segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Tensão pré-menstrual pode ser tratada com alterações no cardápio

Da Redação

A tensão pré-menstrual (TPM) afeta cerca de 80% das brasileiras e conta com 150 sintomas conhecidos, que podem surgir até 15 dias antes da menstruação e cessam completamente com ela, conforme comenta a ginecologista e obstetra, Ana Carolina Lúcio Pereira, de São José dos Campos (SP). A boa notícia é que esses incômodos podem ser tratados de forma bem simples: com alterações no cardápio.
 
Evite os carboidratos simples, que são associados às mudanças de humor, inchaço e fadiga | Foto: Getty Images
“A TPM ocorre porque a produção da serotonina, substância que regula o humor, varia ao longo do ciclo menstrual. Somando à hereditariedade, à sensibilidade individual e à deficiência de vitamina B6, temos um quadro de TPM acentuado”, explica a ginecologista.
 
 Então, a queda na serotonina é responsável por sintomas como irritabilidade e depressão. Já a redução no estrogênio, que ocorre antes da menstruação, causa vasodilatação e dor de cabeça. Por outro lado, após o período fértil, há o aumento da progesterona, que favorece a retenção de líquidos, o inchaço e as dores.

“Os alimentos são grandes aliados no tratamento dos sintomas e na prevenção da TPM”, ressalta Ana Carolina, que dá algumas dicas para reduzir o incômodo do período pré-menstrual:

1 -  Evite os carboidratos simples, que são associados às mudanças de humor, inchaço e fadiga. “Os grãos integrais, além de terem mais fibra e ajudarem na saciedade, ainda são ricos em vitamina B6, que auxilia na síntese da serotonina e na redução da depressão e da irritabilidade”, ensina a médica.

2 - Fibras, como aveia, cereais integrais e leguminosas ajudam a regular o intestino, diminuindo a prisão de ventre e o edema de abdômen.

3 - Banana, nozes e castanhas são ricos em triptofano, que ajuda na produção de serotonina.

4 - Alimentos que melhoram a diurese, como melão, melancia, morango, aipo, chuchu, alface, pepino e chás sem cafeína (hortelã, erva doce, camomila etc.) ajudam a combater o inchaço.

5 - Reduzir o consumo de alimentos ricos em cafeína, como café, chá preto, chocolate e refrigerantes, diminuem a irritabilidade, a dor de cabeça e a dificuldade para dormir.

6 - Alimentos ricos em ômegas 3 e 6, como salmão, atum, azeite extravirgem e linhaça, ajudam a reduzir a inflamação e as dores.

“A vontade de comer alimentos mais açucarados se dá por causa da queda da serotonina. Os doces não são proibidos, mas devem ser consumidos com moderação, porque podem engordar e até mesmo atrapalhar a saúde. A chave é a moderação”, finaliza a especialista.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nutricionista fala sobre a importância da vitamina C e alerta sobre a suplementação

Redação Muitas pessoas consomem a vitamina C na prevenção de gripes e resfriados. Mas segundo a nutricionista Juliana Vieira, estudos comp...