (50%). Pioneiro e inovador na ciência de transplantação, nos últimos dois anos, o Hospital realizou cerca de 442 transplantes. Os órgãos transplantados foram de fígado, rim, pâncreas, coração e medula óssea.

No mês de fevereiro, um grupo de especialistas brasileiros envolvidos nos transplantes de fígado, em parceria com o Ministério da Saúde, definiram critérios específicos para os casos de troca de órgão em pacientes com a febre amarela. Segundo os médicos, a principal diferença entre os pacientes que sobreviveram e os que morreram foi o momento em que o transplante foi realizado.

“Os que tiveram êxito, foram encaminhados para transplante mais precocemente – e quando falo precoce, são apenas um ou dois dias de diferença, o que dá uma ideia do quanto a situação era dramática”, afirma Antônio Márcio de Faria Andrade, responsável técnico pelo transplante de fígado do Hospital Felício Rocho, onde quatro pacientes foram transplantados, e dois sobreviveram.

De acordo com Antônio Márcio Andrade, um dos critérios adaptados para esses pacientes foi referente ao grau de comprometimento cerebral causado pela falência do fígado, a chamada encefalopatia hepática. “Em casos de hepatite fulminante por outras causas, nós indicamos o transplante com comprometimento (máximo) grau 3 ou 4. No caso da febre amarela, o paciente já pode ter indicação com comprometimento grau 1, tamanha a agressividade da doença”, afirma.

De acordo com o boletim divulgado pelo Ministério da Saúde (MS), no dia 7 de fevereiro, foram confirmadas 353 pessoas com febre amarela, totalizando 98 mortes provocadas pela doença entre 1º de julho de 2017 e 6 de fevereiro de 2018. No mesmo período do ano passado, foram confirmados 509 casos e 159 óbitos. No Brasil, a febre amarela apareceu pela primeira vez em Pernambuco, no ano de 1685, onde permaneceu durante 10 anos.


Schoolmark tem cursos de gastronomia

Da redação

Com o slogan “o shopping de educação”, o Schoolmark, em São Bernardo do Campo, abriu as portas ao público em março de 2017. Ao longo deste período, o complexo educacional tem agregado diversas instituições de ensino, entre elas, a Nova Gourmet - Escola de Gastronomia.

A Nova Gourmet fica dentro do complexo educacional Schoolmark | Foto: Reprodução
Então, os apaixonados pela arte da gastronomia poderão aperfeiçoar os conhecimentos, ou mesmo aprender algo novo em aulas 100% práticas. No local, estão disponíveis quatro modalidades de cursos: Temáticos, Dinâmicos Integrais e Chefinhos (para crianças de 6 a 12 anos). A duração de cada curso varia de um dia a três meses, conforme a modalidade escolhida.

A Nova Gourmet - Escola de Gastronomia fica na Rua Doutor Baeta Neves, 239, 1º andar. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 4330-0204.


terça-feira, 12 de junho de 2018

Estudo aponta que maioria dos casais não conversa sobre finanças

Da redação 

Nada demonstra melhor a frase “o que é meu é seu” em um casamento do que abrir uma conta conjunta no banco, especialmente se um dos cônjuges recebe muito mais do que o outro. No entanto, de acordo com pesquisa realizada na Inglaterra com mil pessoas comissionadas pela empresa Prudential, grande parte dos casais atualmente guardam segredos um do outro quando o assunto é finanças.

Nos anos de 1970 a 1980, contas conjuntas passaram a ser cada vez mais comuns | Foto: reprodução 
Segundo o estudo, mais de 50% dos entrevistados disse não saber o salário do cônjuge e um número similar afirma esconder a existência de cartões de créditos e empréstimos pessoais. O estudo revela uma mudança no comportamento entre casais.

Nos anos de 1970 a 1980, contas conjuntas passaram a ser cada vez mais comuns com a entrada das mulheres no mercado de trabalho. Agora, é possível que os casais, apesar de dividirem vários aspectos de suas vidas, prefiram manter certa independência quando o assunto é dinheiro.

