quarta-feira, 19 de julho de 2017

Escritora andreense participa de sessão de autógrafos nesta sexta-feira

Por Vivian Silva


Dentista há 27 anos, a andreense Elaine Bandini, 52 anos, resolveu enveredar pela área literária e lança o primeiro livro, intitulado “Uma passagem só de ida”, pela Chiado Editora.  Nesta sexta-feira (21), ocorre uma sessão de autógrafos com a escritora na cafeteria The Coffee is on The Table, em Santo André, das 19h às 22h. A obra foi lançada na Livraria Martins Fontes, em São Paulo, no dia 13 de maio. 

Obra foi lançada na Livraria Martins Fontes, em São Paulo | Foto: Divulgação
Para muitos o ingresso da dentista na área literária pode soar estranho, mas Elaine comenta que tudo ocorreu naturalmente, pois ela sempre teve o hábito da escrita: “Eu gosto de escrever e tinha o costume de escrever cartas para os meus amigos, mas eu nunca mostrava... Aí eu fui gostando do que eu escrevia, a princípio, eu não percebi que isso seria um livro”. Então, ela relata que, aos poucos, percebeu que aquele material poderia ser um livro e, assim, começou a se dedicar a este processo criativo no ano passado, que durou cerca de quatro meses até a conclusão do material.

O romance

O livro “Uma passagem só de ida” é uma reflexão sobre a descoberta da própria essência.  A protagonista motivada por uma crise de loucura parte em busca de cura, e durante o processo, encontra-se com seu verdadeiro “eu”. 

Assim, este romance psicológico, escrito em primeira pessoa, privilegia as motivações internas da personagem, nas escolhas e atitudes que determinam seu comportamento. 

Neste primeiro trabalho, o objetivo da autora é alcançar os leitores, mergulhá-los numa atmosfera, na qual o diálogo interior aconteça naturalmente durante a leitura.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Atrium apresenta exposição sobre a cultura do povo Collas

Da Redação

O Atrium Shopping, em Santo André, traz a exposição gratuita "Collas: retratos de uma cultura", que revela a história e a cultura do povo Collas, apresentadas pelas lentes do fotógrafo Arthur Fernandes, junto a entrevistas, vídeos e áudios.

Arte: Divulgação 
A mostra é resultado de uma expedição realizada em 2016, na qual o fotógrafo saiu de São Bernardo do Campo para o noroeste da Argentina. Foram dois meses de jornada, 13 mil quilômetros rodados e mais de cinco mil fotos. Fernandes conviveu com os povos nativos da cultura Collas e registrou paisagens da região desértica dos Andes e também das úmidas florestas da baixa cordilheira. A curadoria da exposição foi realizada pelo bibliotecário e iconógrafo andreense, Daniel Andrade.

O Atrium Shopping fica na Rua Giovanni Batistta Pitelli, 155. A exposição fica em cartaz no piso térreo e pode ser visitada até 30 de julho. Mais informações podem ser obtidas pelo portal ou pelo telefone 3135-4500.

Sobre os povos Collas

Os Collas são originários da região onde mais tarde seria fundada a Bolívia, território que antes era chamado de Collasuyo. Formaram parte do império Inca e se estabeleceram prioritariamente no noroeste argentino e no norte do Chile.

Hoje, vivem do plantio de batatas, milhos, da criação de lhamas, alpacas, ovelhas e também trabalham em empresas de mineração. Assim como outros povos nativos da América Latina, sofrem com a discriminação da sociedade hegemônica e com o abandono por parte de seus governantes, vivendo de forma marginalizada em territórios mínimos de países que antes ocupavam em sua totalidade. Como herança do império Inca, os Collas mantêm até hoje os costumes alimentícios, de transporte e trabalhos artesanais, porém, de forma mais dissolvida nos costumes que os imigrantes trouxeram da Europa.


Feira Sabor Nacional reúne pequenos produtores

O Grupo FEM e o Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, se unem para realizar a 4ª edição da Feira Sabor Nacional. A feira gastronômica de pequenos produtores nacionais ocorre no terraço e jardim do museu, com expositores, praça de alimentação e oficinas gratuitas. O evento ocorre em 29 e 30 (sábado e domingo)de julho, das 10h às 20h, com entrada gratuita. 

