quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Especialista lista dicas para cumprir as principais resoluções de ano novo

Da Redação

Janeiro é uma época marcada pelas resoluções de ano novo. Naturalmente somos instigados a refletir a cerca de muitas coisas e, inclusive, em relação aos hábitos de vida. Uma pesquisa realizada pela Universidade de Scranton (Pensilvânia) mostrou que apenas 8% das pessoas atingem suas metas de ano novo, afinal, abandonar velhos hábitos pode não ser tão simples. O cardiologista Diego Garcia lista oito passos importantes para quem deseja cumprir as resoluções de ano novo e adotar práticas mais saudáveis.


É difícil um hábito mudar do dia para a noite, para facilitar é importante estabelecer um período de adaptação |  Imagem: Freepik
1. Reconhecimento: trata-se de avaliar com cuidado a situação atual da sua vida, identificar hábitos prejudiciais e tomar ciência de quais praticas precisam ser adotadas. "Tome um tempo, fique sozinho, comece a pensar e anote tudo", comenta Garcia.

2. Prioridade: antes de tudo, é preciso definir se realmente a saúde é uma prioridade. Não adianta saber que precisa mudar, mas não tomar nenhuma iniciativa. Para mudar hábitos é preciso de tempo e esforço, se não for uma prioridade, ela será interrompida nos primeiros obstáculos. "Se, por exemplo, existe a vontade de praticar uma atividade física, mas a prioridade é o trabalho, você pode organizar melhor o tempo e começar um esporte próximo ao trabalho", aconselha o cardiologista.

3. Estabelecer metas reais e palpáveis: é difícil um hábito mudar do dia para a noite, para facilitar é importante estabelecer um período de adaptação, de acordo com o desejo. "Se você não faz nada de atividade física há anos, começar a fazer Cross Fit 5x na semana pode ser complicado", avalia Garcia. Nesse caso, o ideal é começar uma atividade física leve a moderada intensidade e ir aumentado a intensidade e a frequência conforme tolerância.

4. Verificar seu mindset: mindset, de forma simplificada é uma mentalidade (programação mental), ou seja, um conjunto de pensamentos e crenças que existem dentro da nossa mente e que determina sentimentos e comportamentos. O cardiologista diz que é preciso se libertar de pensamentos limitantes baseados em experiências passadas que podem causar auto sabotagem. "Precisamos nos livrar deste tipo de pensamento sabotador, acreditar que é possível mudar e nos abrir para a transformação, por mais difícil e doloroso que seja", afirma o especialista.

5. Buscar ajuda especializada: após verificar o que precisa ser mudado, nem sempre dispomos de todo o conhecimento necessário para realizar a mudança que almejamos. Para isso temos que buscar ajuda de profissionais da área em questão para que estes nos auxiliem e nos deem orientações apropriadas. "Não temos que ser durões! Temos que pedir ajuda se necessário, pois isso não é fraqueza! É inteligência", comenta o especialista.

6. Organizar sua rotina: depois de decidir o que precisa ser mudado, é essencial parar um pouco e raciocinar como essa mudança entrará e/ou impactará na sua rotina diária. Por exemplo, decidir como começar a praticar atividade física de forma regular, mas como conciliar com o trabalho ou estudo? Qual o melhor horário?

7. Estabelecer data para o início: Depois de todos os passos citados anteriormente, é preciso definir quando vai começar a mudança, estabelecer uma data, não muito longe é claro. Isso é importante para não postergar a mudança. "Se você decidiu parar de fumar, se organize para procurar ajuda do pneumologista e, então, estabeleça uma data exata para largar o tabaco", indica Garcia.

8. Monitoramento frequente e ajuste: com uma frequência regular, pense em como está a mudança do hábito, se você está atingindo seu objetivo ou se algo não está saindo como você esperava. Se necessário repasse os passos anteriores e ajuste o que for necessário.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Governo de São Paulo lança o aplicativo “SOS Mulher”

Da Redação O Governador João Doria lançou nesta sexta-feira (22) um aplicativo para que mulheres com medidas protetivas concedidas pelo Tr...