O psicólogo do Centro Universitário Internacional Uninter, Ivo Carraro, comenta as mudanças das últimas décadas:  “As mulheres do século XX conquistaram suas autonomias, investiram em suas formações acadêmicas e, assim, alcançaram sua independência. Elas exercem profissões que eram de exclusividade dos homens, como nas áreas da Informática e das Engenharias. Para muitas delas a própria maternidade foi protelada para após as realizações profissionais”.

A pesquisa mostra que os homens que revelaram esconder dinheiro tinham mais propensão de fazê-lo para realizar gastos pessoais com entretenimento e saídas sem a parceira, enquanto mulheres alegaram que faziam reservas, em sua maioria, para casos de haver um rompimento no relacionamento, como um fundo de reserva.

Outra explicação do especialista é que o conceito de amor também mudou. “No século XXI, as pessoas pensam que já são completas por si sós. As disfunções conjugais ocorrem com mais frequência, daí a individualidade financeira apontada nos estudos dos casais”.

Uma nova pesquisa realizada pela empresa britânica de seguros de vida, Direct Line Life Insurance, mostra que um a cada cinco britânicos, tem um parceiro que não sabe detalhes financeiros sobre valores de pensão relacionados à aposentadoria. Ainda, quase uma pessoa casada em cada cinco nega ao parceiro acesso a poupanças, aumentando para 28% quando considerado pessoas em uniões estáveis como um todo. O estudo mostra que 16% das pessoas casadas não dão acesso a detalhes de cartão de crédito os seus companheiros, número que sobe a 27% quando considerado casais em uniões estáveis.



segunda-feira, 11 de junho de 2018

Podóloga fala oito dicas para cuidar dos pés no inverno

Da redação

O verão é perfeito para exibir os pés e, geralmente, estão bem cuidados. Mas no inverno é importante cuidar deles também, para evitar doenças, além do ressecamento típico dessa época, alerta a podóloga Cristina Lopes, que é coordenadora técnica da Doctor Feet, rede especializada em cuidados com os pés.

 Hidrate os pés com cremes específicos para a região | Foto: iStock
“Muitas pessoas esquecem de cuidar dos pés nesse período mais gelado do ano, mas é nessa estação que surgem esses problemas (frieiras e micoses)”, ressalta.

O cuidado com as unhas e a pele do pé é essencial nos dias frios, lembra a podóloga, mas também é preciso atentar-se para a escolha dos sapatos. Os calçados fechados usados nessa época propiciam o ambiente escuro, quente e úmido, ideal para o aparecimento das patologias da estação.

Para cuidar da saúde e do bem-estar dos pés na estação mais fria do ano, a podóloga ensina algumas dicas:

1. Escolha sapatos confortáveis que não apertem os dedos para evitar que unhas encravem.

2. Dê preferência à meias de algodão, pois elas absorvem melhor o suor dos pés e permite que respirem.

3. Alterne os sapatos que utiliza e deixe-os em local arejado após o uso.

4. Hidrate os pés com cremes específicos para a região.

5. Utilize produtos bactericidas nos sapatos e nos pés para evitar que fungos e bactérias se prolifere.

6. Seque bem os pés após o banho, para evitar o aparecimento de micoses e frieiras.

7. Diabéticos com pés afetados pela patologia devem evitar andar descalços.

8. Procure profissional especializado em podologia ao menos duas vezes por mês.



sexta-feira, 8 de junho de 2018

Praticar atividade física em excesso pode ser um sinal de transtorno psicológico

Da redação

A busca pelo corpo bonito e torneado é cada vez mais comum no mundo. O Brasil é o segundo em números de academia, perdendo apenas para os Estados Unidos. Mas a busca incessante pelo corpo perfeito pode ser um distúrbio psicológico, de acordo com a  psicóloga, psicopedagoga e especialista em transtornos de ansiedade, Cristina da Fonseca.