Feira ocorre no Museu da Casa Brasileira | Foto: Divulgação Grupo FEM
Com o objetivo de retomar a tradição da cozinha brasileira, o evento une a cadeia de pequenos produtores de alimentos, bebidas e acessórios culinários diretamente ao consumidor final, com isso, fomenta  o consumo consciente e valoriza as receitas, temperos, cores e sabores nacionais.

A Feira Sabor Nacional contará ainda com palestras e oficinas sobre os novos olhares da gastronomia. Confira a programação abaixo. 


29 de julho, sábado
- 12h: Contação de histórias sobre alimentação – Associação Viva e Deixe Viver.
- 14h30: Chocolates artesanais produzidos em moinhos de pedra, com degustação – Claudia e Bruno Lasevicius, da Casa Lasevicius.
- 16h: Queijos artesanais paulistas: tradição ou inovação? – Heloisa Collins, do Capril do Bosque.

30 de julho, domingo
- 12h: Contação de histórias sobre alimentação – Associação Viva e Deixe Viver.
- 14h30: Projeto Memória, Sabor e Som – Marina de La Riva, da La Reina.
- 16h: Mão na massa, aprenda a fazer massa caseira – Paulo Zocchio, da Casa Di Zocchio. 

O Museu da Casa Brasileira fica na Avenida Faria Lima, 2.705, em São Paulo. Para mais detalhes sobre a feira clique aqui.  

Excesso de ciúme pode prejudicar o relacionamento

Da redação

Há quem diga que o ciúme é necessário para o casamento, já que é uma maneira de demonstrar preocupação e interesse pelo outro. Por outro lado, pode ser difícil dosar esse sentimento de forma tão equilibrada. Portanto, até que ponto o ciúme é normal e em que momento ele se torna patológico?

Ciúme patológico deve ser tratado | Foto: Reprodução
Segundo Marina Simas de Lima, psicóloga, terapeuta de casais e cofundadora do Instituto do Casal, o ciúme pode ter significados diferentes para cada pessoa. “Para alguns pode representar falta de confiança, para outros pode representar cuidado um pelo outro. Em alguns casos pode aumentar a libido ou, contrariamente, produzir raiva e afastamento. O mais importante é compreender a relevância dele para a relação, se está baseado em fatos reais e se sua função é positiva, gerando aproximação do casal e reconexão, ou afastamento e destruição”, comenta Marina.

Ciúme patológico é sempre ruim
Para Denise Miranda de Figueiredo, psicóloga, terapeuta de casais e cofundadora do Instituto do Casal, quem apresenta o ciúme patológico quer ter absoluto controle sobre o outro. “Além do desejo de controle total sobre o outro, o ciumento patológico se preocupa com os relacionamentos anteriores, tem pensamentos obsessivos e fica remoendo pensamentos e sentimentos o tempo todo. E o ciúme não vem sozinho: surgem vários sentimentos ao mesmo tempo, como ansiedade, tristeza, raiva, vergonha, culpa e insegurança. O ciumento patológico é uma bomba relógio prestes a explodir e vivencia o amor de uma maneira totalmente distorcida”, explica Denise.   

A origem do ciúme patológico
Normalmente, o ciúme patológico está ligado a uma baixa autoestima, insegurança e até mesmo a experiências de traições de relacionamentos anteriores. Denise comenta que um estudo publicado em 2013, pelo Instituto Karolinska, da Suécia, mostrou que 30% dos casos de ciúme patológico são genéticos e os demais seriam influenciados por fatores ambientais. Assim, quem passa por isso precisa buscar ajuda, porque quando não tratado, o ciúme patológico pode levar a desfechos trágicos.

As terapeutas apontam cinco comportamentos que podem representar o ciúme patológico:

1. Controle total: O ciumento patológico controla a roupa, determina quais os lugares que podem ser frequentados, com quem pode falar, etc.

2. Efeito surpresa: Faz aparições repentinas e inesperadas no trabalho, na faculdade/escola, na academia, etc. A ideia é “pegar” o outro em flagrante.

3. Acesso irrestrito: Por exigência e insistência, tem acesso a todas as senhas, acessa mensagens, celular, checa e-mails, vê o histórico de ligações, etc.

