terça-feira, 27 de novembro de 2018

Livro traz os bastidores de um dos maiores escândalos de corrupção do Brasil

Da Redação

O livro Se não fosse o Cabral (selo Tordesilhas), escrito pelo jornalista, escritor e vencedor do Prêmio Jabuti 2012 (na categoria reportagem), Tom Cardoso, traz com a ajuda de muito humor ácido, o “retrato do homem atrás do corrupto”, como define Alvaro Costa e Silva em sua apresentação do livro.  A obra extrapola os relatos da gigantesca relação de crimes envolvendo o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e constrói o perfil de um dos mais importantes políticos brasileiros e da máfia que liquidou com os cofres do Estado.

A obra constrói o perfil de Sérgio Cabral, um dos mais importantes políticos brasileiros, e da máfia que liquidou com os cofres do Estado | Imagem: divulgação 
Quem pariu Sérgio Cabral Filho? Como se deu a transformação do estudante de Jornalismo, filho de Serjão, o boa-praça editor de O Pasquim, no político ardiloso e megalomaníaco? Quais foram seus principais mentores e parceiros? Este livro responde essas e outras questões sobre um dos maiores ladrões da nossa história e da rede de políticos que o sustentou.

Mesmo em um país onde a corrupção é endêmica (o primeiro desvio de dinheiro público durante uma obra remonta a 1549, na construção de Salvador, a primeira capital), o autor revela como ninguém se mostrou tão apaixonadamente entregue à tarefa de dilapidar o erário quanto Cabral.

Para escrever a obra, Cardoso entrevistou ex-namoradas, colegas do seu time de futebol na faculdade – o “Canalhas em crise” –, familiares de amantes, organizadores de eventos, entre outros, e detalhe episódios como a Farra dos Guardanapos e a queda do helicóptero que transportava a potencial namorada do governador e a esposa do empreiteiro Fernando Cavendish.

Se não fosse o Cabral revela o Brasil da promiscuidade, do tráfico de influências, da corrupção impune, e a personalidade de um homem sem impedimento moral, sem pudores e disposto a tudo para enriquecer.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Brasileiras ainda vivem na bolha

*Por Priscila Queiroz Relatórios apontam que as mulheres já são responsáveis por 57% dos novos negócios criados no Brasil desde 2016. A...