Pessoas com vigorexia se enxergam de maneira diferente da realidade | Foto: Reprodução 
Todo comportamento onde há exagero, ou seja, foge da normalidade, é caracterizado como transtorno, até mesmo quando o assunto é atividade física. "Dentro dos padrões de busca pelo corpo perfeito existe um distúrbio chamado vigorexia ou transtorno dismórfico muscular. As pessoas com esse sintoma se enxergam de maneira diferente da realidade quando se olham no espelho e se veem fracas e sem músculos, mesmo quando são fortes e torneadas", explica Cristina.

Em função desse problema, a pessoa vai à academia todos os dias, abre mão dos relacionamentos interpessoais com a família, amigos e, em muitos casos, muda radicalmente a dieta. A psicóloga ainda lembra que, normalmente, quem busca perfeição no corpo, possui baixa autoestima, que pode ter várias origens. "Pode haver uma predisposição genética, consequência de comportamentos hostis e bullyings recebidos durante a infância e adolescência e, por fim, pressão da mídia e da sociedade como um todo, que criam o estereótipo de que corpo bonito representa felicidade", diz.

Treino na dose certa 
Indiscutivelmente, realizar atividade física é extremamente importante para saúde e autoestima. No entanto, para quem já passou dos limites ao abrir mão de outras atividades sociais para se dedicar somente aos treinos, é hora de buscar ajuda. Uma equipe multidisciplinar, com o auxilio de um psicólogo, pode ajudar o paciente a encontrar a dose certa. O tratamento psicológico é feito com conjunto com nutricionista e um educador físico.

"O primeiro passo para curar esse distúrbio psicológico é trabalhar com o conceito imposto pela sociedade que exige corpo perfeito, sem gordura e defeitos. Sem dúvida, o apoio e suporte de amigos e familiares são de grande importância para portadores desta doença, pois o tratamento requer mudanças na rotina diária do indivíduo e não apenas um tratamento específico com medicamentos", detalha a especialista.



quinta-feira, 7 de junho de 2018

Chupeta, dedo e mamadeira: fonoaudióloga relata os hábitos de sucção na infância

Da redação

Quando o assunto é criação de filhos é bastante comum o surgimento de opiniões e julgamentos. O “pode”, “não pode” geralmente gera conflito de ideias e distorções sobre o certo e o errado. A fonoaudióloga especialista em Motricidade Orofacial da Clínica CEFAC, Rosana Cristina Boni, explica que a sucção é um reflexo inato no processo de alimentação do bebê, desencadeado pelo contato dos lábios com o mamilo. Ela ressalta que os hábitos nocivos de sucção mais comuns e que merecem atenção são a chupeta e o dedo.

Hábitos de sucção como a chupeta, por exemplo, devem ser retirados até os três anos de idade | Foto: Freepik
“Mamar no peito faz a criança exercitar mais sua musculatura facial, pela necessidade de sugar intensamente, levando a uma exaustão da sucção e uma sensação de satisfação e bem-estar. Existem estudos que, inclusive, relatam que crianças amamentadas naturalmente apresentam menor probabilidade de desenvolver hábitos de sucção não nutritivos, como a chupeta e o dedo”, explica Rosana.

Mas a pergunta que não quer calar é: o que acontece se o bebê for alimentado através de mamadeira? “Quando a criança suga na mamadeira os movimentos são diferentes do peito, nesse caso, não trabalhará a musculatura facial adequadamente, fazendo com que ela não satisfaça sua necessidade de sucção até a exaustão e não alcance a sensação de bem-estar”, esclarece a fonoaudióloga. Mas a especialista frisa que apesar de ser importante insistir no processo de amamentação natural, há problema de natureza física ou outro qualquer, que podem impedir a amamentação.