4. Afastamento social: Proíbe o (a) parceiro (a) de frequentar lugares sozinho (a) e afasta quem pode ameaçar o relacionamento, como amigos e familiares.

5. Agressão física e verbal: Num último estágio, o ciumento patológico pode chegar a agredir (o) parceiro (a), tanto física, como verbalmente.

Quando é hora de procurar ajuda
“Uma boa relação é baseada na confiança, no diálogo franco e na liberdade de expressão. Se você se sente tolhido (a), converse com seu parceiro (a), estabeleça limites e busquem juntos estabelecer a confiança de forma a poder expressar um para o outro o que sentem nos momentos de insegurança e que se sentem ameaçados. Isso já é um bom começo”, aconselha Marina. 


terça-feira, 11 de julho de 2017

Viagem: Rota do whisky

Da redação

A Escócia é um destino que tem ganhado destaque na Europa. Rica em história e paisagens pitorescas, guarda também a produção do whisky mais tradicional do mundo, com cinco regiões produtoras: Campbeltown, Highlands, Lowlands, Speyside e Islay. São mais de 100 destilarias em funcionamento em todo o país, com cerca de 40 delas concentradas em Speyside. Por isso, visitar a região é a opção ideal para os amantes da bebida. Confira aqui o que fazer por lá, com dicas elaboradas pela Snew Travel, agência que realiza o roteiro regularmente com acompanhamento do especialista em bebidas Cesar Adames.

Roteiro da viagem inclui, claro, degustação da bebida | Foto: Divulgação
A sugestão inclui também passagem por Edimburgo, visitas a seis destilarias, passeios a castelos, visita à Scotch Whisky Experience e, ainda, períodos livres para explorar a região.

Speyside

Onde se hospedar?
Com chegada pelo aeroporto de Inverness, capital da famosa região das Highlands, uma boa opção é se hospedar em Elgin, cidade bem localizada para explorar Speyside. Aproveite o dia do desembarque para dar uma volta pela região. É bom partir para as destilarias depois de uma boa noite de sono, afinal, boas doses vêm por aí!

Destilarias
O que não faltam são opções de destilarias para visitar. Tudo vai depender do seu tempo de viagem e disposição. Algumas das que não podem ficar de fora da sua lista são: Strathisla, conhecida como "a Casa de Chivas", Glenfiddich, que por muitos anos foi a marca de single malts mais vendida em todo mundo e ocupa hoje a segunda posição, Glen Moray, pioneira na maturação em barris que já tiveram outras bebidas, Macallan, considerada por muitos o Rolls Royce dos single malts escoceses por sua elegância e sabor marcante, Cardhu, que destina cerca de 75% de sua produção para a linha Johnnie Walker, e Glenlivet, detentora do título de marca mais vendida de single malts em todo o mundo e conhecida por sabores suaves e florais.

Nelas, o visitante será apresentado aos termos básicos que permeiam a produção de um whisky e, claro, degustará produtos de cada uma delas. Por isso, para deslocar-se na região, é aconselhável contar com uma van com guia.

Aproveite e conheça mais
Entre uma destilaria e outra não faltam pontos de parada. Aproveite os percursos para visitar pontos como o Knockando Wool Mill, um antigo moinho de lã que produz os tradicionais tecidos na estampa Tartan da Escócia, e o castelo de Ballindalloch, rico em história e jardins floridos. 
  
Edimburgo

Onde se hospedar?
São aproximadamente 3 horas e meia entre Speyside e a capital da Escócia. Vale esticar até lá! Uma boa pedida é hospedar-se na Royal Mile, principal via do centro histórico da cidade, conhecido como Old Town. A região preserva os aspectos da vila medieval que foi um dia.

O que visitar
De Royal Mile, é possível explorar a pé as maiores atrações da cidade: Igreja de St. Gilles, Castelo de Edimburgo e Scotch Whisky Experience, sendo esta última uma atração imperdível para quem está traçando a rota do whisky: após algumas explicações animadas, conduzidas por um holograma de um "Ghost Host", é possível apreciar a maior coleção de garrafas de whisky do mundo, com mais de 3500 exemplares diferentes! Após a visita, há a tradicional degustação de alguns rótulos.

