segunda-feira, 10 de junho de 2019

Educar o paladar infantil é um dos caminhos para reduzir a obesidade

Redação

A mudança do padrão de consumo alimentar e a prática de atividades físicas são alguns dos caminhos para evitar o avanço da obesidade infantil e garantir uma dieta mais equilibrada. Assim, a nutricionista e consultora da Viva Lácteos, Ana Paula Del'Arco, explica que, conforme o conceito dos primeiros mil dias criado pela Organização das Nações Unidas (ONU), educar o paladar da criança até os dois anos de idade pode ser um dos caminhos mais eficientes para a prevenção da obesidade infantil.

A nutricionista Ana Paula Del'Arco destaca que alimentos com açúcar não devem ser oferecidos às crianças menores de dois anos | Foto: reprodução

"A alimentação adequada da mãe durante a gestação, o aleitamento materno e a introdução de uma alimentação complementar balanceada serão determinantes para o crescimento sadio da criança", reforça a especialista. Os lácteos como fonte de nutrientes devem ser introduzidos a partir de um ano de idade e alimentos com alta densidade energética (muitas calorias e poucos nutrientes) devem ser evitados até os dois anos de idade.

Os fatores comportamentais familiares influenciam os hábitos alimentares da criança. Então é importante não estimular a criança com aqueles alimentos que não são apropriados para a idade dela. Caso haja curiosidade da criança em relação à algum alimento inadequado para o consumo, o mais indicado seria distrai-la com outra situação, sem ser necessário proibir o consumo daquele determinado alimento.

A nutricionista relaciona abaixo as principais orientações para educar o paladar das crianças:

1 - Aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade.
2 - Introdução alimentar a partir dos seis meses de idade, quando a musculatura do pescoço já estiver firme o suficiente para dar sustentação e auxiliar na deglutição correta dos alimentos.
3 - Introduzir diferentes tipos de alimentos saudáveis e nutritivos às crianças, com sabores, cores e texturas variadas. A idade e a capacidade de deglutição devem ser consideradas na hora de escolher os alimentos, suas texturas e tamanho.
4 - Crianças costumam ser curiosas. Então é fundamental respeitar e incentivar a curiosidade delas, permitindo que elas explorem o alimento para sentir o cheiro, textura e sabor, mesmo que, para isso, elas façam sujeira.
5 - Não adicionar sal à alimentação das crianças de até um ano de idade.
6 - Não oferecer alimentos com açúcar para crianças menores de dois anos.

Ana Paula ressalta que as preferências do paladar de um indivíduo são formadas até os dois anos de idade, ou seja, tudo o que for oferecido para as crianças como hábito alimentar até essa idade será impresso como memória durante toda a vida do indivíduo. Então a recomendação é oferecer uma dieta variada, com verduras, legumes, frutas, lácteos, carboidratos e proteínas, para que o organismo tenha diferentes fontes alimentares de todos os nutrientes, suprindo assim todas as necessidades nutricionais. Uma dieta balanceada ajuda na prevenção de diversos problemas de saúde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Setembro Vermelho: alerta para os perigos das doenças cardíacas em cães

Redação Com o objetivo de informar os tutores e médicos veterinários sobre os sintomas, métodos de prevenção e tratamento das doenças card...