Rosana conta que os hábitos nocivos de sucção mais comuns e que merecem atenção são a chupeta e o dedo. Por isso, a especialista lembra que na fase de pleno desenvolvimento da criança, oferecer a chupeta constantemente pode provocar alterações na arcada dentária e até mesmo no formato do rosto, então, o ideal é retirar os hábitos de sucção até os três anos de idade, para evitar problemas.

A fonoaudióloga orienta ainda oferecer a chupeta, com formato, tamanho e bico corretos, nos casos em que a criança acaba de mamar no peito, mas continua sugando lábios ou língua. Assim a criança poderá satisfazer a necessidade de sugar, evitando que ela pegue o dedo posteriormente, por exemplo.

Já as crianças com hábitos de sucção não nutritivos ou de mamadeira podem contar com as sessões de fonoterapia para retirá-los, garantindo assim a preservação do desenvolvimento do sistema estomatognático, que envolve, dentes, lábios, língua, bochechas, bem como funções de mastigação e deglutição, entre outras.



quarta-feira, 6 de junho de 2018

Hotel Paradies: tranquilidade do campo próxima à cidade

Da redação


Localizado a menos de 80 quilômetros (km) da capital paulista, o município de Jarinu é reconhecido por ter o segundo melhor clima do mundo, com temperaturas agradáveis durante o ano todo. Entre os atrativos da cidade, está o sofisticado Resort Paradies Hotel e Convenção, que agrega uma vegetação exuberante à uma arquitetura tipicamente europeia. Espaço ideal para quem busca um destino tranquilo, para fugir do estresse das grandes cidades.

O Resort tem uma área de 54 mil metros quadrados | Foto: divulgação 
Para a gerente comercial do hotel, Patricia Caleffi, o atendimento é algo que diferencia o Paradies (que em alemão significa paraíso). "O Hotel Paradies tem uma característica muito própria de ter uma arquitetura com toque de requinte, além disso estamos no campo e muito perto da cidade. O diferencial também do hotel é o aconchego com que os funcionários recebem os hóspedes fazendo com que eles sintam-se em casa. É um lugar que atende eventos e lazer sem perder o ar do campo", afirma.

A gerente Patrícia destaca o bom atendimento do local | Foto: divulgação 
Em funcionamento desde 2002, o hotel - com 54 mil metros quadrados (m²), sendo 13 mil m² de área construída -  foi idealizado por Josefa Staudigl. O projeto foi inspirado em um hotel de Grindelwald, na Suíça, e assinado pelos arquitetos Thomas Ammann e Simone Larubia, que pensaram em todos os mínimos detalhes para torná-lo um exemplo de acessibilidade.

Com 78 apartamentos de diversas categorias e configurações, o hotel conta com uma estrutura de lazer completa, que promete agradar pessoas de todas as idades, além de um Centro de Convenções com 20 salas para eventos diversos e capacidade para 1.700 pessoas.

O hotel fica na Alameda Curitiba, 111, bairro José de Lima, em Jarinu/SP. Tel.: (11) 4016-7500.

O que fazer em Jarinu
Além do hotel, Jarinu oferece uma ampla programação aos visitantes. Entre os locais, está o Alambique Zanoni, próximo à Igreja Matriz, onde é possível comprar cachaças artesanais envelhecidas, licores e frutas secas, produzidas pela família Zanoni, desde a década de 1940.

Já na Vinícola Santa Bruna há uma estrutura completa com lagos para pesca esportiva, quiosques, adega e restaurante. A vinícola também promove visitas monitoradas e degustação de vinhos. Na Adega Quatro Marias é possível degustar o salame caseiro de javali e massas frescas que são servidas no restaurante da adega.

Destaque ainda para a Festa do Morango de Atibaia e Jarinu, que participam do Circuito das Frutas, roteiro turístico composto por dez cidades do interior paulista. O evento, que acontece entre junho e julho, conta com exposição de morangos, barracas de comidas e bebidas típicas da região, artesanato e shows musicais.