E os pubs da cidade! O The White Hart Inn, o mais antigo da cidade (aberto desde 1516), ou o The Last Drop Pub, ambos situados no Grassmarket, são ótimas opções. 

New Town, considerada uma obra-prima de planejamento urbano, também não pode ficar fora de seu roteiro. Lá você poderá explorar lojas, parques e construções em estilo Neoclássico. Há, ainda, o Scott Monument, um tributo ao mais famoso autor escocês, Sir Walter Scott (1771-1832), que é uma torre em estilo gótico vitoriano, com 60,9 metros de altura (o maior do mundo em homenagem a um escritor).

Para os que quiserem esticar a viagem, há a opção de incluir a visita às demais regiões produtoras de whisky da Escócia ou, ainda, aproveitar para esticar nos países ao redor, como Inglaterra e Irlanda.

A Snew Travel promoverá uma nova rota do whisky em setembro. Na viagem, os participantes visitarão seis destilarias na região de Islay, também na Escócia, e o Whisky Show em Londres, um evento com mais de 600 amostras para degustação, food-pairings, cocktails, mini-masterclasses, entre outras coisas.

Hábitos saudáveis contribuem para aumentar resiliência conjugal

Da redação

A resiliência tem sido objeto de estudos da psicologia e da neurologia há várias décadas. Mais recentemente, os especialistas começaram a estudar a resiliência no âmbito das relações familiares e do casamento. 

Aumentar a resiliência pessoal eleva também a resiliência no casamento | Foto: Reprodução  
Segundo Denise Miranda de Figueiredo, psicóloga, terapeuta de casal e família e cofundadora do Instituto do Casal, o casal resiliente é aquele capaz de recuperar o equilíbrio conjugal em situações de estresse, saindo fortalecido da experiência e com novos recursos para enfrentar as adversidades futuras. Além disso, há um bom vínculo emocional entre os parceiros, que por consequência se querem bem, se respeitam e trabalham em prol de objetivos em comum.

Uma das novidades em resiliência familiar, trazida com exclusividade pelo Instituto do Casal, diretamente do Chicago Center for Family Health, nos Estados Unidos, é a premissa de que quando você aumenta a sua resiliência pessoal, isso impacta para elevar a resiliência no casamento.

"Participamos na última semana de junho de um curso de capacitação voltado para relacionamentos e psicoterapia, em Chicago, nos Estados Unidos. Tivemos a oportunidade de acompanhar a palestra da Froma Walsh, uma das pesquisadoras e especialistas em resiliência familiar. Foi muito interessante entender que na medida em que nos propomos a cuidar bem de nós mesmos e a fazer coisas diferentes, a tendência é ampliar a nossa resiliência dentro do casamento", explica Marina Simas de Lima, psicóloga, terapeuta de casal e família e cofundadora do Instituto do Casal.

Segundo as especialistas, esses cuidados vão desde hábitos saudáveis, como fazer atividade física, se alimentar bem, dormir bem, como também buscar atividades que trabalharão  a neuroplasticidade, ou 
seja, a capacidade do cérebro para criar novas conexões a partir de experiências inéditas.

Como praticar a resiliência no casamento?
"O casal precisa promover crenças positivas a respeito dos problemas. As crenças devem levar à recuperação e ao crescimento. A perspectiva positiva também pode vir da esperança, da visão otimista e da confiança de que os obstáculos serão vencidos. A resiliência pode ser reforçada pela conexão (vínculo emocional), reconexão e reparação constantes dentro da conjugalidade, o que contribui para ampliar o apoio mútuo e o compromisso entre os parceiros", comentam as terapeutas.  

Dicas para colocar em prática
•Compartilhe as informações e aprenda a negociar conflitos: Quando houver um problema, o casal deve sentar e falar sobre o assunto e discutir as expectativas de solução para cada um. Isso contribui para a construção de significados que podem ser compartilhados, facilitando a tomada de decisão. Os casais resilientes pensam conjuntamente sobre os problemas e possíveis resoluções. Buscam opções e recursos em um processo partilhado para tomarem decisões. É preciso desenvolver a capacidade de escuta, negociação e reciprocidade.

