terça-feira, 4 de junho de 2019

Seus filhos brigam demais? Ajude, mas seja imparcial

*Por Alexandre Pedro

Temos que aceitar o fato: brigas entre irmãos faz parte da vida de qualquer família. Não só é inevitável, como também é um meio de aprendizado sobre relacionamentos e negociações. No entanto, as disputas constantes podem transformar a rotina diária em um verdadeiro caos. Daí, cabe aos pais intervir e disciplinar seus filhos. Mas como ajudar sem parecer que está tomando partido de algum lado?

"Fazer comparações no meio de uma briga, então, só piora a situação", afirma o psicanalista Alexandre Pedro | Foto: divulgação

Evitar os confrontos e ainda ser imparcial pode parecer uma tarefa difícil, mas não impossível. Confira cinco dicas que poderão melhorar a harmonia e a convivência entre seus filhos:

1 – Não rotule e nem compare: até pequenos rótulos colocam mais lenha na fogueira. Se a mãe chama um de "o estudioso", automaticamente entende-se que o outro não gosta de estudar. Fazer comparações no meio de uma briga, então, só piora a situação. É muito comum ouvir “seu irmão está quieto, para de implicar com ele”. Qualquer coisa que você diga a favor de um, vai soar como proteção. E isso só vai alimentar sentimentos ruins, como ciúme, inveja e baixa autoestima.

2 – Reserve um tempo do seu dia para cada um dos filhos: leia um livro para um, ajude na lição do outro. Sua atenção deve ser exclusiva, e a qualidade desse tempo precisa ser igual para todos. Dar atenção separadamente fará com que cada um se sinta seguro e amado de forma única, evitando brigas pela disputa do seu afeto.

3 – Seja mediador, não um juiz: durante uma briga entre os filhos, jamais tome partido de alguém. A rivalidade só vai aumentar. Seu papel é mediar, e não julgar. Traga os dois lados para conversar e ajude-os a chegar a uma solução que seja boa para ambos. Desse modo, não haverá ganhadores ou perdedores, e eles ainda aprendem uma habilidade importante para futuros conflitos.

4 – Não obrigue as crianças a dividir: aprender a dividir é muito importante, assim como aprender a ter limites. Porém, quando a criança é forçada a dividir algo com o irmão, irá assimilar isso como uma coisa negativa, e não vai querer fazer de novo. Ao invés de obrigar a criança a emprestar o brinquedo, tente outra abordagem como "é o brinquedo novo do seu irmão, você terá sua vez quando ele acabar de brincar". O dono do brinquedo se sentirá seguro e, com o tempo, menos possessivo. Assim, o ato de emprestar se tornará natural e espontâneo.

5 – Tolere as crises de raiva: crianças repetem um determinado comportamento que funcionou para elas. Quando os pais cedem às crises de raiva e dizem "dá a vez para o seu irmão agora", estão incentivando a rivalidade entre os irmãos e mostrando que a birra é uma boa tática para conseguir o que quer. Mostre que a crise de raiva não funciona e espere passar sozinha. Ignorar os rompantes pode ser difícil, especialmente em locais públicos. Mas lembre-se que a crise é o meio que a criança usa, temporariamente, para demonstrar sua insatisfação, e não há problema nisso. Aprender a relevar esses pequenos desapontamentos servirá para a vida futura de seus filhos, além de resultar em uma maior tranquilidade em casa.

*Alexandre Pedro é psicanalista pela Sociedade Internacional de Psicanálise de São Paulo; master practitioner de PNL filiado ao NLP Academy; hipnoterapeuta filiado ao International Board of Hipnosys e ao National Guild of Hipnotists. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Brasileiras ainda vivem na bolha

*Por Priscila Queiroz Relatórios apontam que as mulheres já são responsáveis por 57% dos novos negócios criados no Brasil desde 2016. A...