É possível ainda conhecer a produção de cogumelos da empresa Cogumelos Mazzei. Em Jarinu, o cultivo desses fungos é um dos maiores do Brasil.




terça-feira, 5 de junho de 2018

O que comemorar na Semana do Meio Ambiente?

*Rodrigo Berté

O Dia Mundial do Meio Ambiente é celebrado neste 5 de junho e começo este artigo fazendo uma pergunta a todos que o estiverem lendo: o que temos a comemorar nesta data? Precisamos fazer várias reflexões, pensando no planeta que queremos para o presente e para o futuro.

Relembro o artigo 225 da Constituição Brasileira, em uma de suas frases “defendê-lo e preservá-lo, o meio ambiente, para as presentes e as futuras gerações”, e percebo que pouco ou quase nada no País está sendo feito para cumprir com essas palavras.

Grandes grupos estão licenciando áreas para empresas petrolíferas na costa do Amapá, onde há um verdadeiro santuário de vida marinha. Na cidade de Mariana e no Distrito de Bento Rodrigues, ambos em Minas Gerais, ainda são esperadas indenizações e recuperação ambiental depois do acidente da Samarco. As populações indígenas, algumas desconhecidas para os estudos etno-ecológicos, vêm sendo massacradas na Amazônia pelo garimpo ilegal. Há ainda a grande carga de esgoto nos rios e nos oceanos, além do lixo e sua destinação inadequada nos lixões a céu aberto, provocando inúmeras doenças a população em especial às crianças, futuras gerações.

Parece o caos, mas, por outro lado, vemos gestos que podem mudar o mundo e projetos sendo realizados por pesquisadores brasileiros para melhorar o mundo à nossa volta, como a busca soluções para o destino adequado do lixo e plantas que produzem energia. As crianças, nossa geração futura, estão aplicando práticas de educação ambiental, preocupadas com o planeta. Um dia cheguei para uma criança de uma escola pública, onde realizo trabalhos de educação ambiental e perguntei: O que você quer ser quando crescer? E ela me respondeu: quero ser uma bióloga. E perguntei: porque você quer ser uma bióloga? E ela respondeu: Porque eu quero salvar o planeta!

Ainda há esperança. E, ficam duas perguntas nesta importante Semana Nacional do Meio Ambiente: qual legado você quer deixar para as próximas gerações? Que tipo de planeta você está construindo para os seus filhos e netos?

*Rodrigo Berté é diretor da Escola Superior de Saúde, Biociências, Meio Ambiente e Humanidades do Centro Universitário Internacional Uninter.



segunda-feira, 4 de junho de 2018

Advogado esclarece como fica a guarda dos filhos no processo de separação

Da redação

"Ter a guarda" é uma expressão rica em significado para mães e pais em processo de separação, mas - por vezes - de forma equivocada. Segundo o advogado de Direito de Família, André Giannini,  especialista em Direito Materno, no Brasil, existe a ideia de que a guarda é algo que se deve lutar para "ter", pois só assim aquela ou aquele genitor poderá criar os filhos da sua maneira, sem a interferência do outro.

No Brasil, existe a guarda compartilhada e unilateral | Imagem: Reprodução
Geralmente, essa disputa não trará ao vencedor o que ele espera, já que "guarda" nada mais é que o dever de zelo, cuidado e boa administração da vida dos menores, sendo então mais uma responsabilidade do que um direito. A lei 13.058, que alterou o Código Civil - em 2014 -, definiu que, em nosso País, a regra nas separações com filhos é a guarda compartilhada.

"Nela (guarda compartilhada), a opinião de ambos os genitores têm o mesmo peso na decisão de aspectos importantes da vida da criança como, por exemplo, a escolha da escola, do pediatra, da religião, da alimentação, das atividades físicas, intelectuais, entre outros temas relacionados ao desenvolvimento dos filhos", explica Giannini. "Agora quando o consenso não for possível, cabe aos pais negociar, cedendo em determinada escolha para que sua vontade prevaleça em outra ocasião", esclarece.