•Expresse suas emoções de forma aberta: A confiança entre o casal motiva e reforça a possibilidade de compartilhar as emoções e sentimentos de forma honesta, respeitando o tempo de cada um, as necessidades e diferenças individuais, fortalecendo espaços para desenvolver a empatia entre os parceiros dentro do casamento.

•Cuida da saúde: Procure manter um estilo de vida saudável, que envolve uma alimentação equilibrada, prática de atividades físicas, cuidados com a saúde em geral, inclusive a mental, boa qualidade de sono e atividades de lazer.

•Malhe o cérebro: Para que o cérebro faça novas conexões entre os neurônios precisamos fazer as coisas de maneira diferente ou fazer coisas que nunca fizemos. Por exemplo, mudar o caminho para o trabalho, escovar os dentes com outra mão, estudar uma nova língua, etc.

Café pode ajudar no emagrecimento e na prática de exercícios

Da redação

Há inúmeros benefícios no consumo do café. A novidade é que ele pode dar um empurrãozinho para quem quer perder de peso. Segundo a pesquisa da Universidade de Ciência e Tecnologia de Huazhong, na China, a cafeína – principal estimulante presente no café, ajuda a queimar calorias, aumentando a liberação de oxitocina. Esse hormônio afeta tanto o apetite como o metabolismo, dois pilares bem importantes para o emagrecimento. Em testes feitos com camundongos acima do peso e que receberam altas doses de cafeína, foi observado que os animais conseguiram emagrecer.

Cafeína ajuda na queima de calorias | Foto: Reprodução
No Brasil, a novidade é a tricafeinada e com óleo de coco. Segundo o fundador do café Dark Poison, George Arliani, que endossa a pesquisa e promete ajudar quem quer perder peso e praticar atividade física, “a combinação de Dark Poison com óleo de coco deu origem a uma bebida encorpada, saborosa e aromática”.

Como funciona?
Arliani conta que “o Dark Poison Bulletproof Coffee possui uma substância que auxilia na redução dos níveis de glicose e, desta forma, o corpo queima gordura no lugar para conseguir energia, acelerando a perda de peso e proporcionando ótimos efeitos no cérebro”, explica. Além do mais, o produto ajuda a manter a saciedade, reduz a fome, estimula o corpo e a mente e aumenta a queima de gordura. “A gordura saturada suporta a queima lenta de gordura, as triglicérides de cadeia média promovem a termogênese, acelerando o metabolismo, e o café aumenta a queima de gordura”, explica.

Ao pé da letra, Bulletproof Coffee quer dizer um café à prova de balas. A bebida é resultado de uma mistura entre café e óleo de coco. “Mas tem que ser um café livre de micotoxinas, substâncias químicas tóxicas produzidas por fungos e óleo rico em triglicérideos de cadeia média, como o óleo de coco”, diz Arliani. 

A receita promete três vezes mais energia por conta da quantidade da cafeína (2,5%) e muito mais sabor, porque lembra um latte com espuma. O Dark Poison Bulletproof Coffee é a única empresa que detém a fórmula em cápsulas para cafeteiras no Brasil, o que facilita o processo dispensando o manuseio dos produtos. 

Recomendações
O café deve ser associado a uma dieta regular e à prática de atividade física. Arliani recomenda que seu uso seja feito antes da prática de exercícios físicos, pois a cafeína estimula o sistema nervoso central proporcionando uma maior resposta de endorfinas, tornando o exercício mais prazeroso, além de aumentar a resistência do indivíduo. “O café é cheio de antioxidantes que ajudam no combate aos radicais livres e contêm compostos, como ácido clorogênico, que são associados com proteção ao diabetes tipo 2”, comenta. 


sexta-feira, 7 de julho de 2017

Inibidores de apetite: efeitos colaterais são maiores do que a perda de peso

*Por Daniela Müller

Semana passada, a Câmara dos Deputados liberou três inibidores de apetite muito populares no Brasil: anfrepramona, femproporex e mazindol. Essas substâncias tinham sido vetadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, em 2011, sob a alegação de que os riscos à saúde são maiores que os benefícios. Agora o assunto volta à tona e, ao que parece, questões políticas parecem se sobrepor aos interesses dos maiores prejudicados com essa decisão: os pacientes.



A obesidade é um dos problemas mais graves da atualidade. Estima-se que uma em cada três pessoas no mundo esteja acima do peso. São cerca de 2,1 bilhões de pessoas. O número de obesos ou com sobrepeso cresceu 70% em três décadas. O Brasil é o quinto país mais “pesado” do mundo, com 26,2 milhões de pessoas, sendo 11,7% dos homens e 20,6% das mulheres. Um nicho e tanto para as indústrias farmacêuticas fazerem riqueza com substâncias que prometem um emagrecimento rápido e livre de sacrifícios.

Contudo, o que parece milagre logo revela efeitos colaterais devastadores. Quem conhece alguém que já tomou inibidores de apetite sabe que uma das maiores reclamações é o efeito rebote. O paciente, sem fome, reduz drasticamente a ingestão de calorias e perde peso rapidamente. No entanto, quando o tratamento é interrompido, o ganho de peso é quase que imediato e, na maioria das vezes, os ponteiros na balança tendem a subir ainda mais. Em vez de perder peso, a médio prazo, o paciente acaba é ganhando.

Além disso, esse tipo de medicamento pode induzir a doenças cardiovasculares e transtornos psicológicos, já que essas substâncias afetam diretamente o sistema nervoso central. Os prejuízos são tão grandes que o manzidol está suspenso nos Estados Unidos e na Europa desde 1999. O femproporex jamais foi autorizado nos Estados Unidos e está banido da Europa também desde 1999. A anfepramona ainda é permitida nos Estados Unidos, mas está proibida na Europa.

O grande cerne da questão é que a obesidade precisa ser levada mais a sério tanto pelos pacientes quanto pelos médicos e autoridades competentes. Ter um corpo saudável requer cuidados com alimentação e atividade física permanentes. Lógico que há produtos que atuam como importantes coadjuvantes nessa luta, como é o caso dos suplementos alimentares nutracêuticos. Baseados em pesquisas científicas e novas tecnologias, eles são compostos por extratos de plantas, frutas, algas e sementes com princípios ativos capazes acelerar o metabolismo de forma natural e muito mais saudável.

Como não são “milagres” da poderosa indústria farmacêutica, esses suplementos tem resultados um pouco mais lentos que as anfetaminas, porém com a vantagem de ser uma eliminação permanente e não uma perda momentânea. Se com anfetamina um paciente consegue emagrecer cerca de dez quilos por mês, com os nutracêuticos associados à uma pequena reeducação alimentar e uma curta rotina de exercícios físicos, é possível eliminar de forma definitiva em torno de cinco quilos por mês.

O caminho pode ser mais longo, mas a recompensa, sem dúvida, é muito maior. O paciente ganha saúde e não apenas perda de peso. Com simples mudanças de hábito é possível ganhar não apenas um corpo mais bonito como muito mais saudável, livre dos efeitos colaterais das anfetaminas. Quando as pessoas finalmente entenderem que saúde se conquista no dia a dia, esse tipo de medicamento não terá espaço nas casas de quem procura qualidade de vida de verdade.  

*Daniela Müller é farmacêutica da Idealfarma, empresa que dedica-se à fabricação e distribuição de extratos nutracêuticos, fitoterápicos, cápsulas gelatinosas e suplementos.

Dentista esclarece dúvidas sobre o mau hálito

Que o mau hálito é desagradável e gera muitos constrangimentos não há dúvidas. O dentista Luciano Teodoro Eleotério, membro indicado da Associação Brasileira de Halitose (ABHA), explica quais são os cinco questionamentos mais comuns apresentados pelos pacientes. No Brasil,  aproximadamente 57 milhões de pessoas sofrem com esse problema.

Equipamento OralChroma é capaz de medir os gases causadores do mau hálito  | Foto: Reprodução
1 – É possível descobrir se você tem mau hálito exalando sobre a mão em forma de concha?
Luciano Teodoro Eleotério (LTE) - Sim, é possível determinar a presença de mau hálito usando esta técnica. No entanto, isso só pode funcionar se sua halitose é muito grave. A verdade é que identificar seu próprio mau hálito é muito difícil, porque seu nariz está conectado à sua boca. Como tal, muitos odores internos podem ser rastreados, incluindo o mau hálito. Na dúvida, a recomendação é procurar um dentista capacitado no diagnóstico e tratamento.