Abaixo, o advogado Giannini respondeu algumas dúvidas frequentes sobre o tema:

1- Quais são os tipos de guarda no Brasil?
São apenas duas. Além da guarda compartilhada, existe a unilateral. Nessa última, a responsabilidade por todas as decisões em prol do menor recai sobre apenas um dos pais, cabendo ao outro o poder de supervisão sobre as decisões do primeiro. A definição da guarda unilateral é medida excepcional e ocorre apenas em casos em que um dos genitores opta por entregar tais responsabilidades ao outro ou quando a relação entre as partes está tão deteriorada, que a discussão sobre a vida dos filhos torna-se impraticável.

2- Na guarda compartilhada, as crianças devem morar ora com a mãe e ora com o pai?
Não. Aqui há confusão entre dois instintos: guarda e residência. A guarda define o dever de cuidado e de administração da vida dos filhos, mas nada diz sobre a residência ou com quem as crianças devem morar.

Dá-se o nome de "residência alternada" para o modelo em que os menores moram ora com o pai e ora com a mãe, mas essa dinâmica não possui previsão legal, nem qualquer relação com a guarda compartilhada, além de ser alvo de duras críticas por psicólogos especializados em comportamento infantil. Isso porque essa solução busca dar direitos iguais aos pais que já não possuem um bom relacionamento, mas que acaba por ignorar a necessidade da criança em desenvolver uma sensação de segurança e estabilidade vinculada a um único lar, onde retorna ao final do dia e reencontra o seu espaço.

Por esse motivo, uma vez definido o modelo de guarda, passa-se a definição da residência da criança, elegendo-se então a materna ou a paterna, sem qualquer previsão de alternância.

3- Se a guarda for compartilhada, o outro genitor precisa pagar pensão?
Não é incomum que pais ou mães acreditem que, caso a guarda seja compartilhada, as despesas dos filhos também serão igualmente divididas, dispensando-se a fixação de pensão alimentícia. Trata-se de um equívoco, uma vez que, como já vimos, a guarda trata do dever de cuidado e zelo, não mantendo qualquer relação com as despesas dos filhos.

Nesse caso, o ideal é avaliar com quem os menores moram, uma vez que esse pai ou mãe que tem a criança em sua residência será o responsável por arcar com os primeiros gastos dos filhos com moradia e alimentação. Além disso, é esse genitor que acaba conduzindo a rotina da criança, sendo responsável por pagar outras despesas importantes como transporte, higiene e vestuário. Como se não bastasse, o genitor que mora com a criança acaba tendo maior contato com a escola e com os profissionais que a acompanha, negociando valores, parcelamentos e prazo de pagamento.

Por tudo isso, independente da guarda ser compartilhada, o genitor que não reside com as crianças deve pagar pensão alimentícia ao outro, reequilibrando as contas entre as partes.

4-Se a guarda for compartilhada, os pais devem dividir o tempo dos filhos igualmente?
Apesar da ideia central não estar distante, a lei dispõe que "na guarda compartilhada, o tempo de convívio com os filhos deve ser dividido de forma equilibrada com a mãe e com o pai, tendo sempre em vista as condições fáticas e os interesses dos menores". Ao optar pelo termo mais genérico "equilibrado", o legislador buscou evitar situações em que os pais acabassem por seguir calendário demasiadamente controlado e que isso viesse a se tornar motivo de novos conflitos. Além disso, ao usar a expressão "tendo em vista os interesses dos menores", garantiu clareza na identificação dos verdadeiros benefícios dessa divisão de tempo.



Férias escolares: período facilita a atualização da caderneta de vacinação

Da Redação Algumas atividades sociais, como participar de eventos e ir a locais com muita gente, podem aumentar a disseminação de doenças ...