2 - O mau hálito vem do estômago?
LTE - Não necessariamente. Embora seja possível que o mau hálito possa resultar de distúrbios digestivos, representa de 1 a 2% dos casos de mau hálito. Atualmente, já existem equipamentos que identificam os gases gerados da halitose em questão de minutos. Com esse diagnóstico, é mais fácil e rápido tratar o problema.

3 - O mau hálito pode ser evitado por escovação e uso de fio dental regulares?
LTE - Esta é uma maneira muito simples, mas muito eficaz de evitar o mau hálito. Entretanto, a higienização da língua com um raspador específico ajuda a eliminar a placa bacteriana formada sobre a língua evitando assim o mau hálito. Limpadores de língua podem ser encontrados em farmácias e supermercados.

4 - O mau hálito pode ser eliminado usando enxaguante bucal?
LTE - Não. Infelizmente, esses produtos dentários apenas dão uma solução temporária ao problema de halitose. Alguns deles podem até agravar a situação no longo prazo. Para eliminar de vez o mau hálito, é recomendável procurar um profissional capacitado no diagnóstico e tratamento da halitose, para saber a causa e o tratamento ideal para cada caso.

5 - Comer certos alimentos pode causar mau hálito?
LTE - Mais uma vez, isso depende de vários outros fatores. Por exemplo, todos sabem que comer cebolas ou alho pode deixar um cheiro desagradável na boca que algumas pessoas podem chamar de mau hálito. No entanto, este é apenas um odor temporário e não é mesmo que ter halitose. O mesmo vale para alimentos ricos em enxofre, como o repolho. Nestes casos, é possível ter mau hálito, após a refeição, mas irá desaparecer rapidamente, especialmente se for realizada a escovação dos dentes imediatamente após a refeição

Dicas para o hálito fresco
O dentista explica que para manter o hálito fresco, alguns cuidados são importantes. Um deles é evitar enxaguantes que tenham algum tipo de álcool entre seus ingredientes. Esses produtos causam boca seca, o que incentiva o crescimento de bactérias localizadas dentro da cavidade bucal que produzem o mau hálito.
Evite também ficar longos períodos em jejum e beba água durante o dia, no mínimo um litro e meio. Quando for fazer a higiene bucal, não esqueça de dar uma atenção à língua, usando um raspador específico para isso. E o mais importante: consulte um dentista periodicamente. A recomendação é a cada seis meses.

Como tratar a halitose
Para reduzir o número de casos de halitose e oferecer mais saúde e bem-estar aos pacientes, a tecnologia é uma aliada dentro dos consultórios odontológicos. Uma das mais recentes novidades nesse campo é um aparelho (conhecido como OralChroma) que mede, em apenas oito minutos, os níveis dos três diferentes gases causadores do mau hálito.

Eleotério ressalta que a halitose pode ser um sinal de que algo no organismo está em desequilíbrio, por isso a necessidade de ser identificado e tratado adequadamente. 

Avise o amigo
Você conhece alguém que sofre com a halitose e quer dar aquela dica para ele procurar um profissional, mas sem gerar constrangimento? Eleotério criou uma ferramenta aliada no combate ao mau hálito: é o site Avisa o amigo (www.avisaoamigo.com.brwww.avisaoamigo.com.br), no qual  é possível alertar a pessoa que tem halitose anonimamente via e-mail.

Ela receberá uma mensagem falando sobre o assunto e orientando a procurar tratamento. “Como esse problema acaba constrangendo as pessoas, é difícil falar diretamente sobre o assunto, então criamos essa ferramenta para auxiliar”, conta o dentista.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Qualquer quantidade de álcool na gestação pode gerar danos ao bebê

Da redação

Muitas mulheres questionam se é permitido ingerir bebida alcoólica na gravidez.  A pediatra Ana Laura Kawasaka, do portal Saúde4Kids, explica a relação do álcool com o desenvolvimento da criança e ressalta que a bebida alcoólica na gravidez é a principal causa de defeitos congênitos e alterações neurológicas.

feto não tem enzimas suficientes para metabolizar o álcool | Foto: Divulgação
A pediatra afirma que a única quantidade segura de álcool para uma gestante é zero. “Não existe nível de consumo que não possa causar dano fetal. O álcool atravessa a barreira placentária e em 1 hora o nível no sangue do bebê é igual ao materno. E o feto não tem enzimas suficientes para metabolizar teor alcoólico. Ele prejudica o transporte de nutrientes para o bebê, diminui a oxigenação da placenta e pode interferir no desenvolvimento das células do sistema nervoso”, explica a médica.

Além disso, pode causar desde restrição no crescimento até alterações faciais, neurológicas, cardíacas, renais e esqueléticas. Já os distúrbios relacionados ao neurodesenvolvimento podem se caracterizar pelo baixo desempenho escolar ou dificuldade de interação social.

De acordo com a pediatra, estima-se que 30% a 50% das mulheres usuárias de álcool na gravidez terão filhos com alguma alteração do desenvolvimento. A Academia Americana de Pediatria também defende que durante a gestação nenhuma quantidade de ingestão de álcool é segura, seja cerveja, vinho ou destilado.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Quedas de idosos: entenda os riscos

A população idosa vem crescendo no mundo inteiro e com isso as fraturas em idosos aumentam consideravelmente também, levando a uma grande ocupação de leitos hospitalares. Segundo o estudo da Ipsos Public Affairs, que mostra as atitudes globais para saúde, em 2050, pela primeira vez na história, o percentual de pessoas com mais de 60 anos de idade será maior que o percentual de pessoas com menos de 15 anos.



O médico ortopedista e traumatologista do Hospital Dom Antonio de Alvarenga, Willian Martins Ferreira, explica que uma das causas de mortes em idosos (acima de 65 anos) acontece após fraturas de fêmur. De acordo com o especialista, estas fraturas geralmente são causadas por traumas de baixa energia (quedas) e em geral em ambiente doméstico. “Estes pacientes geralmente são portadores de outras doenças também como diabetes, hipertensão arterial sistêmica, câncer, demências entre outros, o que leva a complicações ocasionando a morte após os traumas”.

“Os idosos possuem fraquezas musculares, demências, sequelas de degeneração articular, osteoporose (fragilidade óssea) e tudo isso associado a espaços com obstáculos como tapetes, móveis, pisos escorregadios e molhados, ausência de corrimão, escadarias inseguras, etc facilitam as quedas e consequentes fraturas”, descreve o ortopedista e traumatologista.
As fraturas mais frequentes nos idosos ocorrem no punho, no terço proximal do úmero (fraturas do ombro), nas vértebras da coluna lombar ou torácica, no colo do fêmur ou na região intertrocantérica, na bacia, além de fraturas patológicas que acontecem especialmente nos casos de doenças ósseas, como cisto ósseo, câncer ósseo, osteoporose.

Dicas para prevenção
Para prevenir as temidas quedas no ambiente doméstico, Ferreira alerta que muitos cuidados devem ser tomados a fim de evitar lesões leves e graves. “Evitar deixar os idosos sozinhos, diminuir os obstáculos em casa, colocar barras laterais de apoio no banheiro, fazer a correta adaptação do vaso sanitário, não deixar pisos escorregadios e molhados, instalar corrimão pela casa, deixar as escadarias seguras, ter iluminação adequada e eliminar tapetes e carpetes são algumas atitudes que ajudam os idosos na locomoção mais segura”.

Ainda, de acordo com o especialista, é importante que ruas e calçadas também estejam conservadas e apropriadas para caminhar. Além disso, o médico reforça a importância de ações de conscientização da população como campanhas públicas e ou privadas, manuais com orientações em postos de saúde, visitas domiciliares entre outras.

O cuidado com a saúde também é fundamental. “Manter a saúde em dia e cuidar das doenças de base como diabetes, hipertensão, artrose dos joelhos, tireoidopatias, labirintites e demências, por exemplo, é essencial para uma vida saudável”, finaliza, Willian Martins Ferreira, ortopedista e traumatologista do Hospital Dom Antonio de Alvarenga.

Lesões na medula espinhal aumentam no verão

Da redação Sol, calor e muita diversão, com banhos de mar, piscina, rio e cachoeira podem se transformar em um problema de saúde grave,...